Pro­gres­si­va­men­te

Alzhei­mer e Parkinson: dos sin­to­mas ao tra­ta­men­to

Segredos da Mente - - Editorial | Sumário -

Por den­tro do Alzhei­mer e do Parkinson

En­tre as do­en­ças neu­ro­de­ge­ne­ra­ti­vas, Alzhei­mer e Parkinson es­tão en­tre as mais co­nhe­ci­das mun­di­al­men­te. Na mai­o­ria das ve­zes, elas afe­tam pes­so­as com mais de 60 anos e, em sín­te­se, são pro­vo­ca­das pe­lo agra­va­men­to da pro­du­ção de neu­ro­trans­mis­so­res no cérebro hu­ma­no. “As do­en­ças de Alzhei­mer e de Parkinson têm al­guns pon­tos se­me­lhan­tes, pois am­bas são neu­ro­de­ge­ne­ra­ti­vas, pro­gres­si­vas e com­pro­me­tem o sis­te­ma ner­vo­so cen­tral”, afir­ma o psi­qui­a­tra Ri­car­do Abel Evan­ge­lis­ta, di­re­tor do Nú­cleo Pau­lis­ta de Es­pe­ci­a­li­da­des Mé­di­cas ( Nu­pem). Mas co­mo podem ser des­cri­tas as al­te­ra­ções que elas pro­vo­cam na men­te hu­ma­na?

A do­en­ça de Alzhei­mer ini­ci­al­men­te afe­ta as áre­as ce­re­brais cha­ma­das de hi­po­cam­pos re­la­ci­o­na­das à me­mó­ria re­cen­te, por is­so um dos si­nais re­cor­ren­tes nas fa­ses ini­ci­ais da do­en­ça é o es­que­ci­men­to do que foi fa­la­do pe­la pes­soa ou de on­de guar­dou ob­je­tos im­por­tan­tes. Quan­do o es­que­ci­men­to é Alzhei­mer?

O mé­di­co e psi­có­lo­go Ro­ber­to Debs­ki ex­pli­ca que é mui­to im­por­tan­te di­fe­ren­ci­ar os es­que­ci­men­tos pro­ve­ni­en­tes do Alzhei­mer dos de­mais es­que­ci­men­tos de­cor­ren­tes da ida­de do pa­ci­en­te. “Com a ida­de e o en­ve­lhe­ci­men­to ce­re­bral, po­de ocor­rer pre­juí­zo da me­mó­ria e di­fi­cul­da­de pa­ra re­cor­dar fa­tos e de­ta­lhes. Já na do­en­ça de Alzhei­mer, es­ta per­da é pro­gres­si­va, se­ve­ra e vem acom­pa­nha­da de ou­tros sin­to­mas que afe­tam a ro­ti­na da vi­da diá­ria”, elu­ci­da o mé­di­co. En­tre os sin­to­mas es­tão: • As mu­dan­ças abrup­tas de hu­mor e de per­so­na­li­da­de.

• D ifi­cul­da­des c om a c omu­ni­ca­ção c omo es­cre­ver, fa­lar e lem­brar pa­la­vras.

• Con­fu­são e es­que­ci­men­to so­bre pes­so­as, lo­cais, even­tos.

No Alzhei­mer en­tre os neurô­ni­os que vão de­cres­cen­do es­tão aque­les res­pon­sá­veis por pro­du­zir e li­be­rar o neu­ro­trans­mis­sor cha­ma­do ace­til­co­li­na. Há di­fe­ren­tes fun­ções que ela de­sem­pe­nha no or­ga­nis­mo hu­ma­no, mas po­de-se des­ta­car a de au­xi­li­ar no apren­di­za­do e na me­mó­ria do cérebro, já que se tor­na uma fa­ci­li­ta­do­ra da co­mu­ni­ca­ção das cé­lu­las ce­re­brais. Em pa­ci­en­tes com a do­en­ça de Alzhei­mer, no­ta-se me­nor quan­ti­da­de da ace­til­co­li­na, al­go que co­la­bo­ra com os es­que­ci­men­tos e com a di­fi­cul­da­de de me­mo­ri­za­ção.

Além dis­so, con­for­me o qu­a­dro de Alzhei­mer vai evo­luin­do len­ta­men­te, ou­tras al­te­ra­ções neu­ro­ló­gi­cas vão apa­re­cen­do, co­mo a re­du­ção da ca­pa­ci­da­de de lin­gua­gem, a no­ção es­pa­ci­al, o re­co­nhe­ci­men­to das pes­so­as e até de­lí­ri­os e alu­ci­na­ções. Iden­ti­fi­can­do a do­en­ça

Atu­al­men­te, o di­ag­nós­ti­co do Alzhei­mer é clí­ni­co. Em­bo­ra ha­ja tec­no­lo­gi­as que aju­dem na iden­ti­fi­ca­ção da do­en­ça, ela ain­da de­pen­de que, ini­ci­al­men­te, a pes­soa co­me­ce a apre­sen­tar al­gum sin­to­ma pa­ra que uma in­ves­ti­ga­ção pos­sa ser ini­ci­a­da. Não exis­te um exa­me úni­co ain­da pa­ra a do­en­ça. Po­rém, al­guns re­cur­sos co­mo exa­me de ima­gens exa­mes de san­gue, res­so­nân­cia mag­né­ti­ca e al­te­ra­ção bi­oquí­mi­ca do cérebro têm au­xi­li­a­do na ava­li­a­ção e per­mi­ti­do aos mé­di­cos che­ga­rem à con­clu­são do qu­a­dro de Alzhei­mer. Tra­ta­men­tos e te­ra­pi­as

Já os tra­ta­men­tos vão na di­re­ção de im­pe­dir a de­gra­da­ção da ace­til­co­li­na. Por is­so, al­guns re­mé­di­os são co­mu­men­te pres­cri­tos co­mo a Ri­vas­tig­mi­na, Do­ne­pe­si­la e a Ga­lan­ta­mi­na. Mas as im­pli­ca­ções da in­ter­ven­ção me­di­ca­men­to­sa apre­sen­ta im­pas­ses. Se­gun­do o psi­qui­a­tra Ri­car­do “o al­to cus­to pa­ra o or­ça­men­to do pa­ci­en­te, os mui­tos efei­tos co­la­te­rais, além da chan­ce de per­da de efi­cá­cia do re­mé­dio ao lon­go dos mui­tos anos de tra­ta­men­to são al­guns des­ses obs­tá­cu­los."

Ele ain­da des­cre­ve que ne­nhum tra­ta­men­to age au­men­tan­do a ca­pa­ci­da­de cog­ni­ti­va do in­di­ví­duo ou re­cu­pe­ran­do a fun­ci­o­na­li­da­de da me­mó­ria. “Eles re­tar­dam o avan­ço do qu­a­dro, de mo­do que o por­ta­dor po­de­rá ter anos de vi­da com me­lhor qua­li­da­de”, con­clui Ri­car­do.

So­bre os tra­ta­men­tos psi­co­ló­gi­cos, o mé­di­co Ro­ber­to Debs­ki re­co­men­da que se­jam uti­li­za­dos em pa­ci­en­tes em es­tá­gio ini­ci­al da do­en­ça de Alzhei­mer, a te­ra­pia psi­co­ló­gi­ca que ser­vi­rá pa­ra que o pa­ci­en­te li­de com os seus me­dos, res­sig­ni­fi­que su­as his­tó­ri­as e se apro­prie de sig­ni­fi­ca­dos des­te mo­men­to de vi­da.

Pa­ra os cui­da­do­res tam­bém há tra­ta­men­to. Tra­ta- se da psi­co­te­ra­pia com in­for­ma­ções e ori­en­ta­ções pa­ra que eles con­si­gam li­dar me­lhor com es­te mo­men­to de vi­da em que te­rão uma car­ga gran­de de exi­gên­ci­as fí­si­cas e men­tais. Os cui­da­do­res de­vem ter cons­ci­ên­cia que es­ta do­en­ça é in­cu­rá­vel e pro­gres­si­va, por is­so, de­vem or­ga­ni­zar o am­bi­en­te e as su­as emo­ções a fim de

man­ter um ní­vel de qua­li­da­de de vi­da e saú­de. Tam­bém é re­co­men­da­do a par­ti­ci­pa­ção dos cui­da­do­res em gru­pos de apoio e pa­les­tras in­for­ma­ti­vas a fim de au­men­tar o con­tro­le da si­tu­a­ção. A do­en­ça de Parkinson

En­quan­to is­so, a do­en­ça de Parkinson se ma­ni­fes­ta, ge­ral­men­te, por meio de sin­to­mas que afe­tam os mo­vi­men­tos. Tre­mo­res gros­sei­ros nas ex­tre­mi­da­des (mem­bros, ca­be­ça, man­dí­bu­la), ri­gi­dez da mus­cu­la­tu­ra, ins­ta­bi­li­da­de pos­tu­ral e bra­di­ci­ne­sia que sig­ni­fi­ca len­ti­fi­ca­ção dos mo­vi­men­tos são os mais co­muns, se­gun­do Ri­car­do Evan­ge­lis­ta. Mas não ne­ces­sa­ri­a­men­te pre­ci­sam se ma­ni­fes­tar ao mes­mo tem­po no pa­ci­en­te.

Os dis­túr­bi­os mo­to­res es­tão re­la­ci­o­na­dos à mor­te de cé­lu­las ner­vo­sas que pro­du­zem o neu­ro­trans­mis­sor cha­ma­do do­pa­mi­na. Sua di­mi­nui­ção pro­gres­si­va em pes­so­as ido­sas de for­ma mais ace­le­ra­da faz sur­gir os sin­to­mas da do­en­ça (ver pá­gi­na 18).

As­sim co­mo o Alzhei­mer, o di­ag­nós­ti­co da do­en­ça de Parkinson não é fei­to ex­clu­si­va­men­te por meio de um exa­me. En­tre as op­ções es­tão: o di­ag­nós­ti­co do con­sul­tó­rio em que o mé­di­co exa­mi­na o pa­ci­en­te; a ul­tras­so­no­gra­fia trans­cra­ni­a­na e a cin­ti­lo­gra­fia ce­re­bral que per­mi­te ao es­pe­ci­a­lis­ta iden­ti­fi­car a quan­ti­da­de de do­pa­mi­na na re­gião do cérebro.

No ca­so dos tra­ta­men­tos pos­sí­veis pa­ra o Parkinson “exis­tem di­ver­sas es­tra­té­gi­as te­ra­pêu­ti­cas com me­ca­nis­mos far­ma­co­ló­gi­cos com­ple­men­ta­res que não con­se­guem in­ter­rom­per ou re­ver­ter o pro­ces­so pa­to­ló­gi­co ins­ta­la­do, mas ape­nas com­pen­sar as al­te­ra­ções neu­roquí­mi­cas oca­si­o­na­das pe­la do­en­ça”, fi­na­li­za Evan­ge­lis­ta.

Na mai­o­ria dos ca­sos, os bons re­sul­ta­dos são al­can­ça­dos por meio da in­te­gra­ção de ou­tras áre­as ap­tas a tra­tar a do­en­ça co­mo a Te­ra­pia Ocu­pa­ci­o­nal, Fi­si­o­te­ra­pia e prá­ti­cas fí­si­cas sob ori­en­ta­ção mé­di­ca.

Em­bo­ra mais ra­ro que o Alzhei­mer, a do­en­ça de Parkinson tam­bém po­de pro­vo­car no pa­ci­en­te es­ta­dos de­men­ci­ais. Ge­ral­men­te, is­so ocor­re quan­do a do­en­ça avan­ça e atin­ge re­giões do cérebro res­pon­sá­veis pe­las ta­re­fas cog­ni­ti­vas da pes­soa di­ag­nos­ti­ca­da.

CONSULTORIAS Ri­car­do Abel Evan­ge­lis­ta, di­re­tor do Nú­cleo Pau­lis­ta de Es­pe­ci­a­li­da­des Mé­di­cas (NU­PEM); Dr.Ro­ber­to Debs­ki, mé­di­co e psi­có­lo­go.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.