Men­te aten­ta, me­mó­ria ati­va

Pa­ra re­cor­dar-se de con­teú­dos e in­for­ma­ções im­por­tan­tes, é pre­ci­so, pri­mei­ra­men­te, es­tar con­cen­tra­do

Segredos da Mente - - Índice - TEXTO CAMILA RA­MOS/COLABORADORA EN­TRE­VIS­TA ANDREY SEISDEDOS E VITOR MANFIO/COLABORADORES E GIOVANE RO­CHA DESIGN DA­NI­EL GALHARDI/COLABORADOR

Con­fi­ra di­cas pa­ra ser mais con­cen­tra­do e, con­se­quen­te­men­te, lem­brar mais

Acon­cen­tra­ção es­tá in­ti­ma­men­te li­ga­da à me­mó­ria. Se a men­te es­tá de­sa­ten­ta, as in­for­ma­ções que de­vem ser lem­bra­das aca­bam não sen­do pro­ces­sa­das na men­te e, por con­se­guin­te, não se­rão fi­xa­das no cé­re­bro. Des­sa for­ma, am­bi­en­tes al­ta­men­te es­ti­mu­lan­tes – prin­ci­pal­men­te na mo­der­ni­da­de – e fa­to­res psi­co­fí­si­cos po­dem aca­bar pre­ju­di­can­do a aten­ção.

Por que dis­tra­ções atra­pa­lham tan­to?

Vo­cê já leu um li­vro e, quan­do per­ce­beu, sua men­te vi­a­jou pa­ra ou­tros pro­ble­mas e pre­o­cu­pa­ções, fa­zen­do vo­cê não lem­brar do que aca­bou de ler e, con­se­quen­te­men­te, ten­do que vol­tar al­gu­mas pá­gi­nas pa­ra en­ten­der a nar­ra­ti­va? Ou en­tão, du­ran­te uma au­la, pa­rou pa­ra ve­ri­fi­car o ce­lu­lar e, quan­do vol­tou o fo­co pa­ra o pro­fes­sor, não en­ten­deu o con­teú­do? Di­ver­sos fa­to­res pro­vo­cam a dis­tra­ção da men­te em mo­men­tos que ne­ces­si­tam da sua aten­ção.

“A con­cen­tra­ção exi­ge fo­co to­tal pa­ra a ati­vi­da­de a ser re­a­li­za­da. Se hou­ver ou­tras ta­re­fas que es­te­jam sen­do exe­cu­ta­das ao mes­mo tem­po, não é pos­sí­vel ter a aten­ção to­tal­men­te di­re­ci­o­na­da pa­ra o ato em ques­tão, ain­da que a pes­soa se­ja mul­ti­ta­re­fas”, ex­pli­ca a psi­ca­na­lis­ta Cris­ti­an­ne Vi­la­ça. Além dis­so, ne­ces­si­da­des fí­si­cas do cor­po (fo­me e so­no, por exem­plo) ou psi­co­ló­gi­cas (co­mo es­tres­se, an­si­e­da­de, de­pres­são e me­do) po­dem pre­ju­di­car a con­cen­tra­ção uma vez que, se­gun­do Vi­la­ça, o or­ga­nis­mo irá pri­o­ri­zar as si­tu­a­ções emer­gen­ci­ais.

CON­CEN­TRE-SE

Con­fi­ra al­gu­mas so­lu­ções pa­ra au­men­tar o fo­co e, con­se­quen­te­men­te, me­mo­ri­zar me­lhor as in­for­ma­ções ne­ces­sá­ri­as.

1 Téc­ni­ca Po­mo­do­ro

Es­te mé­to­do con­sis­te em fo­car in­ten­sa­men­te em uma ta­re­fa du­ran­te 25 mi­nu­tos (que po­dem ser cro­no­me­tra­dos com aju­da de re­ló­gio ou ce­lu­lar). Quan­do o tem­po aca­bar, fa­ça uma pau­sa de cin­co mi­nu­tos re­a­li­zan­do qual­quer ati­vi­da­de que re­la­xe (po­de ser uma ca­mi­nha­da cur­ta, alon­ga­men­to, me­di­ta­ção ou na­ve­gar nas re­des so­ci­ais). A ca­da qua­tro ro­da­das de 25 mi­nu­tos, fa­ça uma pau­sa mais lon­ga, de meia ho­ra, an­tes de vol­tar ao tra­ba­lho ou es­tu­do.

2 De­sa­ti­ve as no­ti­fi­ca­ções

Quan­do es­ti­ver con­cen­tra­do em uma ta­re­fa, no tra­ba­lho ou nas au­las, si­len­cie o smartpho­ne ou qual­quer ou­tro dis­po­si­ti­vo que pos­sa ti­rar seu fo­co. Além de evi­tar dis­tra­ções, vo­cê tam­bém di­mi­nui o ní­vel de an­si­e­da­de ao que­rer ver a men­sa­gem ou e-mail que re­ce­beu.

3 Cui­de do seu cor­po

Pa­ra o cé­re­bro tra­ba­lhar per­fei­ta­men­te, é pre­ci­so se ali­men­tar de mo­do ade­qua­do, ze­lar pe­la sua saú­de men­tal e de­sen­vol­ver bons há­bi­tos na ro­ti­na (sai­ba mais na pá­gi­na 16).

4 Es­co­lha o lu­gar ide­al

Re­a­li­zar ta­re­fas em am­bi­en­tes de­sor­ga­ni­za­dos, ba­ru­lhen­tos, com TV, com­pu­ta­dor e ou­tros as­pec­tos que es­ti­mu­lam a aten­ção da men­te não é o ide­al se vo­cê pre­ci­sa fo­car na ati­vi­da­de ou con­teú­do que pre­ci­sa ser me­mo­ri­za­do. Por­tan­te, dê pre­fe­rên­cia a es­pa­ços tran­qui­los e or­ga­ni­za­dos.

5 Fa­ça lis­tas

De­ter­mi­nar a or­dem em que ca­da ta­re­fa se­rá fei­ta aju­da a men­te a fo­car em ape­nas uma coi­sa de ca­da vez. Ca­so con­trá­rio, vo­cê po­de fi­car mais pre­o­cu­pa­do na quan­ti­da­de de afa­ze­res a se­rem re­a­li­za­dos, au­men­tan­do os ní­veis de an­si­e­da­de e es­tres­se.

6 Jo­gue vi­de­o­ga­mes

Um es­tu­do re­a­li­za­do na Uni­ver­si­da­de Tec­no­ló­gi­ca de Nanyang, em Sin­ga­pu­ra, in­di­cou que jo­gar uma ho­ra por dia po­de au­men­tar a con­cen­tra­ção, a ca­pa­ci­da­de de fa­zer mais de uma ta­re­fa ao mes­mo tem­po e, ain­da, me­lho­rar a me­mó­ria es­pa­ci­al.

7 Trei­ne a con­cen­tra­ção

Mui­tas ve­zes, é pre­ci­so adap­tar-se a am­bi­en­tes mais con­tur­ba­dos e es­tar fo­ca­do ao mes­mo tem­po, co­mo é o ca­so de lo­cais de tra­ba­lhos e pro­vas, nos quais não é pos­sí­vel ter con­tro­le so­bre o es­pa­ço que es­tá in­se­ri­do. As­sim, pa­ra exer­ci­tar o fo­co, es­cu­te mú­si­cas en­quan­to re­a­li­za ati­vi­da­des me­nos im­por­tan­tes ou acos­tu­me-se a ler den­tro de trans­por­tes pú­bli­cos.

8 Di­vi­da as ta­re­fas em par­tes

Uma ati­vi­da­de que se­ja mais com­ple­xa po­de ser sub­di­vi­di­da em pro­ces­sos. Ou se­ja, se pre­ci­sa es­tu­dar pa­ra uma pro­va que en­vol­va mais de uma ma­té­ria, ca­te­go­ri­ze os con­teú­dos em te­mas, ca­pí­tu­los de li­vros ou di­fi­cul­da­de e es­tu­de um por vez – po­den­do, até mes­mo, re­a­li­zar uma eta­pa por dia, por exem­plo.

9 Au­men­te o som

Es­cu­tar can­ções já co­nhe­ci­das ou sin­fo­ni­as clás­si­cas po­de po­ten­ci­a­li­zar a con­cen­tra­ção, uma vez que di­mi­nui a sen­sa­ção de ba­ru­lho do am­bi­en­te – que po­de cau­sar dis­tra­ções, co­mo sons de cons­tru­ções. Além dis­so, as com­po­si­ções po­dem ser ins­tru­men­tos de cri­a­ti­vi­da­de e ins­pi­ra­ção pa­ra ati­vi­da­des que re­que­rem es­sas ha­bi­li­da­des.

CONSULTORIA Cris­ti­an­ne Vi­la­ça, psi­ca­na­lis­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.