BUS­CA POR CON­TRO­LE

Os sintomas mais co­nhe­ci­dos da do­en­ça de Par­kin­son são os tre­mo­res cau­sa­dos e o com­pro­me­ti­men­to dos mo­vi­men­tos. Sai­ba mais so­bre o qua­dro

Segredos da Mente - - Primeira Página - TEX­TO Éri­ka Al­fa­ro DE­SIGN jo­se­ma­ra nas­ci­men­to

En­ten­da co­mo o Par­kin­son afe­ta o sis­te­ma ner­vo­so

A ti­vis­ta po­lí­ti­co, far­ma­cêu­ti­co, geó­lo­go e pa­le­on­tó­lo­go são al­gu­mas das atri­bui­ções acu­mu­la­das pe­lo in­glês Ja­mes Par­kin­son. Nas­ci­do em 1755 e for­ma­do em me­di­ci­na, o ci­rur­gião e clí­ni­co ge­ral não es­pe­ra­va do­cu­men­tar pe­la pri­mei­ra vez uma das do­en­ças mais es­tu­da­das pe­la neu­ro­lo­gia nos di­as de ho­je ao di­vul­gar o ar­ti­go Um En­saio so­bre a Pa­ra­li­sia Agi­tan­te ( An

Es­say on The Sha­king Palsy, no tí­tu­lo ori­gi­nal).

No ma­te­ri­al, Ja­mes des­cre­via a con­di­ção que per­ce­beu em seis pa­ci­en­tes: uma tre­me­dei­ra fre­quen­te. A pu­bli­ca­ção des­ta­cou os sintomas que acom­pa­nha­vam a ma­ni­fes­ta­ção mais co­nhe­ci­da, co­mo pos­tu­ra in­co­mum, ri­gi­dez e en­fra­que­ci­men­to mus­cu­lar, e a for­ma pro­gres­si­va co­mo apa­re­ci­am. Ape­sar de bas­tan­te de­ta­lha­do, o es­tu­do pi­o­nei­ro não foi le­va­do adi­an­te na épo­ca, nem ga­nhou no­to­ri­e­da­de, e o au­tor não foi re­co­nhe­ci­do pe­lo fei­to du­ran­te a sua vi­da. Ape­nas dé­ca­das de­pois, quan­do o neu­ro­lo­gis­ta fran­cês Je­an-Mar­tin Char­cot re­to­mou es­sa pes­qui­sa, o qua­dro foi ba­ti­za­do co­mo do­en­ça de Par­kin­son ( DP).

Com sua aten­ção vol­ta­da à con­di­ção em me­a­dos de 1868 e 1881, o mé­di­co con­tri­buiu de ma­nei­ra sig­ni­fi­ca­ti­va pa­ra a com­pre­en­são das ma­ni­fes­ta­ções do qua­dro que afe­ta cer­ca de 200 mil pes­so­as no Bra­sil, se­gun­do a Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS). En­ten­da do que se tra­ta a en­fer­mi­da­de des­co­ber­ta por Ja­mes e de que for­ma ela afe­ta o dia a dia de pa­ci­en­tes e in­di­ví­du­os que con­vi­vem com a DP.

Re­co­nhe­cen­do si­nais

De acordo com Sa­mu­el Gros­s­mann, pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Bra­sil Par­kin­son (ABP), a do­en­ça é ca­rac­te­ri­za­da pe­la de­ge­ne­ra­ção do sis­te­ma ner­vo­so, o que acon­te­ce de for­ma crô­ni­ca e pro­gres­si­va. “Seu de­sen­vol­vi­men­to ocor­re de­vi­do à au­sên­cia ou di­mi­nui­ção acen­tu­a­da da do­pa­mi­na, um neu­ro­trans­mis­sor res­pon­sá­vel por aju­dar na trans­mis­são de men­sa­gens en­tre as cé­lu­las”, ex­pli­ca o pro­fis­si­o­nal. Além de pos­suir pa­pel im­por­tan­te pa­ra a me­mó­ria e ser res­pon­sá­vel pe­la ação do sis­te­ma de re­com­pen­sa do cé­re­bro (sen­sa­ção de pra­zer e bem- es­tar), es­sa subs­tân­cia au­xi­lia no con­tro­le dos mo­vi­men­tos do cor­po. Sen­do assim, a de­fi­ci­ên­cia na pro­du­ção de do­pa­mi­na afe­ta o as­pec­to mo­tor do in­di­ví­duo.

Ten­do em vis­ta tal ce­ná­rio, se­gun­do Hen­ri­que Bal­la­lai Fer­raz, mé­di­co com dou- to­ra­do em neu­ro­lo­gia, os prin­ci­pais sintomas são “tre­mor, ri­gi­dez mus­cu­lar, len­ti­dão de mo­vi­men­tos, al­te­ra­ção de pos­tu­ra ere­ta e di­fi­cul­da­de pa­ra ca­mi­nhar”. Os pri­mei­ros si­nais po­dem ser su­tis e afe­tar ape­nas um la­do do cor­po, com re­la­tos de que a por­ção es­quer­da ou di­rei­ta não acom­pa­nha ou es­tá mais de­va­gar em com­pa­ra­ção com a ou­tra.

Con­for­me res­sal­ta Ru­bens Gis­bert Cury, mé­di­co neu­ro­lo­gis­ta, as ma­ni­fes­ta­ções ini­ci­ais in­clu­em mu­dan­ças bran­das na for­ma de ca­mi­nhar, per­da de ex­pres­são fa­ci­al ou di­mi­nui­ção da pis­ca­da de olhos, alterações na es­cri­ta, re­du­ção do vo­lu­me da voz e di­fi­cul­da­de pa­ra abo­to­ar a rou­pa.

Hen­ri­que Bal­la­lai tam­bém ci­ta os as­pec­tos não mo­to­res que po­dem se apre­sen­tar em qual­quer es­tá­gio da do­en­ça: “re­du­ção do ol­fa­to, dis­túr­bio do so­no, pri­são de ven­tre, alterações de hu­mor, de­pres­são, an­si­e­da­de, en­tre ou­tros”.

Cau­sas des­co­nhe­ci­das

A ci­ên­cia já iden­ti­fi­cou o pa­pel da do­pa­mi­na no sur­gi­men­to do Par­kin­son, mas as cau­sas pa­ra a re­du­ção ou au­sên­cia da subs­tân­cia ain­da não fo­ram des­ven­da­das. Com o tempo, é na­tu­ral do en­ve­lhe­ci­men­to que as cé­lu­las ner­vo­sas ca­pa­zes de ofe­re­cer o neu­ro­trans­mis­sor ao or­ga­nis­mo mor­ram aos pou­cos. Mas a ma­ni­fes­ta­ção da do­en­ça se dá jus­ta­men­te por­que es­sa fal­ta de pro­du­ção acon­te­ce de for­ma rá­pi­da e in­ten­sa.

Os es­for­ços dos es­tu­di­o­sos já ex­cluí­ram a pos­si­bi­li­da­de de que a de­ge­ne­ra­ção te­nha raí­zes uni­ca­men­te ge­né­ti­cas. Fa­to­res am­bi­en­tais, co­mo o con­ta­to com agen­tes quí­mi­cos, são itens a se­rem le­va­dos em con­ta além da ques­tão he­re­di­tá­ria. Por­tan­to, se há um in­di­ví­duo com Par­kin­son em uma fa­mí­lia, não ne­ces­sa­ri­a­men­te os de­mais mem­bros te­rão mais chan­ce de de­sen­vol­ver a do­en­ça.

Exis­tem cau­sas de­fi­ni­das pa­ra a cha­ma­da sín­dro­me par­kin­so­ni­a­na, que na­da mais é do que o sur­gi­men­to do gru­po de sintomas sem a pre­sen­ça do Par­kin­son. A ocor­rên­cia

de tais ca­sos é mi­no­ri­tá­ria, uma vez que a do­en­ça é res­pon­sá­vel por de­sen­ca­de­ar os si­nais em cer­ca de 70% dos ca­sos, con­for­me da­dos da Aca­de­mia Bra­si­lei­ra de Neu­ro­lo­gia. No en­tan­to, quan­do o par­kin­so­nis­mo se­cun­dá­rio é di­ag­nos­ti­ca­do, a ori­gem por con­ta do con­su­mo de de­ter­mi­na­das me­di­ca­ções é uma das mais co­muns.

Iden­ti­fi­ca­ção fun­da­men­tal

Não exis­te ne­nhum exa­me ca­paz de in­di­car a do­en­ça de Par­kin­son, por is­so a ava­li­a­ção neu­ro­ló­gi­ca ba­se­a­da na his­tó­ria do in­di­ví­duo de­ve ser fei­ta por um es­pe­ci­a­lis­ta. “O di­ag­nós­ti­co ain­da é fei­to por ex­clu­são. Às ve­zes, os mé­di­cos re­co­men­dam a re­a­li­za­ção de ele­tro­en­ce­fa­lo­gra­ma, to­mo­gra­fia com­pu­ta­do­ri­za­da, res­so­nân­cia mag­né­ti­ca, aná­li­se do lí­qui­do es­pi­nhal, en­tre ou­tros, pa­ra te­rem a cer­te­za de que o pa­ci­en­te não pos­sui ne­nhu­ma dis­fun­ção no cé­re­bro”, pon­tua Sa­mu­el Gros­s­mann.

O re­co­nhe­ci­men­to dos pri­mei­ros sintomas é es­sen­ci­al pa­ra que um neu­ro­lo­gis­ta se­ja con­sul­ta­do – es­se é o pro­fis­si­o­nal mais ha­bi­li­ta­do pa­ra a lei­tu­ra cri­te­ri­o­sa de ca­da ca­so. Is­so por­que, se­gun­do o pre­si­den­te da ABP, é im­por­tan­te lem­brar que, mes­mo sem cu­ra, é pos­sí­vel con­vi­ver com o Par­kin­son, prin­ci­pal­men­te por­que não há com­pro­me­ti­men­to, pe­lo me­nos na fa­se ini­ci­al, da me­mó­ria ou da ca­pa­ci­da­de in­te­lec­tu­al do pa­ci­en­te. “Com o acom­pa­nha­men­to es­pe­ci­a­li­za­do e o tra­ta­men­to ade­qua­do, além de ati­vi­da­des al­ter­na­ti­vas que in­cen­ti­vem a mo­vi­men­ta­ção e co­or­de­na­ção, é pos­sí­vel le­var uma qua­li­da­de de vi­da melhor”, re­for­ça Sa­mu­el.

“O en­ten­di­men­to da do­en­ça é im­pres­cin­dí­vel pa­ra o di­ag­nós­ti­co que, quan­to mais pre­ci­so, melhor se­rá o con­ví­vio com o Par­kin­son. O en­ga­ja­men­to so­ci­al tam­bém é um fa­tor im­por­tan­tís­si­mo pa­ra es­ti­mu­lar a in­te­gra­ção dos pa­ci­en­tes na so­ci­e­da­de”

Sa­mu­el Gros­s­mann, pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Bra­sil Par­kin­son (ABP)

CONSULTORIAS Hen­ri­que Bal­la­lai Fer­raz, mé­di­co com dou­to­ra­do em neu­ro­lo­gia pe­la Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de São Paulo (Uni­fesp); Ru­bens Gis­bert Cury, mé­di­co neu­ro­lo­gis­ta dos Hos­pi­tais Sa­ma­ri­ta­no e Sí­rio Li­ba­nês, am­bos lo­ca­li­za­dos na ci­da­de de São Paulo; Sa­mu­el Gros­s­mann, pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Bra­sil Par­kin­son (ABP).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.