Vol­ta por ci­ma

DE­POIS DE UMA SE­PA­RA­ÇÃO E DE VER SEU PE­SO UL­TRA­PAS­SAR OS 100 KG, FA­BI­A­NO RE­EN­CON­TROU O AMOR PRÓ­PRIO ATRA­VÉS DA COR­RI­DA

Runner’s World (Brazil) - - ÍNDICE - POR THIENY MOLTHINI FO­TOS ALE­XAN­DRE GENNARI

De­pois de uma se­pa­ra­ção e de ver seu pe­so ul­tra­pas­sar os 100 kg, Fa­bi­a­no re­en­con­trou o amor pró­prio com a cor­ri­da

É PRO­VÁ­VEL QUE vo­cê já te­nha ti­do um ano di­fí­cil. Tal­vez uma fa­se com­pli­ca­da que du­rou mais tem­po do que vo­cê po­de­ria ima­gi­nar. Sa­be quan­do tu­do pa­re­ce acon­te­cer ao mes­mo tem­po e te­mos a im­pres­são de que não da­re­mos con­ta da­que­la ava­lan­che? Pa­ra Fa­bi­a­no Pu­po Bar­bo­sa Bi­an­chi, es­se fu­ra­cão acon­te­ceu en­tre os anos de 2014 e 2015, quan­do a sua vi­da vi­rou de ca­be­ça pa­ra bai­xo.

Ele mo­ra­va em Uba­tu­ba (li­to­ral nor­te de São Pau­lo) ha­via cer­ca de um ano e meio, mas sua mu­lher ain­da es­ta­va no apar­ta­men­to do ca­sal, em São Pau­lo. Em se­tem­bro de 2014, Fa­bi­a­no con­se­guiu fe­char a ven­da do seu apar­ta­men­to em São Pau­lo. En­tão era aguar­dar o di­nhei­ro do com­pra­dor e es­pe­rar pe­la mu­dan­ça da sua es­po­sa. Mas as coi­sas não saí­ram co­mo o pla­ne­ja­do. No mes­mo mês, di­as de­pois de com­ple­tar 40 anos, o seu ca­sa­men­to aca­bou, e o di­nhei­ro que tan­to es­pe­ra­va não che­gou, já que o com­pra­dor não te­ve o seu fi­nan­ci­a­men­to apro­va­do.

Não bas­tas­se os fa­to­res emo­ci­o­nais, a vi­da pro­fis­si­o­nal tam­bém não es­ta­va bem: Fa­bi­a­no ha­via saí­do do seu em­pre­go e ago­ra se de­di­ca­va a um ne­gó­cio pró­prio na ci­da­de li­to­râ­nea, um res­tau­ran­te. O in­ves­ti­men­to, no en­tan­to, ain­da não ti­nha en­ga­ta­do, e a si­tu­a­ção fi­nan­cei­ra não es­ta­va na­da fá­cil.

Não é di­fí­cil ima­gi­nar que seu emo­ci­o­nal, àque­la al­tu­ra, es­ta­va aba­la­do, e is­so afe­tou o seu amor pró­prio, sua res­pon­sa­bi­li­da­de con­si­go.

AUTOESTIMA

Em­bo­ra te­nha si­do uma cri­an­ça ati­va, Fa­bi­a­no dei­xou a prá­ti­ca da ati­vi­da­de fí­si­ca de la­do por mui­tos anos. Mas, pa­ra ele, seu pe­so nun­ca foi um pro­ble­ma. Só que as coi­sas mu­da­ram quan­do ele che­gou aos 30 anos e pas­sou a ter uma vi­da mais se­den­tá­ria, tra­ba­lhan­do em es­cri­tó­rio. Foi as­sim que, aos 37 anos e

1,76 me­tro, Fa­bi­a­no atin­giu os 117 kg e

co­me­çou a ser me­di­ca­do após um pi­co de pres­são al­ta que o le­vou ao hos­pi­tal.

Quan­do seu ca­sa­men­to che­gou ao fim e seu res­tau­ran­te ain­da não res­pon­dia às su­as ex­pec­ta­ti­vas, Fa­bi­a­no es­ta­va mais ma­gro, mas re­gis­tra­va 107 kg. De­pri­mi­do, Fa­bi­a­no saía mui­to e já não se im­por­ta­va mais com a sua saú­de ou apa­rên­cia. Foi em uma ma­nhã de mar­ço que ele se sur­pre­en­deu com o que viu no espelho. En­xer­gou-se, co­mo ele diz, “gor­do, feio, ve­lho e lar­ga­do”. “Não sa­bia se gar­ga­lha­va ou cho­ra­va... cho­rei.”

De­pois do cho­que, Fa­bi­a­no foi atrás de al­gu­mas aca­de­mi­as, mas os re­tor­nos que ti­nha dos pro­fes­so­res por con­ta do ex­ces­so de pe­so eram de­sa­ni­ma­do­res. “Per­ce­bi que pas­sa­ria me­ses alu­gan­do a es­tei­ra da aca­de­mia e de­sis­ti.”

Foi du­ran­te uma ca­mi­nha­da des­pre­ten­si­o­sa com a sua ca­chor­ra pe­la or­la da praia do Cru­zei­ro que ele des­co­briu o que po­de­ria mu­dar a sua vi­da. Fa­bi­a­no ob­ser

va­va um gru­po de mu­lhe­res que se exer­ci­ta­va (e so­fria) sob a ori­en­ta­ção de um pro­fes­sor, quan­do um ho­mem pas­sou cor­ren­do e gri­tou: “Quer ema­gre­cer? Vai cor­rer!”.

Aque­le foi o “si­nal” que ele pre­ci­sa­va. Na­que­le ins­tan­te, Fa­bi­a­no de­ci­diu dar uma chan­ce pa­ra a cor­ri­da.

NO­VOS HÁ­BI­TOS

Fa­bi­a­no co­me­ça­ria no dia se­guin­te. Se­pa­rou al­gu­ma rou­pa, um tê­nis (que não era no­vo, mas bas­ta­va), de­fi­niu um tra­je­to e co­lo­cou o celular pa­ra des­per­tar às 6h. Co­mo não sa­bia mui­to bem o que fa­zer, de­fi­niu co­mo me­ta ca­mi­nhar por, pe­lo me­nos, uma ho­ra e che­gar em ca­sa su­a­do.

Co­mo mo­ti­va­ção, Fa­bi­a­no co­me­çou a ima­gi­nar o fu­tu­ro que que­ria pa­ra si: um ho­mem mais ma­gro, sau­dá­vel, ale­gre, fe­liz con­si­go e com sua vi­da, vi­ven­do em uma ca­sa em or­dem, lim­pa e or­ga­ni­za­da.

As­sim, no seu pri­mei­ro trei­no, Fa­bi­a­no com­ple­tou um per­cur­so de 7,5 km em 1h12. E, sim, che­gou su­a­do. Des­sa for­ma ele co­me­çou, um dia de ca­da vez. Com a de­di­ca­ção, seu pe­so tam­bém foi di­mi­nuin­do. Em pou­co tem­po, seu so­no me­lho­rou, a sua dis­po­si­ção au­men­tou e o seu tem­po no mes­mo per­cur­so di­mi­nuiu.

Pa­ra in­ten­si­fi­car os re­sul­ta­dos, Fa­bi­a­no pas­sou a con­su­mir me­ta­de dos ali­men­tos que cos­tu­ma­va in­ge­rir. Por exem­plo, se co­mia qua­tro pe­da­ços de pizza, pas­sou a co­mer dois. Des­se jei­to ele con­se­guiu eli­mi­nar mais de

10 kg e atin­gir a mar­ca dos 95 kg.

ACELERANDO O PAS­SO

Com as pri­mei­ras mu­dan­ças de há­bi­to, em cer­ca de um mês e meio, Fa­bi­a­no per­deu mui­to pe­so, mas es­ta­ci­o­nou nos 95 kg. Pa­ra atin­gir o seu ob­je­ti­vo, que era che­gar aos 80 kg, ele te­ria que mu­dar a ali­men­ta­ção ou os seus trei­nos.

Foi en­tão que ele re­sol­veu acres­cen­tar ve­lo­ci­da­de às su­as ca­mi­nha­das. Ele man­te­ve o per­cur­so – de apro­xi­ma­da­men­te 7 km –, mas co­me­çou a in­ter­ca­lar ca­mi­nha­da e cor­ri­da: eram 700 me­tros an­dan­do e 300 me­tros cor­ren­do. Com o pas­sar dos di­as, ele foi au­men­tan­do a dis­tân­cia de cor­ri­da e re­du­zin­do a ca­mi­nha­da. Pou­cas se­ma­nas de­pois, já con­se­guia com­ple­tar to­do o per­cur­so cor­ren­do em pou­co me­nos de 1h, em um rit­mo con­for­tá­vel pa­ra evi­tar le­sões.

Sem con­se­guir bai­xar o pe­so sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te, Fa­bi­a­no pas­sou a do­brar o per­cur­so, so­man­do mais de 13 km de cor­ri­da por dia. Ao mes­mo tem­po, co­me­çou uma re­e­du­ca­ção ali­men­tar com uma dieta de me­nos de 1.000 ca­lo­ri­as por dia. Ver­du­ras, legumes e pro­teí­nas ga­nha­ram es­pa­ço nas su­as re­fei­ções. Ali­ou ain­da ao trei­na­men­to e à ali­men­ta­ção um su­ple­men­to e uma vi­ta­mi­na. Des­sa for­ma, em mais um mês ele che­gou não aos 80 kg, mas aos 75 kg. So­no, res­pi­ra­ção, me­ta­bo­lis­mo, tu­do me­lho­rou e, con­se­quen­te­men­te, sua per­for­man­ce tam­bém foi be­ne­fi­ci­a­da.

EVO­LU­ÇÃO

Com o pro­gres­so na cor­ri­da e sua me­ta atin­gi­da, o pró­xi­mo pas­so foi par­ti­ci­par de uma pro­va de 10 km. E fo­ram três de­las até os 21 km. Até a pri­mei­ra meia ma­ra­to­na, três me­ses de trei­no. Nes­se mo­men­to, já es­ta­va na fa­se de con­tro­le do pe­so, ti­nha vol­ta­do a co­mer de tu­do, mas em pe­que­nas quan­ti­da­des. Só que ago­ra ele es­ta­va mais cons­ci­en­te, pri­o­ri­zan­do ali­men­tos mais sau­dá­veis e nu­tri­ti­vos, evi­tan­do fast-fo­ods, por exem­plo.

Pa­ra con­se­guir os 21 km, Fa­bi­a­no ela­bo­rou um pla­no de trei­no pa­ra que con­se­guis­se cor­rer até 25 km no mês an­te­ri­or à pro­va. Acre­di­ta­va que, fa­zen­do as­sim, te­ria cer­te­za de que es­ta­va pre­pa­ra­do pa­ra a pro­va.

Nes­se pe­río­do, uma le­são o dei­xou pa­ra­do por um mês, mas ele con­se­guiu se­guir o seu pla­no: com­ple­tou mais de 24 km no seu lon­gão pré­pro­va e fi­na­li­zou a sua pri­mei­ra meia ma­ra­to­na com tran­qui­li­da­de e sem no­vas le­sões. Mais du­as mei­as e ele sen­tiu que era ho­ra de apos­tar nos 42 km. “Co­me­cei a ver mui­ta coi­sa so­bre pre­pa­ra­ção. Des­co­bri que era pre­ci­so ter um lon­gão com uma dis­tân­cia pró­xi­ma dos 42 km, en­tão fiz um ca­len­dá­rio. Man­ti­ve a dis­ci­pli­na e cor­ri 60 km por se­ma­na”, con­ta o cor­re­dor.

Em abril de 2016, Fa­bi­a­no par­ti­ci­pou da São Pau­lo City Ma­rathon. E, em­bo­ra te­nha ba­ti­do no mu­ro no Km 37, com­ple­tou a pro­va em 4h40, com mui­to sa­cri­fí­cio, e is­so era o que im­por­ta­va. “Eu me frustrei, por­que vi que não ti­nha ex­pe­ri­ên­cia ne­nhu­ma. Só que apren­di que é pre­ci­so dosar a re­sis­tên­cia que vo­cê tem. Com as ex­pe­ri­ên­ci­as que pas­sei, mu­dei, co­me­cei a fa­zer trei­nos mais lon­gos com um rit­mo me­lhor. E as­sim vo­cê vai apren­den­do mais so­bre o seu cor­po.”

Des­de 2016, fo­ram, ao to­do, qua­tro ma­ra­to­nas. E es­se é só o co­me­ço pa­ra Fa­bi­a­no. “Eu me apai­xo­nei pe­la dis­tân­cia no pri­mei­ro trei­no lon­go que fiz. Fo­ram mais de 20 km, e a sen­sa­ção que eu ti­ve foi sen­sa­ci­o­nal. Meu cé­re­bro foi lon­ge, foi uma sen­sa­ção mui­to agra­dá­vel”, lem­bra Fa­bi­a­no. “Uma das mi­nhas ale­gri­as é co­lo­car um tê­nis e sair pa­ra cor­rer pe­la or­la.” Ago­ra Fa­bi­a­no quer vi­a­jar o mun­do pa­ra com­ple­tar ma­ra­to­nas mar­can­tes, co­mo a da Mu­ra­lha da Chi­na e a Ma­ra­to­na de Bos­ton. Além de pro­vas co­nhe­ci­das, o ma­ra­to­nis­ta so­nha cor­rer de Uba­tu­ba até a ci­da­de de Pa­raty, cer­ca de 76 km.

“EU ME FRUSTREI NA MI­NHA PRI­MEI­RA MA­RA­TO­NA, MAS APREN­DI QUE ERA PRE­CI­SO DOSAR A MI­NHA RE­SIS­TÊN­CIA.”

HIS­TÓ­RIA REGISTRADA

Com o su­ces­so de sua em­prei­ta­da, ami­gos e co­nhe­ci­dos su­ge­ri­ram que Fa­bi­a­no fi­zes­se um si­te ou blog pa­ra con­tar su­as ex­pe­ri­ên­ci­as, mas ele foi além e pu­bli­cou o li­vro 35 kg = + 42 km: Da Obe­si­da­de à Ma­ra­to­na (dis­po­ní­vel na Ama­zon).

Ho­je ele tra­ba­lha em um no­vo li­vro que quer fi­na­li­zar até me­a­dos de 2020. Ne­le, vai fa­lar da cor­ri­da e su­as ex­pe­ri­ên­ci­as atra­vés de um per­so­na­gem. “Eu de­vo mui­to do que sou ho­je à cor­ri­da. A coi­sa mais im­por­tan­te que me acon­te­ceu foi vol­tar a me amar. Res­ga­tar meu amor pró­prio. Mui­tos que­rem e não con­se­guem por pre­gui­ça, e eu acho que me­lho­rei em tu­do na mi­nha vi­da por cau­sa da cor­ri­da. Não qu­e­ro mor­rer de­pen­den­do de al­guém, qu­e­ro ter um fim de vi­da sau­dá­vel, e is­so sem­pre me pre­o­cu­pou. Pa­ra on­de a cor­ri­da pu­der me le­var, qu­e­ro ir.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.