Mun­do cérebro

Co­mo as do­en­ças neu­ro­de­ge­ne­ra­ti­vas da­ni­fi­cam as fun­ções ce­re­brais?

Segredos da Mente - - Editorial | Sumário -

O que há por trás da neu­ro­de­ge­ne­ra­ção?

1. PER­COR­REN­DO O CÉREBRO HU­MA­NO

O cérebro é o ór­gão que con­cen­tra nos hu­ma­nos a ca­pa­ci­da­de de pen­sa­men­to, ra­ci­o­cí­nio, apren­di­za­gem mo­to­ra e sen­si­ti­va. Além de ser res­pon­sá­vel pe­la co­or­de­na­ção, equi­lí­brio e me­mó­ria das pes­so­as. Ele é o ór­gão do sis­te­ma ner­vo­so cen­tral cu­jas as uni­da­des ba­se são os neurô­ni­os que con­du­zem in­for­ma­ções por meio de im­pul­sos ner­vo­sos. Quan­do os neurô­ni­os so­frem al­gu­ma le­são ou mor­rem, eles não podem ser subs­ti­tuí­dos e, con­se­quen­te­men­te is­so acar­re­ta al­gu­ma al­te­ra­ção no fun­ci­o­na­men­to men­tal.

2. NEU­RO­DE­GE­NE­RA­ÇÃO

No en­tan­to, quan­do es­ses neurô­ni­os so­frem um pro­ces­so con­tí­nuo de fa­lên­cia, cos­tu­ma-se di­zer que es­tá ha­ven­do uma neu­ro­de­ge­ne­ra­ção. “Neu­ro­de­ge­ne­ra­ção é o no­me da­do ao pro­ces­so de mor­te con­tí­nua de cé­lu­las do sis­te­ma ner­vo­so — os neurô­ni­os — de­cor­ren­te de dis­túr­bi­os de ori­gem ge­né­ti­ca ou me­ta­bó­li­cas des­tas. As do­en­ças que pro­vo­cam es­tes pro­ces­sos são cha­ma­das de neu­ro­de­ge­ne­ra­ti­vas”, es­cla­re­ce o psi­qui­a­tra Ri­car­do Abel Evan­ge­lis­ta, di­re­tor do Nú­cleo Pau­lis­ta de Es­pe­ci­a­li­da­des Mé­di­cas (Nu­pem). Tra­tam-se da­que­las que vão de­te­ri­o­ran­do a es­tru­tu­ra e fun­ção ce­re­bral. A do­en­ça de Alzhei­mer e Parkinson são du­as de­las bem re­cor­ren­tes.

3. MATANDO OS NEURÔ­NI­OS PRO­GRES­SI­VA­MEN­TE

A psi­có­lo­ga clí­ni­ca Cleu­sa Ka­zue Sa­ka­mo­to co­men­ta que se o cérebro es­tá pre­ju­di­ca­do, as fun­ções men­tais de­mons­tra­rão is­so e as áre­as afe­ta­das não da­rão con­ta de exer­cer as ati­vi­da­des pe­las quais são res­pon­sá­veis. Ela ci­ta que na do­en­ça de Parkinson “há de­te­ri­o­ra­ção no cérebro re­la­ci­o­na­do a não pro­du­ção de do­pa­mi­na que é uma subs­tân­cia que re­gu­la o trân­si­to de in­for­ma­ções ce­re­brais re­la­ti­vas ao cam­po mo­tor, por cau­sa da mor­te de neurô­ni­os. Daí o sin­to­ma de tre­mo­res nas mãos bas­tan­te ca­rac­te­rís­ti­co nes­ta pa­to­lo­gia” afir­ma Sa­ka­mo­to.

4. INÍ­CIO DA SÍNDROME DEMENCIAL

Com a mor­te dos neurô­ni­os pou­co a pou­co o psi­qui­a­tra Ri­car­do Abel, do Nu­pem, co­men­ta que o de­clí­nio da ca­pa­ci­da­de cog­ni­ti­va pro­gres­si­va é cha­ma­do cli­ni­ca­men­te de síndrome demencial. No ca­so do Alzhei­mer “os neurô­ni­os mor­rem di­fu­sa­men­te pe­lo cérebro, po­rém, ha­bi­tu­al­men­te, a neu­ro­de­ge­ne­ra­ção se ini­cia pe­los hi­po­cam­pos, re­giões es­pe­cí­fi­cas re­la­ci­o­na­das ao fun­ci­o­na­men­to da me­mó­ria re­cen­te do in­di­ví­duo”, elu­ci­da o mé­di­co.

5. “O EU” SE DESESTRUTURANDO

A de­mên­cia es­tá as­so­ci­a­da so­bre­tu­do a per­da de me­mó­ria, além da per­da de ca­pa­ci­da­de de dis­cer­nir e jul­gar os fa­tos. Ela pro­vo­ca o en­fra­que­ci­men­to e até ex­tin­ção da au­to­no­mia, do au­to­con­tro­le so­bre si e do do­mí­nio do ma­ne­jo das re­la­ções in­ter­pes­so­ais. “O ‘eu’ es­tru­tu­ra psí­qui­ca que é fru­to da his­tó­ria pes­so­al e de­cor­re da tra­je­tó­ria de re­la­ci­o­na­men­to com o am­bi­en­te vai se desestruturando quan­do o ór­gão ce­re­bral ini­cia um pro­ces­so de de­ge­ne­ra­ção, sa­li­en­ta a psi­có­lo­ga Cleu­sa.

6. CON­SEQUÊN­CIA DA DE­MÊN­CIA

A psi­có­lo­ga ain­da re­la­ta que o cérebro quan­do se de­te­ri­o­ra pro­vo­ca uma de­ses­tru­tu­ra­ção no sis­te­ma men­tal. Sig­ni­fi­ca que is­so de­sar­ti­cu­la o con­jun­to de com­por­ta­men­tos que ex­pres­sa a in­di­vi­du­a­li­da­de. En­tão, sur­gem as ações in­co­e­ren­tes, de­sa­dap­ta­das ou des­ti­tuí­das de sig­ni­fi­ca­do pes­so­al.

7. FA­TO­RES DE RIS­CO

De ma­nei­ra ge­ral, as do­en­ças neu­ro­de­ge­ne­ra­ti­vas apre­sen­tam co­mo fa­to­res de ris­co o his­tó­ri­co fa­mi­li­ar po­si­ti­vo pa­ra a do­en­ça — fa­tor ge­né­ti­co — além da ida­de aci­ma de 65 anos. No ca­so do Alzhei­mer, há es­tu­dos que apon­tam que ser do se­xo fe­mi­ni­no au­men­ta em du­as ve­zes o apa­re­ci­men­to da do­en­ça. Pa­ra o Parkinson, além de his­tó­ri­co fa­mi­li­ar tam­bém podem es­tar en­vol­vi­dos fa­to­res am­bi­en­tais co­mo a ex­po­si­ção a cer­tos her­bi­ci­das e me­tais pe­sa­dos. “Tal­vez ha­ja le­ve pre­do­mi­nân­cia em ho­mens do que em mu­lhe­res, mas mai­o­res es­tu­dos são ne­ces­sá­ri­os pa­ra es­sa afir­ma­ção. Tam­bém po­de ser fa­vo­re­ci­da por his­tó­ri­co de trau­ma­tis­mos crâ­nio-en­ce­fá­li­cos de re­pe­ti­ção du­ran­te a vi­da”, aler­ta Ri­car­do.

8. ELAS SÃO MUI­TAS

É im­por­tan­te lem­brar que ape­sar do Alzhei­mer e Parkinson se­rem as do­en­ças neu­ro­de­ge­ne­ra­ti­vas mais co­nhe­ci­das, se­gun­do a DG

He­althandFo­odSa­fety, or­gão da Co­mis­são Eu­ro­peia, exis­te mais de 600 con­di­ções que afe­tam os neurô­ni­os do cérebro hu­ma­no.

CONSULTORIAS Ri­car­do Abel Evan­ge­lis­ta, di­re­tor do Nú­cleo Pau­lis­ta de Es­pe­ci­a­li­da­des Mé­di­cas (Nu­pem); Cleu­sa Ka­zue Sa­ka­mo­to, psi­có­lo­ga clí­ni­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.