DOS­SIÊ DO ALZHEI MER

A do­en­ça já atin­ge mais de 1 mi­lhão de ido­sos ape­nas no Bra­sil. E o ce­ná­rio não é na­da ani­ma­dor: es­ti­ma­ti­vas apon­tam que es­se nú­me­ro ten­de a do­brar até 2030

Segredos da Mente - - Primeira Página - TEX­TO Thi­a­go ko­gu­chi/co­la­bo­ra­dor DE­SIGN adri­a­na oshi­ro

A do­en­ça atin­ge um mi­lhão de ido­sos no Bra­sil. Des­cu­bra co­mo ela age no cé­re­bro e a im­por­tân­cia de di­ag­nos­ti­car o quan­to an­tes

E m 1906, o psi­qui­a­tra e neu­ro­pa­to­lo­gis­ta Alois Alzhei­mer (1864-1915) foi res­pon­sá­vel pe­la des­co­ber­ta do qua­dro que le­va o seu so­bre­no­me. Tu­do co­me­çou quan­do o ale­mão in­ves­ti­gou os even­tos da vi­da de Au­gus­te De­ter, pa­ci­en­te cu­jos sintomas in­cluíam per­da de me­mó­ria, di­fi­cul­da­de na lin­gua­gem e de­so­ri­en­ta­ção espacial. Qua­tro anos de­pois, quan­do a mu­lher ti­nha 55, ela faleceu. Ao fa­zer a au­tóp­sia, ele per­ce­beu que ha­via le­sões – até en­tão nun­ca vis­tas –

no cé­re­bro mor­to que es­ta­va exa­mi­nan­do.

O pro­ble­ma en­con­tra­va-se den­tro dos neurô­ni­os (cé­lu­las do sis­te­ma ner­vo­so), os quais se apre­sen­ta­vam atro­fi­a­dos e pos­suíam subs­tân­ci­as in­co­muns, re­tor­ci­das en­tre si – e es­sa foi a pri­mei­ra vez que uma pes­soa te­ve co­nhe­ci­men­to so­bre o dis­túr­bio. De lá pa­ra cá, inú­me­ros es­tu­dos fo­ram fei­tos na ten­ta­ti­va de des­co­brir a cu­ra pa­ra es­sa do­en­ça, mas os ci­en­tis­tas ain­da não ob­ti­ve­ram su­ces­so (sai­ba mais a par­tir da pá­gi­na 14).

Afi­nal, o que é?

De uma for­ma sim­ples, po­de-se ex­pli­car es­sa do­en­ça co­mo uma com­pli­ca­ção neu­ro­de­ge­ne­ra­ti­va, já que ela afe­ta o cé­re­bro e cau­sa o des­gas­te dos neurô­ni­os. Além dis­so, com o pas­sar do tempo, pro­duz per­das de cer­tas ha­bi­li­da­des, co­mo ra­ci­o­ci­nar e me­mo­ri­zar. “O Alzhei­mer afe­ta, pre­do­mi­nan­te­men­te, as fun­ções cog­ni­ti­vas, mas não es­tá li­mi­ta­do ape­nas à me­mó­ria”, es­cla­re­ce o neu­ro­lo­gis­ta Da­ni­el Scha­ch­ter.

Es­sa do­en­ça atin­ge uma re­gião es­pe­cí­fi­ca do cé­re­bro, co­nhe­ci­da co­mo hi­po­cam­po, e evo­lui em es­tá­gi­os, de­pen­den­do dos sintomas apre­sen­ta­dos. Na mai­o­ria dos ca­sos, o Alzhei­mer é de­tec­ta­do em ido­sos a pa­tir de 65 anos, sen­do que as mu­lhe­res são le­ve­men­te mais afe­ta­das que os ho­mens.

Um pou­co mais a fun­do

Pa­ra en­ten­der co­mo o dis­túr­bio afe­ta a saú­de e com­pro­me­te o bem-es­tar dos pa­ci­en­tes, é pre­ci­so par­tir de um con­cei­to mais bá­si­co: o fun­ci­o­na­men­to de um cé­re­bro sau­dá­vel. Em uma pes­soa sem a do­en­ça, os neurô­ni­os se co­mu­ni­cam en­tre si de ma­nei­ra sa­tis­fa­tó­ria, cum­prin­do to­dos os seus pa­péis. En­tre­tan­to, quan­do exis­te o di­ag­nós­ti­co de um pro­ble­ma neu­ro­de­ge­ne­ra­ti­vo, ocor­re a mor­te das cé­lu­las ner­vo­sas e a per­da de te­ci­do em to­do o cé­re­bro.

Mas por que is­so acon­te­ce? O cor­po hu­ma­no apre­sen­ta uma es­tru­tu­ra co­nhe­ci­da co­mo mi­cro­tú­bu­lo, que na­da mais é do que uma es­pé­cie de ar­té­ria lo­ca­li­za­da den­tro dos neurô­ni­os. O gran­de pro­ble­ma sur­ge com a ocor­rên­cia de um fenô­me­no cha­ma­do de hi­per­fos­fo­ri­la­ção da pro­teí­na tau (a qual tem o pa­pel de es­ta­bi­li­zar es­ses mi­cro­tú­bu­los). Quan­do acon­te­ce es­se qua­dro, a es­ta­bi­li­za­ção fi­ca com­pro­me­ti­da, e a pro­teí­na não man­tém os mi­cro­tú­bu­los aber­tos, di­fi­cul­tan­do a co­mu­ni­ca­ção en­tre os neurô­ni­os.

Quan­do uma pes­soa es­tá com Alzhei­mer, ocor­re a per­da pro­gres­si­va da mas­sa ce­re­bral, tal co­mo a mor­te das cé­lu­las ner­vo­sas. Des­sa ma­nei­ra, to­das as fun­ções cor­po­rais vão sen­do afe­ta­das, des­de as mais sim­ples até as mais com­ple­xas. Co­mo con­sequên­cia, os ven­trí­cu­los (co­mo são cha­ma­dos os es­pa­ços na­tu­rais do cé­re­bro) au­men­tam de ta­ma­nho, cri­an­do vá­ri­as ca­vi­da­des mai­o­res do que o nor­mal. So­ma­do a is­so, acu­mu­la­dos de pro­teí­nas aca­bam se jun­tan­do às cé­lu­las ner­vo­sas res­tan­tes, fa­tor que es­tá sen­do es­tu­da­do pe­los ci­en­tis­tas co­mo uma pos­sí­vel cau­sa da agres­si­vi­da­de e do avan­ço da do­en­ça.

Es­tá­gi­os

Ca­rac­te­ri­za­da pe­la queda do bom fun­ci­o­na­men­to das fun­ções ce­re­brais, a do­en­ça tem iní­cio com a re­du­ção da cha­ma­da “me­mó­ria cur­ta”, ou se­ja, aque­la em que é pos­sí­vel se re­cor­dar das fun­ções mais bá­si­cas do dia a dia, co­mo ti­rar uma pa­ne­la do fo­go ou o fer­ro de pas­sar da to­ma­da. E é a par­tir de tais de­mons­tra­ções que os fa­mi­li­a­res, prin­ci­pal­men­te de ido­sos, de­vem es­tar aten­tos.

“A do­en­ça se ini­cia de for­ma len­ta, com a per­da de me­mó­ria sen­do o prin­ci­pal sin­to­ma. Es­se aco­me­ti­men­to se re­la­ci­o­na a in­for­ma­ções re­cen­tes (o pa­ci­en­te con­se­gue se lem­brar de sua in­fân­cia, mas não o que co­meu ou on­de foi on­tem), além de si­nais co­mo di­fi­cul­da­des nas ati­vi­da­des diá­ri­as e dis­cur­sos re­pe­ti­ti­vos”, exem­pli­fi­ca o neu­ro­lo­gis­ta Flá­vio Se­keff Sal­lem.

Por con­ta dis­so, as ações pre­ven­ti­vas de­vem ser in­se­ri­das no dia a dia e, ca­so a do­en­ça já es­te­ja ins­ta­la­da, os cui­da­dos ne­ces­sá­ri­os pre­ci­sam ser se­gui­dos à ris­ca, a fim de que a qua­li­da­de de vi­da do in­di­ví­duo com Alzhei­mer não se­ja mui­to pre­ju­di­ca­da. “O pa­ci­en­te, em es­tá­gi­os mais avan­ça­dos, po­de se per­der na rua, por exem­plo. Pro­ble­mas de lin­gua­gem e re­co­nhe­ci­men­to de fa­mi­li­a­res ocor­rem tar­di­a­men­te”, com­ple­ta Sal­lem.

Mui­tos fa­to­res po­dem ser de­ter­mi­nan­tes quan­do se tra­ta da evo­lu­ção do Alzhei­mer. De­pen­den­do da ge­né­ti­ca e até mes­mo dos há­bi­tos que fo­ram cul­ti­va­dos du­ran­te a vi­da, os es­tá­gi­os da do­en­ça po­dem avan­çar len­ta­men­te ou o con­trá­rio. “O tempo pa­ra es­sa evo­lu­ção é mui­to va­riá­vel, po­den­do ser em me­ses (ca­sos ra­ros ra­pi­da­men­te pro­gres­si­vos), em anos (evo­lu­ção mais co­mum), ou mes­mo em dé­ca­das (ca­sos mais ar­ras­ta­dos)”, co­men­ta o neu­ro­lo­gis­ta Le­an­dro Te­les.

CON­SUL­TO­RIA Cus­tó­dio Mi­chai­lowsky Ribeiro, Da­ni­el Scha­ch­ter, Flá­vio Se­keff Sal­lem e Le­an­dro Te­les, neu­ro­lo­gis­tas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.