Po­der fe­mi­ni­no

COM A IMAGEM DA MU­LHER CA­DA VEZ MAIS FORTALECID­A, MAR­CAS ES­POR­TI­VAS APOS­TAM EM SEU EMPODERAME­NTO

Runner’s World (Brazil) - - ÍNDICE - POR THIENY MOLTHINI

As gran­des mar­cas es­por­ti­vas apos­tam nas mu­lhe­res

“In­ten­si­fi­ca­mos as ações por con­ta da Co­pa do Mun­do pa­ra apoi­ar­mos mu­lhe­res que amam o fu­te­bol mas en­con­tram bar­rei­ras no Bra­sil”, diz Mar­ti­na Val­le, da Ni­ke

“SE MOSTRAMOS emo­ção, so­mos cha­ma­das de dra­má­ti­cas. Se qu­e­re­mos jo­gar con­tra os ho­mens, so­mos lou­cas. E se so­nha­mos com opor­tu­ni­da­des iguais, es­ta­mos de­li­ran­do. Quan­do nos po­si­ci­o­na­mos por al­go, so­mos de­se­qui­li­bra­das. Quan­do so­mos mui­to bo­as, há al­go de er­ra­do com a gen­te. E se nós fi­ca­mos ner­vo­sas, so­mos his­té­ri­cas, ir­ra­ci­o­nais ou es­ta­mos ape­nas sen­do lou­cas. Mas uma mu­lher cor­rer uma ma­ra­to­na era loucura. Uma mu­lher lu­tar bo­xe era loucura. Uma mu­lher fa­zer uma en­ter­ra­da no bas­que­te? Loucura. Trei­nar um ti­me da NBA? Loucura. Uma mu­lher com­pe­tir com um hi­jab, fa­zer his­tó­ria no seu es­por­te, acer­tar um Dou­ble Cork 1080 ou ven­cer 23 Grand Slams, dar à luz um be­bê e de­pois vol­tar pa­ra mais? Loucura, loucura, loucura, loucura e loucura. En­tão, se eles qui­se­rem te cha­mar de lou­ca, tu­do bem. Mos­tre pa­ra eles o que a loucura po­de fa­zer.” Es­sa é a men­sa­gem da cam­pa­nha Dre­am Cra­zi­er lan­ça­da pe­la Ni­ke no co­me­ço des­te ano. No ví­deo, de 1min30, as fra­ses acom­pa­nham ima­gens de mu­lhe­res que que­bra­ram bar­rei­ras no es­por­te, co­mo a te­nis­ta Se­re­na Wil­li­ams e a gi­nas­ta Si­mo­ne Bi­les. O fil­me re­per­cu­tiu na gran­de im­pren­sa e nas re­des so­ci­ais. Até o fe­cha­men­to des­ta edi­ção, o ví­deo ofi­ci­al so­ma­va mais de 9 mi­lhões de vi­su­a­li­za­ções.

As mu­lhe­res vêm con­quis­tan­do – não sem lu­ta – o seu es­pa­ço no es­por­te, e o dis­cur­so do empoderame­nto fe­mi­ni­no é ca­da vez mais forte e pre­sen­te, em to­das as es­fe­ras. Es­se mo­vi­men­to es­tá in­flu­en­ci­an­do a ma­nei­ra co­mo as mu­lhe­res con­so­mem e tam­bém a for­ma co­mo as mar­cas re­a­gem a es­sa voz. “O Dre­am Cra­zi­er – que in­clui a pri­mei­ra atle­ta pa­tro­ci­na­da pe­la mar­ca Mary Dec­ker, em 1978 – é mais uma pro­va do com­pro­mis­so da Ni­ke com as mu­lhe­res. Com o fil­me, qu­e­re­mos re­co­nhe­cer e va­lo­ri­zar al­gu­mas das mai­o­res atle­tas do mun­do

e es­pe­ra­mos tam­bém in­cen­ti­var to­das as atle­tas a cor­re­rem atrás dos seus so­nhos e nun­ca de­sis­ti­rem”, ex­pli­ca Mar­ti­na Val­le, di­re­to­ra de mar­ca pa­ra cor­ri­da e mu­lhe­res da Ni­ke do Bra­sil. Na sua aná­li­se, no Bra­sil há uma des­co­ne­xão mai­or das mu­lhe­res com o es­por­te do que em al­guns paí­ses. “Te­mos mui­tas bar­rei­ras que di­mi­nu­em nos­sa en­tra­da e per­ma­nên­cia no mun­do dos es­por­tes: falta de se­gu­ran­ça, de apoio, de lo­cais pa­ra trei­nar, de re­cur­sos fi­nan­cei­ros e me­do de as­sé­dio são al­gu­mas de­las”, co­men­ta.

Se­gun­do Mar­ti­na, em­po­de­rar mu­lhe­res no es­por­te é uma mis­são da mar­ca há al­guns anos, e es­se apoio de­ve au­men­tar. “A pri­mei­ra mu­lher a ven­cer uma Ma­ra­to­na Olím­pi­ca, em 1984, foi Jo­an Be­noit Sa­mu­el­son, e ela es­ta­va usan­do um mo­de­lo Ni­ke. Fo­mos os pri­mei­ros a de­se­nhar um tê­nis ex­clu­si­vo pa­ra uma es­por­tis­ta: o mo­de­lo de Sheryl Swo­o­pes, em 1995. Nós en­xer­ga­mos a for­ça da mu­lher e sua de­ter­mi­na­ção em su­pe­rar seus li­mi­tes pa­ra atin­gir seus ob­je­ti­vos.”

Ou­tra mar­ca que tam­bém tem se po­si­ci­o­na­do pe­lo apoio às mu­lhe­res no es­por­te é a Re­e­bok. Em 2018, ela lan­çou a cam­pa­nha Wo­men’s Brand Cam­paign e, em 2019, a pro­pos­ta con­ti­nua: em­bai­xa­do­ras da mar­ca in­cen­ti­vam ou­tras mu­lhe­res atra­vés de su­as men­sa­gens. A cam­pa­nha é glo­bal, mas foi adap­ta­da e aqui no Bra­sil con­ta com no­mes co­mo Pa­ol­la Oli­vei­ra e Ca­mi­la Qu­ei­roz. Lá fo­ra, en­tre os no­mes que re­pre­sen­tam a Re­e­bok, es­tão Da­nai Gu­ri­ra (in­tér­pre­te da guerreira Okoye no lon­ga Pan­te­ra Ne­gra), Gal Ga­dot (atriz is­ra­e­len­se que dá vi­da à Mu­lher-ma­ra­vi­lha nos ci­ne­mas), a can­to­ra Car­di B e a es­ti­lis­ta Vic­to­ria Beckham. “A Re­e­bok sem­pre es­te­ve ao la­do das mu­lhe­res ao lon­go do tem­po. Foi de ma­nei­ra gra­du­al, mas aca­bou se tor­nan­do um po­si­ci­o­na­men­to”, con­ta Lu­cas Ri­bei­ro, ge­ren­te de mar­ke­ting da Re­e­bok Bra­sil.

A for­ça fe­mi­ni­na e o empoderame­nto da mu­lher no es­por­te tam­bém es­tão pre­sen­tes na cam­pa­nha She Bre­aks Bar­ri­ers, da Adi­das. No­va­men­te, uma mar­ca fa­lan­do de co­mo a mu­lher po­de che­gar on­de qui­ser. “Ela mos­tra co­mo mu­lhe­res no es­por­te cri­am, in­ven­tam, são for­tes e que­bram bar­rei­ras. Qu­e­re­mos dar ca­da vez mais voz a elas pa­ra que ga­nhem vi­si­bi­li­da­de não só no es­por­te, mas em to­dos os se­to­res da sociedade”, con­ta Lais Bu­e­no, ge­ren­te de mar­ca pa­ra run­ning e trai­ning da Adi­das Bra­sil.

Nas re­des so­ci­ais da mar­ca, po­de-se ver ain­da vá­ri­os ví­de­os que mos­tram exa­ta­men­te is­so: a for­ça da mu­lher, seu de­sem­pe­nho, sua for­ça, sua de­ter­mi­na­ção. “Es­se ma­te­ri­al é ape­nas um pon­ta­pé pa­ra cha­mar aten­ção da sociedade pa­ra a im­por­tân­cia de se dar es­pa­ço às mu­lhe­res no es­por­te. En­ten­de­mos que, ao ver ou­tras mu­lhe­res atle­tas nos ho­lo­fo­tes, elas te­rão mais ins­pi­ra­ção pa­ra con­ti­nu­ar no es­por­te ou pa­ra dar o pri­mei­ro pas­so”, ex­pli­ca Lais.

ALÉM DO DIS­CUR­SO

Mas um dis­cur­so de empoderame­nto não va­le de na­da sem um po­si­ci­o­na­men­to re­al­men­te di­fe­ren­te fren­te às ques­tões fe­mi­ni­nas. Afi­nal, não bas­ta fa­lar, é pre­ci­so, de fa­to, ajudar a em­po­de­rar mu­lhe­res. En­tão o que ca­da uma de­las tem fei­to?

No Bra­sil, des­de 2015, a Ni­ke pos­sui uma li­nha di­re­ci­o­na­da às mu­lhe­res, a Wo­men’s Trai­ning. Mais re­cen­te­men­te, no iní­cio des­te ano, a Ni­ke cri­ou uma li­nha de rou­pas com ta­ma­nhos mai­o­res, pa­ra ves­tir mais mu­lhe­res. Pe­ças de trei­no, cor­ri­da e ca­su­al con­tam ago­ra com gra­de ex­pan­di­da, que aten­dem des­de o XS até o 3X. Nos pró­xi­mos me­ses, a mar­ca lan­ça­rá uma no­va li­nha de ves­tuá­rio pa­ra exer­cí­ci­os de bai­xo im­pac­to, co­mo yo­ga e pi­la­tes. “Acre­di­ta­mos que, se vo­cê tem um cor­po, vo­cê é uma atle­ta, e nos­sa mis­são é sem­pre ser­vi-la ofe­re­cen­do os me­lho­res e mais ino­va­do­res pro­du­tos e ser­vi­ços do mer­ca­do. E, com ba­se no fe­ed­back e na de­man­da das con­su­mi­do­ras, per­ce­be­mos que al­guns pro­du­tos não eram am­plos o su­fi­ci­en­te pa­ra aten­der às ne­ces­si­da­des de to­das as atle­tas”, co­men­ta Mar­ti­na.

É a Ni­ke, in­clu­si­ve, quem ves­te a Se­le­ção Bra­si­lei­ra Fe­mi­ni­na de Fu­te­bol. No si­te, o íco­ne #jo­gue­por­to­das mos­tra as pe­ças da coleção de­sen­vol­vi­da ex­clu­si­va­men­te pa­ra as mu­lhe­res. Va­le pon­tu­ar que as ca­mi­sas 1 e 2 têm a ins­cri­ção es­pe­ci­al “Mu­lhe­res Gu­er­rei­ras do Bra­sil”. Ain­da nes­se viés, a mar­ca lan­çou a Ni­ke Fu­te­bol Clu­be, uma pla­ta­for­ma re­al de aces­so à prá­ti­ca do fu­te­bol com fo­co nas mu­lhe­res em São Pau­lo. Ou­tra coi­sa le­gal? Al­guns dos trei­nos são da­dos pe­la pri­mei­ra trei­na­do­ra da his­tó­ria da Se­le­ção Fe­mi­ni­na, Emily Li­ma.

A Re­e­bok tam­bém tra­ba­lhou em al­gu­mas mu­dan­ças na sua gra­de de ta­ma­nho. Em 2018, lan­çou o top Pu­re Mo­ve, de­sen­vol­vi­do pa­ra to­dos os ti­pos de cor­po. “Foi re­a­li­za­do um es­tu­do que iden­ti­fi­cou que mais da me­ta­de das mu­lhe­res es­ta­vam in­sa­tis­fei­tas com os tops es­por­ti­vos, se­ja pe­la sus­ten­ta­ção, pe­lo ta­ma­nho ou pe­lo con­for­to. A Re­e­bok cri­ou es­sa pe­ça de­sen­vol­vi­da com uma tec­no­lo­gia que res­pon­de ao mo­vi­men­to do cor­po. Ela é fei­ta em dez ta­ma­nhos di­fe­ren­tes pa­ra re­al­men­te se adap­tar a to­dos os ti­pos de cor­po”, ex­pli­ca Lu­cas. Va­le co­men­tar que, em 1982, a Re­e­bok lan­çou o pri­mei­ro tê­nis es­por­ti­vo de­se­nha­do es­pe­ci­al­men­te pa­ra as mu­lhe­res, o Fre­esty­le. “A mar­ca sem­pre te­ve um con­ta­to mui­to forte com as mu­lhe­res, e, ao lon­go dos anos, es­se po­si­ci­o­na­men­to foi se for­ta­le­cen­do e apri­mo­ran­do”, co­men­ta Lu­cas.

O pú­bli­co fe­mi­ni­no da Adi­das, por sua vez, é gran­de e um

“To­dos os es­por­tes têm a ca­pa­ci­da­de de em­po­de­rar e nós te­mos o com­pro­mis­so de in­cen­ti­var es­sas mu­lhe­res a acre­di­ta­rem em si”,

diz Lu­cas Ri­bei­ro, da Re­e­bok

fo­co da mar­ca há al­gum tem­po. “Te­mos di­ver­sos pro­du­tos pen­sa­dos pa­ra elas e cri­a­dos por elas. Nos­sas co­la­bo­ra­ções es­pe­ci­ais, co­mo Adi­das by Stel­la Mc­cart­ney, Farm e a mais re­cen­te no­vi­da­de, a che­ga­da da Beyon­cé ao nos­so port­fó­lio, re­for­çam is­so”, co­men­ta Lais. A par­ce­ria com a Beyon­cé pro­me­te ser um dos gran­des lan­ça­men­tos da mar­ca. O anún­cio do que es­tá por vir foi fei­to em 4 de abril. Um ví­deo sim­ples, com fun­do ama­re­lo que mos­tra os no­mes Beyon­cé e Ivy Park (no­me da li­nha es­por­ti­va da can­to­ra) so­ma mais de 690 mil vi­su­a­li­za­ções. “A par­ce­ria com a can­to­ra pre­vê não só o lan­ça­men­to de uma li­nha co­cri­a­da com ela, mas tam­bém ini­ci­a­ti­vas di­ver­sas pa­ra em­po­de­rar as mu­lhe­res cri­a­do­ras”, con­ta.

De acor­do com Lais, ves­tir bem as mu­lhe­res faz par­te do ob­je­ti­vo de ves­tir bem to­dos os atle­tas. “So­mos an­tes de tu­do uma mar­ca es­por­ti­va e te­mos co­mo vi­são ofe­re­cer ‘so­men­te o me­lhor pa­ra os atle­tas’, por is­so te­mos uma gran­de pre­o­cu­pa­ção com a per­for­man­ce, além de es­ti­lo e de­sign”, ex­pli­ca. Por is­so a em­pre­sa tam­bém ofe­re­ce tops que vis­tam di­fe­ren­tes mu­lhe­res. “Eles têm di­ver­sas for­mas, tec­no­lo­gi­as e ti­pos de su­por­te, pa­ra que ca­da mu­lher en­con­tre o seu en­cai­xe per­fei­to em ter­mos de con­for­to, for­ma­to de cor­po e prá­ti­ca es­por­ti­va de pre­fe­rên­cia.”

Mas a Adi­das tam­bém apos­ta em ações que vão além das rou­pas. “Nos­sos gru­pos de trei­no e de cor­ri­da – Adi­das Trai­ning e Adi­das Run­ners –, por exem­plo, que ofe­re­cem trei­nos gra­tui­tos em São Pau­lo e Rio de Ja­nei­ro, con­tam com gru­pos ex­clu­si­va­men­te fe­mi­ni­nos, pa­ra mu­lhe­res que ain­da não se sen­tem con­for­tá­veis em trei­nar num gru­po mis­to. A mu­lher é uma pri­o­ri­da­de pa­ra a Adi­das e per­meia to­da a es­tra­té­gia de ne­gó­ci­os da com­pa­nhia.” A mar­ca tam­bém ga­ran­te gru­pos ex­clu­si­vos de mu­lhe­res no pro­je­to Tan­go Le­a­gue de fu­te­bol ama­dor.

VA­LO­RI­ZA­ÇÃO

Pa­re­ce ób­vio – e jus­to – que, em um cam­pe­o­na­to, tan­to os ven­ce­do­res da ca­te­go­ria mas­cu­li­na qu­an­to da fe­mi­ni­na de­vam re­ce­ber a mes­ma pre­mi­a­ção. No en­tan­to não é bem as­sim que acon­te­ce. O prê­mio das mu­lhe­res ge­ral­men­te é me­nor que a pre­mi­a­ção mas­cu­li­na. Mas em mar­ço elas ga­nha­ram uma ba­ta­lha pe­la igual­da­de de di­rei­tos e va­lo­ri­za­ção. A Adi­das anun­ci­ou que pa­ga­rá às su­as atle­tas que che­ga­rem à fi­nal da Co­pa do Mun­do Fe­mi­ni­na de fu­te­bol – que acon­te­ce en­tre ju­nho e ju­lho, na Fran­ça – a mes­ma pre­mi­a­ção pa­ga à equi­pe mas­cu­li­na. “Acre­di­ta­mos em ins­pi­rar e ca­pa­ci­tar a pró­xi­ma ge­ra­ção de atle­tas, cri­a­do­ras e lí­de­res do se­xo fe­mi­ni­no atra­vés da que­bra de bar­rei­ras”, di­zia o anún­cio fei­to pe­la Adi­das no Twit­ter da mar­ca em 8 de mar­ço, Dia Internacio­nal da Mu­lher.

RE­TOR­NO

As mar­cas não fa­lam so­bre nú­me­ros e ga­nhos que es­sas cam­pa­nhas e es­se po­si­ci­o­na­men­to es­tão ge­ran­do às em­pre­sas. A Adi­das, no en­tan­to, afir­ma que es­tá “ca­da vez mais pró­xi­ma da mu­lher” e que su­as pes­qui­sas con­fir­mam is­so. A Re­e­bok tam­bém pos­sui a mes­ma pers­pec­ti­va e afir­ma que es­tá com “uma ten­dên­cia po­si­ti­va em re­la­ção aos nú­me­ros e à per­cep­ção de mar­ca jun­to ao pú­bli­co, que vem in­te­ra­gin­do bem com ela e seu po­si­ci­o­na­men­to”.

A Ni­ke, por sua vez, diz que con­ti­nu­a­rá in­ves­tin­do no empoderame­nto fe­mi­ni­no no es­por­te. “Nos­sa mis­são é con­ti­nu­ar apoi­an­do, ins­pi­ran­do e ser­vin­do nos­sas atle­tas. Es­pe­ra­mos con­ti­nu­ar cres­cen­do jun­to com nos­sas con­su­mi­do­ras, ou­vin­do e en­ten­den­do su­as ne­ces­si­da­des, pa­ra que elas con­ti­nu­em se de­sen­vol­ven­do e evo­luin­do co­mo atle­tas.”

Um dia de ca­da vez, uma ba­ta­lha por vez e, as­sim, as mu­lhe­res vão con­quis­tan­do o seu es­pa­ço, pe­lo qual nun­ca de­ve­ri­am ter que lu­tar pa­ra ter.

“A mu­lher é uma pri­o­ri­da­de pa­ra a Adi­das e per­meia to­da a es­tra­té­gia de ne­gó­ci­os da com­pa­nhia”,

diz Lais Bu­e­no, da Adi­das

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.