OFERECENDO AJU­DA

Segredos da Mente - - Pílulas -

“Por que meu ami­go não quer mais sair com a gen­te? Por que an­da tão ir­ri­ta­do sem mo­ti­vo ul­ti­ma­men­te? Por que não con­se­gue mais en­tre­gar seus re­la­tó­ri­os em dia? Quan­do se con­se­gue vi­su­a­li­zar o que a pes­soa sen­te e se co­lo­car no lu­gar de­la, fi­ca mais fá­cil iden­ti­fi­car que es­tá pre­ci­san­do de aju­da”, re­fle­te Fer­nan­da Ra­mal­lo, psi­qui­a­tra. No mo­men­to em que ela não con­se­gue se con­cen­trar em de­ter­mi­na­do as­sun­to pro­fis­si­o­nal, pes­so­al ou sen­ti­men­tal, é si­nal de que a ro­ti­na es­tá sen­do afe­ta­da e es­tá na ho­ra de bus­car uma aju­da es­pe­ci­a­li­za­da, co­mo uma te­ra­pia. “Mui­ta gen­te pen­sa que po­de se cu­rar so­zi­nha. Po­rém, uma con­ver­sa sin­ce­ra com um ami­go po­de ser um bom co­me­ço”, in­di­ca Marcelo San­ti­a­go, co­a­ch de al­ta per­for­man­ce. Além dis­so, pes­so­as pró­xi­mas e a fa­mí­lia po­dem co­la­bo­rar ao pro­mo­ver mais en­con­tros fí­si­cos, co­mo fes­tas e al­mo­ços. Dió­ge­nes Go­mes, co­a­ch de trans­for­ma­ção pes­so­al e es­pe­ci­a­lis­ta em pro­gra­ma­ção neu­ro­lin­guís­ti­ca, in­di­ca pro­por jo­gos e brin­ca­dei­ras co­mo “va­mos con­ver­sar e to­dos guar­dam o ce­lu­lar por du­as ho­ras”, tra­zen­do o diá­lo­go e o con­ví­vio pa­ra o mun­do fí­si­co. “Is­so faz o in­di­vi­duo lem­brar o quan­to is­so é im­por­tan­te; o pre­sen­te é o mo­men­to de vi­ver aque­le ins­tan­te”, fi­na­li­za Dió­ge­nes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.