FOQUE NOS FA­TO­RES CER­TOS DO TREI­NA­MEN­TO

Runner’s World (Brazil) - - INSPIRAÇÃO DANI SERRES -

Co­mo de­mons­tra­do na tabela (abai­xo), to­das as cor­ri­das re­cru­tam 100% das fi­bras mus­cu­la­res de con­tra­ção len­ta dis­po­ní­veis, mas cor­ri­das cur­tas tam­bém re­cru­tam uma por­cen­ta­gem al­ta de fi­bras de con­tra­ção rá­pi­da. To­das as cor­ri­das uti­li­zam o sis­te­ma ae­ró­bi­co pa­ra ob­ter mais de 90% de su­as ne­ces­si­da­des de ener­gia, mas as cor­ri­das mais cur­tas tam­bém de­man­dam uma con­tri­bui­ção ana­e­ró­bi­ca. Além de re­cru­tar mais fi­bras mus­cu­la­res, uma tem­po­ra­da de com­pe­ti­ções tam­bém re­quer te­ci­dos con­jun­ti­vos for­ta­le­ci­dos (a me­lhor coi­sa pa­ra com­pe­tir e se re­cu­pe­rar pa­ra en­trar no­va­men­te nu­ma com­pe­ti­ção) e um sis­te­ma ner­vo­so ca­paz de pas­sar das de­man­das fre­né­ti­cas dos 5 km à cons­tân­cia da meia ma­ra­to­na.

Aqui, o es­sen­ci­al: pre­pa­rar-se pa­ra uma tem­po­ra­da de­man­da uma va­ri­e­da­de de trei­nos mais am­pla do que trei­nar pa­ra uma úni­ca pro­va de en­du­ran­ce. A re­com­pen­sa é que uma tem­po­ra­da te ofe­re­ce mui­to mais opor­tu­ni­da­des de en­con­trar sua me­lhor dis­tân­cia e de con­quis­tar de­sem­pe­nhos sa­tis­fa­tó­ri­os, sem men­ci­o­nar o lu­xo de po­der dar co­mo per­di­das su­as oca­si­o­nais cor­ri­das ruins (to­dos pas­sa­mos por is­so), sem a sen­sa­ção de ter des­per­di­ça­do me­ses de es­for­ço. É cla­ro, me­lho­rar em to­dos es­ses fa­to­res de trei­na­men­to le­va tem­po. O que nos con­duz exa­ta­men­te ao trei­no de ba­se.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.