Ca­na­bi­di­ol:

Pes­qui­sa­do­res e em­pre­sas ava­li­am uso da subs­tân­cia ex­traí­da da ma­co­nha pa­ra o tra­ta­men­to da do­en­ça

Segredos da Mente - - Editorial | Sumário -

Tra­ta­men­to pa­ra o par­kin­so­nis­mo

N o ano de 2017, a Agên­cia Na­ci­o­nal de Vi­gi­lân­cia Sa­ni­tá­ria, a An­vi­sa, apro­vou o re­gis­tro do pri­mei­ro me­di­ca­men­to no Bra­sil com­pos­to por prin­cí­pi­os ati­vos da plan­ta Can­na­bis Sa­ti­va, a ma­co­nha. O me­di­ca­men­to cha­ma­do Me­vatyl trou­xe em sua com­po­si­ção as subs­tân­ci­as Te­trahi­dro­ca­na­bi­nol ( THC) e Ca­na­bi­di­ol (CBD) com a fi­na­li­da­de de tra­tar a ri­gi­dez ex­ces­si­va dos mús­cu­los nos qua­dros de es­cle­ro­se múl­ti­pla.

Po­rém, en­tre as subs­tân­ci­as, o ca­na­bi­di­ol tem si­do ob­je­to de es­tu­do de mui­tas pes­qui­sas que o as­so­ci­am ao tra­ta­men­to da do­en­ça de Parkinson. Nas pes­qui­sas bra­si­lei­ras, en­con­tra­mos na Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na de Ri­bei­rão Pre­to ( FMR/ PUSP) um es­tu­do que iden­ti­fi­cou a me­lho­ra dos pa­ci­en­tes com Parkinson a par­tir do uso ca­na­bi­di­ol acom­pa­nha­da da au­sên­cia de efei­tos co­la­te­rais.

Os re­sul­ta­dos da in­ges­tão do Ca­na­bi­di­ol

A pes­qui­sa da FMRP con­tou com 21 pa­ci­en­tes di­ag­nos­ti­ca­dos com a do­en­ça de Parkinson, mas que não apre­sen­ta­vam de­mên­cia, nem ou­tras im­pli­ca­ções psi­quiá­tri­cas. As pes­so­as fo­ram di­vi­di­das em três gru­pos: o pri­mei­ro re­ce­beu cáp­su­las com pla­ce­bo, o se­gun­do cáp­su­las com do­se de 75mg/dia de ca­na­bi­di­ol dis­sol­vi­do ao óleo de mi­lho e o ter­cei­ro gru­po uma do­se de 300mg/dia de ca­na­bi­di­ol tam­bém dis­sol­vi­do no mes­mo óleo.

Se­gun­do in­for­ma­ções do por­tal on­li­ne da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo, os re­sul­ta­dos fo­ram po­si­ti­vos em re­la­ção aos mo­vi­men­tos mo­to­res e tam­bém não mo­to­res dos pa­ci­en­tes. E a no­vi­da­de é que os efei­tos co­la­te­rais, tão co­muns du­ran­te o tra­ta­men­to me­di­ca­men­to­so do Parkinson, fo­ram pra­ti­ca­men­te ine­xis­ten­tes. No ano de 2014, os re­sul­ta­dos des­sa pes­qui­sa fo­ram pu­bli­ca­dos no

Jour­nal of Psy­chophar­ma­co­logy, da As­so­ci­a­ção Bri­tâ­ni­ca de Psi­co­far­ma­co­lo­gia.

Em­pre­sas apoi­am pes­qui­sas

Além da An­vi­sa au­to­ri­zar o re­gis­tro na­ci­o­nal de me­di­ca­men­tos à ba­se da plan­ta Can­na­bis Sa­ti­va, o ór­gão tam­bém é res­pon­sá­vel por au­to­ri­zar as em­pre­sas ap­tas a im­por­tar os me­di­ca­men­tos. Foi as­sim com a HempMeds® Bra­sil, sub­si­diá­ria do gru­po ame­ri­ca­no Me­di­cal Ma­ri­ju­a­na, Inc. e pri­mei­ra em­pre­sa au­to­ri­za­da pe­la An­vi­sa a im­por­tar um pro­du­to à ba­se de ca­na­bi­di­ol no país.

Além dis­so, a or­ga­ni­za­ção tem apoi­a­do pes­qui­sas na área pa­ra ve­ri­fi­car a in­fluên­cia do ca­na­bi­di­ol no tra­ta­men­to da do­en­ça de Parkinson co­mo é o ca­so do es­tu­do clí­ni­co de­sen­vol­vi­do pe­la Uni­ver­si­da­de Lu­te­ra­na no Bra­sil, do Rio Gran­de do Sul, jun­to com o mé­di­co neu­ro­lo­gis­ta e pes­qui­sa­dor do Pi­auí, Dr. Kel­son Ja­mes Al­mei­da.

Ca­ro­li­ne Heinz, di­re­to­ra de ope­ra­ções da HempMeds® Bra­sil con­ta que nes­se es­tu­do clí­ni­co são usa­dos dois ti­pos de pro­du­tos ex­traí­do da Can­na­bis Sa­ti­va. “Um ex­tra­to que cha­ma­mos de ‘full spec­trum’, um óleo com­ple­to ri­co em ca­na­bi­noi­des, ter­pe­nos e tra­ços, po­rém com bai­xos ní­veis de Te­trahi­dro­ca­na­bi­nol ( THC). E ou­tro pro­du­to que é o óleo pu­ro de Ca­na­bi­di­ol, com ape­nas um ti­po de ca­na­bi­noi­de, sem tra­ços de THC”, re­la­ta Heinz. O ob­je­ti­vo é en­ten­der de que for­ma ou­tras subs­tân­ci­as e até mes­mo o THC atu­am no pa­ci­en­te com Parkinson. Se­gun­do a em­pre­sa, en­tre os be­ne­fí­ci­os do uso do Ca­na­bi­di­ol es­tão a me­lho­ra no con­tro­le mo­tor do pa­ci­en­te, nos tre­mo­res, ri­gi­dez, bra­di­ci­ne­sia, so­no e do­res. “Con­se­quen­te­men­te, tam­bém há uma me­lho­ra no hu­mor do pa­ci­en­te”, co­men­ta Ca­ro­li­ne.

Nor­mas da An­vi­sa pa­ra im­por­ta­ção do Ca­na­bi­di­ol

A An­vi­sa es­ta­be­le­ceu que os la­bo­ra­tó­ri­os de me­di­ca­men­tos podem re­gis­trar os pro­du­tos a ba­se de THC E CBD des­de que ha­ja a con­cen­tra­ção de no má­xi­mo 30 mg de te­trahi­dro­ca­na­bi­nol por mi­li­li­tro e 30 mg de ca­na­bi­di­ol por mi­li­li­tro. Com­pos­tos que ti­ve­rem con­cen­tra­ções além des­sas, per­ma­ne­cem proi­bi­dos no Bra­sil.

Pa­ra pes­so­as fí­si­cas que de­se­jam im­por­tar me­di­ca­men­tos a ba­se de Ca­na­bi­di­ol, a An­vi­sa tam­bém dis­po­ni­bi­li­za ori­en­ta­ções a res­pei­to do pe­di­do. A pri­mei­ra eta­pa re­quer a con­sul­ta mé­di­ca e pres­cri­ção do me­di­ca­men­to jun­ta­men­te com um lau­do mé­di­co. A se­gun­da é a eta­pa de ca­das­tra­men­to do pa­ci­en­te no si­te da An­vi­sa e in­clui o pre­en­chi­men­to de uma De­cla­ra­ção de Res­pon­sa­bi­li­da­de.

Na ter­cei­ra fa­se, o ór­gão ava­lia o pe­di­do e de­pois emi­te uma au­to­ri­za­ção de im­por­ta­ção. Nas du­as úl­ti­mas eta­pas – já com a au­to­ri­za­ção – o pa­ci­en­te po­de com­prar o me­di­ca­men­to pa­ra uso pró­prio. Não é per­mi­ti­do que o pro­du­to se­ja re­ven­di­do e a com­pra com a mes­ma re­cei­ta por mais de uma vez de­ve obe­de­cer a du­ra­ção do tra­ta­men­to pres­cri­to pe­lo mé­di­co e a quan­ti­da­de a ser im­por­ta­da.

CONSULTORIAS Ca­ro­li­ne Heinz, di­re­to­ra de ope­ra­ções da HempMeds® Bra­sil; Por­tal da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo; Por­tal da Agên­cia Na­ci­o­nal de Vi­gi­lân­cia Sa­ni­tá­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.