Cha­ves de aces­so

É pos­sí­vel ex­plo­rar as pro­fun­de­zas in­cons­ci­en­tes da men­te e ter con­ta­to com o que es­tá es­con­di­do lá. Sai­ba co­mo is­so acon­te­ce e quais são as opi­niões de Freud e Jung so­bre es­sa pos­si­bi­li­da­de

Segredos da Mente - - News - TEX­TO GI­O­VA­NE RO­CHA DE­SIGN JO­SE­MA­RA NAS­CI­MEN­TO

N as ma­té­ri­as an­te­ri­o­res, foi pos­sí­vel ter uma me­lhor no­ção da com­ple­xi­da­de que en­vol­ve o nos­so in­cons­ci­en­te. Po­rém, mes­mo com Sig­mund Freud e Carl Jung ten­tan­do ex­pli­car os con­cei­tos por trás des­sa mis­te­ri­o­sa área da men­te hu­ma­na, é na­tu­ral que vá­ri­as ques­tões se­jam for­mu­la­das. E uma das prin­ci­pais dú­vi­das é: co­mo aces­sar o in­cons­ci­en­te?

Pri­mei­ro de tu­do, por mais mís­ti­co que pa­re­ça à pri­mei­ra ins­tân­cia, sai­ba que es­sa é uma pos­si­bi­li­da­de re­al, que po­de ser re­a­li­za­da por vo­cê mes­mo ou com a aju­da de um es­pe­ci­a­lis­ta que o guie até a por­ta des­se mun­do sub­mer­so da sua psi­que. Pa­ra tan­to, fo­ca­mos em dois mé­to­dos mais re­la­ci­o­na­dos com o te­ma – os so­nhos e a hip­no­se.

E am­bas as op­ções de­sen­vol­vem seus la­ços jun­ta­men­te des­de a Gré­cia An­ti­ga e sua mi­to­lo­gia. Mes­mo que o ter­mo hip­no­tis­mo te­nha si­do cu­nha­do sé­cu­los de­pois por Ja­mes Braid, o mé­di­co es­co­cês es­co­lheu o no­me em ho­me­na­gem ao deus gre­go Hip­nos, co­nhe­ci­do por ser o deus do so­no, sen­do es­se o sig­ni­fi­ca­do li­te­ral do no­me em gre­go. Po­rém, atu­al­men­te, é de co­nhe­ci­men­to ge­ral que a li­ga­ção en­tre o tran­se hip­nó­ti­co e o so­no é er­rô­nea, uma vez que, na ver­da­de, a téc­ni­ca tem a ver com a ca­pa­ci­da­de de fo­co pro­fun­do da pes­soa. Sen­do os so­nhos de­ri­va­dos do so­no, po­de­mos iden­ti­fi­car ou­tra re­fe­rên­cia mi­to­ló­gi­ca, vis­to que, na his­tó­ria, Hip­nos te­ve um fi­lho, Mor­feu, tam­bém co­nhe­ci­do co­mo o deus dos so­nhos.

Mas, cal­ma, is­so é só o co­me­ço. Pre­pa­ra­do pa­ra se­guir por es­se ca­mi­nho, se­ja cain­do nos bra­ços de Mor­feu ou ele­van­do seu fo­co ao má­xi­mo?

Na ca­la­da da noi­te

Ao dor­mir, seu cor­po se des­li­ga pa­ra que vo­cê pos­sa se re­cu­pe­rar das ati­vi­da­des re­a­li­za­das du­ran­te o dia, cor­re­to? Bem, não é exa­ta­men­te as­sim que acon­te­ce. Du­ran­te o so­no, o cé­re­bro fi­ca bem acor­da­do, o que pro­por­ci­o­na as ex­pe­ri­ên­ci­as oní­ri­cas mais es­tra­nhas ou, por ou­tro la­do, tão re­ais ao pon­to de pa­re­cer não ha­ver dis­tin­ção en­tre o que foi fru­to de pro­du­ções men­tais. E es­ses mo­men­tos se tor­nam por­tas pa­ra di­ver­sas áre­as da men­te, co­mo as me­mó­ri­as mais re­cen­tes, que fa­zem vo­cê re­vi­ver seu dia du­ran­te o so­no com ou­tra in­ter­pre­ta­ção. Con­tu­do, mais

“O psi­ca­na­lis­ta po­de en­ten­der o que as re­pre­sen­ta­ções que apa­re­cem no so­nho têm a ver com a vi­da da pes­soa e com os sin­to­mas que cau­sam so­fri­men­to”

Ara­ce­li Al­bi­no, psi­ca­na­lis­ta

en­tra­das são aber­tas du­ran­te es­se pe­río­do, pro­por­ci­o­nan­do aces­so ao lo­cal mais obs­cu­ro da men­te, on­de trau­mas, me­dos e de­se­jos mais pro­fun­dos re­si­dem.

Por is­so, não é por na­da que os so­nhos des­per­tam a cu­ri­o­si­da­de de es­tu­di­o­sos des­de a An­ti­gui­da­de, che­gan­do, con­se­quen­te­men­te, aos olhos dos dois ex­po­en­tes da men­te in­cons­ci­en­te: Freud e Jung.

Se­gun­do Freud

As ima­gens fan­ta­si­o­sas for­ma­das pe­la men­te no pe­río­do de des­can­so cha­ma­ram a aten­ção do psi­qui­a­tra aus­tría­co, tan­to que ele de­di­cou uma obra in­tei­ra ao as­sun­to. Em sua pu­bli­ca­ção A In­ter­pre­ta­ção dos So­nhos, de 1900, o pai da psi­ca­ná­li­se dis­ser­tou que os so­nhos eram uma al­ter­na­ti­va efi­ci­en­te pa­ra des­ven­dar a men­te in­cons­ci­en­te. Ba­si­ca­men­te, Freud es­tu­da­va as ex­pe­ri­ên­ci­as oní­ri­cas por meio do re­la­to e a in­ter­pre­ta­ção de­las. Pa­ra tan­to, le­va em con­ta dois con­cei­tos: o de con­teú­do ma­ni­fes­to e o con­teú­do la­ten­te.

O pri­mei­ro con­cei­to faz re­fe­rên­cia à par­te dos so­nhos que as pes­so­as são ca­pa­zes de re­cor­dar e, em se­gui­da, des­cre­ver ver­bal­men­te, ou se­ja, fa­lar o que acon­te­ceu na fan­ta­sia, por exem­plo, se es­ta­va res­pi­ran­do em em­bai­xo d’água, vo­an­do, etc – es­se re­la­to se­ria um meio de cen­su­ra re­a­li­za­da pe­lo su­pe­re­go, uma vez que não mos­tra­ria o re­al sig­ni­fi­ca­do do so­nho. Já o se­gun­do ti­po, o la­ten­te, diz res­pei­to ao que a ação so­nha­da sig­ni­fi­ca pa­ra a pes­soa in­cons­ci­en­te­men­te, sen­do es­sa par­te ana­li­sa­da pe­lo psi­ca­na­lis­ta ao des­ven­dar o id, re­ser­va­tó­rio psí­qui­co das pul­sões. O pro­fis­si­o­nal, se­gun­do a psi­ca­na­lis­ta Ara­ce­li Al­bi­no, “po­de en­ten­der o que as re­pre­sen­ta­ções que apa­re­cem no so­nho têm a ver com a vi­da da pes­soa e com os sin­to­mas que cau­sam so­fri­men­to”.

O psi­có­lo­go e mes­tre em psi­ca­ná­li­se Mar­co Car­va­lho ain­da ex­pli­ca que, em A In­ter­pre­ta­ção dos So­nhos, o pai da psi­ca­ná­li­se des­ta­ca dois ob­je­ti­vos prin­ci­pais dos so­nhos pa­ra o ser hu­ma­no: “além de pre­ser­var o tem­po do so­no pa­ra que, bi­o­lo­gi­ca­men­te, pos­sa­mos fa­zer a re­no­va­ção quí­mi­ca ne­ces­sá­ria pa­ra re­por­mos as ener­gi­as pa­ra o dia se­guin­te, o so­nho é al­go mui­to va­li­o­so pa­ra o cam­po da psi­ca­ná­li­se, pois nos le­va pa­ra al­go além da bi­o­lo­gia – é a re­a­li­za­ção dos de­se­jos”.

Jung tam­bém ex­pli­ca

Em con­tra­pon­to, o cri­a­dor da psi­co­lo­gia ana­lí­ti­ca, Carl Jung, en­xer­ga os so­nhos co­mo um pro­ces­so na­tu­ral, e não co­mo a re­a­li­za­ção de de­se­jos in­cons­ci­en­tes co­mo Freud. “Pa­ra ele, é uma re­a­ção in­cons­ci­en­te fren­te a uma si­tu­a­ção de ní­vel cons­ci­en­te, fru­to do con­fli­to en­tre o cons­ci­en­te e in­cons­ci­en­te, cu­jo ob­je­ti­vo é a mo­di­fi­ca­ção de uma ati­tu­de”, pon­tua Ara­ce­li. Ou se­ja, os so­nhos se­ri­am uma for­ma de com­ple­tar a vi­são que o ego tem da re­a­li­da­de, com­pen­san­do al­gu­ma si­tu­a­ção dis­tor­ci­da. “A in­ter­pre­ta­ção dos so­nhos, pa­ra Freud, só po­de­ria se re­fe­rir ao que o su­jei­to que so­nha vi­ven­ci­ou. Pa­ra Jung, es­sa com­pre­en­são po­de ser fei­ta le­van­do em con­ta al­go que não es­tá, ne­ces­sa­ri­a­men­te, res­tri­to às ex­pe­ri­ên­ci­as do so­nha­dor”, com­ple­men­ta.

Hip­no­se

Acom­pa­nha­da do pre­con­cei­to de ser ape­nas um ele­men­to ca­rac­te­rís­ti­co do char­la­ta­nis­mo, a hip­no­se foi di­fun­di­da co­mo meio de en­tre­te­ni­men­to. Po­rém, a téc­ni­ca vem ga­nhan­do mais no­to­ri­e­da­de no tra­ta­men­to de dis­túr­bi­os men­tais, co­mo de­pres­são, trau­mas e an­si­e­da­de, e ou­tros qua­dros, co­mo ga­guei­ra e até so­bre­pe­so. “A téc­ni­ca hip­nó­ti­ca, se bem em­pre­ga­da, po­de le­var à me­di­ta­ção, que acal­ma o cé­re­bro e pro­duz a oci­to­ci­na, neu­ro­mo­du­la­dor que cor­ta a no­ra­dre­na­li­na e o cor­ti­sol, neu­ro­trans­mis­so­res que ge­ral­men­te agi­tam os an­si­o­sos”, in­di­ca a psi­qui­a­tra e hip­no­te­ra­peu­ta So­fia Bau­er.

Mas não é de ho­je que a te­ra­pia se des­ta­ca, co­mo ex­pli­ca a hip­no­te­ra­peu­ta clí­ni­ca Lis­san­dra Cris­ti­ne Bas­si: “em 1500 a.C. no Egi­to an­ti­go, con­for­me es­cri­to no Pa­pi­ro Ebers (em exi­bi­ção na bi­bli­o­te­ca da Uni­ver­si­da­de de Leip­zig, na Ale­ma­nha), já se pra­ti­ca­va a hip­no­se com fi­na­li­da­de de tra­ta­men­to – na­que­la épo­ca cha­ma­va-se de cu­ra. Ou se­ja, a hip­no­se é a mais an­ti­ga for­ma de tra­ta­men­to e de aces­so ao in­cons­ci­en­te”.

En­tão, se in­ter­pre­tar seus so­nhos pa­ra en­trar no in­cons­ci­en­te não é al­go plau­sí­vel pa­ra vo­cê, sai­ba que a hip­no­se é ou­tra ma­nei­ra de aces­sar es­se mun­do.

Mas o que acon­te­ce?

A hip­no­se po­de ocor­rer tan­to de for­ma es­pon­tâ­nea ou por meio da in­du­ção com ou sem a aju­da de um pro­fis­si­o­nal es­pe­ci­a­li­za­do. “Ocor­re qu­an­do, de for­ma cons­ci­en­te ou in­cons­ci­en­te, o ser hu­ma­no fo­ca/con­cen­tra em em um de­ter­mi­na­do te­ma com uma in­ten­si­da­de que o abs­trai das de­mais”, es­cla­re­ce Lis­san­dra. Um exem­plo de um tran­se hip­nó­ti­co in­vo­lun­tá­rio é qu­an­do se es­tá com a cha­ve de ca­sa nas mãos, mas es­tá tão con­cen­tra­do, por exem­plo, em al­gum com­pro­mis­so, que fi­ca pro­cu­ran­do o ob­je­to por to­do can­to, mes­mo em pos­se de­le o tem­po to­do.

A hip­no­te­ra­pia, as­sim co­mo ou­tras prá­ti­cas, atua di­re­ta­men­te no cé­re­bro. Se­gun­do a hip­no­te­ra­peu­ta So­fia Bau­er, a téc­ni­ca “re­bai­xa a ve­lo­ci­da­de das on­das ce­re­brais qu­an­do o ór­gão es­tá em es­ta­do de vi­gí­lia, co­lo­can­do-o em um rit­mo mais len­to, o que nos faz fi­car mais fo­ca­dos in­ter­na­men­te e pres­tar mais aten­ção ao nos­so mun­do in­ter­no – pen­sa­men­tos, sen­ti­men­tos e sen­sa­ções”.

Des­sa ma­nei­ra, a pes­soa que pas­sa por um tran­se hip­nó­ti­co é ca­paz de en­trar em um es­ta­do no qual po­de re­la­xar e até cri­ar si­tu­a­ções de­ri­va­das da sua ima­gi­na­ção. Pa­ra is­so, So­fia ex­pli­ca que bas­ta pe­dir ao pa­ci­en­te ter uma per­cep­ção mai­or da emo­ção que es­ta­va guar­dan­do, ou se­ja, sen­ti-la mais. “Atra­vés das sen­sa­ções que es­ta pro­duz no cor­po, ele po­de en­trar em um es­ta­do de cons­ci­ên­cia mais pro­fun­do e bus­car me­mó­ri­as di­fí­ceis, lem­bran­ças an­ti­gas e dis­sol­ver trau­mas pas­sa­dos”, elu­ci­da a es­pe­ci­a­lis­ta.

“To­da hip­no­se, na ver­da­de, é au­to-hip­no­se, pois só ocor­re de for­ma con­sen­su­al e ami­gá­vel” Lis­san­dra Cris­ti­ne Bas­si, hip­no­te­ra­peu­ta clí­ni­ca

Opi­niões de es­pe­ci­a­lis­tas

Mas o que Freud e Jung acham qu­an­do o as­sun­to é hip­no­se? Bem, o cri­a­dor da psi­ca­ná­li­se te­ve co­mo mes­tre o mé­di­co fran­cês Je­an-Mar­tin Char­cot, pro­fis­si­o­nal que afir­ma­va po­der cu­rar dis­túr­bi­os men­tais por meio da hip­no­se, co­mo a his­te­ria, um dos prin­ci­pais ob­je­tos de es­tu­do de Freud. Po­rém o aus­tría­co ob­ser­vou fa­lhas nas te­o­ri­as de seu men­tor, uma vez que, ao vol­ta­rem do tran­se hip­nó­ti­co, os sin­to­mas dos pa­ci­en­tes re­tor­na­vam sem uma re­ti­fi­ca­ção sub­je­ti­va, con­cluin­do, as­sim, que a prá­ti­ca não es­ta­va sa­nan­do os so­fri­men­tos de­les. Es­se pen­sa­men­to o le­vou a cri­ar seu pró­prio mé­to­do – o da as­so­ci­a­ção li­vre. Co­mo ex­pli­ca Mar­co Car­va­lho, “a cu­ra pe­la fa­la foi lo­go uti­li­za­da por Freud e seus se­gui­do­res e su­ces­so­res, já que mui­tos dos si­nais dos quais os pa­ci­en­tes se quei­xa­vam dei­xa­ram de exer­cer ta­ma­nha for­ça, pois os afe­tos as­so­ci­a­dos a eles são des­car­re­ga­dos pe­lo pró­prio ato de fa­lar. Qu­an­do fa­la­mos, dei­xa­mos es­co­ar mui­to dos afe­tos que es­tão ar­rai­ga­dos às idei­as”.

Do la­do da psi­co­lo­gia ana­lí­ti­ca, Jung tam­bém se­guiu um ca­mi­nho se­me­lhan­te ao do psi­ca­na­lis­ta. “Que­ria se ha­ver com as re­pre­sen­ta­ções sim­bó­li­cas e mí­ti­cas, tra­zi­das pe­lo in­cons­ci­en­te co­le­ti­vo. O uso da hip­no­se po­de­ria, tal­vez ape­nas, ta­te­ar a obs­cu­ri­da­de ar­que­tí­pi­ca, mas não re­sol­vê-la”, com­ple­ta Car­va­lho.

Bas­ta que­rer

Co­mo a téc­ni­ca de­pen­de do ní­vel de con­cen­tra­ção e fo­co e ca­da pes­soa as de­sen­vol­ve em um ní­vel di­fe­ren­te, o tran­se hip­nó­ti­co po­de ocor­rer mais ou me­nos fa­cil­men­te. Ain­da as­sim, co­mo afir­ma Lis­san­dra Bas­si, to­das as pes­so­as po­dem ser hip­no­ti­za­das, des­de que re­al­men­te quei­ram que is­so acon­te­ça. “To­da hip­no­se, na ver­da­de, é au­to-hip­no­se, pois só ocor­re de for­ma con­sen­su­al e ami­gá­vel”, con­clui a pro­fis­si­o­nal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.