Não é lou­cu­ra!

Na es­qui­zo­fre­nia, a per­cep­ção da re­a­li­da­de é al­te­ra­da. Des­cu­bra quais as me­lho­res ma­nei­ras de li­dar com es­se trans­tor­no

Segredos da Mente - - ÍN­DI­CE -

Na es­qui­zo­fre­nia, a per­cep­ção da re­a­li­da­de fi­ca al­te­ra­da. Des­cu­bra quais as me­lho­res ma­nei­ras de li­dar com es­se trans­tor­no

Aes­qui­zo­fre­nia é um dos trans­tor­nos mais gra­ves do gru­po das psi­co­ses, com mais de 21 mi­lhões de ca­sos pe­lo mun­do, se­gun­do a Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS). Co­mu­men­te ta­xa­da co­mo “coi­sa de lou­co”, mui­tas pes­so­as se­quer sa­bem o no­me des­se trans­tor­no. Por is­so, é im­por­tan­te res­sal­tar seus sin­to­mas, ca­rac­te­rís­ti­cas, da­dos e sua de­fi­ni­ção.

Per­cep­ção al­te­ra­da

A es­qui­zo­fre­nia é uma do­en­ça que afe­ta al­guns cam­pos da men­te, co­mo o juí­zo crítico, as emo­ções e a per­cep­ção da re­a­li­da­de. Seus sin­to­mas são di­vi­di­dos em po­si­ti­vos (alu­ci­na­ções e de­lí­ri­os) e ne­ga­ti­vos (em que a di­fi­cul­da­de de se ex­pres­sar e o iso­la­men­to so­ci­al são mais co­muns).

Se­gun­do o psi­qui­a­tra Ro­dri­go Pes­sa­nha, há um pi­co de in­ci­dên­cia “en­tre ho­mens até 23 anos de ida­de, en­quan­to nas mu­lhe­res, ocor­re por vol­ta de 25 anos. Po­de ha­ver ca­sos na in­fân­cia, sen­do es­tes mais gra­ves, uma vez que a pró­pria no­ção de iden­ti­da­de pes­so­al é atin­gi­da em seus pri­mór­di­os, le­van­do a um pre­juí­zo mais im­por­tan­te do fun­ci­o­na­men­to glo­bal”. Se fo­rem re­a­li­za­dos di­ag­nós­ti­cos se­me­lhan­tes em pes­so­as mais ve­lhas, de­vem ser con­si­de­ra­das ou­tras hi­pó­te­ses de dis­túr­bi­os.

Na Clas­si­fi­ca­ção In­ter­na­ci­o­nal de Do­en­ças (CID-10), o dis­túr­bio é di­vi­di­do em pa­ra­noi­de (pre­do­mi­nân­cia dos sin­to­mas po­si­ti­vos) e he­be­frê­ni­ca (sin­to­mas ne­ga­ti­vos). Po­rém, na mais re­cen­te ver­são do Ma­nu­al Di­ag­nós­ti­co e Es­ta­tís­ti­co dos Trans­tor­nos Men­tais, es­ta sub­di­vi­são foi re­ti­ra­da.

Sen­ti­dos em de­lí­rio

Os sin­to­mas mais co­nhe­ci­dos são as alu­ci­na­ções, que, se­gun­do a psi­qui­a­tra So­fia Bau­er, “po­dem ser visuais, au­di­ti­vas ou de sen­sa­ções – ver, ou­vir e sen­tir coi­sas, de cer­to mo­do, bem es­tra­nhas, co­mo es­cu­tar vo­zes de mor­tos, en­xer­gar pes­so­as que os ou­tros não ve­em, no­tar chei­ros es­qui­si­tos”. E, por ve­zes, mis­tu­ran­do os sen­ti­dos, cri­am-se ex­pe­ri­ên­ci­as si­nes­té­si­cas, co­mo “en­xer­gar sons”.

Mu­dan­ças no cé­re­bro

Em ge­ral, os es­qui­zo­frê­ni­cos têm to­da massa en­ce­fá­li­ca afe­ta­da, pro­vo­can­do o mau fun­ci­o­na­men­to dos neurô­ni­os, di­mi­nuin­do sua ati­vi­da­de e a co­mu­ni­ca­ção ce­re­bral.

As al­te­ra­ções não atin­gem áre­as bem de­fi­ni­das e, de acor­do com a psi­qui­a­tra He­le­na Mu­ra, “fa­la-se, na ver­da­de, de al­te­ra­ções en­tre as co­ne­xões de al­gu­mas par­tes do cé­re­bro, ca­da uma com di­fe­ren­tes fun­ções”.

O au­men­to de do­pa­mi­na em li­ga­ções das re­giões cen­trais do cé­re­bro ao cór­tex pré-fron­tal po­de pro­vo­car alu­ci­na­ções. E, por ou­tro lado, a re­du­ção des­se neu­ro­trans­mis­sor em co­ne­xões das áre­as li­ga­das ao pra­zer e às emo­ções é res­pon­sá­vel pe­la di­fi­cul­da­de de ex­pres­são de sen­ti­men­tos e da fal­ta da sa­tis­fa­ção.

Além da do­pa­mi­na, “o glu­ta­ma­to tem sua fun­ção di­mi­nuí­da, e há par­ti­ci­pa­ção da se­ro­to­ni­na e da ace­til­co­li­na, neu­ro­trans­mis­so­res que in­ter­fe­rem na li­be­ra­ção dos de­mais”, com­ple­ta He­le­na.

Sob cui­da­dos

Os tra­ta­men­tos em­pre­ga­dos es­tão re­la­ci­o­na­dos a es­sas subs­tân­ci­as. “A mai­o­ria dos me­di­ca­men­tos uti­li­za­dos blo­queia re­cep­to­res es­pe­cí­fi­cos da do­pa­mi­na, em uma ten­ta­ti­va de re­e­qui­li­brar os cir­cui­tos hi­pe­ra­ti­vos”, in­di­ca Ro­dri­go Pes­sa­nha.

Pa­ra cui­dar da pes­soa com es­qui­zo­fre­nia, “os mé­di­cos op­tam pe­lo uso de neu­ro­plé­ti­cos, cha­ma­dos de an­tip­si­có­ti­cos de pri­mei­ra ou se­gun­da ge­ra­ção e te­ra­pia. Mas gru­pos de au­to­a­ju­da tam­bém po­dem ser efi­ca­zes. O de­sen­vol­vi­men­to da do­en­ça é bas­tan­te va­riá­vel, po­den­do evo­luir pa­ra uma de­te­ri­o­ra­ção ou re­cu­pe­ra­ção”, co­men­ta Va­nia Cruz, psi­có­lo­ga.

Po­rém, a cu­ra com­ple­ta não é co­mum. A hos­pi­ta­li­za­ção é in­di­ca­da ape­nas qu­an­do há fal­ta de su­por­te fa­mi­li­ar ou ris­co pa­ra o pró­prio pa­ci­en­te e pes­so­as pró­xi­mas. Qu­an­do ocor­re es­se su­por­te, em ge­ral, não há ne­ces­si­da­de de in­ter­na­ção, e o pa­ci­en­te po­de ser tra­ta­do em ca­sa ou em um am­bu­la­tó­rio. Se­gun­do Va­nia, a te­ra­pia fa­mi­li­ar, com­bi­na­da às in­ter­ven­ções di­re­ta­men­te di­re­ci­o­na­das ao pa­ci­en­te, re­duz as ta­xas de re­caí­das na es­qui­zo­fre­nia.

“In­di­ví­du­os com trans­tor­no psi­có­ti­co po­dem vi­ver de ma­nei­ra to­tal­men­te sau­dá­vel se me­di­ca­dos, man­ten­do o trans­tor­no es­ta­bi­li­za­do” An­dréia Ge­or­ges, psi­có­lo­ga

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.