Sem tre­mo­res

Co­mo di­ag­nos­ti­car e li­dar com a do­en­ça que afe­ta po­pu­la­ções do mun­do in­tei­ro

Segredos da Mente - - Editorial | Sumário -

Do di­ag­nós­ti­co ao tra­ta­men­to da do­en­ça de Parkinson

Ado­en­ça de Parkinson é uma do­en­ça neu­ro­ló­gi­ca de ca­rá­ter de­ge­ne­ra­ti­vo que pro­vo­ca dis­fun­ções mo­to­ras co­mo tre­mo­res, di­fi­cul­da­de de ca­mi­nhar e len­ti­dão dos mo­vi­men­tos nas pes­so­as di­ag­nós­ti­cas em vir­tu­de da des­trui­ção len­ta e pro­gres­si­va de cé­lu­las ner­vo­sas que pro­du­zem o neu­ro­trans­mis­sor cha­ma­do do­pa­mi­na.

A do­en­ça foi des­cri­ta pe­lo mé­di­co in­glês Ja­mes Parkinson que, em 1817 re­la­tou, em um en­saio ti­tu­la­do “Um en­saio so­bre a pa­ra­li­sia agi­tan­te”, a ocor­rên­cia de seis pa­ci­en­tes que ti­nham uma tre­me­dei­ra cons­tan­te. Es­se foi o pri­mei­ro do­cu­men­to da me­di­ci­na a des­cre­ver a do­en­ça.

Se­gun­do a Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS), atu­al­men­te, cer­ca de 1% da po­pu­la­ção mun­di­al é di­ag­nos­ti­ca­da com a do­en­ça de Parkinson. Ela atin­ge em sua mai­o­ria pes­so­as com mais de 65 anos, em­bo­ra ha­ja ocor­rên­ci­as em pa­ci­en­tes an­tes dos 50 anos. No Bra­sil, es­ti­ma-se que o Parkinson atin­ja apro­xi­ma­da­men­te 200 mil pes­so­as.

Do­pa­mi­na e sua im­por­tân­cia

A do­pa­mi­na é um neu­ro­trans­mis­sor que atua no con­tro­le dos mo­vi­men­tos, da me­mó­ria e da sen­sa­ção de pra­zer. Ela é pro­du­zi­da por meio do ami­noá­ci­do ti­ro­si­na, em se­gui­da, é ar­ma­ze­na­da em ve­sí­cu­las si­náp­ti­cas nos ter­mi­nais dos neurô­ni­os do­pa­mi­nér­gi­cos, ou se­ja, aque­les ar­ma­ze­na­do­res da subs­tân­cia.

A do­pa­mi­na é co­nhe­ci­da po­pu­lar­men­te por de­sem­pe­nhar a fun­ção de pra­zer no or­ga­nis­mo. Quan­do pas­sa­mos por si­tu­a­ções agra­dá­veis, ela é li­be­ra­da pro­vo­can­do im­pul­sos ner­vo­sos de bem es­tar. Al­gu­mas si­tu­a­ções que es­ti­mu­lam a ação da do­pa­mi­na são: ali­men­ta­ção ao apre­ci­ar co­mi­das sa­bo­ro­sas; ati­vi­da­de fí­si­ca; re­la­ções se­xu­ais e a par­ti­ci­pa­ção ou acom­pa­nha­men­tos em jo­gos e com­pe­ti­ções.

Es­se neu­ro­trans­mis­sor tem ação tam­bém nas fun­ções mo­to­ras do or­ga­nis­mo hu­ma­no, sen­do res­pon­sá­vel por mo­vi­men­tos vo­lun­tá­ri­os. Quan­do ocor­re a mor­te na­tu­ral dos neurô­ni­os res­pon­sá­veis pe­la pro­du­ção da do­pa­mi­na, os mo­vi­men­tos do cor­po se tor­nam de­sor­de­na­dos.

Pri­mei­ros sin­to­mas do Parkinson

Quais são os pri­mei­ros si­nais de apa­re­ci­men­to da do­en­ça? De acor­do com o mé­di­co Mu­ri­lo Mar­ti­nez Ma­ri­nho, res­pon­sá­vel pe­la ci­rur­gia de Parkinson na Es­co­la Pau­lis­ta de Me­di­ci­na, os prin­ci­pais sin­to­mas são: bra­di­ci­ne­sia que sig­ni­fi­ca a len­ti­dão anor­mal dos mo­vi­men­tos, além de tre­mo­res e a ins­ta­bi­li­da­de pos­tu­ral. “Com a evo­lu­ção da do­en­ça ou­tros sin­to­mas se agra­vam co­mo de­se­qui­lí­brio e di­fi­cul­da­des na de­glu­ti­ção”, co­men­ta Ma­ri­nho. Os sin­to­mas apa­re­cem em vir­tu­de da di­mi­nui­ção da do­pa­mi­na.

O es­pe­ci­a­lis­ta com­par­ti­lha ain­da que o Parkinson afe­ta cer­ca de 1 a 2% da po­pu­la­ção aci­ma dos 60 anos, com uma ida­de mé­dia en­tre os 55 a 65 anos. Mas em tor­no de 20% dos pa­ci­en­tes os sin­to­mas se ini­ci­am abai­xo dos 40 anos. Nes­ta fa­se, cha­ma- se a do­en­ça de Parkinson pre­co­ce.

Di­ag­nós­ti­co

Pa­ra di­ag­nos­ti­car a do­en­ça é fei­ta uma aná­li­se clí­ni­ca, on­de o mé­di­co iden­ti­fi­ca os prin­ci­pais sin­to­mas. No iní­cio da do­en­ça é co­mum que ela agra­ve ape­nas um la­do do cor­po por meio de tre­mo­res e da ri­gi­dez dos mo­vi­men­tos. De­pois, ela vai to­man­do pro­gres­si­va­men­te o la­do opos­to. Em um se­gun­do mo­men­to do di­ag­nós­ti­co, ve­ri­fi­ca-se co­mo o pa­ci­en­te tem re­a­gi­do ao uso da me­di­ca­ção.

Tra­ta­men­to: me­di­ca­men­tos e ci­rur­gia

Após o di­ag­nós­ti­co da do­en­ça, o tra­ta­men­to mais in­di­ca­do é o me­di­ca­men­to­so. Um dos re­mé­di­os mais co­muns uti­li­za­dos em ca­sos com Parkinson é a Le­vo­do­pa, pois a do­en­ça ain­da não tem cura. Um de seus efei­tos é au­men­tar os ní­veis de do­pa­mi­na no cérebro.

Há pos­si­bi­li­da­de tam­bém de re­a­li­zar uma ci­rur­gia de Parkinson que tem por ob­je­ti­vo pro­mo­ver uma es­ti­mu­la­ção ce­re­bral mais pro­fun­da. Podem pas­sar por es­sa ci­rur­gia ape­nas os pa­ci­en­tes que não pos­su­em com­pro­me­ti­men­to das fun­ções cog­ni­ti­vas que o Parkinson po­de acar­re­tar e atu­al­men­te, o Sis­te­ma Úni­co de Saú­de (SUS) no Bra­sil re­a­li­za es­se pro­ce­di­men­to ci­rúr­gi­co.

Se­gun­do Mu­ri­lo Ma­ri­nho, a op­ção ci­rúr­gi­ca in­se­re dois ele­tro­dos ce­re­brais li­ga­dos a um mar­ca­pas­so que fi­ca na re­gião in­fra­cla­vi­cu­lar. “Em ca­sos bem se­le­ci­o­na­dos, ela de­vol­ve uma boa qua­li­da­de de vi­da e prin­ci­pal­men­te res­ta­be­le­ce a con­fi­an­ça e a in­de­pen­dên­cia mui­tas das ve­zes per­di­da pe­la pes­soa com a do­en­ça”, co­men­ta o ci­rur­gião.

Ele ori­en­ta que é im­por­tan­te re­cor­rer tam­bém a tra­ta­men­tos com­ple­men­ta­res co­mo a fi­si­o­te­ra­pia, a fo­no­au­di­o­lo­gia e a psi­co­lo­gia.

Efei­tos in­de­se­ja­dos

De­pois que a do­en­ça pro­gri­de, cer­ca de 20 a 30% dos pa­ci­en­tes pas­sam por um mo­men­to cha­ma­do de flu­tu­a­ção mo­to­ra. Tra­ta-se de uma fa­se em que a me­di­ca­ção re­cei­ta­da no iní­cio do tra­ta­men­to - e que fun­ci­o­na­va bem - pas­sa a agir por um tem­po me­nor.

A me­di­ca­ção tam­bém po­de apre­sen­tar efei­tos in­de­se­ja­dos. “É o efei­to da ' dis­ci­ne­sia' que é po­pu­lar­men­te co­nhe­ci­da co­mo os mo­vi­men­tos in­vo­lun­tá­ri­os em que par­tes do cor­po co­me­çam a se mo­vi­men­tar sem que o in­di­ví­duo quei­ra”, ex­pli­ca Mu­ri­lo.

Não há cura pa­ra o Parkinson ain­da, mas pes­qui­sas e tes­tes nas áre­as ge­né­ti­ca e mo­le­cu­lar têm si­do de­sen­vol­vi­dos nos úl­ti­mos anos.

Parkinson na vi­da re­al

O dia a dia de pes­so­as com a do­en­ça de Parkinson exi­ge apoio fa­mi­li­ar e cui­da­do cons­tan­te, além de acei­ta­ção que jun­to da ori­en­ta­ção mé­di­ca se tor­nam gran­des ali­a­das nas ma­nei­ras de pro­por­ci­o­nar bem es­tar e qua­li­da­de de vi­da aos pa­ci­en­tes com a do­en­ça. Foi as­sim na fa­mí­lia da nu­tri­ci­o­nis­ta Va­nes­sa Pri­e­to, quan­do seu pai, atu­al­men­te com 60 anos foi di­ag­nos­ti­ca­do com Parkinson.

Os pri­mei­ros sin­to­mas fo­ram os tre­mo­res bem di­fe­ren­tes da­que­les de frio ou me­do. Além de apre­sen­tar ri­gi­dez pa­ra re­a­li­zar mo­vi­men­tos co­mo fo­lhe­ar um li­vro ou pe­gar uma ca­ne­ta.

“Ele tem a do­en­ça há 10 anos. De­sen­vol­veu su­per ce­do e a mãe de­le é par­kin­so­ni­a­na tam­bém. O apoio e a acei­ta­ção fo­ram 100% des­de o iní­cio e to­dos en­ten­de­mos que es­se era o mo­men­to em que de­ve­ría­mos nos unir ain­da mais pe­lo bem de­le”, con­ta Va­nes­sa.

O di­ag­nós­ti­co foi fei­to pe­lo neu­ro­lo­gis­ta, após uma sé­rie de exa­mes neu­ro­ló­gi­cos e bi­oquí­mi­cos. Em se­gui­da, vi­e­ram os tra­ta­men­tos por meio de me­di­ca­ção, fi­si­o­te­ra­pia e fo­no­au­di­o­lo­gia. Va­nes­sa con­si­de­ra, con­tu­do, que en­tre os tra­ta­men­tos tam­bém se des­ta­ca o es­tí­mu­lo fa­mi­li­ar. “Pa­ra que, ape­sar das di­fi­cul­da­des, ele con­ti­nue in­te­ra­gin­do e se ex­pres­san­do", fi­na­li­za a nu­tri­ci­o­nis­ta.

Já te­ve al­gum ca­so no mun­do?

O neu­ro­ci­rur­gião Eri­ch Fo­noff re­la­ta que pes­qui­sa­do­res ca­na­den­ses usa­ram o po­der da genô­mi­ca pa­ra iden­ti­fi­car a cau­sa de uma do­en­ça se­me­lhan­te à do­en­ça de Parkinson em crianças de uma fa­mí­lia ex­ten­sa. A par­tir dis­so, en­tão, pro­pu­se­ram um tra­ta­men­to pa­ra aju­dar a re­ver­ter seus efei­tos. “Acre­di­ta-se ser a pri­mei­ra vez que uma no­va do­en­ça foi des­co­ber­ta, sua cau­sa des­co­ber­ta e um tra­ta­men­to de­ter­mi­na­do com su­ces­so em tão pou­co tem­po, nes­te ca­so, cer­ca de dois anos. As oi­to crianças - cin­co me­ni­nos e três me­ni­nas nas­ci­das de qua­tro ca­sais de pais em uma gran­de fa­mí­lia da Ará­bia Sau­di­ta - nas­ce­ram com sin­to­mas se­me­lhan­tes aos ex­pe­ri­men­ta­dos por adul­tos com do­en­ça de Parkinson”, re­la­ta Eri­ch.

É im­por­tan­te lem­brar que o Parkinson sur­ge em pes­so­as aci­ma de 60 anos na mai­o­ria dos ca­sos. Mas ela tam­bém po­de se ma­ni­fes­tar, em­bo­ra com me­nos frequên­cia, an­tes dos 50 anos. Por is­so, o acom­pa­nha­men­to mé­di­co, ao no­tar qual­quer sin­to­ma se­me­lhan­te aos do Parkinson, é ne­ces­sá­rio. Ape­nas em pes­so­as com me­nos de 20 anos, co­mo res­sal­ta Fo­noff, a do­en­ça é ex­tre­ma­men­te ra­ra.

CONSULTORIAS Mu­ri­lo Mar­ti­nez Ma­ri­nho, ci­rur­gião e Es­pe­ci­a­lis­ta em Parkinson na Es­co­la Pau­lis­ta de Me­di­ci­na (Uni­fesp); Va­nes­sa Pri­e­to, nu­tri­ci­o­nis­ta e fi­lha de pai com a do­en­ça de Parkinson; Eri­ch Fo­noff, neu­ro­ci­rur­gião e pro­fes­sor do de­par­ta­men­to de Neu­ro­lo­gia da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (USP).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.