Ali­a­dos al­ter­na­ti­vos

Op­ções não con­ven­ci­o­nais po­dem con­tri­buir pa­ra ali­vi­ar as emo­ções ne­ga­ti­vas

Segredos da Mente - - Editorial - TEX­TO VIC­TOR SAN­TOS E VITOR MANFIO/COLABORADORES ENTREVISTAS RI­CAR­DO PICCINATO DESIGN RENAN OLIVEIRA

Te­ra­pi­as di­fe­ren­ci­a­das que po­dem ser im­por­tan­tes ele­men­tos no pro­ces­so de re­cu­pe­ra­ção

Qu­an­dou­ma pes­soa re­ce­be o di­ag­nós­ti­co de de­pres­são, lo­go pas­sa por sua men­te e de seus fa­mi­li­a­res as con­sul­tas com psi­có­lo­gos, mé­di­cos e ou­tros pro­fis­si­o­nais li­ga­dos ao tra­ta­men­to da saú­de men­tal. Não que is­so es­te­ja in­cor­re­to, mui­to pe­lo con­trá­rio: o acom­pa­nha­men­to com es­ses es­pe­ci­a­lis­tas é fun­da­men­tal pa­ra aju­dar a su­pe­rar o dis­túr­bio. Con­tu­do, ou­tras téc­ni­cas me­nos as­so­ci­a­das ao con­tro­le do trans­tor­no pos­su­em po­ten­ci­al pa­ra ali­vi­ar os sin­to­mas e mu­dar a pos­tu­ra, o pen­sa­men­to e o com­por­ta­men­to dos pa­ci­en­tes.

A ar­te da me­di­ta­ção

Es­sa téc­ni­ca vem sen­do ca­da vez mais usa­da de for­ma com­ple­men­tar ao tra­ta­men­to mé­di­co. “Na me­di­ta­ção, uti­li­za­mos a res­pi­ra­ção co­mo uma vi­ga mes­tra. Quan­do oxi­ge­na­mos as cé­lu­las ner­vo­sas, há uma al­te­ra­ção no hu­mor que nos faz sair do es­ta­do de inér­cia pa­ra uma mai­or pro­a­ti­vi­da­de”, ex­pli­ca a te­ra­peu­ta es­pe­ci­a­lis­ta em me­di­ta­ção Na­ra Lou­za­da.

Por meio des­se pro­ce­di­men­to, é pos­sí­vel es­ti­mu­lar nos­so cé­re­bro pa­ra trans­for­mar a in­ter­pre­ta­ção de si­tu­a­ções do dia a dia. “A me­di­ta­ção atua na par­te fron­tal do cé­re­bro, on­de se si­tu­am a aten­ção e o fo­co, além de tra­ba­lhar o sis­te­ma lím­bi­co, res­pon­sá­vel pe­las ques­tões emo­ci­o­nais”, des­cre­ve Na­ra.

A pro­fis­si­o­nal tam­bém apon­ta al­gu­mas di­cas pa­ra de­sen­vol­ver es­sa prá­ti­ca após al­gu­mas con­sul­tas ou, até mes­mo, pa­ra quem de­se­ja in­ves­tir na me­di­ta­ção:

“Pou­co a pou­co, po­de ser fei­ta pe­la pró­pria pes­soa, sem au­xí­lio de nin­guém, du­ran­te cin­co mi­nu­tos diá­ri­os”;

“Uti­li­ze téc­ni­cas de subs­ti­tui­ção de sen­ti­men­tos opos­tos. Por exem­plo: ins­pi­rar en­tu­si­as­mo e ex­pi­rar de­sâ­ni­mo; ou ins­pi­rar ale­gria e ex­pi­rar tris­te­za;

“A me­di­ta­ção cos­tu­ma ter mui­to êxi­to no tra­ta­men­to, mas o ide­al sem­pre é pre­ve­nir, pra­ti­can­do-a an­tes que a doença se ins­ta­le”.

Me­xa-se!

O tem­po to­do nós so­mos lem­bra­dos do quan­to é im­por­tan­te pra­ti­car es­por­tes. Além de ser uma im­por­tan­te ati­tu­de na bus­ca por uma vi­da mais sau­dá­vel, es­sa prá­ti­ca po­de tra­zer van­ta­gens na lu­ta con­tra a de­pres­são — es­pe­ci­al­men­te pe­lo fa­to de aju­dar na mai­or li­be­ra­ção de en­dor­fi­na.

“A en­dor­fi­na é um hormô­nio pro­du­zi­do pe­la glân­du­la hi­pó­fi­se e pro­mo­ve no or­ga­nis­mo efei­to anal­gé­si­co, de bem-es­tar, me­lho­ra do hu­mor e ale­gria”, des­cre­ve o or­to­pe­dis­ta Mau­ro Olí­vio Mar­ti­nel­li. “Por ser li­be­ra­da após ati­vi­da­des fí­si­cas e, por con­ta dos seus efei­tos, po­de aju­dar no com­ba­te à de­pres­são”.

De acordo com o mé­di­co, al­guns es­tu­dos in­di­cam que ati­vi­da­des fí­si­cas ae­ró­bi­cas co­mo ca­mi­nha­das, cor­ri­das, an­dar de bi­ci­cle­ta e na­dar li­be­ram mai­o­res ní­veis de en­dor­fi­na.

As­sim, com o acom­pa­nha­men­to de um pro­fis­si­o­nal es­pe­ci­a­li­za­do, é pos­sí­vel con­so­li­dar uma re­gu­la­ri­da­de na prá­ti­ca de es­por­tes que, além de aju­dar a su­pe­rar o trans­tor­no, po­de co­la­bo­rar pa­ra me­lho­ras em áre­as co­mo me­mó­ria, apren­di­za­do, hu­mor, dis­po­si­ção, so­no e au­to­es­ti­ma.

Me­di­ta­ção + es­por­tes

Uma pes­qui­sa da Uni­ver­si­da­de de Rut­gers, nos Es­ta­dos Uni­dos, ana­li­sou 52 pes­so­as e con­cluiu que me­di­tar an­tes de pra­ti­car ati­vi­da­des fí­si­cas re­du­ziu a in­ten­si­da­de dos sin­to­mas de quem ti­nha de­pres­são em 40%. As prin­ci­pais al­te­ra­ções iden­ti­fi­ca­das fo­ram no cór­tex pré-fron­tal (res­pon­sá­vel pe­lo fo­co e pe­la aten­ção) e no hi­po­cam­po (li­ga­do à me­mó­ria e à apren­di­za­gem). An­tes dos tes­tes, am­bas as re­giões apre­sen­ta­vam al­te­ra­ções na co­mu­ni­ca­ção en­tre as cé­lu­las, e até um ta­ma­nho re­du­zi­do. Após as ava­li­a­ções, no­tou-se que as áre­as es­ta­vam pró­xi­mas do que é con­si­de­ra­do ide­al e sau­dá­vel.

No pra­to

Boa no­tí­cia: a ali­men­ta­ção tam­bém po­de ser uma ali­a­da e tan­to na ho­ra de pre­ve­nir al­guns sin­to­mas re­la­ci­o­na­dos à de­pres­são. “Cer­tos ali­men­tos são be­né­fi­cos por su­as pro­pri­e­da­des cal­man­tes e es­ta­bi­li­za­do­ras do es­ta­do de âni­mo ou hu­mor”, ex­pli­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta Fer­nan­da Mar­ques. “O trip­to­fa­no, por exem­plo, é um ami­noá­ci­do pre­cur­sor da se­ro­to­ni­na — neu­ro­trans­mis­sor que dá a sen­sa­ção de bem-es­tar — e es­tá pre­sen­te em ali­men­tos co­mo ba­na­na e grão-de-bi­co. Por is­so, va­le in­cluí-los no dia a dia”, apon­ta. As ole­a­gi­no­sas, em es­pe­ci­al a cas­ta­nha-do-pa­rá, tam­bém são in­di­ca­das, já que con­têm se­lê­nio, um oxi­dan­te po­de­ro­so que au­xi­lia no fun­ci­o­na­men­to do sis­te­ma ner­vo­so.

A nu­tri­ci­o­nis­ta Re­gi­na Mo­ra­es Tei­xei­ra lis­ta mais al­guns ali­men­tos que po­dem dar

uma for­ça nes­sa ho­ra tão de­li­ca­da.

Ovos, pois “são fon­te de ti­a­mi­na e ni­a­ci­na, vi­ta­mi­nas do com­ple­xo B, que au­xi­li­am na ma­nu­ten­ção do bom hu­mor”;

Car­nes ma­gras e car­nes bran­cas, pois tam­bém pos­su­em a pre­sen­ça do trip­to­fa­no;

Aveia, “já que é ri­ca em vi­ta­mi­nas do com­ple­xo B e vi­ta­mi­na E, que com­ba­tem a an­si­e­da­de e a de­pres­são”;

Ve­ge­tais ver­des es­cu­ros, por con­ta da pre­sen­ça do fo­la­to, vi­ta­mi­na per­ten­cen­te ao com­ple­xo B. “Se­gun­do es­tu­dos, pa­ci­en­tes de­pri­mi­dos po­dem apre­sen­tar bai­xos ín­di­ces de vi­ta­mi­na B12, le­van­do à di­mi­nui­ção do fo­la­to e ao de­se­qui­lí­brio do me­ta­bo­lis­mo e dos neu­ro­trans­mis­so­res ce­re­brais”, co­men­ta Re­gi­na.

Téc­ni­ca ori­en­tal

Ou­tra opção que sur­ge pa­ra au­xi­li­ar quem se en­con­tra num qua­dro de­pres­si­vo é a acu­pun­tu­ra. De acordo com o acu­pun­tu­ris­ta Ru­be­nil­do Cou­ti­nho, há dois me­ca­nis­mos por meio dos quais es­sa prá­ti­ca po­de ser útil. “Há o ener­gé­ti­co, que con­sis­te no equi­lí­brio dos ca­nais por on­de a ener­gia do cor­po trans­cor­re, e o fi­si­o­ló­gi­co, que li­be­ra subs­tân­ci­as anal­gé­si­cas, an­ti-in­fla­ma­tó­ri­as, re­la­xan­tes mus­cu­la­res, além de ter uma ação mo­du­la­do­ra so­bre as emo­ções e dis­túr­bi­os co­mo a de­pres­são e a an­si­e­da­de, ao es­ti­mu­lar a pro­du­ção de hormô­ni­os co­mo a se­ro­to­ni­na e a en­dor­fi­na”, es­cla­re­ce.

Cou­ti­nho re­la­ta que a téc­ni­ca em­pre­ga­da in­clui es­tí­mu­los com agu­lhas ou la­ser em de­ter­mi­na­dos lo­cais da pe­le — os cha­ma­dos pon­tos de acu­pun­tu­ra — que são es­co­lhi­dos pa­ra tra­tar a de­pres­são.

For­ça que vem do som

Ao des­cre­ver seu ra­mo de atu­a­ção, a mu­si­co­te­ra­peu­ta Ma­ria Isa­bel da Pe­nha Si­ne­ga­glia re­la­ta que “a mú­si­ca — com­pos­ta de três ele­men­tos (me­lo­dia, har­mo­nia e rit­mo) — tem o po­der de trans­por bar­rei­ras emo­ci­o­nais e or­ga­ni­zar o in­te­ri­or do in­di­ví­duo. É in­di­ca­da pa­ra pre­ven­ção e tra­ta­men­to das do­en­ças fí­si­cas, emo­ci­o­nais, psí­qui­cas e com­por­ta­men­tais”.

Des­sa for­ma, a mu­si­co­te­ra­pia po­de agir de for­ma efe­ti­va na lu­ta con­tra a de­pres­são. “Tu­do por­que ela tra­ta as cau­sas emo­ci­o­nais com so­no­ri­da­des es­pe­cí­fi­cas pa­ra ca­da in­di­ví­duo, e as cau­sas fi­si­o­ló­gi­cas são tra­ta­das com sons que pro­mo­vem o au­men­to da oxi­ge­na­ção no san­gue e, por con­sequên­cia, uma mai­or oxi­ge­na­ção ce­re­bral”, fi­na­li­za a es­pe­ci­a­lis­ta.

CONSULTORIAS Fer­nan­da Mar­ques, nu­tri­ci­o­nis­ta; Ma­ria Isa­bel da Pe­nha Si­ne­ga­glia, mu­si­co­te­ra­peu­ta; Na­ra Lou­za­da, as­sis­ten­te so­ci­al e te­ra­peu­ta es­pe­ci­a­lis­ta em me­di­ta­ção; Re­gi­na Mo­ra­es Tei­xei­ra, nu­tri­ci­o­nis­ta fun­ci­o­nal, es­pe­ci­a­lis­ta em re­e­du­ca­ção...

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.