Je­sus

Al­can­ce mi­la­gres com os en­si­na­men­tos de

Salmos & Anjos - - News -

Por­que Deus amou o mun­do de tal ma­nei­ra que deu o seu Fi­lho uni­gê­ni­to, pa­ra que to­do aque­le que ne­le crê não pe­re­ça, mas te­nha a vi­da eter­na.” (João 3:16). Deus nos en­vi­ou seu Fi­lho e ele veio co­mo um de nós, pre­gou o amor e nos re­di­miu de nos­sos pe­ca­dos. Abra seu co­ra­ção pa­ra os en­si­na­men­tos de Je­sus Cris­to e re­ze com fé pa­ra que o Sal­va­dor ope­re mi­la­gres em sua vi­da!

A ove­lha per­di­da

Je­sus sem­pre di­zia aos após­to­los que veio ao mun­do pa­ra sal­var os ho­mens que ha­vi­am se per­di­do. Du­ran­te uma reu­nião com seus es­co­lhi­dos, Ele dis­se que se um pas­tor tem cem ove­lhas e uma de­las se des­gar­ra do re­ba­nho, ele não de­ve­ria he­si­tar em dei­xar as ou­tras no­ven­ta e no­ve pa­ra pro­cu­rar aque­la que se per­deu até en­con­trá-la, pois ha­ve­rá mai­or jú­bi­lo no Céu por um pe­ca­dor que se ar­re­pen­de do que no­ven­ta e no­ve jus­tos que não ne­ces­si­tam de per­dão. Pa­ra re­fle­tir: as­sim co­mo o pas­tor se ale­gra ao en­con­trar sua ove­lha, Deus quer que ca­da um de nós es­te­ja sem­pre per­to De­le e que não per­ca­mos a nos­sa fé.

Grão de mos­tar­da

Reu­ni­do com seus após­to­los, Je­sus fa­lou que o Rei­no dos Céus era co­mo um grão de mos­tar­da, a me­nor se­men­te que há na Ter­ra, qu­an­do é se­me­a­da. Mas, qu­an­do ger­mi­na, tor­na-se a mai­or de to­das as hor­ta­li­ças e cria gran­des ra­mos, dan­do som­bra às aves, aos ani­mais e aos ho­mens. Pa­ra re­fle­tir: a men­sa­gem di­vi­na é um con­vi­te pa­ra re­fle­tir­mos so­bre nos­sas ações no dia a dia. Qu­an­do pra­ti­ca­mos o bem e vi­ve­mos em sin­to­nia com Deus, so­mos dig­nos de re­ce­ber gra­ças em vi­da e, por fim, de ser­mos aco­lhi­dos no Rei­no dos Céus.

O cre­dor sem com­pai­xão

Nes­ta pa­rá­bo­la, Cris­to com­pa­ra o Rei­no dos Céus a um rei que ti­nha

Pa­rá­bo­las nos en­si­nam os mis­té­ri­os dos Céus

um ser­vo que lhe de­via dez mil ta­len­tos. Co­mo não ti­nha co­mo pa­gar sua dí­vi­da, o rei or­de­nou que o ser­vo fos­se ven­di­do co­mo es­cra­vo jun­to com sua mu­lher e seu fi­lho. De­ses­pe­ra­do com a si­tu­a­ção, o ser­vo su­pli­cou o per­dão de sua dí­vi­da e, o rei, mo­vi­do pe­la com­pai­xão, aca­bou per­do­an­do aque­le ho­mem. O ser­vo, por sua vez, ten­do en­con­tra­do uma pes­soa que a ele de­via, man­dou-a pa­ra a pri­são. Ela tam­bém su­pli­cou pa­ra que o ser­vo a per­do­as­se, mas ele não per­do­ou. Ao sa­ber do ocor­ri­do, o rei man­dou o ser­vo aos car­ras­cos, pois o ho­mem era mal e não te­ve com­pai­xão pe­lo pró­xi­mo, do mes­mo mo­do que o rei te­ve com ele.

Pa­ra re­fle­tir: a his­tó­ria é tris­te, mas nos ser­ve de exem­plo pa­ra que cul­ti­ve­mos o per­dão em nos­sos co­ra­ções, prin­ci­pal­men­te por­que Deus sem­pre nos aco­lhe e per­doa os nos­sos er­ros qu­an­do de­mons­tra­mos ar­re­pen­di­men­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.