In­fluên­cia do dia a dia

In­se­rir de­ter­mi­na­dos há­bi­tos na ro­ti­na po­de fa­zer uma di­fe­ren­ça sig­ni­fi­ca­ti­va na ho­ra de lem­brar-se de con­teú­dos e afa­ze­res

Segredos da Mente - - Índice - TEXTO JÉSSICA PIRAZZA/COLABORADORA ENTREVISTAS LARISSA FARIA E RI­CAR­DO PICCINATO DESIGN VA­NES­SA SUEISHI CONSULTORIAS Mi­le­na Kra­chevs­ki, psi­có­lo­ga; Ro­ma­na Fran­co, pro­fes­so­ra de acu­pun­tu­ra.

In­cluir bons há­bi­tos na ro­ti­na po­de fa­zer di­fe­ren­ça na ho­ra de re­cor­dar-se

Ame­mó­ria é um me­ca­nis­mo que nos re­me­te às lem­bran­ças das mais va­ri­a­das ex­pe­ri­ên­ci­as que pas­sa­mos, as­so­ci­an­do ob­je­tos, lu­ga­res e pes­so­as. “Bas­ta vi­ver­ci­ar­mos al­gu­ma si­tu­a­ção que o cé­re­bro cap­ta e ar­ma­ze­na o que es­tá tran­si­tan­do pe­los sen­ti­dos, dan­do for­ma a nos­sa his­tó­ria de vi­da”, si­na­li­za a psi­có­lo­ga Mi­le­na Kra­chevs­ki. Quan­do a uti­li­za­mos, es­ta­mos aci­o­nan­do ha­bi­li­da­des cog­ni­ti­vas que, se não es­ti­ve­rem fun­ci­o­nan­do em sua me­lhor for­ma, aca­ba­rão por di­fi­cul­tar a ca­pa­ci­da­de de re­cor­dar.

Co­mo to­do com­por­ta­men­to hu­ma­no é pas­sí­vel de ser aper­fei­ço­a­do, a me­mó­ria tam­bém po­de (e de­ve) ser cui­da­da e de­sen­vol­vi­da pa­ra uma me­lhor qua­li­da­de de vi­da. A se­guir, con­fi­ra bo­as so­lu­ções pa­ra in­cluir em seu dia a dia pa­ra afi­ar a me­mó­ria:

1 Exer­ci­te-se!

Além de be­ne­fi­ci­ar o cor­po no as­pec­to de for­ta­le­ci­men­to dos mús­cu­los, for­ça e quei­ma de ca­lo­ri­as, é com­pro­va­do ci­en­ti­fi­ca­men­te que pra­ti­car al­gum ti­po de ati­vi­da­de fí­si­ca li­be­ra neu­ro­trans­mis­so­res e hormô­ni­os re­la­ci­o­na­dos ao bem-es­tar. Es­sas subs­tân­ci­as são im­por­tan­tes pa­ra o fun­ci­o­na­men­to do cé­re­bro co­mo um to­do, in­cluin­do as re­giões li­ga­das à me­mó­ria.

2 Se­pa­re um tem­po pa­ra me­di­tar

A prá­ti­ca tem efei­tos be­né­fi­cos na con­cen­tra­ção e me­mo­ri­za­ção. Quem me­di­ta tem as fi­bras cha­ma­das axô­ni­os, que fun­ci­o­nam co­mo li­ga­ções en­tre di­fe­ren­tes pon­tos do cé­re­bro, es­tru­tu­ra­das de for­ma di­fe­ren­te. Es­sas co­ne­xões pro­por­ci­o­nam me­lhor de­sem­pe­nho ce­re­bral, tor­nan­do a pes­soa mais aten­ta e, con­se­quen­te­men­te, con­se­guin­do re­cor­dar-se me­lhor de ati­vi­da­de e con­teú­dos (sai­ba mais so­bre a re­la­ção en­tre con­cen­tra­ção e me­mó­ria na pá­gi­na 22).

3 Dur­ma bem

É du­ran­te o so­no que o cé­re­bro faz a “lim­pe­za” de co­ne­xões e to­xi­nas in­de­se­ja­das, pro­duz subs­tân­ci­as vi­tais e, prin­ci­pal­men­te, con­so­li­da os co­nhe­ci­men­tos e as in­for­ma­ções ad­qui­ri­das ao lon­go do dia. Des­sa for­ma, na noi­te que an­te­ce­de pro­vas e apre­sen­ta­ções, é es­sen­ci­al ter boa qua­li­da­de de so­no pa­ra lem­brar-se me­lhor do con­teú­do es­tu­da­do.

4 Te­nha uma vi­da so­ci­al ati­va

Re­la­ci­o­nar-se com ou­tras pes­so­as é um fa­tor que co­la­bo­ra na ma­nu­ten­ção de uma boa me­mó­ria. Es­tu­dos ci­en­tí­fi­cos já com­pro­va­ram que in­di­ví­du­os com re­la­ções so­ci­ais mais ri­cas pos­su­em o de­sem­pe­nho cog­ni­ti­vo mais afi­a­do do que aque­les mais in­tro­ver­ti­dos. Es­se apon­ta­men­to é im­por­tan­te, prin­ci­pal­men­te, quan­do se re­fe­re aos ido­sos, que ten­dem a evi­tar sair de ca­sa e, em al­guns ca­sos, iso­lar-se. Por is­so, pa­ra que as co­ne­xões se ma­te­nham a to­do va­por, es­ti­mu­le seu ci­clo de ami­za­des!

5 Leia e es­tu­de

Ao apren­der uma no­va ha­bi­li­da­de ou co­nhe­ci­men­to, cri­am-se no­vas co­ne­xões en­tre os neurô­ni­os, dei­xan­do o cé­re­bro mais jo­vem. Por is­so, in­si­ra o há­bi­to de ler em seu dia a dia, pro­cu­re no­vos hob­bi­es e ati­vi­da­des, além de man­ter-se in­for­ma­do so­bre as­sun­tos que vo­cê se in­te­res­sa.

6 Co­nhe­ça os be­ne­fí­ci­os da acu­pun­tu­ra

A té­ni­ca es­ti­mu­la pon­tos que ati­vam re­giões va­ri­a­das do cé­re­bro e do sis­te­ma ner­vo­so cen­tral. Se­gun­do a pro­fes­so­ra de acu­pun­tu­ra Ro­ma­na Fran­co, “o ob­je­ti­vo do tra­ta­men­to é res­ta­be­le­cer o equi­lí­brio ener­gé­ti­co do or­ga­nis­mo, pro­mo­ven­do me­lho­ras no cor­po fí­si­co, emo­ci­o­nal e es­pi­ri­tu­al”.

Quan­do o fo­co é me­lho­rar a me­mó­ria, uti­li­zam-se pon­tos re­la­ci­o­na­dos ao hi­po­cam­po e às di­ver­sas áre­as do cór­tex ce­re­bral, on­de exis­te in­te­gra­ção dos es­tí­mu­los sen­so­ri­ais – afi­nal, mui­tas de nos­sas lem­bran­ças de cur­ta e lon­ga du­ra­ção tra­tam-se de uma com­bi­na­ção en­tre as­pec­tos emo­ci­o­nais, vi­su­ais, au­di­ti­vos e ol­fa­ti­vos.

7 Apro­vei­te os rai­os so­la­res

A vi­ta­mi­na D, di­fe­ren­te das ou­tras subs­tan­ci­as da mes­ma ca­te­go­ria, fun­ci­o­na co­mo um hormô­nio e age co­mo an­ti-in­fla­ma­tó­rio neu­ro­nal, ou se­ja, co­la­bo­ra na to­ni­fi­ca­ção do cé­re­bro, tra­tan­do a per­da de me­mó­ria re­la­ci­o­na­da ao en­ve­lhe­ci­men­to. Co­mo a prin­ci­pal for­ma de ob­ter es­sa vi­ta­mi­na é atra­vés da luz do sol, se­pa­re cer­ca de 15 mi­nu­tos por dia pa­ra be­ne­fi­ci­ar-se.

“Bas­ta vi­ver­ci­ar­mos al­gu­ma si­tu­a­ção que o cé­re­bro cap­ta e ar­ma­ze­na o que es­tá tran­si­tan­do pe­los sen­ti­dos, dan­do for­ma a nos­sa his­tó­ria de vi­da” Mi­le­na Kra­chevs­ki, psi­có­lo­ga

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.