Es­ta­mos per­to da Cura?

As des­co­ber­tas re­cen­tes das do­en­ças neu­ro­de­ge­ne­ra­ti­vas mais co­nhe­ci­das

Segredos da Mente - - Editorial | Sumário -

Es­tu­dos re­cen­tes res­pon­dem à ques­tão

Ado­en­ça de Parkinson foi des­cri­ta, em 1817, pe­lo mé­di­co Ja­mes Parkinson. Já a do­en­ça de Alzhei­mer te­ve seu pri­mei­ro re­la­to qu­a­se no­ven­ta anos de­pois, em 1906, a par­tir dos es­tu­dos de Alois Alzhei­mer. Em­bo­ra elas se­jam do­en­ças que co­me­ça­ram a ser es­tu­da­das em épo­cas em que as tec­no­lo­gi­as era di­fe­ren­tes das que a me­di­ci­na usu­frui ho­je, ain­da não se tem a cura pa­ra ne­nhu­ma de­las e os tra­ta­men­tos dis­po­ní­veis não re­ver­tem os pro­ces­sos neu­ro­de­ge­ne­ra­ti­vos. Mas a co­mu­ni­da­de ci­en­tí­fi­ca se mo­bi­li­za pa­ra al­te­rar es­se qu­a­dro e tem apre­sen­ta­do di­fe­ren­tes in­ves­ti­ga­ções so­bre es­sas pa­to­lo­gi­as e su­as im­pli­ca­ções pa­ra a men­te hu­ma­na.

Pro­teí­nas e Alzhei­mer

Um dos es­tu­dos mais con­so­li­da­dos so­bre a Alzhei­mer apon­ta que a do­en­ça es­tá re­la­ci­o­na­da às pro­teí­nas Tau e Be­ta-ami­loi­de. Am­bas cri­am uma re­de em vol­ta dos neurô­ni­os in­ter­fe­rin­do na co­mu­ni­ca­ção en­tre eles e no me­ta­bo­lis­mo in­ter­neu­ro­nal.

No cérebro há du­as es­tru­tu­ras cha­ma­das pla­cas se­nis e ema­ra­nha­dos neu­ro­fi­bri­la­res. As pla­cas se­nis são de­pó­si­tos de pe­que­nas quan­ti­da­des da pro­teí­na be­ta-ami­lói­de. No en­tan­to, no qu­a­dro de Alzhei­mer es­sa pro­teí­na é en­con­tra­da aglu­ti­na­da nos es­pa­ços en­tre as cé­lu­las ner­vo­sas. Além dis­so, ela é pou­co eli­mi­na­da pe­lo li­quor, flui­do cor­po­ral pro­du­zi­do pe­lo cérebro. Pa­ra­le­la­men­te, ema­ra­nha­dos neu­ro­fi­bri­la­res se as­so­ci­am a pro­teí­na Tau que se acu­mu­lam den­tro das cé­lu­las.

O ge­ri­a­tra Ales­san­dro Fer­ra­ri, pro­fes­sor do De­par­ta­men­to de Clí­ni­ca Mé­di­ca da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da Unesp ex­pli­ca que em­bo­ra os es­tu­dos com au­tóp­si­as mos­tram que a mai­o­ria das pes­so­as de­sen­vol­ve al­gu­mas pla­cas se­nis e ema­ra­nha­dos neu­ro­fi­bri­la­res à me­di­da que en­ve­lhe­cem, pes­so­as com Alzhei­mer ten­dem a de­sen­vol­vê-los mui­to mais. “A mai­o­ria dos es­pe­ci­a­lis­tas acre­di­ta que es­tas es­tru­tu­ras de­sem­pe­nham um pa­pel crí­ti­co no blo­queio da co­mu­ni­ca­ção en­tre as cé­lu­las ner­vo­sas e na in­ter­rup­ção dos pro­ces­sos que as cé­lu­las pre­ci­sam pa­ra so­bre­vi­ver”, co­men­ta Fer­ra­ri.

Bus­ca pe­la pí­lu­la da me­mó­ria

Ou­tro es­tu­do que con­tem­pla as pos­si­bi­li­da­des pa­ra tra­ta­men­to do Alzhei­mer é o da subs­tân­cia ade­no­si­na mo­no­fos­fa­to cí­cli­co (AMPc) que foi des­co­ber­ta co­mo me­di­a­dor in­tra­ce­lu­lar. “Es­tu­dos em ani­mais de­mons­tram que a subs­tân­cia ade­no­si­na mo­no­fos­fa­to cí­cli­co (AMPc) é um men­sa­gei­ro quí­mi­co fun­da­men­tal pa­ra a fa­ci­li­ta­ção da trans­mis­são ner­vo­sa e for­ma­ção da me­mó­ria. Des­ta for­ma, subs­tân­ci­as que au­men­tem os ní­veis de AMPc podem ser cru­ci­ais pa­ra me­lho­rar a me­mó­ria em pes­so­as com de­mên­cia”, afir­mam os pes­qui­sa­do­res Luiz Hen­ri­que Flo­rin­do e Ari­e­la Mal­ta­ro­lo Cres­ta­ni do Ins­ti­tu­to de Bi­o­ci­ên­ci­as da Unesp, em São Jo­sé do Rio Pre­to. Com­pos­tos que po­ten­ci­a­li­zam os ní­veis de AMPc são tes­ta­dos pa­ra uso em pí­lu­las in­te­li­gen­tes, ou pí­lu­las da me­mó­ria.

Parkinson: es­tu­do com an­ti­bió­ti­co

O dis­túr­bio do mo­vi­men­to pro­vo­ca­do pe­la do­en­ça de Parkinson es­tá as­so­ci­a­do prin­ci­pal­men­te a mor­te de neurô­ni­os que são res­pon­sá­veis por pro­du­zir do­pa­mi­na na re­gião do cérebro co­nhe­ci­da co­mo “subs­tân­cia ne­gra”. Re­gião que fi­cou co­nhe­ci­da por con­ter neurô­ni­os pig­men­ta­dos de cor es­cu­ra.

A fi­si­o­te­ra­peu­ta e dou­to­ra em neu­ro­ci­ên­ci­as, Ra­chel Pa­es Gui­ma­rães des­cre­ve que não é ape­nas nes­sa re­gião do cérebro que é atin­gi­da.

“A do­en­ça de Parkinson é ex­tre­ma­men­te he­te­ro­gê­nea e os sin­to­mas podem va­ri­ar de pa­ci­en­te pa­ra pa­ci­en­te. Além dis­so, com o avan­ço de téc­ni­cas de neu­roi­ma­gem, sa­be-se que ocor­rem al­te­ra­ções ce­re­brais em di­ver­sas áre­as, e não so­men­te na subs­tân­cia ne­gra” Ra­chel Gui­ma­rães, dou­to­ra em Neu­ro­ci­ên­ci­as

“A do­en­ça de Parkinson é ex­tre­ma­men­te he­te­ro­gê­nea e os sin­to­mas podem va­ri­ar de pa­ci­en­te pa­ra pa­ci­en­te. Além dis­so, com o avan­ço de téc­ni­cas de neu­roi­ma­gem, sa­be-se que ocor­rem al­te­ra­ções ce­re­brais em di­ver­sas áre­as, e não so­men­te na subs­tân­cia ne­gra”, des­cre­ve Gui­ma­rães.

En­tre as des­co­ber­tas mais re­cen­tes so­bre o Parkinson se des­ta­ca o tra­ta­men­to com o an­ti­bió­ti­co do­xi­ci­cli­na. O me­di­ca­men­to já exis­te, mas tem si­do es­tu­da­do co­mo con­ve­ni­en­te ao Parkinson por agir re­du­zin­do a to­xi­ci­da­de da pro­teí­na “al­fa si­nu­cleí­na” que agri­de as cé­lu­las do sis­te­ma ner­vo­so cen­tral.

Tra­ta-se de um efei­to an­ti-in­fla­ma­tó­rio e neu­ro­pro­te­tor que vem a pro­te­ger os neurô­ni­os res­pon­sá­veis pe­la pro­du­ção de do­pa­mi­na. A pes­qui­sa con­tou com apoio da Fun­da­ção de Am­pa­ro à Pes­qui­sa do Es­ta­do de São Pau­lo e seus re­sul­ta­dos fo­ram pu­bli­ca­dos em fe­ve­rei­ro de 2017, na re­vis­ta Sci­en­ti­fic Re­ports, do gru­po Na­tu­re. An­ti­cor­pos

O neu­rop­si­có­lo­go Jury Ri­car­do Go­mez Gar­cia, do Ins­ti­tu­to de Me­di­ci­na e Psi­co­lo­gia In­te­gra­das ( Im­pi) de Bra­sí­lia, apon­ta que no ca­so da Do­en­ça de Alzhei­mer, vá­ri­as li­nhas de pes­qui­sa es­tão apon­tan­do pa­ra uma so­lu­ção. Há uma pes­qui­sa re­a­li­za­da pe­la Uni­ver­si­da­de de Zu­ri­que e pe­lo la­bo­ra­tó­rio nor­te ame­ri­ca­no Bi­o­gen que apon­ta pa­ra um ca­mi­nho que po­de ser mui­to efi­caz pa­ra com­ba­ter a do­en­ça. “Es­tão uti­li­zan­do um an­ti­cor­po com re­sul­ta­dos mui­to es­pe­cí­fi­co, eli­mi­nan­do ou re­du­zin­do o ema­ra­nha­do das pro­teí­nas be­ta ami­loi­des. To­da­via, es­se es­tu­do ain­da es­tá em fa­se ex­pe­ri­men­tal”, ori­en­ta Gar­cia.

So­bre a do­en­ça de Parkinson, o es­pe­ci­a­lis­ta afir­ma que há mui­tas li­nhas de pes­qui­sas exis­tin­do, in­clu­si­ve, a pos­si­bi­li­da­de de trans­plan­tes ce­lu­la­res. No en­tan­to, uma pes­qui­sa do Hos­pi­tal Bri­tâ­ni­co, em Bris­tol, mos­tra pes­so­as com Parkinson que ex­pe­ri­men­ta­ram me­lho­ras sig­ni­fi­ca­ti­vas na co­or­de­na­ção mo­to­ra e tam­bém no con­tro­le so­bre a dis­to­nia.

“Es­sa pes­qui­sa es­tá ba­se­a­da em um fár­ma­co in­je­ta­do com um fa­tor neu­ro­tró­fi­co de­ri­va­do das cé­lu­las da Glia”, re­la­ta. To­das es­sas pos­si­bi­li­da­des de cura ou me­lho­ri­as do qu­a­dro des­sas do­en­ças, pa­ra o neu­rop­si­có­lo­go, es­tão em di­fe­ren­tes ní­veis de ex­pe­ri­men­ta­ção, o que mos­tra o avan­ço em bus­ca da cura des­sas do­en­ças que du­ran­te dé­ca­das per­ma­ne­ce­ram sem pers­pec­ti­vas de so­lu­ção.

CONSULTORIAS Jury Ri­car­do Go­mez Gar­cia neu­rop­si­có­lo­go do Ins­ti­tu­to de Me­di­ci­na e Psi­co­lo­gia In­te­gra­da; Ales­san­dro Fer­ra­ri Ja­cin­to ge­ri­a­tra e pro­fes­sor do De­par­ta­men­to de Clí­ni­ca Mé­di­ca da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da Unesp; Luiz hen­ri­que Flo­rin­do e Ari­e­la...

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.