A fron­tei­ra dos dis­túr­bi­os

O li­mi­te que di­vi­de a es­qui­zo­fre­nia, a bi­po­la­ri­da­de e ou­tros trans­tor­nos men­tais se­me­lhan­tes abre mar­gem pa­ra er­ros de di­ag­nós­ti­co

Segredos da Mente - - ÍNDICE - TEX­TO CA­MI­LA RA­MOS/COLABORADORA ENTREVISTAS ÉRIKA ALFARO DESIGN VA­NES­SA SUEISHI

Di­fe­ren­ci­ar a es­qui­zo­fre­nia e a bi­po­la­ri­da­de de do­en­ças co­mo a de­pres­são é es­sen­ci­al pa­ra o iní­cio do tra­ta­men­to

Um dos mai­o­res obs­tá­cu­los en­fren­ta­dos por pes­so­as com es­qui­zo­fre­nia ou bi­po­la­ri­da­de é a ob­ten­ção de um di­ag­nós­ti­co pre­ci­so. Is­so por­que os dis­túr­bi­os men­tais de­vem ser ana­li­sa­dos de for­ma clí­ni­ca por um psi­qui­a­tra, uma vez que não há exa­mes fí­si­cos pa­ra de­ter­mi­nar a na­tu­re­za dos sin­to­mas. No en­tan­to, a li­nha en­tre um transtorno e ou­tro é tê­nue, sen­do pas­sí­vel de con­fu­sões en­tre si e com ou­tros qua­dros. Des­se mo­do, er­ros na ava­li­a­ção po­dem de­sen­ca­de­ar uma sé­rie de equí­vo­cos ca­pa­zes, até mes­mo, de pi­o­rar a si­tu­a­ção do pa­ci­en­te.

Si­nais du­vi­do­sos

O di­ag­nós­ti­co do transtorno bi­po­lar po­de de­mo­rar anos até que se­ja con­cre­ti­za­do, pois os pri­mei­ros sin­to­mas po­dem apa­ren­tar ou­tros dis­túr­bi­os. O ca­so mais co­mum é a se­me­lhan­ça com a de­pres­são uni­po­lar. A bi­po­la­ri­da­de tem co­mo ca­rac­te­rís­ti­ca a al­te­ra­ção en­tre fa­ses ma­nía­cas (de eu­fo­ria, au­to­es­ti­ma ele­va­da e vi­gor) e os epi­só­di­os de­pres­si­vos (com de­sâ­ni­mo, fal­ta de ener­gia e le­tar­gia). Des­sa for­ma, com a aná­li­se equi­vo­ca­da do es­pe­ci­a­lis­ta, o tra­ta­men­to aca­ba não sur­tin­do efei­to.

Ape­sar de a es­qui­zo­fre­nia ser co­nhe­ci­da por cau­sa dos de­lí­ri­os e das alu­ci­na­ções, o dis­túr­bio tam­bém po­de ser con­fun­di­do, em seus es­tá­gi­os ini­ci­ais, com qua­dros de an­si­e­da­de (pe­lo aler­ta cons­tan­te e me­dos ir­ra­ci­o­nais) e de­pres­são (com a re­clu­são so­ci­al). Além dis­so, o transtorno po­de ser su­bes­ti­ma­do co­mo ape­nas uma cri­se de re­bel­dia ca­rac­te­rís­ti­ca da ado­les­cên­cia, ou ain­da, co­mo uso ou abs­ti­nên­cia de subs­tân­ci­as ilí­ci­tas.

Di­ag­nós­ti­co cor­re­to

A di­fe­ren­ci­a­ção con­cre­ta en­tre os di­ver­sos dis­túr­bi­os, mui­tas ve­zes, acon­te­ce após a ma­ni­fes­ta­ção do sin­to­ma mais ca­rac­te­rís­ti­co, co­mo é o ca­so da en­ge­nhei­ra e es­cri­to­ra Vi­vi­a­ne Vaz, que foi di­ag­nos­ti­ca­da com transtorno bi­po­lar após uma cri­se ma­nía­ca. “Em pou­co tem­po de clí­ni­ca [a qual foi in­ter­na­da pa­ra cui­dar do sur­to], a ob­ser­va­ção da mé­di­ca do meu qua­dro de agi­ta­ção con­cluiu co­mo ma­nía­co e de­fi­niu que eu era bi­po­lar ti­po 1, o an­ti­go Psi­có­ti­co Ma­nía­co De­pres­si­vo (PMD). Di­ag­nós­ti­co que depois veio a ser con­fir­ma­do com os ou­tros mé­di­cos fo­ra da clí­ni­ca no qual eu dei con­ti­nui­da­de ao tra­ta­men­to”, re­la­ta.

Pa­ra a psi­co­te­ra­peu­ta Cristiane Dod­po­ka, “um di­ag­nós­ti­co acer­ta­do de­ve con­si­de­rar não ape­nas a lis­ta de sin­to­mas pa­ra de­tec­tar um dis­túr­bio ca­ta­lo­ga­do, mas a his­tó­ria de vida e ne­ces­si­da­des dos su­jei­tos. De­ve-se es­cu­tar, aco­lher e ter um olhar des­pre­ten­si­o­so ca­paz de in­cluir em sua ava­li­a­ção a vas­ti­dão e gran­de­za das ma­ni­fes­ta­ções hu­ma­nas”. Por is­so, o pro­fis­si­o­nal pre­ci­sa es­tar aten­to aos re­la­tos do pa­ci­en­te e seus fa­mi­li­a­res, uma vez que os sin­to­mas são par­ti­cu­la­res e di­fe­ren­tes pa­ra ca­da in­di­ví­duo. Além dis­so, é indicado pro­cu­rar mais de um es­pe­ci­a­lis­ta pa­ra ter cer­te­za se o tra­ta­men­to re­co­men­da­do é o certo pa­ra o seu ca­so.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.