Es­tra­té­gi­as de me­mo­ri­za­ção

So­lu­ci­o­ne pro­ble­mas de es­que­ci­men­to com al­gu­mas das nos­sas in­di­ca­ções

Segredos da Mente - - Índice - TEXTO CAMILA RA­MOS/COLABORADORA ENTREVISTAS RAFAEL TOLEDO E NATÁLIA NEGRETTI/COLABORADORES DESIGN LAU­RA ALCARÁ/COLABORADORA

Ode­te­ti­ve Sher­lock Hol­mes pos­sui uma me­mó­ria in­ve­já­vel, ca­paz de guar­dar in­fi­ni­tos da­dos que po­dem ser úteis pa­ra re­sol­ver di­ver­sos ca­sos po­li­ci­ais. Ape­sar de ser ape­nas um per­so­na­gem fic­tí­cio, exis­tem pes­so­as re­ais que trei­nam su­as men­tes de mo­do a ter uma ca­pa­ci­da­de de me­mo­ri­za­ção de­sen­vol­vi­da, po­den­do guar­dar qual­quer ti­po de in­for­ma­ção. A boa no­tí­cia é que al­gu­mas das téc­ni­cas uti­li­za­das pe­los re­cor­dis­tas po­dem ser apli­ca­das no dia a dia.

Re­de de lem­bran­ças

O pri­mei­ro pas­so pa­ra me­lho­rar o ar­ma­ze­na­men­to das lem­bran­ças é en­ten­der co­mo a men­te fun­ci­o­na. A me­mó­ria é um me­ca­nis­mo es­sen­ci­al pa­ra a vi­da, e es­sa fun­ção do cé­re­bro não es­tá pre­sen­te ape­nas quan­do vo­cê pre­ci­sa ir à uma con­sul­ta mé­di­ca ou es­tu­dar pa­ra uma pro­va. Na ver­da­de, ela é res­pon­sá­vel por re­ter in­for­ma­ções co­mo os mo­vi­men­tos cor­po­rais (an­dar e cor­rer) e a fa­la, por exem­plo, des­de o mo­men­to em que o co­nhe­ci­men­to foi ad­qui­ri­do na in­fân­cia – mes­mo que vo­cê não se lem­bre do dia es­pe­cí­fi­co.

No cé­re­bro, ca­da ar­ma­ze­na­men­to de da­dos é re­ti­do em for­ma de co­ne­xões en­tre os neurô­ni­os, for­man­do uma teia com­ple­xa. Quan­to mais um in­di­ví­duo apren­de, mais ri­ca es­sa re­de fi­ca, li­gan­do no­vas in­for­ma­ções com as mais an­ti­gas. Des­se mo­do, pa­ra re­cu­pe­rar um co­nhe­ci­men­to, é pre­ci­so ter aces­so rá­pi­do a es­sas co­ne­xões e as téc­ni­cas de me­mo­ri­za­ção ser­vem co­mo um ata­lho pa­ra en­con­trar o ar­qui­vo cor­re­to.

Ti­pos de me­mó­ri­as

Exis­tem du­as prin­ci­pais ca­te­go­ri­as de me­mó­ri­as: as de cur­to e lon­go pra­zo. A pri­mei­ra se for­ma no mo­men­to em que o apren­di­za­do acon­te­ce, ou se­ja, a in­for­ma­ção é pro­ces­sa­da em tem­po re­al e per­ma­ne­ce na men­te por al­guns se­gun­dos, po­den­do ser trans­for­ma­da em lem­bran­ças per­ma­nen­tes ou ape­nas des­car­ta­das e es­que­ci­das.

As me­mó­ri­as de lon­go pra­zo sub­di­vi­dem-se en­tre “as que com pou­ca con­cen­tra­ção se­ria lem­brá­veis (co­mo re­cor­dar-se e fa­lar o pró­prio no­me); as que exi­gi­ri­am mais fo­co pa­ra se­rem re­cor­da­das (co­mo de uma vi­a­gem de quan­do ti­nha no­ve anos de ida­de), e as que não se­ri­am lem­brá­veis, mas que se vê o re­sul­ta­do cla­ra­men­te (uma pes­soa sa­be ca­mi­nhar, mas po­de não ter lem­bran­ça al­gu­ma de co­mo apren­deu)”, de­ta­lha o psi­có­lo­go Bayard Gal­vão. Des­se mo­do, a ideia prin­ci­pal no apren­di­za­do e re­cu­pe­ra­ção de in­for­ma­ções é con­so­li­dar as me­mó­ri­as de cur­to em lon­go pra­zo e po­der aces­sá-las com fa­ci­li­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.