As úl­ti­mas pes­qui­sas ci­en­tí­fi­cas e no­vi­da­des so­bre o cé­re­bro

Segredos da Mente - - Pílulas -

>> Novas pers­pec­ti­vas

Uma pes­qui­sa pu­bli­ca­da em no­vem­bro de 2016 por ci­en­tis­tas da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ohio, nos Es­ta­dos Uni­dos, li­gou o apa­re­ci­men­to de sin­to­mas an­si­o­sos após qua­dros de es­tres­se pro­lon­ga­dos aos gló­bu­los bran­cos ar­ma­ze­na­dos no ba­ço. Se­gun­do os es­pe­ci­a­lis­tas, es­sas cé­lu­las são pro­du­zi­das pe­lo sis­te­ma imu­no­ló­gi­co, apa­ren­te­men­te, tam­bém em res­pos­ta ao es­tres­se. O es­tu­do, fei­to por meio de ex­pe­ri­ên­ci­as em co­bai­as, mos­trou que, de­pois de sub­me­ti­dos a um es­tres­se con­tí­nuo, as cé­lu­las de de­fe­sa no ba­ço dos ro­e­do­res se co­mu­ni­ca­vam com o cé­re­bro, pro­vo­can­do si­nais de an­si­e­da­de crô­ni­ca após o epi­só­dio. A des­co­ber­ta po­de in­di­car um no­vo ca­mi­nho pa­ra o tra­ta­men­to de dis­túr­bi­os men­tais, co­mo a pró­pria an­si­e­da­de e o es­tres­se.

Cé­re­bro pré-his­tó­ri­co

Vi­ra e me­xe ve­mos no­tí­ci­as de ar­queó­lo­gos que acha­ram al­gum fós­sil de di­nos­sau­ro em su­as ex­pe­di­ções e, às ve­zes, o de al­gu­ma es­pé­cie no­va. Mas de qu­an­tos cé­re­bros de di­nos­sau­ro você já ou­viu fa­lar? Pro­va­vel­men­te ne­nhum, uma vez que as chan­ces de al­gum te­ci­do do ti­po ser con­ser­va­do por mi­lhões de anos é bas­tan­te pe­que­na. Con­tu­do, con­tra­ri­an­do as pro­ba­bi­li­da­des, o ex­plo­ra­dor Ja­mie His­cocks des­co­briu uma amos­tra em uma praia de Behill, ci­da­de e bal­neá­rio in­glês, em 2004. O ti­po do te­ci­do só pô­de ser con­fir­ma­do co­mo sen­do en­ce­fá­li­co em 2016. Os ci­en­tis­tas res­pon­sá­veis pe­los es­tu­dos acer­ca do fós­sil, per­ten­cen­te a um “pa­ren­te” da es­pé­cie her­bí­vo­ra Igua­no­don, acre­di­tam na pos­si­bi­li­da­de de o di­nos­sau­ro ter mor­ri­do per­to de um lo­cal com água. E, des­se mo­do, sua ca­be­ça aca­bou en­co­ber­ta pe­los se­di­men­tos, ex­pli­can­do o al­to ní­vel de pre­ser­va­ção do ma­te­ri­al.

>> Cri­an­ças tí­mi­das

Exis­tem cri­an­ças que são to­tal­men­te ex­tro­ver­ti­das, que con­ver­sam com to­do mun­do e gos­tam de in­te­ra­gir, as­sim co­mo as que são um pou­co mais re­clu­sas, ou se­ja, tí­mi­das. E não há na­da de er­ra­do, uma vez que o com­por­ta­men­to da pes­soa po­de mu­dar com­ple­ta­men­te con­for­me evo­lui. Po­rém, em cer­tos ca­sos, co­mo in­di­cou uma pes­qui­sa pu­bli­ca­da na re­vis­ta ci­en­tí­fi­ca Psy­cho­lo­gi­calS­ci­en­ce, li­de­ra­da pe­la es­pe­ci­a­lis­ta Johan­na M. Jar­cho, do De­par­ta­men­to de Psi­co­lo­gia da Uni­ver­si­da­de de Stony Bro­ok, nos Es­ta­dos Uni­dos, a ti­mi­dez na in­fân­cia po­de in­flu­en­ci­ar na al­te­ra­ção de de­ter­mi­na­das ati­vi­da­des ce­re­brais com o tem­po. Pos­te­ri­or­men­te, se­gun­do o es­tu­do, há a pos­si­bi­li­da­de de um au­men­to na di­fi­cul­da­de em re­la­ci­o­na­men­tos in­ter­pes­so­ais. Exa­mes de ima­gens por res­so­nân­cia mag­né­ti­ca fun­ci­o­nal (fMRI, na si­gla em in­glês) mos­tra­ram al­te­ra­ções ce­re­brais em pré-ado­les­cen­tes (com 11 anos) que apre­sen­ta­vam di­fi­cul­da­des mai­o­res re­la­ci­o­na­das à ti­mi­dez na in­fân­cia (na fai­xa etá­ria en­tre 2 e 7 anos). O tes­te, que en­vol­veu in­te­ra­ções so­ci­ais vir­tu­ais, re­ve­lou pa­drões nas fun­ções ce­re­brais des­ses in­di­ví­du­os em áre­as res­pon­sá­veis por re­co­nhe­cer emo­ções, além de pre­juí­zos em re­giões re­la­ci­o­na­das ao afe­to.

>> Olho no olho

Já no­tou co­mo po­de ser com­pli­ca­do man­ter o con­ta­to vi­su­al com uma pes­soa en­quan­to con­ver­sam? O que pa­re­ce ser ape­nas uma si­tu­a­ção cons­tran­ge­do­ra pa­ra al­gu­mas pes­so­as. Po­de ter uma ex­pli­ca­ção en­vol­ven­do o com­ple­xo sis­te­ma ce­re­bral, co­mo in­di­cou um es­tu­do re­cen­te re­a­li­za­do por es­tu­di­o­sos da Uni­ver­si­da­de de Kyo­to, no Ja­pão. A pes­qui­sa in­di­ca que os sis­te­mas de co­mu­ni­ca­ção ver­bal e não ver­bal po­dem es­tar mui­to co­nec­ta­dos. Is­so por­que os ja­po­ne­ses acre­di­tam que am­bos os sis­te­mas com­par­ti­lham fun­ções cog­ni­ti­vas, o que po­de de­man­dar um es­for­ço ex­tra do cé­re­bro. Des­se mo­do, é ex­pli­ca­da a di­fi­cul­da­de de con­cen­tra­ção em man­ter o “olho no olho” en­quan­to se de­sen­vol­ve al­gum ra­ci­o­cí­nio no diá­lo­go.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.