Vo­cê é uma pes­soa an­si­o­sa?

Pa­ra res­pon­der a es­sa per­gun­ta, é pre­ci­so, pri­mei­ra­men­te, en­ten­der o que é es­se dis­túr­bio

Segredos da Mente - - Pilulas -

Opro­ble­ma, que tem atin­gi­do cer­ca de 33% da po­pu­la­ção em to­do o mun­do, se­gun­do dados da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS), pre­ci­sa ser iden­ti­fi­ca­do e tra­ta­do cor­re­ta­men­te ao si­nal dos pri­mei­ros sin­to­mas. Mas vo­cê sa­be o porquê ele tem cres­ci­do tan­to nos úl­ti­mos ano e co­mo ele afe­ta o cor­po e a men­te? “A an­si­e­da­de é um efei­to or­gâ­ni­co co­mum de pre­o­cu­pa­ções, me­dos

e exi­gên­ci­as, que pro­vo­ca li­be­ra­ção de cor­ti­sol e adre­na­li­na, ace­le­ran­do o cor­po pa­ra ata­car ou fu­gir. Ima­gi­ne se um ani­mal fi­car in­di­fe­ren­te às ame­a­ças: quan­to tem­po du­ra­ria em uma sel­va? Nes­ses ter­mos, a an­si­e­da­de te­ria si­do um dos me­ca­nis­mos psi­co­ló­gi­cos e or­gâ­ni­cos que per­mi­tiu a so­bre­vi­vên­cia da es­pé­cie”, exem­pli­fi­ca o psi­có­lo­go clí­ni­co e hip­no­te­ra­peu­ta, Bayard Gal­vão.

Sim­pli­fi­can­do o pro­ble­ma

O neu­ro­lo­gis­ta e mes­tre em neu­ro­ci­ên­cia Martin Port­ner tem um exem­plo prá­ti­co de co­mo a an­si­e­da­de co­me­ça a se ma­ni­fes­tar no cor­po e co­mo a pes­soa afe­ta­da po­de se sen­tir. “Ima­gi­ne que vo­cê deu fal­ta de seu car­tão de cré­di­to e de­ci­de can­ce­lá-lo via apli­ca­ti­vo de ce­lu­lar. A ope­ra­ção é bem su­ce­di­da e o car­tão não po­de­rá mais ser uti­li­za­do – vo­cê usou um me­ca­nis­mo de se­gu­ran­ça no mo­men­to e na for­ma cor­re­ta. Ago­ra, su­po­nha que vo­cê fa­ça is­so di­a­ri­a­men­te, can­ce­lan­do seus car­tões as­sim que os no­vos che­gam. Vo­cê per­de­rá ho­ras pre­ci­o­sas nes­se pro­ces­so – e dei­xa­rá de fa­zer coi­sas mais im­por­tan­tes e ne­ces­sá­ri­as”. Ain­da se­gun­do o es­pe­ci­a­lis­ta, des­sa mes­ma ma­nei­ra, o cé­re­bro pos­sui um me­ca­nis­mo de se­gu­ran­ça des­ti­na­do a nos pro­te­ger. “Es­se me­ca­nis­mo cria uma re­a­ção de aler­ta que fil­tra as in­for­ma­ções que en­tram pe­los sen­ti­dos e di­mi­nui a quan­ti­da­de de pen­sa­men­tos na­que­le mo­men­to. O cor­po, no mes­mo com­pas­so, en­tra em um es­ta­do pro­pí­cio pa­ra o gas­to ex­tra de ener­gia – por exem­plo, dar a meia vol­ta e ini­ci­ar uma fu­ga ou co­lo­car o sis­te­ma mus­cu­lar em po­si­ção de lu­ta. Al­gu­mas pes­so­as en­tram e sa­em des­se sis­te­ma de aler­ta sem tem­po pa­ra re­cu­pe­ra­ção e mer­gu­lham no que cha­ma­mos de es­ta­do de an­si­e­da­de”, fi­na­li­za.

Co­mo iden­ti­fi­car uma pes­soa an­si­o­sa?

O au­to­di­ag­nós­ti­co de al­gu­mas dis­fun­ções na saú­de po­de ser al­go bem con­fu­so e pe­ri­go­so, já que o pro­ble­ma que se ima­gi­na ter po­de não exis­tir ou, até mes­mo, tra­tar-se de ou­tra coi­sa. Mas quan­do o as­sun­to é a an­si­e­da­de, os sin­to­mas clás­si­cos po­dem ser iden­ti­fi­ca­dos com fa­ci­li­da­de pe­lo por­ta­dor. No en­tan­to, o es­sen­ci­al é bus­car a aju­da ade­qua­da e, em hi­pó­te­se al­gu­ma, pra­ti­car a au­to­me­di­ca­ção. “Qual­quer pes­soa po­de iden­ti­fi­car se es­tá ou não an­si­o­sa. O im­por­tan­te é que, em de­ter­mi­na­dos sin­to­mas que en­vol­vam a par­te fí­si­ca, ha­ja uma con­fir­ma­ção mé­di­ca, pa­ra que o in­di­ví­duo não se me­di­que ou con­fun­da al­guns sin­to­mas com ou­tra doença im­por­tan­te. Is­so ocor­re mui­to em re­la­ção a pal­pi­ta­ções e fal­ta de ar, que po­dem ser al­go re­la­ci­o­na­do, por exem­plo, a um ata­que car­día­co”, es­cla­re­ce a psi­có­lo­ga Lu­ci­a­na Ko­ta­ka. A se­guir, vo­cê con­fe­re 8 dos prin­ci­pais sin­to­mas do pro­ble­ma, e des­co­bre co­mo eles se ma­ni­fes­tam no por­ta­dor.

1. Sen­sa­ção de de­ses­pe­ro: ge­ral­men­te, a pes­soa que so­fre com an­si­e­da­de ex­ces­si­va ten­de a se de­ses­pe­rar até mes­mo em si­tu­a­ções mais sim­ples do co­ti­di­a­no, fa­zen­do uma ver­da­dei­ra tem­pes­ta­de em co­po d’água. “A for­ma mais ime­di­a­ta é ob­ser­var o com­por­ta­men­to da pes­soa: via de re­gra, o an­si­o­so é im­pa­ci­en­te, apres­sa­do, fa­la mais rá­pi­do que o nor­mal e, às ve­zes, é com­pul­si­vo. Com frequên­cia atro­pe­la os acon­te­ci­men­tos. Mui­tas ve­zes quer fa­zer vá­ri­as coi­sas ao mes­mo tem­po ou mu­dar ra­pi­da­men­te pa­ra uma ati­vi­da­de sem ter aca­ba­do ple­na­men­te a an­te­ri­or”, ex­pli­ca o pro­fes­sor do cur­so de for­ma­ção de ins­tru­to­res de yo­ga in­te­gra­do do gru­po Zê­ni­te, Ar­lin­do Fi­o­ren­tin.

2. Me­do de mor­rer: a ideia de que uma doença po­de es­tar lhe aco­me­ten­do ou um de­sas­tre po­de acon­te­cer a qual­quer mo­men­to tam­bém faz par­te dos pen­sa­men­tos de qua­dros an­si­o­sos. “Me­do, in­se­gu­ran­ça, ex­pec­ta­ti­vas e pre­o­cu­pa­ções em ex­ces­so acon­te­cem em ca­sos mais agu­dos”, com­ple­ta o te­ra­peu­ta Adri­a­no Sa­ran.

3. Or­ga­ni­za­ção ex­ces­si­va (ou TOC): mui­ta gen­te tem ma­nia de lim­pe­za e de or­ga­ni­za­ção, e is­so é nor­mal. No en­tan­to, quan­do pe­que­nos de­ta­lhes pas­sam a atra­pa­lhar a ro­ti­na da pes­soa e ir­ri­tá-la com frequên­cia, po­de ser que a an­si­e­da­de es­te­ja pas­san­do dos li­mi­tes.

4. Com­pul­são ali­men­tar: es­tres­se e a an­si­e­da­de, na mai­o­ria dos ca­sos, es­tão re­la­ci­o­na­dos com a com­pul­si­vi­da­de à me­sa. “A an­si­e­da­de po­de ser de­sen­ca­de­a­da por ou­tros fa­to­res. As­sim, ali­men­tos de al­to ín­di­ce gli­cê­mi­co, co­mo os do­ces, por meio de um efei­to re­bo­te da gli­co­se no san­gue, po­dem le­var à hi­po­gli­ce­mia, e es­ta, à an­si­e­da­de. De­fi­ci­ên­ci­as de mi­ne­rais, co­mo mag­né­sio (que é cal­man­te), cro­mo e cál­cio, tam­bém po­dem fa­vo­re­cer os es­ta­dos de an­si­e­da­de”, acres­cen­ta Fi­o­ren­tin.

5. Fal­ta de con­cen­tra­ção: se per­der na lei­tu­ra ou no que uma pes­soa lhe diz com frequên­cia po­de ser um si­nal de que a men­te não an­da bem. “Uma ca­rac­te­rís­ti­ca é es­tar fo­ra do ‘aqui e ago­ra’, pois os pen­sa­men­tos se pro­je­tam mui­to pa­ra o de­pois, o fu­tu­ro”, fri­sa o pro­fes­sor.

6. Insô­nia cons­tan­te: na mai­o­ria das ve­zes, ela é uma incô­mo­da con­sequên­cia do ex­ces­so de pre­o­cu­pa­ções. “A an­si­e­da­de apa­re­ce com sin­to­mas de de­sâ­ni­mo, pa­ra­li­za­ção, pre­o­cu­pa­ções ex­ces­si­vas, mui­tos me­dos, e é fi­si­ca­men­te des­gas­tan­te. Ela dre­na a sua ener­gia men­tal, im­pe­de de ter uma boa noi­te de so­no e de re­la­xar, co­lo­can­do o seu cor­po em es­ta­do de aler­ta”, ex­pli­ca a te­ra­peu­ta e ho­me­o­pa­ta Shei­la Gu­ti­er­rez.

7. Va­zio emo­ci­o­nal: se es­tá di­fí­cil en­con­trar um sen­ti­do po­si­ti­vo nas ati­vi­da­des re­a­li­za­das, a men­te po­de es­tar pre­ci­san­do de um des­can­so. “A an­si­e­da­de se ma­ni­fes­ta por con­ta de in­sa­tis­fa­ções que a pes­soa tem por não ter o em­pre­go que gos­ta­ria, de não ter o na­mo­ra­do que de­se­ja, de não ter o di­nhei­ro pa­ra com­prar tu­do que que­ria, de não ser tão bo­ni­ta co­mo os modelos de te­le­vi­são e ou­tras si­tu­a­ções que lhe são bom­bar­de­a­das di­a­ri­a­men­te, ti­ran­do-lhe da sua re­a­li­da­de”, de­ta­lha Shei­la. 8. Sen­sa­ção de que al­go ruim vai acon­te­cer: a men­te ator­men­ta­da por su­pos­tos acon­te­ci­men­tos trá­gi­cos é um gra­ve si­nal de an­si­e­da­de ex­ces­si­va. “Em um es­ta­do mais agu­do des­se trans­tor­no, a pes­soa an­si­o­sa se ator­men­ta com a su­po­si­ção de que al­go de ruim vai acon­te­cer, e es­tá cons­tan­te­men­te ‘em guar­da’ pa­ra pre­ve­ni-lo”, pon­tua Fi­o­ren­tin.

Quan­do ela atra­pa­lha?

A es­pe­ra de um gran­de acon­te­ci­men­to po­de ge­rar uma an­si­e­da­de nor­mal, po­den­do até re­sul­tar em uma noi­te mal dor­mi­da, fal­ta de ape­ti­te ou a fa­mo­sa dor de bar­ri­ga. Mas exis­tem al­guns sin­to­mas que me­re­cem uma aten­ção mai­or e de­vem ser de­ta­lha­dos a um es­pe­ci­a­lis­ta. “Mu­dan­ça de com­por­ta­men­to ali­men­tar (co­mer em ex­ces­so ou per­der a fo­me), insô­nia fre­quen­te­men­te, fal­ta de con­cen­tra­ção no que se faz ou mes­mo con­ver­sar e ou­vir o que o ou­tro fa­la, além de fal­ta de ar, são im­por­tan­tes aler­tas pa­ra se bus­car aju­da o quan­to an­tes”, lis­ta a psi­có­lo­ga Lu­ci­a­na Ko­ta­ka. Por­tan­to, quan­do a an­si­e­da­de in­ter­fe­re di­re­ta­men­te na qua­li­da­de de vi­da do afe­ta­do, ela aca­ba se tor­nan­do um pro­ble­ma mais gra­ve, que de­ve ser tra­ta­do.

CONSULTORIA Adri­a­no Sa­ran, te­ra­peu­ta; Ar­lin­do Fi­o­ren­tin, pro­fes­sor do cur­so de for­ma­ção de ins­tru­to­res de yo­ga in­te­gra­do do gru­po Zê­ni­te; Bayard Gal­vão, psi­có­lo­go clí­ni­co e hip­no­te­ra­peu­ta; Lu­ci­a­na Ko­ta­ka te­ra­peu­ta e ho­me­o­pa­ta; Martin Port­ner,...

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.