Sa­be di­zer não?

Sa­ber ne­gar fa­vo­res é uma ex­ce­len­te ma­nei­ra de ali­vi­ar a an­si­e­da­de

Segredos da Mente - - Pilulas -

“Ao não sa­ber fa­lar ‘não’, as pri­o­ri­da­des das ou­tras pes­so­as pas­sam a ser as su­as pri­o­ri­da­des. E, a par­tir do mo­men­to que vo­cê ab­di­ca das pró­pri­as von­ta­des, co­mo es­pe­rar que os ou­tros a le­vem em con­si­de­ra­ção?”. É as­sim que o neu­ro­lo­gis­ta Fá­bio Sawa­da Shi­ba nos con­ven­ce de que uma ne­ga­ti­va po­de tra­zer o alí­vio emo­ci­o­nal que tan­to pre­ci­sa­mos em mo­men­tos de an­si­e­da­de. Um “não”, mui­tas ve­zes, po­de pa­re­cer uma res­pos­ta di­fí­cil de ser acei­ta. Afi­nal, tu­do co­me­ça lá na in­fân­cia: an­tes de pe­dir al­go aos pais, os ar­gu­men­tos sem­pre eram mui­to bem pen­sa­dos pa­ra que a te­mí­vel res­pos­ta não es­tra­gas­se to­dos os pla­nos ela­bo­ra­dos com an­te­ce­dên­cia. E não é pa­ra me­nos: es­sa sim­ples pa­la­vra po­de de­ter­mi­nar uma sé­rie de coi­sas, que po­dem aju­dar ou atra­pa­lhar a ro­ti­na. Mas vo­cê já pa­rou pa­ra pen­sar co­mo se­ria se dis­ses­se “sim” pa­ra tu­do?

São tan­tas “car­gas”...

Acei­tar to­dos os con­vi­tes pa­ra sair, não ne­gar a pres­ta­ção de fa­vo­res, tra­ba­lhar ex­ces­si­va­men­te... Tu­do is­so po­de ser mui­to pre­ju­di­ci­al e aca­bar acar­re­tan­do em al­guns pro­ble­mas que po­de­ri­am ser evi­ta­dos. “Quan­do não se sa­be di­zer ‘não’, vo­cê es­tá con­cor­dan­do com a ma­nei­ra do ou­tro, is­to é, não dá li­mi­tes e não mos­tra o quão aqui­lo po­de ser ne­ga­ti­vo pa­ra vo­cê. Pre­ci­sa­mos dei­xar de cri­ar uma bar­rei­ra pa­ra o ‘não’, fa­zen­do com que ele se­ja res­pei­ta­do de ma­nei­ra cons­ci­en­ti­za­da”, acon­se­lha a psi­có­lo­ga Le­tí­cia Gu­e­des.

An­si­e­da­de con­tro­la­da

Pa­ra sen­tir-se me­nos an­si­o­so, é pre­ci­so man­ter a ro­ti­na equi­li­bra­da, sa­bia? Quan­to mais or­ga­ni­za­do for o seu dia a dia, mais tem­po pa­ra o la­zer vo­cê te­rá, e me­nos ati­vi­da­des e com­pro­mis­sos in­de­se­já­veis lhe pe­ga­rão de sur­pre­sa. Sai­ba que o equi­lí­brio emo­ci­o­nal de­pen­de, mui­tas ve­zes, da ca­pa­ci­da­de de sa­ber me­di­ar tu­do aqui­lo que lhe faz bem ou não. Por exem­plo, acei­tar um con­vi­te pa­ra sair po­de ser óti­mo. Afi­nal, co­nhe­cer gen­te no­va e pas­sar um tem­po di­ver­ti­do com as pes­so­as que mais se gos­ta é su­per­le­gal. Em con­tra­par­ti­da, o ou­tro po­de ter ti­do uma se­ma­na di­fí­cil e ne­ces­si­tar de um tem­po só seu, se­ja pa­ra to­mar um re­la­xan­te ba­nho quen­te ou fa­zer a lei­tu­ra de um bom li­vro. Po­de até pa­re­cer um “tem­po per­di­do”, mas co­lo­car a men­te no lu­gar de­di­can­do um mo­men­to pa­ra si pró­prio é uma ex­ce­len­te - e ne­ces­sá­ria - ideia. Ou­tra si­tu­a­ção é quan­do cos­tu­mam ofe­re­cer ri­fas ou al­gum ti­po de produto em seu am­bi­en­te de tra­ba­lho ou fa­mi­li­ar. Ime­di­a­ta­men­te, al­gu­mas pes­so­as po­dem até se lem­brar do or­ça­men­to aper­ta­do da­que­le mês ou que ain­da de­vem por ou­tro produto que tam­bém com­pra­ram por edu­ca­ção. Mas o “sim” sem­pre aca­ba ven­cen­do: se­ja por me­do de cau­sar má­go­as, pres­tar aju­da ou qual­quer ou­tro mo­ti­vo, a von­ta­de do ou­tro pre­va­le­ce. Mas vo­cê sa­be até que pon­to es­se ti­po de ati­tu­de é nor­mal? Pen­se: qu­an­tas ve­zes as pes­so­as já lhe ne­ga­ram fa­vo­res? E mais do que is­so: quan­to aque­le fa­vor po­de­rá pre­ju­di­car a sua ro­ti­na?

Va­mos ten­tar?

A ques­tão não é co­me­çar a ser uma pes­soa que sem­pre diz “não” pa­ra pas­sar se­gu­ran­ça e de­ter­mi­na­ção. Tu­do de­ve ser equi­li­bra­do, a fim de que sua paz in­te­ri­or - que é o bem mais pre­ci­o­so de to­dos - não so­fra com es­se ti­po de res­pos­ta. É im­por­tan­te ex­pe­ri­men­tar! Se al­guém lhe ofe­re­cer al­go pa­ra com­prar e vo­cê não qui­ser na­que­le mo­men­to, di­ga que es­tá eco­no­mi­zan­do. Cer­ta­men­te, a pes­soa não re­a­gi­rá mal se a sua res­pos­ta for cor­di­al. Lis­ta­mos abai­xo 3 pa­la­vras que po­dem lhe aju­dar no pro­ces­so de di­zer “não”.

Gra­ti­dão

Agra­de­ça, sem­pre! Apa­re­ceu um con­vi­te pa­ra sair ou vi­a­jar, mas vo­cê não es­tá afim de acei­tar ou não quer se com­pro­me­ter fi­nan­cei­ra­men­te? Di­ga “não”, mas não dei­xe de agra­de­cer pe­la lem­bran­ça. Is­so fa­rá com que ela tam­bém o con­vi­de nas pró­xi­mas ve­zes e, quem sa­be, vo­cê já es­te­ja com von­ta­de de que­brar a ro­ti­na.

Ati­tu­de

Que tal de­le­gar fun­ções? Em vez de re­a­li­zar a ta­re­fa que a pes­soa pe­diu e en­tre­gá-la pron­ta­men­te, pro­cu­re en­si­ná-la a fa­zer ou até mes­mo su­ge­rir ou­tra pes­soa pa­ra aju­dá-la. As­sim, vo­cê es­ta­rá aju­dan­do, po­rém, com uma car­ga me­nor.

Re­fle­xão

Pen­se bem em tu­do o que já fez pe­las pes­so­as e se elas re­tri­buí­ram su­as gen­ti­le­zas. De­pois, lis­te men­tal­men­te as si­tu­a­ções que mais gos­ta­ria de ne­gar. Va­le até mes­mo en­sai­ar o “não” na fren­te do es­pe­lho! O im­por­tan­te é es­tar bem con­si­go mes­mo e con­quis­tar sua fe­li­ci­da­de ple­na. En­tão, de­sin­to­xi­que-se!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.