A mil por ho­ra!

A Sín­dro­me do Pen­sa­men­to Ace­le­ra­do é um mal que aco­me­te a so­ci­e­da­de mo­der­na e cau­sa con­sequên­ci­as pro­fun­das na vi­da das pes­so­as

Segredos da Mente - - Pílulas - TEXTO ÉRIKA ALFARO/COLABORADORA ENTREVISTAS NATÁLIA NEGRETTI DESIGN VANESSA SUEISHI

An­tes de dor­mir, diá­lo­gos, in­for­ma­ções e ati­tu­des que en­vol­ve­ram a ro­ti­na pas­sam pe­la ca­be­ça, e os com­pro­mis­sos do dia se­guin­te, até da pró­xi­ma se­ma­na, ator­men­tam os pen­sa­men­tos. É di­fí­cil con­tro­lar a ve­lo­ci­da­de do flu­xo de idei­as e acal­mar a mente. Ao acor­dar, é im­pos­sí­vel se con­cen­trar em al­go ao ima­gi­nar tu­do o que es­tá por vir. Afi­nal, com tan­tas coi­sas pa­ra fa­zer, pen­sar e de­ci­dir, é co­mum que o cé­re­bro fi­que so­bre­car­re­ga­do.

Você se iden­ti­fi­cou com a li­nha de ra­ci­o­cí­nio apre­sen­ta­da? Pois sai­ba que tal com­por­ta­men­to po­de ul­tra­pas­sar a nor­ma­li­da­de e se trans­for­mar em um dis­túr­bio, cha­ma­do de Sín­dro­me do Pen­sa­men­to Ace­le­ra­do (SPA). De acor­do com a psi­có­lo­ga clí­ni­ca An­gé­li­ca Ma­fra, so­frer por an­te­ci­pa­ção é uma das ca­rac­te­rís­ti­cas mais mar­can­tes da SPA, mas os sin­to­mas po­dem va­ri­ar mui­to: hi­pe­ra­ti­vi­da­de, in­sa­tis­fa­ção, fa­di­ga, hu­mor ins­tá­vel, do­res de ca­be­ça e mus­cu­la­res cons­tan­tes, dé­fi­cit de aten­ção, me­mó­ria pre­ju­di­ca­da, insô­nia, si­nais psi­cos­so­má­ti­cos (au­men­to da pres­são ar­te­ri­al, que­da de ca­be­lo, en­tre ou­tros), além de can­sa­ço fí­si­co e es­go­ta­men­to men­tal. Des­sa for­ma, se os sin­to­mas es­ti­ve­rem ali­a­dos ao pen­sa­men­to an­te­ri­or, fi­que aten­to e se in­for­me so­bre o as­sun­to pa­ra en­ten­dê-lo me­lhor e bus­car as me­lho­res so­lu­ções.

Do­en­ça co­le­ti­va

A Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS) pre­vê que, até 2030, 20% da po­pu­la­ção mun­di­al de­sen­vol­ve­rá o trans­tor­no de de­pres­são. No en­tan­to, o mé­di­co, psi­qui­a­tra e psi­co­te­ra­peu­ta Augusto Cury dis­cor­da da de­no­mi­na­ção atri­buí­da ao qua­dro de­pres­si­vo, ape­sar de re­co­nhe­cer quão alar­man­te os nú­me­ros são. Em seu li­vro

An­si­e­da­de, co­mo en­fren­tar o mal do sé­cu­lo, o es­cri­tor dei­xa cla­ra a con­clu­são dos seus es­tu­dos quan­do, no pre­fá­cio da obra, apre­sen­ta a an­si­e­da­de de­cor­ren­te da Sín­dro­me do Pen­sa­men­to Ace­le­ra­do co­mo um mal tal­vez mais gra­ve, to­da­via, me­nos per­cep­tí­vel do que a de­pres­são.

“Pen­sar é bom, pen­sar com lu­ci­dez é óti­mo, po­rém pen­sar de­mais é uma bom­ba con­tra a saú­de psí­qui­ca, o pra­zer de vi­ver e a cri­a­ti­vi­da­de. Não são ape­nas as dro­gas psi­co­tró­pi­cas que vi­ci­am, mas tam­bém o ex­ces­so de in­for­ma­ção, de tra­ba­lho in­te­lec­tu­al, de ati­vi­da­des, de pre­o­cu­pa­ção, de uso de ce­lu­lar. Você vi­ve es­ses ex­ces­sos? To­dos eles le­vam a mente hu­ma­na ao mais pe­ne­tran­te de to­dos os ví­ci­os: o ví­cio em pen­sar”, es­cre­ve Augusto.

E nin­guém es­tá a sal­vo des­se ris­co: o dis­túr­bio se ma­ni­fes­ta em pes­so­as de to­das as fai­xas etá­ri­as, clas­ses so­ci­ais e gê­ne­ros. “Ge­ral­men­te, o trans­tor­no e os sin­to­mas são co­muns em psi­có­lo­gos, mé­di­cos, pro­fis­si­o­nais da área de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al e exe­cu­ti­vos, por exem­plo. Ou se­ja, pro­fis­si­o­nais que de­vem man­ter o fo­co de aten­ção cons­tan­te e li­dar com uma gran­de quan­ti­da­de de es­tí­mu­los, o que ge­ra uma sen­sa­ção de apre­en­são e fal­ta de tem­po pa­ra re­a­li­zar tu­do o que é pre­ci­so”, ex­pli­ca a neu­rop­si­có­lo­ga Pris­cil­la Gas­pa­ri­ni Fer­nan­des.

Era da in­for­ma­ção

A Sín­dro­me do Pen­sa­men­to Ace­le­ra­do é for­te­men­te as­so­ci­a­da à so­ci­e­da­de mo­der­na, is­so por­que uma das prin­ci­pais cau­sas pa­ra o seu de­sen­vol­vi­men­to é a di­fi­cul­da­de em li­dar com o ex­ces­so de in­for­ma­ções. Dia após dia, os se­res hu­ma­nos são cer­ca­dos por uma quan­ti­da­de as­sus­ta­do­ra de as­sun­tos dis­tin­tos. As­sim, além da von­ta­de na­tu­ral pe­la bus­ca do co­nhe­ci­men­to, ain­da exis­te a pres­são so­ci­al pa­ra fa­zer par­te das mais va­ri­a­das dis­cus­sões e con­ver­sas, sem­pre de acor­do com as in­for­ma­ções mais atu­a­li­za­das. Uma pes­qui­sa pro­mo­vi­da pe­la Uni­ver­si­da­de do Sul da Ca­li­fór­nia, nos Es­ta­dos Uni­dos, pu­bli­ca­da na re­vis­ta ci­en­tí­fi­ca Sci­en­ce Ex­press, con­cluiu que um in­di­ví­duo é ca­paz de co­mu­ni­car uma mé­dia de seis jor­nais in­tei­ros em um dia, tu­do is­so por meio da tro­ca de men­sa­gens, diá­lo­gos e com­par­ti­lha­men­to de da­dos. Tal ce­ná­rio, pos­si­bi­li­ta­do pe­las novas tec­no­lo­gi­as e pe­los mei­os de co­mu­ni­ca­ção, ge­ra efei­tos sig­ni­fi­ca­ti­vos na mente das pes­so­as. A cons­ci­ên­cia de que, por meio de al­guns cli­ques, há a pos­si­bi­li­da­de de co­nhe­cer des­de fa­tos his­tó­ri­cos até a re­cei­ta da sua co­mi­da pre­fe­ri­da, ao

mes­mo tem­po em que a te­le­vi­são li­ga­da ofe­re­ce no­tí­ci­as in­ter­na­ci­o­nais, faz as pes­so­as se­rem mais an­si­o­sas e afo­ba­das, cri­an­do a sen­sa­ção de nun­ca ha­ve­rá tem­po pa­ra as­si­mi­lar a in­fi­ni­da­de de con­teú­dos aces­sí­veis.

De acor­do com Ryon Bra­ga no ar­ti­go O Ex­ces­so

de In­for­ma­ção - A Neu­ro­se do Sé­cu­lo XXI, ou­tra se­que­la des­se ex­ces­so é a di­fi­cul­da­de na to­ma­da de de­ci­são. “A imen­sa quan­ti­da­de de in­for­ma­ções dis­po­ní­veis pa­ra to­mar co­mo ba­se ca­da vez que pre­ci­sa de­ci­dir so­bre al­go faz com que o in­di­ví­duo sin­ta-se ca­da vez mais in­se­gu­ro na ho­ra de to­mar de­ci­sões. Ele fi­ca com a sen­sa­ção de que ain­da po­de­ria ob­ter mais al­gu­mas in­for­ma­ções que lhe da­ri­am mais em­ba­sa­men­to. Além de tu­do, o tem­po pa­ra re­fle­xão vai fi­can­do ca­da vez mais es­cas­so, ce­den­do lu­gar pa­ra o tem­po gas­to na ab­sor­ção de mais e mais in­for­ma­ções”, es­cre­veu Ryon.

Cri­an­ças e ado­les­cen­tes

Quem ima­gi­nou que ape­nas um adul­to re­ple­to de pre­o­cu­pa­ções se en­qua­dra nos ca­sos de SPA es­tá mui­to en­ga­na­do. O atu­al rit­mo ace­le­ra­do é ca­paz de atin­gir as cri­an­ças e tam­bém os ado­les­cen­tes. Augusto Cury res­sal­ta em seu li­vro que, em to­do o mun­do, neu­ro­lo­gis­tas, psi­qui­a­tras e psi­co­pe­da­go­gos es­tão fa­zen­do di­ag­nós­ti­cos er­ra­dos. “Ao ve­rem um jo­vem des­con­cen­tra­do, ir­ri­ta­di­ço, in­qui­e­to, com bai­xo li­mi­ar pa­ra a frus­tra­ção, di­ag­nos­ti­cam co­mo hi­pe­ra­ti­vi­da­de ou trans­tor­no de dé­fi­cit de aten­ção, em vez de SPA. Os sin­to­mas são se­me­lhan­tes, mas as cau­sas e a abor­da­gem são dis­tin­tas”, afir­ma.

As­sim, pa­ra di­fe­ren­ci­ar os dois trans­tor­nos, o au­tor ex­pli­ca que, na hi­pe­ra­ti­vi­da­de, há um fun­do ge­né­ti­co; fre­quen­te­men­te, um dos pais é hi­pe­ra­ti­vo. “Além dis­so, a agi­ta­ção e a in­qui­e­ta­ção de uma pes­soa hi­pe­ra­ti­va ma­ni­fes­tam-se já na pri­mei­ra in­fân­cia, en­quan­to na SPA a in­qui­e­ta­ção é cons­truí­da pou­co a pou­co, ao lon­go dos anos. En­tre as cau­sas da SPA, es­tão o ex­ces­so de es­ti­mu­la­ção, de brin­que­dos, de ati­vi­da­des e de in­for­ma­ção”, apon­ta Augusto.

Mui­ta cal­ma nes­sa ho­ra

Ao ler as in­for­ma­ções so­bre a sín­dro­me você já pen­sou em mil si­tu­a­ções nas quais se en­cai­xou? Pois bem, en­tão te­nha cal­ma e sai­ba que exis­tem mei­os pa­ra a me­lho­ra des­se qua­dro. Pri­mei­ra­men­te, são ne­ces­sá­ri­as dis­po­si­ção e dis­ci­pli­na, uma vez que o re­sul­ta­do es­pe­ra­do é a mu­dan­ça na ma­nei­ra de pen­sar e você é a úni­ca pes­soa que po­de mo­ni­to­rar o pro­ces­so.

Se­gun­do An­gé­li­ca, ter cons­ci­ên­cia do seu pró­prio li­mi­te (fí­si­co e men­tal) é uma for­ma de se po­li­ci­ar. Quan­do há a per­cep­ção de que es­sa mar­ca foi atin­gi­da, pen­se no seu pró­prio bem-es­tar e fa­ça o que for me­lhor pa­ra você. “De­sa­ce­le­rar os pen­sa­men­tos, di­mi­nuir o ex­ces­so de ta­re­fas, des­li­gar ou mi­ni­mi­zar a tec­no­lo­gia no co­ti­di­a­no, ex­trair pra­zer em coi­sas sim­ples co­mo ou­vir uma boa mú­si­ca, ter con­ta­to com a na­tu­re­za, fa­zer exer­cí­ci­os fí­si­cos, ler um bom li­vro, dor­mir pe­lo me­nos oi­to ho­ras por dia e an­tes de dor­mir não uti­li­zar dis­po­si­ti­vos ele­trô­ni­cos” são di­cas da psi­có­lo­ga pa­ra apli­car no dia a dia.

Em­bo­ra exis­tam me­ca­nis­mos de­pen­den­tes uni­ca­men­te do es­for­ço pró­prio pa­ra aju­dar quem so­fre com a SPA, a psi­co­lo­gia é mui­to in­di­ca­da pa­ra o tra­ta­men­to. O acom­pa­nha­men­to pro­fis­si­o­nal de psi­có­lo­gos, neu­rop­si­có­lo­gos, psi­qui­a­tras e psi­co­te­ra­peu­tas po­de au­xi­li­ar o in­di­ví­duo a cri­ar es­sa no­va pos­tu­ra di­an­te da ro­ti­na, pro­mo­ver a au­tor­re­fle­xão e cui­dar de as­pec­tos co­mo es­tres­se e an­si­e­da­de.

An­gé­li­ca res­sal­ta que, pa­ra as cri­an­ças, é fun­da­men­tal a par­ti­ci­pa­ção dos pais pa­ra “co­lo­car li­mi­tes no ex­ces­so de in­for­ma­ções, evi­tan­do que fi­quem até tar­de na fren­te do com­pu­ta­dor, ce­lu­la­res ou ta­blets. Elas pre­ci­sam de uma ro­ti­na diá­ria que in­clua, tam­bém, exer­cí­ci­os fí­si­cos e con­ta­to com a na­tu­re­za”.

“Pen­sar é bom, pen­sar com lu­ci­dez é óti­mo, po­rém pen­sar de­mais é uma bom­ba con­tra a saú­de psí­qui­ca, o pra­zer de vi­ver e a cri­a­ti­vi­da­de” Augusto Cury no li­vro An­si­e­da­de, co­mo en­fren­tar o mal do sé­cu­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.