De­sen­vol­va sua per­cep­ção

A ca­pa­ci­da­de de per­cep­ção po­de aju­dar a to­mar de­ci­sões im­por­tan­tes. Sai­ba co­mo de­sen­vol­vê-la

Segredos da Mente - - Editorial - con­su lto­ria Re­na­ta Ara­ne­ga, es­pe­ci­a­lis­ta em in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal da con­sul­to­ria Cic­clos

Ve­ja di­cas im­por­tan­tes pa­ra man­ter sua intuição sem­pre afi­a­da

A ssim co­mo vá­ri­as ha­bi­li­da­des da nos­sa men­te, co­mo a con­cen­tra­ção e a memória, a intuição tam­bém po­de ser de­sen­vol­vi­da – e se tor­nar mais uma fer­ra­men­ta im­pres­cin­dí­vel nas es­co­lhas que vo­cê faz. En­ten­da co­mo ela po­de ser útil e o que fa­zer pa­ra dei­xa-la sem­pre afi­a­da.

Apoio im­por­tan­te

É fa­to que al­gu­mas pes­so­as são na­tu­ral­men­te mais in­tui­ti­vas que ou­tras, mas is­so não acon­te­ce por aca­so. A ca­pa­ci­da­de de per­cep­ção pre­ci­sa ser cons­tan­te­men­te es­ti­mu­la­da pa­ra que ela apa­re­ça nos mo­men­tos im­por­tan­tes. Na­da dis­so vai fa­zer di­fe­ren­ça se não acre­di­tar em sua intuição – a pri­mei­ra e mais va­li­o­sa di­ca. “For­ta­le­ça as no­vas cren­ças so­bre a intuição. Es­tu­de mais so­bre o te­ma, reu­nin­do in­for­ma­ções (in­clu­si­ve ci­en­tí­fi­cas) ca­so vo­cê te­nha uma ten­dên­cia ao ce­ti­cis­mo. O au­men­to de re­per­tó­rio téc­ni­co o aju­da­rá a for­ta­le­cer a cren­ça de que vo­cê po­de de­sen­vol­ver e apli­car a sua intuição no dia a dia”, res­sal­ta Re­na­ta Ara­ne­ga, es­pe­ci­a­lis­ta em in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal.

Além dis­so, ve­ja ou­tras ma­nei­ras de de­sen­vol­ver sua intuição e co­mo ca­da uma de­las in­flu­en­cia a ca­pa­ci­da­de de to­mar de­ci­sões:

• Bus­que ins­pi­ra­ção em su­as pró­pri­as

ex­pe­ri­ên­ci­as. Fa­ça uma lis­ta das si­tu­a­ções em que vo­cê ou­viu e dei­xou de con­sul­tar a sua intuição. De­pois, nos dois ca­sos, fa­ça um ma­pa do con­tex­to: qu­al foi a intuição, o que de fa­to vo­cê fez (ou dei­xou de fa­zer), os re­sul­ta­dos que ob­te­ve e as li­ções apren­di­das. É um exer­cí­cio que po­de re­ve­lar mui­to so­bre a for­ma co­mo a sua per­cep­ção se ma­ni­fes­ta.

• Con­fie na intuição. Lem­bre-se de que ela es­tá ba­se­a­da em seu co­nhe­ci­men­to, em su­as ex­pe­ri­ên­ci­as em re­la­ção ao mun­do e nos seus sen­ti­men­tos. Ou se­ja, não te­nha me­do de en­trar em con­ta­to com sua per­cep­ção quan­do mais precisar. “Pa­ra de­sen­vol­vê-la, é pre­ci­so acre­di­tar que ela exis­te e fun­ci­o­na. Se vo­cê achar que con­fi­ar na intuição é ar­ris­ca­do de­mais ou ti­ver me­do de ‘ou­vi-la’, vo­cê au­to­ma­ti­ca­men­te es­ta­rá cri­an­do um es­pa­ço pa­ra que re­al­men­te ve­nha a fa­lhar”, aler­ta Re­na­ta.

• Cul­ti­ve o si­lên­cio. Em um mun­do on­de a maioria das pes­so­as se pre­o­cu­pa em se ex­pres­sar, o si­lên­cio se tor­na po­de­ro­so. Is­so por­que ele aju­da vo­cê a se co­nec­tar com a intuição. Uma pau­sa de cin­co a dez mi­nu­tos pa­ra se con­cen­trar, re­la­xar ou en­trar em con­ta­to com vo­cê mes­mo po­de ser fundamental na to­ma­da das de­ci­sões do seu dia.

• Co­me­ce pe­lo sim­ples. Fa­ça um tes­te: ao to­mar de­ci­sões me­nos com­ple­xas ba­se­a­das em sua intuição, anote o que acon­te­ce. Ao lon­go do tempo, vo­cê po­de­rá se per­mi­tir au­men­tar a com­ple­xi­da­de das to­ma­das de de­ci­sões ba­se­a­das na intuição, pois se sen­ti­rá mais au­to­con­fi­an­te pa­ra tal. “Mas aten­ção: o cé­re­bro foi pro­je­ta­do pa­ra com­pro­var hi­pó­te­ses. Se vo­cê en­trar no ‘tes­te’ ape­nas pa­ra com­pro­var que a sua intuição não fun­ci­o­na, vo­cê pos­si­vel­men­te atrai­rá ou co­lo­ca­rá o fo­co da sua aten­ção nas si­tu­a­ções que com­pro­vam a sua ideia ori­gi­nal. Por is­so, an­tes de co­me­çar a tes­tar, con­ven­ça-se pri­mei­ra­men­te de que va­le a pe­na e de que é pos­sí­vel”, pon­tua a es­pe­ci­a­lis­ta em in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal.

• Pres­te aten­ção em vo­cê mes­mo. Uma si­tu­a­ção es­pe­cí­fi­ca lhe cau­sou ar­re­pi­os? O tí­tu­lo de um li­vro que es­ta­va nu­ma li­vra­ria cha­mou sua aten­ção? A fa­la de um per­so­na­gem em al­gum filme ou al­gu­ma sé­rie pa­re­ce ter fa­la­do com vo­cê? Es­tes pe­que­nos si­nais po­dem não ne­ces­sa­ri­a­men­te ofe­re­cer uma res­pos­ta pa­ra seus pro­ble­mas, mas, se des­per­ta­ram al­go em seu cor­po, tal­vez es­te­jam ten­tan­do aces­sar al­go em sua men­te. Por is­so, ou­ça es­tes si­nais quan­do pu­der.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.