Por uma men­te sau­dá­vel

Ali­men­ta­ção ba­lan­ce­a­da e exer­cí­cio fí­si­co aju­dam no tra­ta­men­to do Alzhei­mer e do Parkinson

Segredos da Mente - - Editorial | Sumário -

Co­mo a ali­men­ta­ção e ati­vi­da­de fí­si­ca aju­dam no tra­ta­men­to

U ma ali­men­ta­ção sau­dá­vel acom­pa­nha­da de exercícios fí­si­cos sob re­co­men­da­ção mé­di­ca é há­bi­to es­sen­ci­al na vi­da de qual­quer pes­soa, pois o cérebro hu­ma­no se cons­ti­tui a par­tir da in­fluên­cia de cos­tu­mes ali­men­ta­res e prá­ti­cas co­ti­di­a­nas. Ou se­ja, sua men­te po­de se tor­nar re­fle­xo dos seus há­bi­tos diá­ri­os. Pen­se nis­so.

No en­tan­to, no ca­so de pes­so­as com a do­en­ça de Alzhei­mer é ne­ces­sá­rio uma aten­ção es­pe­ci­al à ali­men­ta­ção, pois o en­ve­lhe­ci­men­to e mor­te das cé­lu­las que ocor­rem no cérebro dos pa­ci­en­tes pro­mo­ve um pro­ces­so que re­quer su­per­vi­são ali­men­tar.

A nu­tri­ci­o­nis­ta Ju­li­a­na Piz­zo­co­lo, que já tra­ba­lhou na ori­en­ta­ção de cui­da­do­res das pes­so­as com Alzhei­mer, ex­pli­ca que es­te pro­ces­so de en­ve­lhe­ci­men­to - que es­ti­mu­la a per­da de me­mó­ria, aten­ção ou lin­gua­gem - oca­si­o­na uma mai­or pro­du­ção de ra­di­cais li­vres e is­so quer di­zer que se tra­ta da li­be­ra­ção de mo­lé­cu­las que, em ex­ces­so, podem ser tó­xi­cas ao or­ga­nis­mo.

“São exa­ta­men­te os ra­di­cais li­vres que podem ini­ci­ar e/ou ace­le­rar a pro­gres­são da do­en­ça. Por con­ta dis­so, é de su­ma im­por­tân­cia o con­su­mo de ali­men­tos com ação an­ti-in­fla­ma­tó­ria, an­ti­o­xi­dan­te, ri­cos em car­boi­dra­tos com­ple­xos e pro­teí­nas ma­gras, ou se­ja, tu­do pa­ra pro­te­ger o cérebro ao má­xi­mo da ação dos ra­di­cais li­vres”, afir­ma Piz­zo­co­lo.

Ali­men­ta­ção e me­di­ca­men­tos

Uma ali­men­ta­ção ba­lan­ce­a­da é ne­ces­sá­ria ao tra­ta­men­to do Alzhei­mer e tam­bém da do­en­ça de Parkinson. De acor­do com a nu­tri­ci­o­nis­ta Va­nes­sa Pri­e­to, da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo ( USP) es­sas do­en­ças aca­bam im­pac­tan­do na mo­bi­li­da­de dos pa­ci­en­tes, mas tam­bém na de­glu­ti­ção e no pra­zer pe­los ali­men­tos.

Va­nes­sa ex­pli­ca que mui­tas ve­zes a pró­pria me­di­ca­ção in­flu­en­cia no pa­la­dar. “Por con­ta dis­so é co­mum en­con­trar­mos pa­ci­en­tes com dé­fi­cit na in­ges­tão de nu­tri­en­tes ou com pro­ble­mas co­mo pri­são de ven­tre de­vi­do ao bai­xo con­su­mo de fi­bras e água. A ali­men­ta­ção sau­dá­vel tor­na-se es­sen­ci­al pa­ra uma me­lho­ra na qua­li­da­de de vi­da do pa­ci­en­te”, res­sal­ta a es­pe­ci­a­lis­ta.

Além dis­so, é pre­ci­so es­tar aten­to ao es­tá­gio do Alzhei­mer e do Parkinson em ca­da pes­soa, pois ca­da ca­so tem su­as par­ti­cu­la­ri­da­des em re­la­ção à me­di­ca­ção e tam­bém aos há­bi­tos ali-

men­ta­res. “In­de­pen­den­te de qual for a do­en­ça, o pla­ne­ja­men­to de­ve­rá ser fei­to de acor­do com o es­tá­gio da do­en­ça que o pa­ci­en­te se en­con­tra, qual o es­ta­do nu­tri­ci­o­nal, quais são as pre­fe­rên­ci­as ali­men­ta­res e es­pe­ci­al­men­te co­mo é a ro­ti­na des­se pa­ci­en­te pa­ra que se­ja mi­nis­tra­do al­go que re­al­men­te ele con­se­gui­rá apli­car jun­to a sua fa­mí­lia”, elu­ci­da Pri­e­to

De ma­nei­ra ge­ral, as pes­so­as com Alzhei­mer e Parkinson não apre­sen­tam sen­si­bi­li­da­de a al­guns ali­men­tos em vir­tu­de da do­en­ça. Mas in­ge­rir os ali­men­tos par­cei­ros do tra­ta­men­to sig­ni­fi­ca con­tri­buir, in­clu­si­ve, pa­ra me­lhor ab­sor­ção das me­di­ca­ções e pa­ra que a efi­cá­cia dos fár­ma­cos não se­ja ini­bi­da.

É ho­ra de mo­vi­men­to!

Além da ali­men­ta­ção ade­qua­da ao ca­so de ca­da pa­ci­en­te, há tam­bém uma ou­tra ali­a­da mui­to im­por­tan­te: a ati­vi­da­de fí­si­ca. A nu­tri­ci­o­nis­ta Va­nes­sa Pri­e­to co­men­ta que há si­tu­a­ções em que al­gu­mas pes­so­as com Alzhei­mer con­se­guem me­lho­rar a acei­ta­ção do ali­men­to quan­do é in­se­ri­da na ro­ti­na da pes­soa a prá­ti­ca de ati­vi­da­de fí­si­ca. Além dis­so, “as prá­ti­cas de se mo­vi­men­tar não ape­nas co­lo­cam o cor­po em mo­vi­men­to co­mo tam­bém tra­zem uma 'no­vi­da­de' pa­ra a ro­ti­na do pa­ci­en­te que ten­de à mo­no­to­nia na me­di­da em que a do­en­ça avan­ça”, des­ta­ca Va­nes­sa.

Não é pos­sí­vel di­zer que o exer­cí­cio fí­si­co cura a do­en­ça de Alzhei­mer, pois a re­ver­são da do­en­ça ain­da não foi al­can­ça­da. De acor­do com in­for­ma­ções di­vul­ga­das pe­lo si­te da Alzhei­mer’s

So­ci­ety, cen­tro de apoio e pes­qui­sa de de­mên­ci­as do Rei­no Uni­do, a ati­vi­da­de fí­si­ca no tra­ta­men­to do Alzhei­mer po­de “man­ter mús­cu­los for­tes e ar­ti­cu­la­ções fle­xí­veis, aju­dan­do as pes­so­as a man­ter a in­de­pen­dên­cia por mais tem­po. Além de me­lho­rar a ca­pa­ci­da­de de se ves­tir, lim­par, co­zi­nhar e re­a­li­zar ou­tras ati­vi­da­des diá­ri­as, já que o cor­po se tor­na mais ha­bi­li­ta­do pa­ra is­so”.

Ci­en­tis­ta ex­pli­ca: ati­vi­da­de fí­si­ca e Alzhei­mer

Pa­ra Ca­mi­la V. L. Tei­xei­ra, dou­to­ra em Ci­ên­ci­as Mé­di­cas pe­la Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Cam­pi­nas (Uni­camp) e pes­qui­sa­do­ra, a in­fluên­cia do exer­cí­cio fí­si­co na men­te da pes­soa com ou sem Alzhei­mer acon­te­ce a par­tir da li­be­ra­ção do fa­tor neu­ro­tró­fi­co cha­ma­do de “fa­tor neu­ro­tró­fi­co de­ri­va­do do cérebro” ( Brain de­ri­va­ted neu­ro-fac­tor, BDNF).

Tra­ta-se de uma subs­tân­cia, se­gun­do Tei­xei­ra, que pro­te­ge os neurô­ni­os, aju­da na co­mu­ni­ca­ção en­tre eles e até na for­ma­ção de no­vos neurô­ni­os.

“Além des­sa subs­tân­cia mais di­re­ta­men­te li­ga­da à saú­de neu­ro­nal, exis­tem ou­tras co­mo a en­dor­fi­na e a no­ra­dre­na­li­na que tra­zem um equi­lí­brio bi­oquí­mi­co e in­fla­ma­tó­rio do sis­te­ma a lon­go pra­zo”, co­men­ta a pes­qui­sa­do­ra. O exer­cí­cio fí­si­co na ro­ti­na da pes­soa com de­mên­cia, po­de ain­da con­tro­lar ou­tros sin­to­mas co­mo: agres­si­vi­da­de, apa­tia e insô­nia.

Exercícios re­co­men­da­dos

Quais se­ri­am, en­tão, os exercícios mais re­co­men­da­dos a pes­soa com Alzhei­mer? Ca­mi­la ori­en­ta que são mui­tos os ti­pos, no en­tan­to, a li­te­ra­tu­ra ci­entî­fi­ca apon­ta que o mais uti­li­za­do é a ca­mi­nha­da ou os exercícios ae­ró­bi­cos, já que são fá­ceis de con­tro­lar e não tem mui­ta in­fluên­cia da co­or­de­na­ção co­mo a dan­ça, por exem­plo.

“Mas na prá­ti­ca, ape­nas ca­mi­nhar é mui­to cha­to e pes­so­as da ter­cei­ra ida­de apre­sen­tam uma ne­ces­si­da­de mai­or em es­ti­mu­lar e pre­ser­var ou­tros com­po­nen­tes da ca­pa­ci­da­de fí­si­ca, co­mo o equi­lí­brio es­tá­ti­co e di­nâ­mi­co, a agi­li­da­de, a for­ça mus­cu­lar e a fle­xi­bi­li­da­de. Acre­di­to que um trei­na­men­to fun­ci­o­nal, ou se­ja, es­ti­mu­lan­do to­das as ca­pa­ci­da­des fí­si­cas se­ja o mais in­di­ca­do”, apon­ta Ca­mi­la.

A pes­qui­sa­do­ra já tra­ba­lhou com o trei­na­men­to ae­ró­bi­co fun­ci­o­nal em ido­sos que apre­sen­ta­ram um com­pro­me­ti­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo na me­mó­ria, mas eles não ti­nham de­mên­cia. Após 6 me­ses de trei­na­men­to, ela ob­ser­vou que es­ses ido­sos ti­ve­ram um au­men­to no vo­lu­me de “hi­po­cam­po”, uma área di­re­ta­men­te li­ga­da à me­mó­ria e que, em pes­so­as com Alzhei­mer, es­tá atro­fi­a­da. Atu­al­men­te, ela pre­ten­de ve­ri­fi­car se o trei­na­men­to foi efe­ti­vo pa­ra me­lho­rar a co­nec­ti­vi­da­de es­tru­tu­ral e fun­ci­o­nal do cérebro dos pa­ci­en­tes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.