Tec­no­lo­gia ali­a­da

A com­bi­na­ção en­tre te­o­ria e prá­ti­ca po­de im­pul­si­o­nar o seu co­nhe­ci­men­to. A tec­no­lo­gia é ali­a­da ou vi­lã nes­se pro­ces­so?

Segredos da Mente - - Sumario - TEXTO VITOR MANFIO/COLABORADOR ENTREVISTAS MARCELO RICCIARDI E VITOR MANFIO/COLABORADORES

Uti­li­za­dos cor­re­ta­men­te, os dis­po­si­ti­vos ele­trô­ni­cos po­dem tra­zer mui­tos be­ne­fí­ci­os

Co­mo diz aque­la co­nhe­ci­da fra­se: a vi­da é um apren­di­za­do cons­tan­te. Nos di­as de ho­je, adap­tar-se ra­pi­da­men­te e pos­suir co­nhe­ci­men­tos va­ri­a­dos se tor­nam pré-re­qui­si­tos, se­jam nos es­tu­dos, no tra­ba­lho e, até mes­mo, em di­ver­sos se­to­res da vi­da. Por­tan­to, qual a me­lhor ma­nei­ra de evo­luir nes­se pro­ces­so: in­ves­tin­do no con­teú­do teó­ri­co, par­tin­do lo­go pa­ra a prá­ti­ca ou con­ci­li­an­do am­bos? Já o avan­ço e o de­sen­vol­vi­men­to de di­ver­sas tec­no­lo­gi­as po­dem con­tri­buir quan­do o as­sun­to é apren­di­za­gem, mas ain­da há dú­vi­das de co­mo ela po­de ser be­né­fi­ca na aqui­si­ção de co­nhe­ci­men­to. En­tão, quais são os me­lho­res ca­mi­nhos pa­ra a apren­di­za­gem?

In­cen­ti­vo des­de sem­pre

Pa­ra que es­sa se­de pe­lo no­vo se­ja in­sa­ciá­vel, pre­ci­sa­mos ser es­ti­mu­la­dos a is­so des­de cri­an­ças. “Apren­der é um ato de cu­ri­o­si­da­de, e é na in­fân­cia que es­se gos­to co­me­ça a de­sa­bro­char. O pri­mei­ro es­tí­mu­lo pa­ra apren­der de­ve sur­gir em ca­sa. Uma cri­an­ça que é es­ti­mu­la­da no pró­prio lar vai pa­ra a es­co­la com um ar­se­nal de in­for­ma­ções e uma fo­me por mais des­co­ber­tas”, co­men­ta Evelyn Cor­dei­ro, de­sen­vol­ve­do­ra de me­to­do­lo­gia de apren­di­za­gem.

Evelyn tam­bém ci­ta a im­por­tân­cia do cons­tan­te in­cen­ti­vo nes­sa bus­ca pe­lo apren­di­za­do. “Os pais de­vem es­ti­mu­lar in­ten­sa­men­te o há­bi­to de apren­der coi­sas no­vas e, mais do que is­so, de con­tex­tu­a­li­zar tu­do. As­sim, as in­for­ma­ções são re­la­ci­o­na­das com a re­a­li­da­de e pas­sam a fa­zer sen­ti­do”, com­ple­men­ta.

O pa­pel da edu­ca­ção

Além do am­bi­en­te fa­mi­li­ar, a es­co­la tem um pa­pel fun­da­men­tal no de­sen­vol­vi­men­to in­fan­til, já que é o uni­ver­so em que as cri­an­ças pas­sa­rão gran­de par­te da in­fân­cia. “To­do o co­nhe­ci­men­to cons­truí­do na edu­ca­ção in­fan­til é as­si­mi­la­do com mui­to mais

fa­ci­li­da­de, pois os alu­nos apren­dem de ma­nei­ra pra­ze­ro­sa, di­ver­ti­da e nem per­ce­bem que es­tão ad­qui­rin­do no­vos co­nhe­ci­men­tos”, des­cre­ve a pe­da­go­ga Ro­sân­ge­la Ha­se­gawa.

De acor­do com a es­pe­ci­a­lis­ta, is­so se dá pe­lo con­ví­vio e, prin­ci­pal­men­te, pe­las ex­pe­ri­ên­ci­as vi­vi­das nes­sa fa­se. “A ro­ti­na es­co­lar é sem­pre cheia de no­vi­da­des, brin­ca­dei­ras, ex­plo­ra­ções, vi­vên­ci­as e pes­qui­sas, que apre­sen­tam um no­vo mun­do às cri­an­ças. Des­ta for­ma, elas apren­dem brin­can­do e ob­têm gran­des con­quis­tas e avan­ços”, des­ta­ca Ro­sân­ge­la.

Te­o­ria e prá­ti­ca: o que se­guir?

No de­cor­rer do pro­ces­so de apren­di­za­gem, di­ver­sas fer­ra­men­tas po­dem con­tri­buir. Tal­vez, o gran­de ques­ti­o­na­men­to que cer­ca es­se as­sun­to se­ja so­bre a di­ver­gên­cia (ou re­la­ção) en­tre te­o­ria e prá­ti­ca. “Sem dú­vi­da, a me­lhor ma­nei­ra de se apren­der é pra­ti­can­do a te­o­ria, trans­for­man­do in­for­ma­ção em co­nhe­ci­men­to e co­nhe­ci­men­to em ex­pe­ri­ên­cia”, aponta Evelyn.

A psi­co­pe­da­go­ga Car­la Ro­dri­gues afir­ma que a in­te­ra­ção en­tre am­bas pro­mo­ve mais chan­ces de de­sen­vol­ver a apren­di­za­gem. “Quan­to mai­or o co­nhe­ci­men­to pré­vio e o es­tí­mu­lo ad­qui­ri­do, mais efi­caz o pro­ces­so se tor­na. Um exem­plo são as es­co­las de en­si­no mé­dio que ofe­re­cem o cur­so téc­ni­co; elas in­cen­ti­vam a prá­ti­ca de es­tá­gio, pois a apren­di­za­gem tor­na-se sig­ni­fi­ca­ti­va quan­do ocor­re a jun­ção de te­o­ria e prá­ti­ca as­so­ci­a­da às in­te­ra­ções so­ci­ais”, exem­pli­fi­ca. Ro­sân­ge­la ex­pli­ca que, na es­co­la, es­sa re­la­ção de­ve ser ca­da vez mais uti­li­za­da, pois, ao ob­ter re­fe­rên­ci­as re­ais, a cri­an­ça aprende o con­teú­do de uma ma­nei­ra re­le­van­te e di­fi­cil­men­te irá es­que­cê-lo.

Qual a fun­ção da tec­no­lo­gia?

Com o ine­vi­tá­vel e cons­tan­te avan­ço tec­no­ló­gi­co, sua pre­sen­ça no apren­di­za­do tam­bém es­tá au­men­tan­do. Con­tu­do, di­ver­sos prós e con­tras são elen­ca­dos nes­se cam­po. “É fun­da­men­tal a in­ser­ção do as­pec­to tec­no­ló­gi­co em pro­ces­sos de apren­di­za- gem, pois es­sa é a re­a­li­da­de atu­al e um ca­mi­nho sem vol­ta. Além dis­so, a tec­no­lo­gia pro­por­ci­o­na mais in­te­ra­ti­vi­da­de e es­tí­mu­los ao cé­re­bro por pos­suir ca­rac­te­rís­ti­cas mais com­ple­xas”, re­la­ta Evelyn.

Por ou­tro la­do, há quem de­fen­da a uti­li­za­ção da tra­di­ci­o­nal fór­mu­la pa­pel e ca­ne­ta. “A es­cri­ta tem uma fun­ção im­por­tan­te no pro­ces­so de apren­di­za­gem, pois per­mi­te re­fle­tir so­bre o con­teú­do que es­tá sen­do abor­da­do. Além dis­so, pro­por­ci­o­na a or­ga­ni­za­ção do pen­sa­men­to, con­tri­bui no exer­cí­cio do ra­ci­o­cí­nio e na ha­bi­li­da­de de do­mí­nio da es­cri­ta e fa­vo­re­ce a aten­ção e a me­mó­ria”, men­ci­o­na Car­la.

A pro­fis­si­o­nal co­men­ta que a tec­no­lo­gia se faz re­le­van­te em di­ver­sos ca­sos co­mo oti­mi­za­do­ra de tem­po, prin­ci­pal­men­te quan­do há di­fi­cul­da­des es­pe­cí­fi­cas de apren­di­za­gem. Con­tu­do, ela des­ta­ca que de­ve-se con­ci­li­ar co­mo e quan­do es­se ti­po de su­por­te se­rá uti­li­za­do.

Fa­ci­li­da­de vs. di­fi­cul­da­de

Vo­cê já pa­rou pa­ra pen­sar por que tem di­fi­cul­da­de em apren­der de­ter­mi­na­da ati­vi­da­de e ou­tra pes­soa a exe­cu­ta com ex­tre­ma fa­ci­li­da­de? Es­sa di­fe­ren­ça po­de ter vá­ri­as ex­pli­ca­ções. “O co­nhe­ci­men­to ga­nha di­ver­sas di­men­sões de acor­do com o meio em que se vi­ve, os es­tí­mu­los re­ce­bi­dos, as opor­tu­ni­da­des de ex­plo­rar e co­nhe­cer o mun­do que o cer­ca”, des­cre­ve Car­la.

Além des­ses as­pec­tos não se­rem úni­cos pa­ra ca­da um, ou­tras ati­tu­des in­ter­fe­rem no pro­ces­so. “As pes­so­as pos­su­em três bar­rei­ras que pre­ci­sam trans­por pa­ra apren­der mais: a pri­mei­ra é re­co­nhe­cer a ne­ces­si­da­de de tal apren­di­za­do; a se­gun­da é eli­mi­nar cren­ças li­mi­tan­tes de que o as­sun­to que ne­ces­si­ta apren­der é di­fí­cil e que não é ca­paz de as­si­mi­lar; e, por úl­ti­mo, ter for­ça de von­ta­de em apren­der”, fi­na­li­za Evelyn.

CONSULTORIAS Car­la Ro­dri­gues Luiz, psi­co­pe­da­go­ga; Evelyn Cor­dei­ro, de­sen­vol­ve­do­ra de me­to­do­lo­gia de apren­di­za­gem; Ro­sân­ge­la Ha­se­gawa, pe­da­go­ga.

“Apren­der é um ato de cu­ri­o­si­da­de, e é na in­fân­cia que es­se gos­to co­me­ça a de­sa­bro­char. O pri­mei­ro es­tí­mu­lo à apren­di­za­gem de­ve sur­gir em ca­sa.” Evelyn Cor­dei­ro, de­sen­vol­ve­do­ra de me­to­do­lo­gia de apren­di­za­gem

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.