Nos­sa Se­nho­ra dos Afli­tos

Ví­ci­os? Do­en­ças? De­sem­pre­go? Dí­vi­das? A san­ta re­sol­ve!

Salmos & Anjos - - Contents -

Nos­sa Se­nho­ra dos Afli­tos é uma fa­ce de Ma­ria que re­pre­sen­ta os pe­sa­res so­fri­dos pe­la Vir­gem por cau­sa da cru­ci­fi­ca­ção de Cris­to. A dor de uma mãe ao ver seu fi­lho so­frer e mor­rer. A fé nes­sa re­pre­sen­ta­ção co­me­çou quan­do San­to Eu­zé­bio fi­cou exi­la­do na Ter­ra San­ta e lá en­con­trou um qua­dro de Nos­sa Se­nho­ra dos Afli­tos. Quan­do vol­tou do exí­lio, le­vou o qua­dro con­si­go e o deu de pre­sen­te a São Má­xi­mo, que era bis­po na Itá­lia. São Má­xi­mo cons­truiu um al­tar pa­ra a Ima­cu­la­da na igre­ja de San­to An­dré e, a par­tir daí, sur­giu a de­vo­ção dos fiéis, que pas­sa­ram a in­vo­car as gra­ças da Vir­gem e fo­ram aten­di­dos. Mas a re­gião on­de a igre­ja fi­ca­va foi in­va­di­da por bár­ba­ros, que des­trui­ram os tem­plos cris­tãos. O qua­dro foi es­con­di­do e fi­cou nas ca­ta­cum­bas da igre­ja por mais de um sé­cu­lo, qua­do um marquês, mui­to doente, so­nhou com Ma­ria lhe pe­din­do pa­ra cons­truir um al­tar no lo­cal on­de fi­ca­va a an­ti­ga igre­ja de San­to An­dré. Lo­go o marquês fi­cou cu­ra­do e, em agra­de­ci­men­to, foi cons­truir a igre­ja. Ao es­ca­va­rem o lo­cal, en­con­tra­ram o qua­dro in­tac­to. Nos­sa Se­nho­ra dos Afli­tos é co­me­mo­ra­da sem­pre no úl­ti­mo do­min­go do mês de se­tem­bro. Con­fie no po­der de in­ter­ces­são da san­ta e fa­ça uma pre­ce pa­ra ali­vi­ar o que tan­to te ago­nia.

Ora­ções po­de­ro­sas

“Afli­ta se viu a Vir­gem Ma­ria aos pés da cruz. Afli­ta ve­jo-me eu. Va­lei-me Mãe de Je­sus. Con­fio em Deus, com to­das as mi­nhas for­ças, por is­so pe­ço que ilu­mi­ne meus ca­mi­nhos, con­ce­den­do-me a gra­ça que tan­to de­se­jo (fa­ça o seu pe­di­do). Amém.”

Sú­pli­ca à san­ta

“Ve­ne­ra­da Nos­sa Se­nho­ra dos Afli­tos, pe­di­mos aju­da por meio de vos­sa mi­se­ri­cór­dia pa­ra os ser­vos que es­tão per-

di­dos, de­sem­pre­ga­dos, aca­ba­ram de per­der um en­te que­ri­do, um amor, des­fi­ze­ram um ca­sa­men­to, es­tão na po­bre­za, sem ter o que co­mer ou on­de mo­rar. Nos­sa Se­nho­ra, per­mi­ta que jor­re as vos­sas bên­çãos, en­chen­do de fé os co­ra­ções des­sas pes­so­as amar­gu­ra­das. Nos­sa Se­nho­ra dos Afli­tos, em no­me do vos­so Fi­lho Je­sus, que der­ra­mou o san­gue pu­ro de um so­fre­dor, que mor­reu pa­ra nos sal­var, so­bre o es­pí­ri­to da­que­les que pre­ci­sam de uma ca­ri­da­de ime­di­a­ta. Amém!”

No­ve­na mi­la­gro­sa

Ora­ção ini­ci­al da no­ve­na: “Con­so­la­do­ra de to­dos os afli­tos, Ma­ria San­tís­si­ma, Mãe amo­ro­sís­si­ma, con­tem­plai pi­e­do­sa­men­te as po­bres al­mas afli­tas! Com vos­sa po­de­ro­sa me­di­a­ção, in­ter­ce­dei por elas jun­to ao tro­no da di­vi­na mi­se­ri­cór­dia! Por elas, pa­ra que se­jam li­ber­ta­das de su­as du­ras pe­nas e do­res atro­zes, ofe­re­cei ao mi­se­ri­cor­di­o­so Deus a vi­da, a pai­xão, a mor­te e o pre­ci­o­sís­si­mo san­gue de Je­sus; os sa­cri­fí­ci­os, as co­mu­nhões, as ora­ções, as es­mo­las e as bo­as obras de to­dos os vi­vos! Fa­zei com que se­jam jus­ti­fi­ca­das jun­to à di­vi­na jus­ti­ça, e ca­da vez mais lem­bra­das e am­pa­ra­das por to­dos os ho­mens. As­sim se­ja.”

Ao fi­nal de ca­da ora­ção, re­ze uma Ave-Ma­ria, uma Gló­ria ao Pai e a ja­cu­la­tó­ria: “So­cor­ro dos afli­tos, ro­gai por nós”.

1º Dia: “Se­nho­ra dos Afli­tos, en­cheu-se o vos­so co­ra­ção de amar­gu­ra ao vos ser ne­ga­da hos­pe­da­gem em Be­lém. Aco­lhei em vos­so cá­li­do co­ra­ção os afli­tos que pa­de­cem no desamparo!”

2º Dia: “Mãe dos afli­tos, aco­lhes­tes em vos­sos amo­ro­sos bra­ços e sal­vas­tes Je­sus Me­ni­no do cri­mi­no­so rei He­ro­des.” 3º Dia: “Pro­te­to­ra dos afli­tos, o vos­so amo­ro­so co­ra­ção foi trans­pas­sa­do por uma es­pa­da de dor pe­la pro­fe­cia de Si­meão. Im­pri­mi fé pro­fun­da nos afli­tos, fe­ri­dos pe­las atro­ci­da­des da vi­da!” 4º Dia: “Am­pa­ro dos afli­tos, vos­so amá­vel co­ra­ção não des­can­sou sem en­con­trar Je­sus Me­ni­no, per­di­do no tem­plo. So­cor­rei os po­bres afli­tos per­di­dos nas tre­vas do mal!”

5º Dia: “Ale­gria dos afli­tos, con­tris­tou­se vos­so ma­ter­nal co­ra­ção na des­pe­di­da de Je­sus, par­tin­do pa­ra a vi­da pú­bli­ca. As­sis­ti, com vos­so amor ma­ter­no, os in­fe­li­zes afli­tos que so­frem a dor da se­pa­ra­ção!”

6º Dia: “Alí­vio dos afli­tos, a pri­são de Je­sus aba­lou em an­gús­ti­as o vos­so ter­no co­ra­ção de Mãe. Sal­vai dos gri­lhões do mal as po­bres al­mas afli­tas!”

7º Dia: “So­cor­ro dos afli­tos, no en­con­tro com Je­sus car­re­gan­do a cruz, vos­so olhar ma­ter­nal deu-lhe for­ças e co­ra­gem. Sus­ten­tai os in­fe­li­zes afli­tos, res­ga­ta­dos pe­la cruz da dor nos tor­men­tos da vi­da!” 8º Dia: “Re­fú­gio dos afli­tos, nos ex­tre­mos da dor, sob a cruz de vos­so Fi­lho, Ele vos en­tre­gou co­mo fi­lhos, to­dos os ho­mens. Ali­vi­ai ma­ter­nal­men­te vos­sos fi­lhos que pa­de­cem afli­ções!”

9º Dia: “Se­nho­ra dos Afli­tos, en­tre lá­gri­mas acom­pa­nhas­tes Je­sus mor­to até sua se­pul­tu­ra. De­po­si­tai, Mãe e Se­nho­ra, nos co­ra­ções afli­tos, aque­le que é a úni­ca e pe­re­ne ale­gria dos ho­mens!”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.