Um pou­qui­nho de an­si­e­da­de faz bem

Fo­ra de con­tro­le, o sen­ti­men­to an­si­o­so po­de re­sul­tar em gra­ves con­sequên­ci­as ao or­ga­nis­mo. Ain­da as­sim, ele é fun­da­men­tal pa­ra a so­bre­vi­vên­cia hu­ma­na

Segredos da Mente - - Editorial - Tex­to Leonardo Gu­e­ri­no/Co­la­bo­ra­dor En­tre­vis­ta s Mar­ce­lo Ricc iar­di/co­la­bo­ra­dor De­sign be­a­triz ma­ri­gon­da de arau­jo/co­la­bo­ra­do­ra

Ve­ja por que a an­si­e­da­de, quan­do con­tro­la­da, tem papel fun­da­men­tal no pro­ces­so de to­ma­da de de­ci­são

Ela­bo­rar os re­la­tó­ri­os do trabalho, ler o li­vro da fa­cul­da­de, fa­zer com­pras no mer­ca­do, le­var os fi­lhos na es­co­la, pa­gar a con­ta que vence ama­nhã, vi­si­tar o pa­ren­te que es­tá do­en­te... Mui­tos des­ses pen­sa­men­tos ron­dam a ca­be­ça de qua­se to­das as pes­so­as em di­ver­sos lu­ga­res do mun­do. Até aí, sem no­vi­da­des. Con­tu­do, ca­da vez mais, es­se ra­ci­o­cí­nio agi­ta­do tem se ma­ni­fes­ta­do nos mo­men­tos mais in­con­ve­ni­en­tes do co­ti­di­a­no, co­mo quan­do se es­tá des­can­san­do no so­fá ou dei­ta­do na ca­ma an­tes de dor­mir.

Em se­gui­da a es­sas re­fle­xões, co­me­çam a sur­gir al­gu­mas sen­sa­ções incô­mo­das no cor­po, co­mo um va­zio no pei­to, trans­pi­ra­ção ele­va­da, falta de ar, ta­qui­car­dia e, até mes­mo, o sen­ti­men­to de mor­te imi­nen­te.

Es­sa ex­pec­ta­ti­va exa­cer­ba­da so­bre o fu­tu­ro faz com que se de­sen­vol­va a sen­sa­ção de que al­go ruim vai acon­te­cer, sem que vo­cê te­nha qual­quer con­tro­le so­bre tais even­tos. O re­sul­ta­do de to­dos es­ses fa­to­res é o trans­tor­no de an­si­e­da­de ge­ne­ra­li­za­da ( TAG).

En­tre­tan­to, ape­sar de seu des­con­tro­le ge­rar sintomas con­si­de­rá­veis, a an­si­e­da­de é um ele­men­to vi­tal pa­ra a so­bre­vi­vên­cia hu­ma­na. “É ela que nos dei­xa pron­tos pa­ra o en­fren­ta­men­to do novo, ten­do em vis­ta que nos tor­na mais aten­tos e fo­ca­dos, pre­pa­ran­do pa­ra lu­ta ou fu­ga”, con­ta Ale­xan­dre de Araú­jo Pe­rei­ra, dou­tor em edu­ca­ção mé­di­ca. Co­nhe­ça mais so­bre a im­por­tân­cia des­se sen­ti­men­to em nos­so or­ga­nis­mo.

Pre­sen­te des­de o prin­cí­pio

A an­si­e­da­de é en­ten­di­da co­mo um sin­to­ma dis­fun­ci­o­nal que ge­ra um con­jun­to de sen­sa­ções fí­si­cas e psi­co­ló­gi­cas, na­tu­ral­men­te sur­gi­dos me­di­an­te uma si­tu­a­ção iden­ti­fi­ca­da pe­la men­te co­mo pe­ri­go­sa ou de so­fri­men­to imi­nen­te.

Nos pri­mór­di­os da vi­da hu­ma­na, es­se si­nal de alerta era es­sen­ci­al pa­ra que fu­gís­se­mos de pre­da­do­res, cor­rês­se­mos atrás de ali­men­tos ou mes­mo bus­cás­se­mos abri­go de fenô­me­nos na­tu­rais. Ape­sar de ser um sen­ti­men­to nato de nos­sa es­pé­cie, ce­ná­ri­os que des­per­tam es­se es­ta­do de alerta pa­re­cem ser ca­da vez mais cons­tan­tes. Is­so é ex­pli­ca­do por­que a ci­vi­li­za­ção mo­der­na trou­xe con­si­go pro­ble­mas di­fe­ren­tes pa­ra sua exis­tên­cia, mas que ator­men­tam a con­di­ção de bem-es­tar tal qual nos pri­mór­di­os.

Sen­do as­sim, o gran­de de­sa­fio nes­sa no­va ro­ti­na fre­né­ti­ca é sa­ber in­ter­pre­tar de for­ma saudável tu­do o que acon­te­ce ao nos­so re­dor, evi­tan­do que o ga­ti­lho da an­si­e­da­de se­ja dis­pa­ra­do por mo­ti­vos apa­ren­te­men­te não pre­o­cu­pan­tes.

Fun­da­men­tal no dia a dia

Por su­as con­sequên­ci­as no or­ga­nis­mo se­rem tão ca­rac­te­rís­ti­cas, qua­se não se no­tam al­guns dos be­ne­fí­ci­os que a an­si­e­da­de pro­por­ci­o­na em nos­sas vi­das. Po­de não pa­re­cer, mas, sem ela, nos­sa ca­pa­ci­da­de de to­mar de­ci­sões se­ria pro­fun­da­men­te pre­ju­di­ca­da. Is­so ocor­re por­que, quan­do es­ta­mos an­si­o­sos, so­mos in­ci­ta­dos a to­mar al­gu­ma ati­tu­de pa­ra que o me­do que nos es­ti­mu­lou a pri­mei­ro mo­men­to se­ja ex­ter­mi­na­do.

Um exem­plo é o pe­río­do de es­co­lha do cur­so de fa­cul­da­de a ser re­a­li­za­do. Exis­tem centenas de op­ções pas­sí­veis de se­rem se­le­ci­o­na­das, po­rém ca­da uma de­las oca­si­o­na per­das e ga­nhos na pro­fis­são fu­tu­ra ou mes­mo du­ran­te os es­tu­dos. A an­si­e­da­de fa­rá com que as pon­de­ra­ções so­bre as op­ções se­jam re­a­li­za­das e se es­co­lha uma das al­ter­na­ti­vas. O or­ga­nis­mo, en­tão, só se re­e­qui­li­bra­rá de­pois da de­ci­são to­ma­da.

É cla­ro que, pa­ra que es­se im­pul­so se­ja efe­ti­va­do, a an­si­e­da­de pre­ci­sa es­tar sob con­tro­le do cé­re­bro. Ca­so con­trá­rio, o ga­ti­lho irá ape­nas oca­si­o­nar os sintomas ago­ni­zan­tes conhecidos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.