Mui­to além da tris­te­za

Di­fe­ren­ci­ar mo­men­tos tris­tes dos sin­to­mas da de­pres­são é uma ta­re­fa com­pli­ca­da, mas es­sen­ci­al pa­ra quem so­fre com a doença

Segredos da Mente - - Editorial - TEX­TO THI­A­GO KOGUCHI ENTREVISTAS VIC­TOR SAN­TOS/ CO­LA­BO­RA­DOR E GIOVANE ROCHA DESIGN VA­NES­SA SUEISHI

Es­se sen­ti­men­to e a de­pres­são são coi­sas di­fe­ren­tes. En­ten­da!

Aper­da de uma pes­soa pró­xi­ma, uma de­mis­são no tra­ba­lho, o fim do re­la­ci­o­na­men­to ou ape­nas um mo­men­to com­pli­ca­do: to­dos os di­as es­ta­mos su­jei­tos a al­gu­ma coi­sa que po­de nos dei­xar tris­tes. É uma re­a­ção nor­mal a es­se ti­po de even­to da vi­da e que po­de du­rar al­guns di­as. Nes­se con­tex­to, é co­mum ou­vir­mos que es­te­ja­mos um pou­co “de­prê”.

Ape­sar de tris­te­za e de­pres­são es­ta­rem re­la­ci­o­na­das, é im­pres­cin­dí­vel sa­ber di­fe­ren­ciá-las, pois são qua­dros bas­tan­te dis­tin­tos. “Tris­te­za é uma emo­ção, en­quan­to de­pres­são é uma doença”, re­su­me o psi­qui­a­tra ge­riá­tri­co Ken Rob­bins, da Uni­ver­si­da­de de Wis­con­sin-Ma­di­son, nos Es­ta­dos Uni­dos, em ar­ti­go no por­tal Ca­ring.com. E, mais im­por­tan­te ain­da, é sa­ber re­co­nhe­cer os sin­to­mas do dis­túr­bio, uma ta­re­fa nem sem­pre fá­cil.

Pri­mei­ros si­nais

Iden­ti­fi­car uma de­pres­são ain­da em seu es­tá­gio ini­ci­al é di­fí­cil por­que os sin­to­mas po­dem ser con­fun­di­dos com si­tu­a­ções cor­ri­quei­ras ou re­a­ções con­si­de­ra­das nor­mais no dia a dia. “Ge­ral­men­te, a de­pres­são co­me­ça co­mo um le­ve can­sa­ço, de­sin­te­res­se por ati­vi­da­des so­ci­ais, von­ta­de de se iso­lar, um me­do va­go e sem ex­pli­ca­ção, uma cer­ta tris­te­za e uma vi­são pes­si­mis­ta das coi­sas”, ex­pli­ca o psi­qui­a­tra Al­fre­do Si­mo­net­ti.

Ou­tro fa­tor que po­de di­fi­cul­tar o di­ag­nós­ti­co ini­ci­al, co­mo res­sal­ta a psi­qui­a­tra So­fia Bau­er, é o fa­to de a pes­soa ter pas­sa­do por ou­tros epi­só­di­os mais le­ves dos mes­mos sin­to­mas, mas acre­di­tar que foi uma cri­se pas­sa­gei­ra. “Ge­ral­men­te, a doença de­pres­si­va se ma­ni­fes­ta em jo­vens adul­tos e vem se ar­ras­tan­do ao lon­go da vi­da com cri­ses de­pres­si­vas cí­cli­cas. Ca­da vez que vol­ta, a cri­se se tor­na mais ar­ras­ta­da e pi­or”, sa­li­en­ta a es­pe­ci­a­lis­ta.

Em evi­dên­cia

O psi­qui­a­tra Al­fre­do Si­mo­net­ti ex­pli­ca que a tris­te­za é o sin­to­ma prin­ci­pal do qua­dro. “Nos ca­sos mais avan­ça­dos, é uma ‘tris­te­za que che­ga a do­er’, que vem acom­pa­nha­da de an­gús­tia, de de­ses­pe­ran­ça, de fal­ta de ener­gia, de de­sâ­ni­mo, len­ti­fi­ca­ção cog­ni­ti­va e dificuldades de me­mó­ria”, com­ple­ta.

A tris­te­za é, de fa­to, o si­nal mais evi­den­te. No en­tan­to, ge­ral­men­te es­tá acom­pa­nha­da de ou­tros com­por­ta­men­tos es­pe­cí­fi­cos. “Há mui­tos sin­to­mas que en­vol­vem o di­ag­nós­ti­co da de­pres­são e a ex­pe­ri­ên­cia de ca­da um po­de va­ri­ar. Se es­ses sin­to­mas per­sis­ti­rem por mais de du­as se­ma­nas ou se tor­na­rem mui­to fre­quen­tes, é bom acen­der o aler­ta”, res­sal­ta a psi­có­lo­ga Mo­ni­ca Pes­sa­nha. Fa­ça o tes­te da pá­gi­na 12 se vo­cê acha que cor­re o ris­co de de­sen­vol­ver de­pres­são.

Olhar im­por­tan­te

Em mui­tos ca­sos, a pes­soa com de­pres­são tem di­fi­cul­da­de em iden­ti­fi­car os sin­to­mas ou evi­ta fa­lar so­bre o pro­ble­ma. Por is­so, a fa­mí­lia e os ami­gos cos­tu­mam ter um pa­pel fun­da­men­tal tan­to pa­ra re­co­nhe­cer os si­nais da doença quan­to no tra­ta­men­to. “É es­sen­ci­al que to­dos fi­quem aten­tos, pa­ra que pos­sam le­var o pa­ci­en­te ao mé­di­co an­tes que pi­o­re de­mais seu qua­dro. Eles aju­dam de di­ver­sas ma­nei­ras: a le­var o pa­ci­en­te até o mé­di­co, a man­ter a me­di­ca­ção em dia sob vi­gi­lân­cia no iní­cio e tam­bém a dar o ca­ri­nho que pre­ci­sam nes­te mo­men­to. Uma aju­da com amor é sem­pre um gran­de di­fe­ren­ci­al”, rei­te­ra So­fia.

Pa­ra que o au­xí­lio se­ja po­si­ti­vo, a psi­có­lo­ga Mo­ni­ca Pes­sa­nha reforça que a fa­mí­lia não de­ve ja­mais for­çar a pes­soa a fa­zer na­da ou evi­tar crí­ti­cas. “Pro­cu­rar en­ten­der a de­pres­são por meio de bus­ca de in­for­ma­ção so­bre o as­sun­to é uma boa ma­nei­ra de evi­tar as crí­ti­cas por­que vo­cê en­ten­de­rá me­lhor o que a pes­soa es­tá pas­san­do”.

“É es­sen­ci­al que to­dos fi­quem aten­tos, pa­ra que pos­sam le­var o pa­ci­en­te ao mé­di­co an­tes que pi­o­re de­mais seu qua­dro." So­fia Bau­er, psi­qui­a­tra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.