Res­pi­ra­ção: o me­lhor dos exer­cí­ci­os

Po­de pa­re­cer que não, mas res­pi­rar du­ran­te uma cri­se an­si­o­sa ofe­re­ce uma aju­da e tan­to!

Segredos da Mente - - Pilulas -

Sin­to­mas co­mo tre­mo­res, su­or frio, pal­pi­ta­ções, agi­ta­ção e an­gús­tia co­me­çam a apa­re­cer du­ran­te uma cri­se an­si­o­sa e, de­pen­den­do da in­ten­si­da­de, po­dem até pro­vo­car fal­ta de ar, de­ses­pe­ro e von­ta­de de cho­rar. Nes­sas ho­ras, al­gu­mas téc­ni­cas de au­to­con­tro­le po­dem aju­dar a ame­ni­zar os sin­to­mas. O psi­co­te­ra­peu­ta Robby Ares ex­pli­ca que, pa­ra apli­cá-las, é ne­ces­sá­rio pri­mei­ro en­ten­der o que cau­sa a an­si­e­da­de. “Nor­mal­men­te, ela ocor­re pe­lo des­lo­ca­men­to da men­te pa­ra o fu­tu­ro, so­bre aqui­lo que ain­da não acon­te­ceu. Ela po­de tam­bém sur­gir da ten­ta­ti­va de con­tro­lar uma si­tu­a­ção, quan­do o in­di­ví­duo bus­ca evi­tar so­fri­men­tos e trau­mas já ex­pe­ri­men­ta­dos no pas­sa­do.

Ou­tra cau­sa é a von­ta­de da pes­soa em de­ter­mi­nar ou di­re­ci­o­nar o re­sul­ta­do de uma si­tu­a­ção es­pe­cí­fi­ca”. As­sim, nas si­tu­a­ções de an­si­e­da­de, é fun­da­men­tal fo­car a men­te no mo­men­to pre­sen­te. Des­lo­car a aten­ção pa­ra ou­tro as­sun­to que não se­ja o do fo­co da an­si­e­da­de tam­bém po­de aju­dar. “Exer­cí­ci­os de res­pi­ra­ção e me­di­ca­ção, por exem­plo, po­dem ser em­pre­ga­dos nes­ses ca­sos com su­ces­so. Is­so aju­da a acal­mar a men­te, res­ta­be­le­cen­do o equi­lí­brio ener­gé­ti­co”, acres­cen­ta o psi­co­te­ra­peu­ta.

Quan­do mais cal­ma, me­lhor

Na ho­ra das cri­ses, apos­te em téc­ni­cas de res­pi­ra­ção e au­to­mas­sa­gem pa­ra pro­mo­ver o au­to­con­tro­le e se tran­qui­li­zar

Po­de pa­re­cer di­fí­cil não pen­sar no as­sun­to que es­tá pro­vo­can­do a an­si­e­da­de, ou es­que­cer das sen­sa­ções cau­sa­das pe­lo trans­tor­no. Con­tu­do, as téc­ni­cas de me­di­ta­ção po­dem aju­dar a le­var a men­te pa­ra lon­ge, em um lu­gar tran­qui­lo e sem incô­mo­dos. Se­gun­do pes­qui­sas, meia ho­ra diá­ria de me­di­ta­ção é ca­paz de ali­vi­ar sin­to­mas de an­si­e­da­de e de­pres­são tan­to quan­to al­guns me­di­ca­men­tos. Quer apren­der? Pro­cu­re um ins­tru­tor de yo­ga e não dei­xe de pra­ti­car em ca­sa!

Uma ques­tão de con­cen­tra­ção

Con­cen­trar-se na res­pi­ra­ção po­de ser uma saí­da pa­ra li­vrar a men­te dos pen­sa­men­tos que es­tão cau­san­do an­si­e­da­de. O ide­al é ins­pi­rar e ex­pi­rar de­va­gar, de for­ma cons­ci­en­te e prin­ci­pal­men­te com a por­ção ab­do­mi­nal - res­pi­re fun­do e sin­ta a bar­ri­ga in­flar e mur­char na ho­ra de sol­tar o ar. Pa­ra as téc­ni­cas de res­pi­ra­ção, ins­tru­to­res de pi­la­tes e yo­ga po­dem co­la­bo­rar.

Não dis­pen­se uma mas­sa­gem!

Além da res­pi­ra­ção, a pes­soa an­si­o­sa po­de es­co­lher ou­tras téc­ni­cas que mais lhe pro­por­ci­o­ne re­la­xa­men­to. E a mas­sa­gem é uma de­las! A di­ca é co­me­çar pe­los pés, com o uso de cre­mes ou óle­os hi­dra­tan­tes, mo­vi­men­tos le­ves e su­per­fi­ci­ais. “De­pois, po­de-se au­men­tar a pres­são e re­a­li­zar mo­vi­men­tos cir­cu­la­res com os po­le­ga­res em to­do o pé, se­guir de ro­ta­ção dos de­dos em sen­ti­do ho­rá­rio e an­ti-ho­rá­rio; com a mão fe­cha­da pas­sar os de­dos em to­da so­la dos pés e dei­xar a ima­gi­na­ção li­vre pa­ra os mo­vi­men­tos que a pes­soa sen­tir mais re­la­xa­men­to”, en­si­na a fi­si­o­te­ra­peu­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.