Equi­lí­brio é a pa­la­vra

DA­NI SER­RES EN­CON­TROU NO ES­POR­TE – NA DO­SE CER­TA – O AN­TÍ­DO­TO CON­TRA A DE­PRES­SÃO E UM DIS­TÚR­BIO ALI­MEN­TAR

Runner’s World (Brazil) - - ÍNDICE - POR AMANDA PANTERI FO­TOS ALE­XAN­DRE GENNARI

Da­ni Ser­res des­co­briu no es­por­te – na me­di­da cer­ta – o an­tí­do­to con­tra a de­pres­são e um dis­túr­bio ali­men­tar

QUAN­DO DA­NI SER­RES diz que a cor­ri­da trans­for­ma, ela não se re­fe­re so­men­te ao cor­po. In­ter­na­men­te, o es­por­te tam­bém cau­sou re­vo­lu­ções pa­ra a pro­du­to­ra de conteúdo de 43 anos e mãe de dois fi­lhos, prin­ci­pal­men­te no seu jei­to de en­ca­rar a vi­da e de li­dar com a de­pres­são, com a qual foi di­ag­nos­ti­ca­da lo­go na ado­les­cên­cia.

Atu­al­men­te tri­a­tle­ta, Da­ni con­ta que nem sem­pre foi as­su­mi­da­men­te apai­xo­na­da pe­la prá­ti­ca es­por­ti­va. E o pe­so um pou­co aci­ma da mé­dia du­ran­te a in­fân­cia ren­deu ape­li­dos na­da agra­dá­veis e uma re­la­ção bem com­pli­ca­da com a co­mi­da. Tu­do is­so evo­luiu pa­ra um trans­tor­no de ima­gem, con­tra o qual ela lu­ta ain­da ho­je. “Sem­pre fui com­ple­ta­men­te se­den­tá­ria. Aos 19, che­guei a pe­sar qua­se 90 kg e es­ta­va sem­pre ten­tan­do fa­zer al­gu­ma dieta, mas nun­ca da­va cer­to. Era co­mo um ci­clo vi­ci­o­so: eu me sen­tia mal por que­rer ema­gre­cer, co­mia de­mais, me cul­pa­va por ter exa­ge­ra­do e co­mia mais ain­da”, lem­bra. Quan­do com­ple­tou 20 anos, as cri­ses de sín­dro­me do pâ­ni­co e os sin­to­mas de de­pres­são já es­ta­vam bem avan­ça­dos, e ela pre­ci­sou pro­cu­rar aju­da mé­di­ca pa­ra me­lho­rar.

De­pois de en­gra­vi­dar do seu fi­lho ca­çu­la, aos 38 anos, Da­ni per­deu o em­pre­go. O acon­te­ci­men­to, so­ma­do ao fa­to de que se sen­tia mal com os 99 kg atin­gi­dos, fez com que a ân­sia pe­la mu­dan­ça apa­re­ces­se. “Li uma fra­se que di­zia as­sim: ‘Se vo­cê quer al­go que nun­ca te­ve, fa­ça al­go que nun­ca fez’. A cor­ri­da foi a pri­mei­ra coi­sa que me veio à ca­be­ça.” Ela, que mal con­se­guia com­ple­tar um quar­tei­rão se­quer nos pas­sei­os com o ca­chor­ro, bai­xou um apli­ca­ti­vo com pla­ni­lhas pa­ra ini­ci­an­tes e en­ca­rou o de­sa­fio. No co­me­ço, a sín­dro­me do pâ­ni­co não a dei­xa­va trei­nar ao ar li­vre. En­tão Da­ni cor­reu na es­tei­ra do pré­dio até con­se­guir com­ple­tar sua pri­mei­ra ho­ra in­tei­ra com um rit­mo re­la­ti­va­men­te bom. “Aí eu me emo­ci­o­nei. Quis lo­go me ins­cre­ver pa­ra uma pro­va”, con­ta.

RIT­MO IN­CAN­SÁ­VEL

Ape­sar de não ter con­se­gui­do cor­rer o per­cur­so to­do por não es­tar acos­tu­ma­da com as la­dei­ras e in­cli­na­ções do as­fal­to, a pro­du­to­ra de conteúdo saiu mui­to sa­tis­fei­ta dos seus pri­mei­ros 5 km. “A emo­ção de ga­nhar a me­da­lha foi tan­ta que co­me­cei a pro­cu­rar uma pro­va de 10 km em se­gui­da. Co­mo eu ia vi­a­jar pa­ra Or­lan­do pa­ra vi­si­tar a mi­nha ir­mã, que­ria al­go por lá. O pro­ble­ma é que as ins­cri­ções já es­ta­vam es­go­ta­das. A úni­ca op­ção que me res­ta­va eram os 21 km em Mi­a­mi.”

E, des­se mo­do, Da­ni, sem as­ses­so­ria es­pe­ci­a­li­za­da, mu­dan­ças na ali­men­ta­ção ou trei­nos de for­ta­le­ci­men­to, com­ple­tou sua pri­mei­ra meia ma­ra­to­na em qua­tro me­ses de pre­pa­ra­ção. “Fiz em 2h09 com a aju­da do apli­ca­ti­vo e com o au­men­to do vo­lu­me e das dis­tân­ci­as dos meus trei­nos”, afir­ma. “Mas não re­co­men­do. Sei que fui com mui­ta se­de ao po­te e pa­go ca­ro até ho­je por is­so.” Em 2014, ela en­trou pa­ra uma as­ses­so­ria e, no mes­mo ano, com­ple­tou seis mei­as e se pre­pa­ra­va pa­ra seus pri­mei­ros 42 km, na pro­va da Dis­ney.

À PRO­VA DE (QUA­SE) TU­DO

As con­sequên­ci­as da fal­ta de for­ta­le­ci­men­to e pou­co des­can­so che­ga­ram no mes­mo ano, com uma fra­tu­ra por es­tres­se na tí­bia. De­vi­do a is­so, Da­ni te­ve que de­sis­tir da Ma­ra­to­na da Dis­ney e fo­car na sua re­cu­pe­ra­ção. “Pas­sei dois me­ses de mu­le­ta. De­pois co­me­cei a na­dar e a fa­zer bi­ke, por­que ge­ra­vam me­nos im­pac­to. In­ves­ti na mus­cu­la­ção e em um car­dá­pio mais re­gra­do”, con­ta. Ao to­do, fo­ram seis me­ses pa­ra­da até vol­tar a trei­nar no­va­men­te pa­ra os 42 km, com­ple­ta­dos pe­la pri­mei­ra vez na Ma­ra­to­na de Bu­e­nos Ai­res, em 2015.

Na épo­ca, Da­ni ain­da so­fria com as cri­ses de pâ­ni­co. Tan­to que, du­ran­te 2016, fa­zia até os lon­gões na es­tei­ra da aca­de­mia. “Era a épo­ca das Olim­pía­das, eu as­sis­tia a pra­ti­ca­men­te to­das as com­pe­ti­ções na es­tei­ra. Pas­sa­va até qua­tro ho­ras por lá e che­guei a fa­zer 32 km sem pa­rar. Quan­do vo­cê tem sín­dro­me do pâ­ni­co, não con­se­gue di­fe­ren­ci­ar um me­do re­al de al­go ir­ra­ci­o­nal. Eu ti­nha pa­vor de ir ao par­que”, ela lem­bra. Mes­mo as­sim, ain­da con­se­guiu cor­rer a Ma­ra­to­na de Ber­lim. Ape­sar de ter­mi­nar com o me­lhor tem­po de sua vi­da (4h27), ela pas­sou por mais um su­fo­co, des­sa vez re­la­ci­o­na­do à dieta que es­ta­va se­guin­do por con­ta pró­pria.

Ao che­gar no ho­tel de­pois da pro­va, Da­ni co­me­çou a no­tar uns sin­to­mas es­tra­nhos. “Não me lem­bra­va do fi­nal nem da pas­sa­gem pe­lo Por­tão de Bran­dem­bur­go, com a qual sem­pre so­nhei. Além dis­so, meu xi­xi ti­nha san­gue. To­mei bas­tan­te água e des­can­sei, de­pois fui di­re­to pa­ra o mé­di­co lo­go que de­sem­bar­quei no Bra­sil. O di­ag­nós­ti­co era de rab­do­mió­li­se, que po­de le­var a le­sões e fa­lên­cia nos rins. O mé­di­co dis­se que eu po­de­ria até ter mor­ri­do”, lem­bra. Pre­o­cu­pa­da, ela aban­do­nou o car­dá­pio pa­le­o­lí­ti­co ao qual ha­via ade­ri­do me­ses an­tes. “Con­su­mia mui­ta pro­teí­na e qua­se na­da de car­boi­dra­to. Os géis, que usa­va so­men­te nos trei­nos, eu aban­do­nei du­ran­te a pro­va em Ber­lim. Mas tu­do is­so às du­ras pe­nas. Com o epi­só­dio que ti­ve, en­ten­di a im­por­tân­cia do ma­cro

“QUAN­DO VO­CÊ TEM SÍN­DRO­ME DO P­NI­CO, NÃO CON­SE­GUE DI­FE­REN­CI­AR O ME­DO RE­AL DO IR­RA­CI­O­NAL. EU TI­NHA PA­VOR DE IR AO PAR­QUE.”

nu­tri­en­te na mi­nha ali­men­ta­ção e pro­cu­rei aju­da de uma nu­tri­ci­o­nis­ta ime­di­a­ta­men­te.”

Os pro­ble­mas de saú­de fi­ze­ram Da­ni bus­car apoio es­pe­ci­a­li­za­do em vá­ri­as áre­as. Tan­to que ti­rou de le­tra sua úl­ti­ma le­são, uma fra­tu­ra por es­tres­se no fê­mur. Fal­tan­do 40 di­as pa­ra a Ma­ra­to­na de Chi­ca­go, ela apos­tou pe­sa­do no de­ep run­ning, na fi­si­o­te­ra­pia e no for­ta­le­ci­men­to e só co­lo­cou o pé no as­fal­to na ho­ra da lar­ga­da. Ape­sar de não ter ba­ti­do seu re­cor­de pes­so­al, ela afir­ma que a ex­pe­ri­ên­cia foi a sua pre­fe­ri­da. “Eu me sen­ti bem, es­ta­va com a ca­be­ça tran­qui­la, cor­ri o tem­po to­do e ain­da ter­mi­nei dan­do sprint”, con­ta.

NO­VOS CA­PÍ­TU­LOS

Por pas­sar ho­ras e mais ho­ras na pis­ci­na e na bi­ke du­ran­te su­as re­cu­pe­ra­ções, Da­ni de­sen­vol­veu um no­vo amor: o tri­a­tlo. “Eu me pre­pa­rei pa­ra o meio Iron­man. Meu vo­lu­me de trei­nos au­men­tou mui­to, mas ago­ra é mais di­vi­di­do. De se­gun­da, quar­ta e sex­ta, por exem­plo, fa­ço cor­ri­da e na­ta­ção. Ter­ça e quin­ta, bi­ke e mus­cu­la­ção. No sá­ba­do, as três mo­da­li­da­des lá no Ri­a­cho Gran­de, em São Pau­lo.”

Ela tam­bém ga­ran­te que a saú­de men­tal me­lho­rou mui­to com a en­tra­da do es­por­te em sua vi­da. “Pa­ra mim, o pro­ces­so da de­pres­são pos­sui al­tos e bai­xos. Tem di­as que eu es­tou bem e di­as que nem tan­to. Mas não pos­so ne­gar que a cor­ri­da foi um di­vi­sor de águas e que me aju­dou mui­to em to­do o pro­ces­so. Sem­pre di­go que 80% da mi­nha cu­ra vêm ho­je da te­ra­pia (ela é tão im­por­tan­te que ba­ti­zei mi­nha bi­ke com o no­me da mi­nha psi­có­lo­ga, Ma­rí­lia), e o res­tan­te é da ati­vi­da­de fí­si­ca. Uma par­ce­la mí­ni­ma vem dos re­mé­di­os, que an­tes eram mui­to mais pre­sen­tes na mi­nha ro­ti­na.”

Da­ni, in­clu­si­ve, te­ve a pro­va de que es­tá ca­da vez me­nos de­pen­den­te das subs­tân­ci­as. An­tes de co­me­çar o meio Iron­man, ela se es­que­ceu de to­mar a úni­ca cáp­su­la de que ain­da pre­ci­sa. “Fi­quei com me­do de co­me­çar a ter sin­to­mas de abs­ti­nên­cia, que é o que acon­te­ce quan­do eu não to­mo. Mas, pa­ra a mi­nha sur­pre­sa, ter­mi­nei a pro­va sem nem me lem­brar dis­so”, diz. Re­cen­te­men­te, ela con­quis­tou o 1º lu­gar no Tro­féu Bra­sil de Tri­ath­lon, na ca­te­go­ria Short Tri­ath­lon Fe­mi­ni­no 40 a 44 anos. E con­ti­nua na jor­na­da em bus­ca do equi­lí­brio en­tre o cor­po e a men­te. “Ain­da te­nho bas­tan­te re­ceio de an­dar de bi­ke, mas ho­je não lar­go a prá­ti­ca por na­da!”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.