Car­ta da edi­to­ra

Runner’s World (Brazil) - - ÍNDICE - PA­TRI­CIA JULIANELLI, DI­RE­TO­RA DE REDAÇÃO

DDes­de que meu fi­lho nas­ceu, eu nun­ca mais pro­gra­mei o ce­lu­lar an­tes de dor­mir. Fe­li­pe é meu des­per­ta­dor, acor­do no ho­rá­rio de­le, com aque­les olhos gi­gan­tes em ci­ma de mim: “Mamãe, acor­da, va­mos brin­car!”. E as­sim co­me­çam meus di­as, re­ple­tos de mi­cro­de­ci­sões, mui­tas das quais nem per­ce­bo es­tar to­man­do (e, sim, al­gu­mas fei­tas por ele, e não por mim, co­mo meu ho­rá­rio de acor­dar).

O que pre­pa­rar pa­ra o ca­fé da ma­nhã? Vi­xi, não te­mos mais ovos! Mamãe, eu que­ro ajudar a fa­zer a pan­que­ca. Do­na Pa­tri­cia, a tor­nei­ra da pia es­tá va­zan­do. Me­ni­nas, o que va­mos com­prar de Pás­coa pa­ra as pro­fes­so­ras? Nos­sa, pre­ci­so ter­mi­nar es­sa re­por­ta­gem ago­ra. Mãe, vo­cê pre­ci­sa mes­mo tra­ba­lhar? Cin­co mi­nu­tos ca­mi­nhan­do, 15 mi­nu­tos in­ter­ca­lan­do cor­ri­da e ca­mi­nha­da, 45 mi­nu­tos com cor­ri­da mo­de­ra­da e tro­te e cin­co da ca­mi­nha­da. Mal­di­ta fas­ci­te, von­ta­de de dar uns ti­ros nes­sa

es­tei­ra. O que eu vis­to pa­ra a reu­nião? Nor­mal ou adi­ti­va­da, mo­ça? Mãe, ho­je eu não que­ro ir pa­ra o in­glês. Ami­ga, va­mos to­mar uma cer­ve­ja ho­je de­pois do tra­ba­lho? Mas e o lon­gão de ama­nhã...

Das mais cru­ci­ais às mais in­sig­ni­fi­can­tes, são cen­te­nas de mi­cro­de­ci­sões diá­ri­as. Quan­do co­lo­ca­mos a cabeça no tra­ves­sei­ro no fim do dia, o can­sa­ço que ba­te não é ape­nas do tra­ba­lho fei­to no es­cri­tó­rio, em casa e na aca­de­mia, é tam­bém da­que­le re­a­li­za­do in­ces­san­te­men­te den­tro da cabeça. Por is­so que o ge­ren­ci­a­men­to de tem­po tal­vez se­ja o gran­de de­sa­fio da atualidade. Co­mo dar con­ta de tu­do e man­ter o equi­lí­brio fí­si­co e men­tal? Bom, dar con­ta de tu­do eu já de­sis­ti há tem­pos, a ma­ter­ni­da­de aca­ba com es­sa ilu­são pa­ra gen­te. Mas em bus­ca do equi­lí­brio eu si­go fir­me e forte.

E is­so por­que ele se faz ne­ces­sá­rio em vá­ri­as es­fe­ras da nos­sa vi­da, com des­ta­que es­pe­ci­al pa­ra os trei­nos de cor­ri­da. Te­mos que do­sar pra­zer com per­for­man­ce, vo­lu­me com a in­ten­si­da­de cer­ta, tem­po de trei­no com o de la­zer e do tra­ba­lho. O tem­po to­do. A ta­re­fa não é fá­cil, mas há al­guns ca­mi­nhos que são mos­tra­dos na re­por­ta­gem “A equação da cor­ri­da ide­al”, na pá­gi­na 60.

Tam­bém es­tá lon­ge de ser fá­cil man­ter o equi­lí­brio à me­sa. Ah, mas é só fe­char a bo­ca. Ah, mas bas­ta in­ge­rir me­nos ca­lo­ri­as do que gas­ta­mos. Se­ria se fôs­se­mos má­qui­nas e não pes­so­as de car­ne, os­so e múl­ti­plas ques­tões exis­ten­ci­ais. São tan­tos fa­to­res en­vol­vi­dos na equação que ci­en­tis­tas nor­te-ame­ri­ca­nos cri­a­ram um la­bo­ra­tó­rio em que trans­for­mam nós, hu­ma­nos, em co­bai­as de um es­tu­do ex­tre­ma­men­te com­ple­xo. É no cha­ma­do la­bo­ra­tó­rio da gor­du­ra que eles vão mui­to além da fi­si­o­lo­gia e mer­gu­lham fun­do em nos­so com­por­ta­men­to, dan­do va­li­o­sas pis­tas pa­ra con­ci­li­ar­mos pra­zer e boa for­ma. Con­fi­ra na pá­gi­na 68.

Que vo­cê en­con­tre o seu equi­lí­brio e ele se­ja le­ve e na­tu­ral, co­mo a pas­sa­da mais flui­da da­que­le fun­dis­ta qu­e­ni­a­no.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.