Qua­dros vir­tu­ais e re­ais

Na era di­gi­tal, no­vos trans­tor­nos vêm sur­gin­do e cau­san­do pre­o­cu­pa­ção nos pro­fis­si­o­nais da saú­de da men­te. Conheça dois dos mais em­ble­má­ti­cos e re­la­ci­o­na­dos à acu­mu­la­ção

Segredos da Mente - - SUMÁRIO -

Conheça trans­tor­nos men­tais da era di­gi­tal re­la­ci­o­na­dos à acu­mu­la­ção

E m 2017, a em­pre­sa nor­te- ame­ri­ca­na de pu­bli­ci­da­de Ava­zu di­vul­gou uma pes­qui­sa so­bre o uso da in­ter­net e dos dis­po­si­ti­vos mó­veis pe­la po­pu­la­ção bra­si­lei­ra. O es­tu­do apre­sen­tou in­for­ma­ções sur­pre­en­den­tes. Uma de­las é com re­la­ção ao nú­me­ro de apli­ca­ti­vos bai­xa­dos, em mé­dia, por usuá­rio du­ran­te a vida útil do apa­re­lho ele­trô­ni­co. Se­gun­do a in­ves­ti­ga­ção, ca­da smartpho­ne trans­fe­re cer­ca de 63 apli­ca­ti­vos das lo­jas vir­tu­ais pa­ra sua me­mó­ria.

En­tre­tan­to, mui­tos dos pro­gra­mas que fa­zem par­te des­sas seis de­ze­nas de con­teú­dos não são de­vi­da­men­te uti­li­za­dos por seus usuá­ri­os. E o gran­de pro­ble­ma é que, além de não se­rem usa­dos, tais apli­ca­ti­vos per­ma­ne­cem ocu­pan­do es­pa­ço no ar­ma­ze­na­men­to dos dis­po­si­ti­vos.

Es­se com­por­ta­men­to de guar­dar ar­qui­vos di­gi­tais es­tá se tor­nan­do uma prá­ti­ca co­mum nos di­as de ho­je – tan­to pe­la fa­ci­li­da­de em se re­a­li­zar es­sa ação, co­mo no nú­me­ro de op­ções pa­ra es­sa ta­re­fa ser fei­ta. E é nes­sa atitude que re­pou­sa um dos trans­tor­nos que tem ator­men­ta­do a mo­der­ni­da­de: os acumuladores vir­tu­ais.

Li­xão vir­tu­al

Es­se dis­túr­bio, si­mi­lar ao trans­tor­no de acu­mu­la­ção co­mum, se di­fe­ren­cia ape­nas pe­lo ti­po de con­teú­do que é ar­ma­ze­na­do. En­quan­to no acú­mu­lo clás­si­co os ob­je­tos guar­da­dos são físicos, os acumuladores di­gi­tais co­le­ci­o­nam com­pul­si­va­men­te to­do ti­po de arquivo vir­tu­al que con­se­guem. E jus­ta­men­te por es­sa bagunça ser vi­sí­vel ape­nas no mun­do dos pi­xels, ela ten­de a cha­mar me­nos aten­ção da so­ci­e­da­de.

“Ter um pen­sa­men­to vol­ta­do à ideia de es­cas­sez, on­de se bus­ca guar­dar o que for pos­sí­vel com me­do de fal­tar, tem con­tri­buí­do pa­ra o sur­gi­men­to dos acumuladores di­gi­tais”, con­ta o psi­qui­a­tra Ale­xan­dre Cin­tra. Se­gun­do o es­pe­ci­a­lis­ta, es­ses pacientes es­tão so­ter­ra­dos em seus ar­qui­vos e apre­sen­tam for­te an­si­e­da­de quan­do pre­ci­sam abrir mão de­les, re­ce­o­sos em per­der al­go im­por­tan­te. Es­sa si­tu­a­ção

aca­ba ge­ran­do tam­bém di­fi­cul­da­de no usuá­rio quan­do ele ne­ces­si­ta en­con­trar al­go re­al­men­te re­le­van­te.

Va­le lem­brar que não é por­que vo­cê guarda vá­ri­as fotos e ví­de­os em seu ce­lu­lar que vo­cê ne­ces­sa­ri­a­men­te se­ja um acumulador vir­tu­al. O trans­tor­no só é ca­rac­te­ri­za­do quan­do ocor­rem pre­juí­zos ob­je­ti­vos à pes­soa, ou se­ja, quan­do es­sas ações atrapalham sua vida so­ci­al, pro­fis­si­o­nal, fa­mi­li­ar, afe­ti­va ou aca­dê­mi­ca.

Não é acu­mu­lar por acu­mu­lar

É pre­ci­so en­ten­der que mui­tos dos acumuladores vir­tu­ais, por ve­zes, não re­a­li­zam es­se com­por­ta­men­to por­que de­se­jam, e sim de­vi­do a al­go em su­as men­tes que os in­flu­en­cia. “Eles po­dem apre­sen­tar trans­tor­nos co­mo de­sa­ten­ção e hi­pe­ra­ti­vi­da­de, de­mons­tran­do di­fi­cul­da­des em or­ga­ni­zar su­as vi­das co­mo um to­do. Po­dem tam­bém ser in­di­ví­du­os per­fec­ci­o­nis­tas e obs­ti­na­dos que não sa­bem quan­do pa­rar de pes­qui­sar e co­le­tar in­for­ma­ções e da­dos. Ou se­ja, não é so­men­te uma di­fi­cul­da­de em or­de­nar ar­qui­vos”, co­men­ta Ale­xan­dre. Sen­do as­sim, an­tes de se ini­ci­ar qu­al­quer tra­ta­men­to so­bre es­sa con­di­ção, é pre­ci­so en­ten­der qu­al a sua ori­gem e por que ela ocor­re. “Uma vez en­ten­den­do is­so, é sim pos­sí­vel tra­tar e aju­dar es­sa pes­soa a bus­car a sua or­ga­ni­za­ção”, com­ple­men­ta o psi­qui­a­tra.

Mas que FoMo é es­se?

Ou­tro trans­tor­no que a mo­der­ni­da­de trou­xe é uma dis­fun­ção pou­co fa­la­da – mas que car­re­ga sin­to­mas im­por­tan­tes em seu es­pec­tro –, co­nhe­ci­da co­mo FoMo. Es­sa é a si­gla em in­glês de Fe­ar

of Mis­sing Out, tra­du­zi­da co­mo o “me­do de es­tar per­den­do al­go”. Ela se re­fe­re ao de­se­jo per­ma­nen­te de se es­tar co­nec­ta­do ao que os ou­tros es­tão fa­zen­do – uma re­la­ção pró­xi­ma à hi­per­co­ne­xão vi­ven­ci­a­da no dia a dia.

O FoMo tem li­ga­ção com as re­des so­ci­ais, ten­do em vis­ta que são elas as res­pon­sá­veis por es­se ca­nal de co­mu­ni­ca­ção. E é jus­ta­men­te du­ran­te o uso des­sas mí­di­as que al­guns dos ga­ti­lhos do FoMo são dis­pa­ra­dos, co­mo a co­bi­ça e a in­ve­ja.

In­ve­ja boa?

Quem nun­ca sen­tiu aque­la dor de co­to­ve­lo quan­do viu a foto de al­gum ami­go vir­tu­al na praia en­quan­to vo­cê es­ta­va pre­so no es­cri­tó­rio por mais um dia de tra­ba­lho? A in­ter­net re­al­men­te con­se­gue pas­sar a im­pres­são de que to­do mun­do – ex­ce­to vo­cê – vi­ve bem e fe­liz. En­tre­tan­to, se­gun­do o psi­qui­a­tra Ale­xan­dre Cin­tra, es­sa ilu­são pre­ci­sa ser ob­ser­va­da com cuidado, pois é em meio a es­sas sen­sa­ções que o FoMo vai ga­nhan­do des­ta­que. “Se não sou­ber­mos li­dar com o que ain­da não te­mos ou com o que nun­ca te­re­mos ou se­re­mos, ha­ve­rá gran­des chan­ces de de­sen­vol­ver­mos sé­ri­os pro­ble­mas de saú­de, co­mo an­si­e­da­de, an­gús­ti­as múl­ti­plas e até mes­mo o de­sen­vol­vi­men­to de qua­dros de­pres­si­vos”, pon­tua o mé­di­co.

Tan­to o FoMo co­mo a acu­mu­la­ção di­gi­tal são no­vas re­a­li­da­des que pre­ci­sam de nos­sa aten­ção. Afi­nal, o fenô­me­no da hi­per­co­nec­ti­vi­da­de trou­xe uma sé­rie de con­sequên­ci­as po­si­ti­vas e ne­ga­ti­vas ao co­ti­di­a­no. Ca­be a nós nos adap­tar­mos a es­sa re­a­li­da­de vir­tu­al da me­lhor ma­nei­ra pos­sí­vel. “Lem­bre que, por trás de uma vida ex­ces­si­va­men­te do­cu­men­ta­da, qu­a­se sem­pre exis­te al­guém ex­tre­ma­men­te in­se­gu­ro e com de­se­jo de apro­va­ção – tão in­se­gu­ro, in­clu­si­ve, co­mo quem es­tá so­fren­do do ou­tro la­do da te­la”, fi­na­li­za Ale­xan­dre Cin­tra.

CON­SUL­TO­RIA Ale­xan­dre Cin­tra, mé­di­co psi­qui­a­tra, com aten­di­men­tos par­ti­cu­la­res em psi­qui­a­tra clí­ni­ca e psi­co­te­ra­pia cog­ni­ti­vo- com­por­ta­men­tal. FON­TE Glo­balIn­ter­netIn­dus­tri­alRe­se­ar­chB­ra­zil, Ava­zu Hol­ding, 2016, dis­po­ní­vel em: bit.ly/2OujhYT.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.