An­si­e­da­de tec­no­ló­gi­ca

Ve­ja se o uso em de­ma­sia de com­pu­ta­do­res, ta­blets e smartpho­nes po­de es­tar pre­ju­di­can­do a sua saú­de men­tal

Segredos da Mente - - Pilulas -

“To­da tec­no­lo­gia é bem vin­da des­de que o su­jei­to não per­ca o con­tro­le. Quan­do fa­la­mos nes­ses fa­to­res, per­ce­be­mos que a tec­no­lo­gia pa­ra os que não pos­su­em au­to­con­tro­le po­de ser sim, pre­ju­di­ci­al”, pon­tua o psi­ca­na­lis­ta João No­las­co . Bai­xa au­to­es­ti­ma e até mes­mo a von­ta­de in­con­tro­lá­vel de des­co­brir fa­tos so­bre a vi­da de ou­tras pes­so­as es­tão en­tre os mo­ti­vos mais co­muns do uso ex­ces­si­vo dos apa­re­lhos ele­trô­ni­cos. O sim­ples ce­lu­lar, que há mui­to tem­po dei­xou de ser um apa­re­lho pa­ra fa­zer e re­ce­ber li­ga­ções, foi subs­ti­tuí­do pe­lo tec­no­ló­gi­co smartpho­ne, que uti­li­za de ou­tras fer­ra­men­tas sim­ples e in­te­ra­ti­vas pa­ra pro­mo­ver a co­mu­ni­ca­ção.

“Quem pas­sa mui­to tem­po na in­ter­net, por exem­plo, po­de de­sen­vol­ver uma com­pul­são na qu­al subs­ti­tui a vi­da sau­dá­vel, com a in­te­ra­ção da vi­da re­al por sa­las de ba­te-pa­po, si­tes de re­la­ci­o­na­men­tos e o uso ob­ses­si­vo da tro­ca de e-mails, tor­nan­do-se de­pen­den­te”, sa­li­en­ta So­lan­ge. A fa­ci­li­da­de do aces­so à in­ter­net faz com que ela se­ja usa­da em de­ma­sia, tor­nan­do-se um ví­cio. “A ân­sia por con­ta­to rá­pi­do, res­pos­tas ime­di­a­tas na co­mu­ni­ca­ção, o de­se­jo de con­tro­lar a vi­da alheia, a necessidade pa­to­ló­gi­ca por aten­ção e acei­ta­ção, po­dem ser po­ten­ci­a­li­za­dos pe­la tec­no­lo­gia e as re­des so­ci­ais”, ex­pli­ca Eri­ca

Vi­da so­ci­al em bai­xa

É co­mum ob­ser­var ho­je em dia uma ro­da em ami­gos que sa­em pa­ra jan­tar jun­tos em um res­tau­ran­te ou ir ao ci­ne­ma e fi­cam pre­sos ao smartpho­ne em vez de in­te­ra­gi­rem en­tre si. Is­so é ex­tre­ma­men­te pre­ju­di­ci­al pa­ra o con­ví­vio so­ci­al e aca­ba fa­zen­do com que a pes­soa saia ca­da vez me­nos de ca­sa, sen­tin­do-se so­li­tá­ria e até mes­mo de­sen­vol­ven­do qua­dros de­pres­si­vos. “Se uma pes­soa vem subs­ti­tuin­do a sua pró­pria vi­da pe­lo uso das má­qui­nas, cer­ta­men­te te­rá uma cri­se de abs­ti­nên­cia, co­mo qual­quer in­ter­rup­ção de um ví­cio e po­de­rá sim en­trar nu­ma de­pres­são, nu­ma gran­de tris­te­za ou num gran­de va­zio in­te­ri­or”, en­fa­ti­za So­lan­ge. O me­lhor a ser fei­to é pro­cu­rar fa­zer uso sau- dá­vel de qual­quer ti­po de tec­no­lo­gia, aten­tan­do-se pa­ra o mun­do ao re­dor. “Es­tes com­por­ta­men­tos de­se­qui­li­bra­dos sem­pre exis­ti­ram, po­rém, a tec­no­lo­gia e as re­des so­ci­ais am­pli­a­ram as for­mas de exer­cê-los de for­ma con­tí­nua e até so­ci­al­men­te acei­ta”, com­ple­ta a te­ra­peu­ta.

“As mui­tas des­cul­pas têm ti­ra­do as res­pon­sa­bi­li­da­des do su­jei­to so­bre sua pró­pria vi­da. Des­sa for­ma, sur­gem os ‘pseu­dos­cul­pa­dos’, que acar­re­tam à tec­no­lo­gia uma cul­pa que não lhe per­ten­ce, pois pes­so­as ge­ren­ci­am as tec­no­lo­gi­as. No mo­men­to que a cul­pa­mos, o su­jei­to per­ma­ne­ce em sua zo­na de con­for­to, se vi­ti­mi­zan­do” João No­las­co, psi­ca­na­lis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.