Por trás das câ­me­ras

Mi­tos e ver­da­des so­bre Alzhei­mer e Parkinson na vi­da re­al

Segredos da Mente - - Editorial | Sumário -

Mais ver­da­de, me­nos mi­to

Quan­do a pro­fes­so­ra Ali­ce Ho­wland, re­co­nhe­ci­da pe­lo seu bri­lhan­te tra­ba­lho em lin­guís­ti­ca co­me­ça a es­que­cer pa­la­vras e com­pro­mis­sos que an­tes eram tão la­ten­tes em seu dia a dia, há um pon­to de vi­ra­da em sua vi­da que im­pac­ta a sua ro­ti­na e a de to­dos os seus fa­mi­li­a­res. O mo­ti­vo? A do­en­ça de Alzhei­mer di­ag­nos­ti­ca­da em Ali­ce.

Em ou­tro con­tex­to dis­tan­te da­li, Mag­gie Mur­dock, uma jo­vem de 26 anos tem o dis­túr­bio do mo­vi­men­to cau­sa­do pe­la do­en­ça de Parkinson o que faz de seus com­pro­mis­sos um de­sa­fio diá­rio.

En­quan­to Ali­ce é per­so­na­gem do fil­me “Pa­ra sem­pre Ali­ce”, Mag­gie é a pro­ta­go­nis­ta de “Amor e ou­tras dro­gas”.

A se­me­lhan­ça en­tre as per­so­na­gens es­tá no di­ag­nós­ti­co so­bre do­en­ças de­ge­ne­ra­ti­vas Alzhei­mer e o Parkinson, res­pec­ti­va­men­te. E em­bo­ra os en­re­dos acon­te­çam na fic­ção, es­sas do­en­ças es­tão pre­sen­tes na vi­da re­al de mui­tas pes­so­as. Con­fi­ra a se­guir o que é mi­to e o que é ver­da­de so­bre es­sas do­en­ças.

1. O pri­mei­ro sin­to­ma do Alzhei­mer é sem­pre a per­da de me­mó­ria.

Mi­to. É co­mum que a per­da de me­mó­ria se­ja o sin­to­ma mais co­mum nas pes­so­as em que o Alzhei­mer se ma­ni­fes­ta. No en­tan­to, ele não é ne­ces­sa­ri­a­men­te o pri­mei­ro sin­to­ma. O neu­rop­si­có­lo­go Jury Ri­car­do Gar­cia, es­pe­ci­a­lis­ta em psi­co­lo­gia da saú­de do Ins­ti­tu­to de Me­di­ci­na e Psi­co­lo­gia In­te­gra­das, em Bra­sí­lia, es­cla­re­ce que além do dé­fi­cit sig­ni­fi­ca­ti­vo de me­mó­ria, es­tão en­tre os sin­to­mas os trans­tor­nos no com­por­ta­men­to, de­so­ri­en­ta­ção no tem­po e es­pa­ço e a la­bi­li­da­de emo­ci­o­nal.

2. Não há cura pa­ra o par­kin­so­nis­mo.

Ver­da­de. A ci­ên­cia tem de­sen­vol­vi­do pes­qui­sas de ca­rá­ter ge­né­ti­co por meio de cé­lu­las tron­co e tam­bém de ca­rác­ter mo­le­cu­lar, mas ain­da não há uma cura pa­ra o Parkinson.

3. Se o ido­so es­que­ce al­gu­ma coi­sa sig­ni­fi­ca que tem a do­en­ça de Alzhei­mer

Mi­to. Não é to­do es­que­ci­men­to que já in­di­ca o apa­re­ci­men­to da do­en­ça de Alzhei­mer. Pa­ra di­fe­ren­ci­ar es­que­ci­men­tos da per­da de me­mó­ria, é co­mum que no pri­mei­ro ca­so a pró­pria pes­soa con­si­ga iden­ti­fi­car su­as fa­lhas de me­mó­ria e re­cla­me so­bre is­so. No ca­so do Alzhei­mer, o es­que­ci­men­to é no­ta­do por fa­mi­li­a­res e ami­gos e a pes­soa ten­de a es­que­cer epi­só­di­os, da­tas e pes­so­as com­ple­ta­men­te.

4. A do­en­ça de Parkinson atin­ge to­das as pes­so­as de for­ma igual.

Mi­to. Ca­da pa­ci­en­te di­ag­nos­ti­ca­do com a do­en­ça tem um qu­a­dro in­di­vi­du­a­li­za­do, pois o grau do par­kin­so­nis­mo va­ria con­for­me os sin­to­mas apre­sen­ta­dos.

5. Ou­tras do­en­ças con­tri­bu­em com o de­sen­vol­vi­men­to do Alzhei­mer.

Ver­da­de. O Alzhei­mer é uma do­en­ça con­si- de­ra­da mul­ti­fa­to­ri­al. Se­gun­do a pes­qui­sa­do­ra Ari­e­la Cres­ta­ni que re­a­li­za pes­qui­sas so­bre o Alzhei­mer na Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al Pau­lis­ta ( Unesp) o Alzhei­mer não pos­sui uma cau­sa úni­ca. “Tra­ta-se de uma com­bi­na­ção de di­ver­sos fa­to­res ge­né­ti­cos, am­bi­en­tais e de es­ti­lo de vi­da que podem le­var ao de­sen­vol­vi­men­to da do­en­ça”, co­men­ta Ari­e­la.

6. Ter apoio de ou­tras áre­as mé­di­cas é im­por­tan­te no tra­ta­men­to do Alzhei­mer e do Parkinson.

Ver­da­de. Du­ran­te o tra­ta­men­to, o apoio de pro­fis­si­o­nais co­mo nu­tri­ci­o­nis­tas, fi­si­o­te­ra­peu­tas, edu­ca­do­res fí­si­cos e psi­có­lo­gos é im­por­tan­te. A ori­en­ta­ção psi­co­ló­gi­ca, por exem­plo, po­de au­xi­li­ar a abor­da­gem de sin­to­mas e ou­tras con­sequên­ci­as que afe­tam o con­ví­vio so­ci­al. “Se há per­da de fun­ções men­tais, po­de-se bus­car a re­es­tru­tu­ra­ção de fun­ções com es­ti­mu­la­ção ao apren­di­za­do e mu­dan­ças de há­bi­tos”, afir­ma a psi­có­lo­ga e pro­fes­so­ra Cleu­sa Sa­ka­mo­to da Fap­com.

7. A do­en­ça de Alzhei­mer atin­ge ape­nas pes­so­as ido­sas.

Mi­to. Ape­sar da mai­or par­te das pes­so­as afe­ta­das pe­lo Alzhei­mer ter mais de 60 anos, a do­en­ça po­de se ma­ni­fes­tar em pes­so­as mais jo­vens. Se­gun­do Ri­car­do Abel Evan­ge­lis­ta, di­re­tor do Nú­cleo Pau­lis­ta de Es­pe­ci­a­li­da­des Mé­di­cas ( Nu­pem) acon­te­ce que ao en­ve­lhe­cer, o ris­co em pes­so­as ido­sas do­bra a ca­da cin­co anos.

8. Fal­ta da vi­ta­mi­na B12 es­tá as­so­ci­a­da ao agra­va­men­to da do­en­ça de Parkinson.

Ver­da­de. Um es­tu­do da Uni­ver­si­da­de da Ca­li­fór­nia cha­ma­do Vi­ta­min B12 and ho­mocys­tei­ne le­vels pre­dict dif­fe­rent out­co­mes in early Parkinson’s

di­se­a­se e pu­bli­ca­do na Mo­ve­ment Di­sor­ders, em mar­ço de 2018, iden­ti­fi­cou que em pa­ci­en­tes com ní­veis bai­xos de vi­ta­mi­na B12 os sin­to­mas do Parkinson se de­sen­vol­vi­am mais ra­pi­da­men­te. Quan­do os ní­veis eram au­men­ta­dos, o qu­a­dro ge­ral da do­en­ça era ame­ni­za­do. A vi­ta­mi­na B12 é en­con­tra­da em ali­men­tos de ori­gem ani­mal in­cluin­do, ovo, pei­xe e aves.

CONSULTORIAS Jury Ri­car­do Gar­cia, neu­rop­si­có­lo­go, es­pe­ci­a­lis­ta em psi­co­lo­gia da saú­de do Ins­ti­tu­to de Me­di­ci­na e Psi­co­lo­gia In­te­gra­da,em Bra­sí­lia; Ari­e­la Cres­ta­ni pes­qui­sa­do­ra so­bre o Alzhei­mer na Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al Pau­lis­ta (Unesp); Cleu­sa Sa­ka­mo­to da Fap­com, psi­có­lo­ga e pro­fes­so­ra; Ri­car­do Abel Evan­ge­lis­ta, di­re­tor do Nú­cleo Pau­lis­ta de Es­pe­ci­a­li­da­des Mé­di­cas (Nu­pem).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.