Ex­pe­ri­ên­ci­as ne­ces­sá­ri­as

Os er­ros es­tão pre­sen­tes na vi­da de to­dos. Por is­so, sa­ber lidar com as frus­tra­ções é um pro­ces­so de apren­di­za­do e ama­du­re­ci­men­to emo­ci­o­nal que faz bem ao cé­re­bro

Segredos da Mente - - Editorial - TEX­TO Fe­li­pe Monteiro/Co­la­bo­ra­dor EN­TRE­VIS­TAS Ca­mi­la Ra­mos/Co­la­bo­ra­do­ra De­si gn be­a­triz ma­ri­gon­da de arau­jo/co­la­bo­ra­do­ra

Ape­sar de se­rem, mui­tas ve­zes, di­fí­ceis de su­pe­rar, os er­ros e as frus­tra­ções são par­tes im­por­tan­tes do pro­ces­so de evo­lu­ção

Ocres­ci­men­to hu­ma­no é re­ple­to de si­tu­a­ções po­si­ti­vas e ne­ga­ti­vas que exi­gem ha­bi­li­da­de, sa­be­do­ria e es­for­ço. As escolhas to­ma­das nes­sa ca­mi­nha­da po­dem ge­rar acer­tos que tra­zem be­ne­fí­ci­os ou er­ros capazes de pro­vo­car frus­tra­ções. En­tre­tan­to, é pre­ci­so se­guir em fren­te pa­ra que se pos­sa cres­cer e al­can­çar no­vas eta­pas da vi­da. Pa­ra is­so, sa­ber lidar com mo­men­tos in­fe­li­zes é es­sen­ci­al pa­ra su­pe­rá-los e ob­ter o apren­di­za­do que trans­for­ma e ca­pa­ci­ta pa­ra conquistar vi­tó­ri­as fu­tu­ras.

Mu­dar o cé­re­bro

Ao con­fron­tar al­gum ti­po de pro­ble­ma, os sen­ti­men­tos ne­ga­ti­vos pro­por­ci­o­na­dos pe­la si­tu­a­ção po­dem in­co­mo­dar, cri­ar de­si­lu­são e de­ses­ti­mu­lar a pes­soa. Uma das saí­das mais prá­ti­cas em re­la­ção a es­se ti­po de si­tu­a­ção é a fu­ga pa­ra uma si­tu­a­ção de con­for­to emo­ci­o­nal. Po­rém, tal pro­te­ção não é saudável, pois li­mi­ta o in­di­ví­duo a ex­pe­ri­ên­ci­as já co­nhe­ci­das nas quais não vai fa­lhar. Is­so po­de tor­ná-lo ima­tu­ro emo­ci­o­nal­men­te co­mo tam­bém im­pe­dir o cres­ci­men­to do cé­re­bro.

Nes­se con­tex­to, a má­xi­ma “é er­ran­do que se apren­de” pro­va-se re­al, ain­da mais com as re­cen­tes des­co­ber­tas da ci­ên­cia. O pro­fes­sor e pes­qui­sa­dor de psi­co­lo­gia Ja­son S. Mo­ser, da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Mi­chi­gan (MSU na si­gla em in­glês), com­pro­vou em uma aná­li­se de 2011 que o cé­re­bro de­sen­ca­deia si­nap­ses no mo­men­to em que co­me­te­mos um er­ro. Até en­tão, acre­di­ta­va-se que, ao er­rar, a pes­soa bus­ca­va cor­ri­gir-se e aí re­si­dia o apren­di­za­do, mas não é bem as­sim. A pes­qui­sa apon­tou que, mes­mo in­cons­ci­en­te de sua fa­lha, o cé­re­bro re­a­li­za co­ne­xões neu­ro­nais be­né­fi­cas.

A con­clu­são do es­tu­do de Ja­son S. Mo­ser des­cre­ve que os des­li­zes de­sa­fi­am o cé­re­bro. Por se tra­ta­rem de mo­men­tos de es­for­ço, is­so faz com que o cé­re­bro cres­ça. A psi­có­lo­ga Sá­lua Omais lem­bra que as emo­ções ne­ga­ti­vas são im­por­tan­tes fer­ra­men­tas de so­bre­vi­vên­cia que “avi­sam ao cor­po e ao cé­re­bro que al­go ou al­guém nos ma­chu­cou e es­sas ex­pe­ri­ên­ci­as ne­ga­ti­vas vão fun­ci­o­nar co­mo um apren­di­za­do. Na pró­xi­ma vez que um evento se­me­lhan­te ocor­rer, as chan­ces de re­a­gir de ma­nei­ra me­lhor ou de evi­tar que tal conflito são mai­o­res”.

É pre­ci­so flo­res­cer

As ad­ver­si­da­des e as frus­tra­ções vão apa­re­cer no de­cor­rer da vi­da e, in­clu­si­ve, são res­pon­sá­veis pe­lo cres­ci­men­to ce­re­bral. Mas co­mo su­pe­rar as do­res de­cor­ren­tes dis­so? Uma das ma­nei­ras é en­xer­gar o la­do positivo que há por trás dos er­ros. Po­rém, es­sa ca­pa­ci­da­de de res­sig­ni­fi­car o so­fri­men­to não sur­ge es­pon­ta­ne­a­men­te, é fru­to de um trabalho de­sen­vol­vi­do pe­lo in­di­ví­duo. Por is­so, não exi­gir tan­to de si é fun­da­men­tal, pois só com as vi­vên­ci­as que se ob­tém o apren­di­za­do de so­lu­ci­o­nar e en­xer­gar o la­do bom das coi­sas.

Ou­tro as­pec­to im­por­tan­te é sa­ber tra­ba­lhar a ex­pec­ta­ti­va. Ao en­vol­ver-se com al­go, é pre­ci­so ter em men­te que exis­tem fa­to­res que fo­gem ao do­mí­nio pes­so­al e há tam­bém a pos­si­bi­li­da­de do er­ro. Am­bos os pon­tos de­vem ser con­si­de­ra­dos, pois co­mo res­sal­va a co­a­ch Li­li­an Ber­tin, “os fa­tos da vi­da não são coi­sas que pos­sa­mos con­tro­lar. O úni­co con­tro­le pos­sí­vel é o da nos­sa for­ma de en­ca­rar ca­da si­tu­a­ção”. Não cri­ar ex­pec­ta­ti­vas é di­fe­ren­te de ser pes­si­mis­ta, não ter es­pe­ran­ça ou agir por in­do­lên­cia. É en­ca­rar os acon­te­ci­men­tos com re­a­li­da­de, acei­tan­do a pos­si­bi­li­da­de de su­ces­so e de fa­lha, res­pei­tan­do su­as ha­bi­li­da­des sem exi­gir mui­to de si mes­mo.

CONSULTORIAS Li­li­an Ber­tin, co­a­ch, em­pre­sá­ria e pa­les­tran­te; Sá­lua Omais, psi­có­lo­ga e co­a­ch.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.