Pro­du­ti­vi­da­de

En­ten­da o que é pro­du­ti­vi­da­de e co­mo a ca­pa­ci­da­de de me­mo­ri­za­ção po­de al­te­rar seu ren­di­men­to

Segredos da Mente - - Índice - TEXTO JÉSSICA PIRAZZA/COLABORADORA ENTREVISTAS ANGELO MATILHA CHERUBINI E FELIPE MON­TEI­RO/COLABORADORES DESIGN VA­NES­SA SUEISHI

Ter uma boa me­mó­ria co­la­bo­ra no bom pro­vei­to de tem­po ao lon­go do dia

As 24 ho­ras do dia são as mes­mas pa­ra to­das as pes­so­as re­a­li­za­rem as ati­vi­da­des e afa­ze­res da ro­ti­na, al­can­çar os ob­je­ti­vos e des­can­sar. No en­tan­to, es­se tem­po pa­re­ce ser mais du­ra­dou­ro pa­ra uns do que pa­ra ou­tros. Ao che­gar em ca­sa no fi­nal do dia, vo­cê tem a sen­sa­ção de sa­tis­fa­ção em re­la­ção aos seus re­sul­ta­dos? Ou, com o pas­sar das ho­ras, sen­te di­fi­cul­da­de em re­a­li­zar até mes­mo uma úni­ca ati­vi­da­de? A res­pos­ta pa­ra es­sas per­gun­tas es­tá em uma pa­la­vra que pos­sui sig­ni­fi­ca­do pes­so­al e, por­tan­to, va­riá­vel: a pro­du­ti­vi­da­de.

O que é

Ca­da in­di­ví­duo pos­sui seu con­cei­to pró­prio de pro­du­ti­vi­da­de. Ao “pé da le­tra”, de acor­do com o di­ci­o­ná­rio on­li­ne Mi­cha­e­lis, al­gu­mas das de­fi­ni­ções pa­ra a pa­la­vra são “po­ten­ci­al pa­ra pro­du­zir” e “quan­ti­da­de pro­du­zi­da de de­ter­mi­na­do item”. Tem a ver, por­tan­to, com o quan­to a gen­te ren­de ao lon­go do tem­po. Di­fe­ren­te do que mui­tos pen­sam, não se tra­ta de tra­ba­lhar ou es­tu­dar mais. Ela es­tá re­la­ci­o­na­da com a re­a­li­za­ção das mes­mas ati­vi­da­des em um tem­po me­nor e de ma­nei­ra mais le­ve.

Me­mó­ria x pro­du­ti­vi­da­de

Se­gun­do o eco­no­mis­ta com es­pe­ci­a­li­za­ção em ges­tão es­tra­té­gi­ca e li­de­ran­ça Edu­ar­do Men­des, “é pos­sí­vel tra­çar um pa­ra­le­lo ló­gi­co en­tre ha­bi­li­da­des, ati­tu­des, es­for­ço e pro­du­ti­vi­da­de: quan­to mai­or a ha­bi­li­da­de da pes­soa e me­lho­res su­as ati­tu­des e há­bi­tos, me­nor se­rá o es­for­ço que ela pre­ci­sa­rá fa­zer pa­ra con­se­guir ter um grau de pro­du­ti­vi­da­de. Por ou­tro la­do, se o in­di­ví­duo tem pou­ca ha­bi­li­da­de e ati­tu­des ina­de­qua­das, o ní­vel de es­for­ço de­le aca­ba­rá sen­do gran­de, po­den­do com­pro­me­ter, por­tan­to, a pro­du­ti­vi­da­de”.

Por exem­plo, quan­do a pes­soa es­tá so­bre­car­re­ga­da e ten­sa, ou quan­do es­tá mui­to dis­traí­da, sua ca­pa­ci­da­de de lem­brar po­de ser pre­ju­di­ca­da. Além dis­so, cos­tu­mes co­mo dor­mir pou­co, fi­car es­tres­sa­do com frequên­cia, fu­mar e con­su­mir ál­co­ol em do­ses abu­si­vas po­dem in­ten­si­fi­car o pro­ble­ma de fa­lhas de me­mó­ria.

“Além de in­ves­tir em co­nhe­ci­men­tos téc­ni­cos co­mo fa­ze­mos na es­co­la, fa­cul­da­de e cur­sos de tra­ba­lho, é ne­ces­sá­rio in­ves­tir em nos­sas ca­pa­ci­da­des e ati­tu­des”, sa­li­en­ta Edu­ar­do. Se­gun­do um es­tu­do re­a­li­za­do na Uni­ver­si­da­de de Har­vard, nos Es­ta­dos Uni­dos, cer­ca de 15% dos re­sul­ta­dos em ati­vi­da­des es­tão li­ga­dos ao ní­vel de de­sen­vol­vi­men­to e co­nhe­ci­men­to teó­ri­co. A mai­or par­te (85%) es­tá li­ga­da a ques­tões de ha­bi­li­da­des e ati­tu­des. Is­so in­di­ca que, além de in­ves­tir em co­nhe­ci­men­tos téc­ni­cos, é ne­ces­sá­rio de­sen­vol­ver as ca­pa­ci­da­des, pra­ti­can­do exer­cí­ci­os men­tais e cri­an­do bons há­bi­tos na ro­ti­na (ve­ja al­gu­mas di­cas na pá­gi­na 16).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.