As mais no­vas pes­qui­sas e des­co­ber­tas da neu­ro­ci­ên­cia

Segredos da Mente - - Pilulas -

O po­der da mú­si­ca na sua men­te

Um es­tu­do re­a­li­za­do pe­la or­ga­ni­za­ção bri­tâ­ni­ca Min­dlab, fo­ca­da no com­por­ta­men­to do cé­re­bro hu­ma­no, ob­te­ve um re­sul­ta­do in­te­res­san­te re­la­ci­o­na­do à mú­si­ca e an­si­e­da­de. Os ci­en­tis­tas mon­ta­ram uma play­list com 10 mú­si­cas ide­ais pa­ra re­du­zir os sin­to­mas do pro­ble­ma. Eles che­ga­ram às can­ções es­co­lhi­das a par­tir de tes­tes fei­tos com vo­lun­tá­ri­os, en­quan­to eles eram tes­ta­dos com ta­re­fas de ló­gi­ca. Com sen­so­res aco­pla­dos em seus cor­pos, os vo­lun­tá­ri­os mos­tra­ram su­as ati­vi­da­des ce­re­brais e fi­si­o­ló­gi­cas, em ge­ral, en­quan­to ou­vi­am de­ter­mi­na­das can­ções. O re­sul­ta­do é uma play­list pa­ra lá de re­la­xan­te. En­tre as mú­si­cas es­co­lhi­das, es­tão a mú­si­ca “Weigh­tless”, do gru­po Mar­co­ni Uni­on, e “So­me­o­ne Li­ke You”, da can­to­ra Ade­le. En­quan­to a pri­mei­ra foi fei­ta em par­ce­ria com a ins­ti­tui­ção Bri­tish Aca­demy of Sound The­rapy, com o in­tui­to de re­du­zir a an­si­e­da­de em até 65%, a se­gun­da é um dos gran­des su­ces­sos da dé­ca­da.

Cri­se da meia-ida­de

Uma pes­qui­sa fei­ta na No­va Ze­lân­dia pre­vê que 80% das pes­so­as irão so­frer com al­gum ti­po de trans­tor­no men­tal, co­mo an­si­e­da­de, du­ran­te a cri­se da meia-ida­de (co­me­ça aos 35 e ter­mi­na aos 58). Ela foi, pu­bli­ca­da no Jour­nal of Ab­nor­mal Psy­cho­logy, te­ve a par­ti­ci­pa­ção de 988 vo­lun­tá­ri­os nas­ci­dos en­tre abril de 1972 e mar­ço de 1973 em Du­ne­din, na No­va Ze­lân­dia. Os ci­en­tis­tas ana­li­sa­ram 13 ve­zes a saú­de men­tal de ca­da um dos in­di­ví­du­os des­de o nascimento até os 38 anos, sen­do que oi­to des­sas ava­li­a­ções fo­ram fei­tas en­tre os 11 e os 38 anos. A par­tir dis­so, eles no­ta­ram que ape­nas 171 vo­lun­tá­ri­os (17%) não apre­sen­ta­ram sin­to­mas de an­si­e­da­de, de­pres­são ou trans­tor­nos re­la­ci­o­na­dos den­tro do pe­río­do ci­ta­do aci­ma. Mais da me­ta­de pas­sou por al­gum epi­só­dio pas­sa­gei­ro, co­mo ata­ques de an­si­e­da­de ou abu­so de subs­tân­ci­as. Já 41% dos vo­lun­tá­ri­os ex­pe­ri­men­ta­ram al­gum ti­po de con­di­ção men­tal que du­rou vá­ri­os anos. O que mais sur­pre­en­deu os ci­en­tis­tas, no en­tan­to, foi que os vo­lun­tá­ri­os que apre­sen­ta­ram boa saú­de men­tal não são pri­vi­le­gi­a­dos pe­la so­ci­e­da­de ou pe­la ge­né­ti­ca. Di­ver­sos pes­qui­sa­do­res acre­di­ta­vam que se um in­di­ví­duo cres­ces­se em uma fa­mí­lia bem es­tru­tu­ra­da, fos­se fi­si­ca­men­te sau­dá­vel e ti­ras­se bo­as no­tas em tes­tes de QI, ele te­ria me­nos chan­ces de de­sen­vol­ver uma doença men­tal. Ape­sar de o es­tu­do ter si­do fei­to ape­nas com uma amos­tra de pes­so­as em uma de­ter­mi­na­da ci­da­de, ou­tras pes­qui­sas apon­tam re­sul­ta­dos si­mi­la­res. De acordo com o si­te Sci­en­ceNews, es­ti­ma­ti­vas re­cen­tes de ou­tros paí­ses, co­mo EUA e Suí­ça, mos­tram que en­tre 61% e 85% dos par­ti­ci­pan­tes de­sen­vol­ve­ram con­di­ções men­tais en­tre 12 anos e 30 anos.

Alí­vio pa­ra a an­si­e­da­de e a de­pres­são

Es­sa é a fun­ção de uma no­va subs­tân­cia cha­ma­da pro­teí­na JNK, des­co­ber­ta pe­la equi­pe li­de­ra­da pe­la pro­fes­so­ra Ele­a­nor Cof­fey, da Uni­ver­si­da­de Abo Aka­de­mi (Fin­lân­dia), em co­la­bo­ra­ção com co­le­gas dos EUA. Ela des­co­briu que, quan­do ati­va, es­sa pro­teí­na ini­be o nascimento de no­vos neurô­ni­os no hi­po­cam­po, uma par­te do cé­re­bro en­vol­vi­da nas emo­ções e no apren­di­za­do. Ao re­gu­lar o pro­ces­so de au­to­des­trui­ção ce­lu­lar, a pro­teí­na ali­via a an­si­e­da­de e o com­por­ta­men­to de­pres­si­vo em ani­mais de la­bo­ra­tó­rio. Es­te me­ca­nis­mo, des­co­nhe­ci­do até ago­ra, traz uma no­va vi­são so­bre co­mo o cé­re­bro fun­ci­o­na pa­ra re­gu­lar o hu­mor e in­di­ca que os ini­bi­do­res de JNK, co­mo o usa­do no ex­pe­ri­men­to, po­dem for­ne­cer uma no­va via pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de dro­gas an­ti­de­pres­si­vas e an­si­o­lí­ti­cas.

Pri­mei­ros si­nais

Se­gun­do um es­tu­do pu­bli­ca­do no Jor­nal da Aca­de­mia Ame­ri­ca­na de Psi­qui­a­tria da Cri­an­ça e do Ado­les­cen­te, al­guns fa­to­res per­mi­tem pre­ver o de­sen­vol­vi­men­to da an­si­e­da­de. Ana­li­san­do exames ce­re­brais de re­cém-nas­ci­dos, pes­qui­sa­do­res des­co­bri­ram que a for­ça e o pa­drão das co­ne­xões en­tre a amíg­da­la e cer­tas re­giões ce­re­brais po­dem pre­ver a pro­ba­bi­li­da­de dos be­bês de­sen­vol­ve­rem mai­o­res sin­to­mas de in­ter­na­li­za­ção, tais co­mo tris­te­za, ti­mi­dez ex­ces­si­va, ner­vo­sis­mo ou an­si­e­da­de de se­pa­ra­ção até os dois anos de ida­de. Tais sin­to­mas es­tão sen­do as­so­ci­a­dos à de­pres­são e trans­tor­nos de an­si­e­da­de em cri­an­ças mais ve­lhas e adul­tos. O fa­to de iden­ti­fi­car es­ses pa­drões de co­nec­ti­vi­da­de no cé­re­bro lo­go após o nascimento aju­da a res­pon­der a uma ques­tão crí­ti­ca so­bre se eles po­de­ri­am ser res­pon­sá­veis pe­los sin­to­mas pre­co­ces li­ga­dos à de­pres­são e an­si­e­da­de ou se os sin­to­mas em si le­vam a al­te­ra­ções no cé­re­bro.

Fon­tes de an­si­e­da­de

Pro­ble­mas com di­nhei­ro e pres­são exer­ci­da pe­la es­co­la são as mai­o­res fon­tes de an­si­e­da­de pa­ra os ado­les­cen­tes bra­si­lei­ros, con­for­me apon­ta pes­qui­sa re­a­li­za­da pe­la Fun­da­ção Var­key, em par­ce­ria com a Po­pu­lus. Os dois fa­to­res apa­re­cem à fren­te de ques­tões co­mo saú­de, vi­o­lên­cia, fa­mí­lia, ami­gos, re­des so­ci­ais e re­cur­sos bá­si­cos. Ao to­do, fo­ram 20.088 entrevistas on­li­ne com jo­vens de 15 a 21 anos, de 19 de se­tem­bro a 26 de ou­tu­bro de 2016. Ca­da jo­vem en­tre­vis­ta­do es­co­lheu as três mai­o­res fon­tes de an­si­e­da­de. No Bra­sil, 58% dos jo­vens ele­ge­ram “di­nhei­ro”; 45% mar­ca­ram “es­co­la” e 35%, “fa­mí­lia”. Con­si­de­ran­do a mé­dia dos 20 paí­ses da pes­qui­sa, 46% dos ado­les­cen­tes afir­ma­ram que a pres­são dos co­lé­gi­os co­la­bo­ra pa­ra o mal-es­tar. Por ou­tro la­do, é tam­bém na es­co­la que os jo­vens pro­cu­ram re­fe­rên­ci­as de va­lo­res que de­se­jam se­guir. A pes­qui­sa in­di­ca que, na mé­dia glo­bal, pa­ra 70% dos ado­les­cen­tes, os pro­fes­so­res exer­cem in­fluên­cia sig­ni­fi­ca­ti­va so­bre seus pen­sa­men­tos. Quan­do ques­ti­o­na­dos so­bre os prin­ci­pais me­dos em re­la­ção ao fu­tu­ro, 85% dos jo­vens bra­si­lei­ros apon­ta­ram o ex­tre­mis­mo e o cres­ci­men­to do ter­ro­ris­mo glo­bal. Co­mo es­pe­ran­ça, eles afir­mam que de­po­si­tam con­fi­an­ça em avan­ços tec­no­ló­gi­cos pa­ra so­lu­ci­o­nar pro­ble­mas dos pró­xi­mos anos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.