Vo­cê é o que sua me­mó­ria faz

Segredos da Mente - - Índice - TEXTO LARISSA FARIA/COLABORADORA ENTREVISTAS LARISSA FARIA E VITOR MANFIO/COLABORADORES DESIGN JOSEMARA NAS­CI­MEN­TO

En­ten­da do que se tra­ta es­sa ca­pa­ci­da­de neu­ral e co­mo ela in­flu­en­cia em to­das as áre­as da vi­da

A ca­pa­ci­da­de de ar­qui­var e es­que­cer in­for­ma­ções di­ta seus pas­sos (e sua vi­da!) no dia a dia

Se a apren­di­za­gem é uma mu­dan­ça de com­por­ta­men­to, ca­be à me­mó­ria a re­ten­ção des­sa mu­dan­ça”, dis­se o psi­có­lo­go nor­te-ame­ri­ca­no Ro­bert Wo­odworth, em 1918. É fá­cil acre­di­tar que a lem­bran­ça de um fa­to ou in­for­ma­ção é um sim­ples es­for­ço da men­te pa­ra que eles não se dis­si­pem no es­que­ci­men­to. No en­tan­to, pa­ra di­fe­ren­tes áre­as da ci­ên­cia, é a me­mó­ria quem su­por­ta to­dos os pro­ces­sos de as­si­mi­la­ção e trans­for­ma­ção na vi­da de uma pes­soa.

A es­sên­cia da vi­da

“A me­mó­ria é uma das mais pre­ci­o­sas fun­ções do cé­re­bro hu­ma­no”, de­fen­de o neu­ro­lo­gis­ta Mar­tin Port­ner. E não é ape­nas por­que ela fa­rá com que vo­cê re­cor­de a da­ta de um im­por­tan­te com­pro­mis­so, ou se to­mou aque­le re­mé­dio na ho­ra cer­ta. De fa­to, es­que­cer-se de pa­gar uma con­ta na da­ta do ven­ci­men­to ou dei­xar pas­sar o ani­ver­sá­rio da sua mãe po­de acar­re­tar sé­ri­os pre­juí­zos. Mas, já ima­gi­nou se, em al­gum mo­men­to, não con­se­guir lem­brar com quem vi­ve ou on­de mo­ra? Luis Buñu­el, ci­ne­as­ta es­pa­nhol, di­zia que é pre­ci­so co­me­çar por per­der a me­mó­ria, nem que se­jam só por frag­men­tos, pa­ra per­ce­ber quão fun­da­men­tal ela é pa­ra a vi­da. “A nos­sa me­mó­ria é a nos­sa co­e­rên­cia, a nos­sa ra­zão, o nos­so sen­tir e até as nos­sas ações. Sem me­mó­ria não so­mos na­da”, re­fle­tia o ar­tis­ta, que tam­bém era for­ma­do em fi­lo­so­fia. Por de­fi­ni­ção, é fun­ção da me­mó­ria ar­ma­ze­nar da­dos, co­nhe­ci­men­tos e re­cu­pe­rá-los pa­ra as ações ro­ti­nei­ras, mas é ela tam­bém que per­mi­te ao ser hu­ma­no uma adap­ta­ção no meio em que vi­ve, ori­en­tan­do as ati­vi­da­des in­ter­nas e ex­ter­nas do or­ga­nis­mo.

En­quan­to es­sa re­cu­pe­ra­ção de in­for­ma­ções aten­de prin­ci­pal­men­te às nos­sas re­la­ções in­ter­pes­so­ais, Port­ner re­la­ta que, em sin­to­nia com a cri­a­ti­vi­da­de, ela tam­bém pos­si­bi­li­ta o avan­ço de idei­as. “E per­mi­te com que cer­tas ope­ra­ções in­ter­nas, co­mo o mo­do com que o co­ra­ção ba­te ou a pro­du­ção de subs­tân­ci­as pe­lo estô­ma­go, se­jam mo­di­fi­ca­das me­di­an­te o res­ga­te de de­ter­mi­na­das sen­sa­ções vi­ven­ci­a­das no pas­sa­do”, ga­ran­te. Por es­se pa­no­ra­ma, a me­mó­ria tem por fun­ção sal­var e guar­dar a so­bre­vi­vên­cia hu­ma­na. “Em tem­pos idos, in­di­ví­du­os com boa me­mó­ria eram ca­pa­zes de re­cu­pe­rar in­for­ma­ções a res­pei­to de pre­da­do­res e, as­sim, pos­suíam mai­or chan­ce de so­bre­vi­ver. Nos di­as atu­ais, os pre­da­do­res cir­cu­lam em am­bi­en­tes so­ci­ais ou pro­du­ti­vos. Por exem­plo: guar­dar e re­cu­pe­rar o que de­ter­mi­na­do co­le­ga de tra­ba­lho (ou con­cor­ren­te à pro­mo­ção!) dis­se em re­la­ção às pe­cu­li­a­ri­da­des de seu de­par­ta­men­to po­de­rá ser útil na sua car­rei­ra”, de­cla­ra.

Mes­mo sem que­rer

“Em nos­so cé­re­bro, são mais de 100 bi­lhões de neurô­ni­os co­nec­ta­dos em um sis­te­ma de re­de”, re­ve­la a psi­có­lo­ga Ma­ria Te­re­sa Vol­pa­to. E são es­sas cé­lu­las res­pon­sá­veis por gra­var as ex­pe­ri­ên­ci­as da vi­da por meio das co­ne­xões, cha­ma­das de si­nap­ses. “Em con­sequên­cia do pro­ces­sa­men­to de um gran­de nú­me­ro de in­for­ma­ções, a ati­vi­da­de in­te­gra­da dos neurô­ni­os de­ter­mi­na e mo­du­la o com­por­ta­men­to dos in­di­ví­du­os”, com­ple­ta. Pa­ra a psi­có­lo­ga Mi­le­na Car­bo­na­ri, não há na­da que pas­se des­per­ce­bi­do pe­lo cé­re­bro. “Bas­ta ter­mos vi­ven­ci­a­do al­gu­ma si­tu­a­ção que ele cap­ta e ar­ma­ze­na tu­do o que es­tá pas­san­do pe­los nos­sos cin­co sen­ti­dos”, afir­ma. A me­mó­ria é quem ofe­re­ce es­sa ca­pa­ci­da­de de as­si­mi­lar as ex­pe­ri­ên­ci­as vi­vi­das e ar­ma­ze­ná-las no lo­bo fron­tal, re­gião do en­cé­fa­lo. “E is­so é fei­to de ma­nei­ra in­vo­lun­tá­ria; é um com­por­ta­men­to ine­ren­te ao ser hu­ma­no”, res­sal­ta a es­pe­ci­a­lis­ta.

En­tre­tan­to, fa­to­res cog­ni­ti­vos e emo­ci­o­nais po­dem in­flu­en­ci­ar na es­tru­tu­ra das me­mó­ri­as, co­mo no ca­so de ex­pe­ri­ên­ci­as que en­vol­vam for­tes emo­ções, que ten­dem a es­ta­be­le­cer-se de for­ma mais só­li­da. “O cé­re­bro faz uma se­le­ção na­tu­ral do que con­si­de­ra mais im­por­tan­te, re­a­li­zan­do uma ‘fa­xi­na’ cons­tan­te pa­ra que mais in­for­ma­ções se­jam ar­ma­ze­na­das”, lem­bra Car­bo­na­ri.

“A me­mó­ria per­mi­te que in­for­ma­ções se­jam re­ti­das, ar­ma­ze­na­das e pos­te­ri­or­men­te re­cu­pe­ra­das em cir­cui­tos ce­re­brais com­ple­xos que ori­en­tam as ati­vi­da­des in­ter­nas e ex­ter­nas do or­ga­nis­mo” Mar­tin Port­ner, neu­ro­lo­gis­ta

Por ou­tro la­do, ques­tões cul­tu­rais e de cos­tu­me tam­bém são ca­pa­zes de mo­di­fi­car a re­la­ção que exis­te en­tre o ar­qui­va­men­to e a as­si­mi­la­ção de in­for­ma­ções: “Um exem­plo é o que vi­ve­mos ho­je em re­la­ção aos nú­me­ros te­lefô­ni­cos. Se an­tes tí­nha­mos agen­das de pa­pel e pre­ci­sá­va­mos con­sul­tá-las pa­ra li­gar pa­ra al­guém, fa­zen­do com que de­co­rás­se­mos os nú­me­ros usa­dos mais fre­quen­te­men­te, ho­je pre­ci­sa­mos ape­nas cli­car em ci­ma de um no­me na te­la do apa­re­lho ce­lu­lar que a dis­ca­gem já é au­to­má­ti­ca. No má­xi­mo, olha­mos ra­pi­da­men­te o nú­me­ro pa­ra dis­car de ou­tro apa­re­lho; de­co­ra­mos ape­nas por al­guns se­gun­dos (quan­do de­co­ra­mos!)”, re­fle­te Car­bo­na­ri. Vá­ri­os es­tu­dos mos­tram que o uso cons­tan­te da tec­no­lo­gia tam­bém es­tá mu­dan­do a re­la­ção en­tre a me­mó­ria e o ar­qui­va­men­to de in­for­ma­ções, tor­nan­do-o mais se­le­ti­vo e su­per­fi­ci­al.

Con­si­de­ra­da por mui­tos es­tu­di­o­sos co­mo fun­da­men­tal, é a me­mó­ria a res­pon­sá­vel por su­por­tar to­dos os pro­ces­sos de as­si­mi­la­ção e trans­for­ma­ção na vi­da de uma pes­soa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.