Tem­po ruim pa­ra a men­te

A de­pres­são é uma doença gra­ve e vem mos­tran­do nú­me­ros ca­da vez mais alar­man­tes em re­la­ção ao seu de­sen­vol­vi­men­to na so­ci­e­da­de

Segredos da Mente - - Editorial - TEX­TO E ENTREVISTAS GIOVANE ROCHA/CO­LA­BO­RA­DOR DESIGN VA­NES­SA SUEISHI

En­ten­da o que é o dis­túr­bio de­pres­si­vo e ve­ja al­guns dados des­se trans­tor­no ao re­dor do glo­bo

Otrans­tor­no men­tal que mais in­ca­pa­ci­ta pes­so­as no mun­do — atu­al­men­te, es­ta é a me­lhor de­fi­ni­ção pa­ra a de­pres­são, se­gun­do a Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS). No co­me­ço do sé­cu­lo, a pre­vi­são da agên­cia era que até 2020 se tor­nas­se a se­gun­da mai­or cau­sa de in­ca­pa­ci­da­de, mas a doença atin­giu es­sa cons­ta­ta­ção mui­to an­tes do que o es­pe­ra­do.

A ava­li­a­ção mais re­cen­te da OMS é que os dis­túr­bi­os de­pres­si­vos atin­gem mais de 350 mi­lhões de pes­so­as de to­das as ida­des ao re­dor do mun­do. Es­se é com cer­te­za um trans­tor­no mais com­ple­xo do que um sen­ti­men­to de tris­te­za.

O que é?

Clas­si­fi­ca­da co­mo um trans­tor­no men­tal na quin­ta e mais re­cen­te edi­ção do Ma­nu­al de Di­ag­nós­ti­co e Es­ta­tís­ti­co de Trans­tor­nos Men­tais ( DSM-5, si­gla em in­glês), um dos prin­ci­pais gui­as psi­quiá­tri­cos, a de­pres­são abran­ge, se­gun­do a pro­fes­so­ra de psi­co­lo­gia Glau­cia Gu­er­ra Be­nu­te, di­fe­ren­tes fa­to­res em seu de­sen­vol­vi­men­to, co­mo as­pec­tos bi­o­ló­gi­cos, am­bi­en­tais e so­ci­ais. “Po­de es­tar acom­pa­nha­da de al­te­ra­ções so­má­ti­cas (sin­to­mas psi­co­ló­gi­cos que re­fle­tem em si­nais fí­si­cos) e cog­ni­ti­vas que afe­tam sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te a ca­pa­ci­da­de de fun­ci­o­na­men­to fí­si­co, cog­ni­ti­vo e emo­ci­o­nal do in­di­ví­duo”, com­ple­ta a pro­fis­si­o­nal.

Os tra­ços da doença têm ori­gem no cé­re­bro (sai­ba mais na pá­gi­na 6), uma vez que “ela es­tá li­ga­da a um de­se­qui­lí­brio quí­mi­co no ór­gão, acar­re­tan­do uma bai­xa quan­ti­da­de nos neu­ro­trans­mis­so­res se­ro­to­ni­na e no­ra­dre­na­li­na, subs­tân­ci­as li­ga­das a re­gu­la­ção do hu­mor, es­tres­se e an­si­e­da­de”, co­mo ex­pli­ca a psi­có­lo­ga Már­cia Mathi­as.

No Bra­sil

Do gran­de nú­me­ro de adul­tos (aci­ma dos 18 anos) que so­frem com a de­pres­são, cer­ca de 11 mi­lhões de­les es­tão no Bra­sil, se­gun­do dados da Pes­qui­sa Na­ci­o­nal de Saú­de ( PNS) de 2013 (lan­ça­da em vo­lu­mes en­tre 2014 e 2016) re­a­li­za­da pe­lo Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­cas ( IBGE). E, ana­li­san­do pe­las re­giões, as que li­de­ram o ran­king de mai­or pre­sen­ça do trans­tor­no são a Sul e Su­des­te, com uma ta­xa per­cen­tu­al do di­ag­nós­ti­co de 12,6% e 8,4% res­pec­ti­va­men­te. O Cen­tro- Oes­te, Nor­des­te e Nor­te apa­re­cem em se­gui­da abai­xo da mé­dia na­ci­o­nal de 7,6%.

No en­tan­to, co­mo apon­ta uma pes­qui­sa pu­bli­ca­da na re­vis­ta ci­en­tí­fi­ca Jour­nal of Af­fec­ti­ve Di­sor­ders por um gru­po de pes­qui­sa­do­res bra­si­lei­ros da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Pe­lo­tas, no Rio Gran­de Do Sul, qua­se seis mi­lhões das pes­so­as no país se en­qua­dram no gru­po de al­to ris­co da de­pres­são. O es­tu­do ava­li­ou 60.202 bra­si­lei­ros le­van­do em con­ta fa­to­res co­mo se­to­res cen­si­tá­ri­os (ter­ri­tó­ri­os de­ter­mi­na­dos pa­ra con­tro­le de dados), con­ví­vio fa­mi­li­ar e ca­rac­te­rís­ti­cas in­di­vi­du­ais, cons­ta­tan­do que 4,1% des­ses in­di­ví­du­os apre­sen­ta­vam os in­dí­ci­os do dis­túr­bio.

Os pes­qui­sa­do­res ain­da con­cluí­ram que o trans­tor­no de­pres­si­vo é mais co­mum em mu­lhe­res, pes­so­as na fai­xa etá­ria de 40 e 59 anos e aci­ma dos 80. Além dis­so, tam­bém fo­ram apre­sen­ta­dos fa­to­res de ris­co nos re­sul­ta­dos fi­nais, co­mo vi­ver em áre­as ur­ba­nas, pes­so­as com pro­ble­mas car­día­cos, di­a­be­tes, hi­per­ten­são ar­te­ri­al e fu­man­tes.

Aler­ta ver­me­lho

Os sin­to­mas da de­pres­são não de­vem ser ig­no­ra­dos, prin­ci­pal­men­te em seus pri­mei­ros si­nais (ve­ja mais na pá­gi­na 8), uma vez que, nes­sa fa­se ini­ci­al, o tra­ta­men­to po­de se mos­trar mais efi­caz. As con­sequên­ci­as des­se qua­dro po­dem le­var à de­ca­dên­cia ca­da vez mai­or da qua­li­da­de de vi­da da pes­soa. Es­sa que­da não só afe­ta a saú­de do pa­ci­en­te co­mo to­das su­as re­la­ções in­ter­pes­so­ais, o que jus­ti­fi­ca es­se ser o dis­túr­bio nú­me­ro um em in­ca­pa­ci­ta­ção mun­di­al.

A re­a­bi­li­ta­ção des­ses tra­ba­lha­do­res de­pres­si­vos jun­ta­men­te com quem so­fre com an­si­e­da­de custa, se­gun­do es­tu­do li­de­ra­do pe­la agên­cia de saú­de da Or­ga­ni­za­ção das Nações Unidas (ONU), um tri­lhão de dó­la­res (mais de no­ve tri­lhões de re­ais) ao ano à eco­no­mia mun­di­al, pro­por­ci­o­nan­do um retorno qua­tro vez mai­or em re­la­ção ao “in­ves­ti­men­to”. “A de­pres­são faz com que o in­di­ví­duo não con­si­ga pro­du­zir, pois vi­ven­cia sin­to­mas de pes­si­mis­mo e de­sen­can­to com a vi­da. Tam­bém apre­sen­ta dificuldades pa­ra to­mar de­ci­sões, di­fi­cul­da­de pa­ra re­a­li­zar ta­re­fas, ir­ri­ta­bi­li­da­de ou im­pa­ci­ên­cia e mui­tas ve­zes di­fi­cul­da­de de ter­mi­nar as coi­sas que co­me­çou”, in­di­ca Glau­cia Be­nu­te.

No pi­or dos ca­sos, o dis­túr­bio po­de vi­rar a ra­zão pa­ra a pes­soa ti­rar a pró­pria vi­da, sen­do es­sa a se­gun­da cau­sa de mor­te mais fre­quen­te em pes­so­as en­tre 15 e 29 anos de ida­de, abran­gen­do mais de 800 mil ví­ti­mas de sui­cí­dio, se­gun­do dados da OMS.

“A de­pres­são faz com que o in­di­ví­duo não con­si­ga pro­du­zir, pois vi­ven­cia sin­to­mas de pes­si­mis­mo e de­sen­can­to com a vi­da” Glau­cia Be­nu­te, pro­fes­so­ra de psi­co­lo­gia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.