É POS­SÍ­VEL CON­VI­VER

Co­nhe­ça al­guns ali­a­dos, co­mo ali­men­tos e ati­vi­da­des, que aju­dam na pre­ven­ção e no tra­ta­men­to do Alzhei­mer e Par­kin­son

Segredos da Mente - - Primeira Página - TEX­TO Edu­ar­da Sou­za e Thi­a­go Ko­gu­chi /co­la­bo­ra­do­res EN­TRE­VIS­TAS Thi­a­go Ko­gu­chi / co­la­bo­ra­dor DE­SIGN jose ma­ra nas­ci­men­to

Ati­tu­des que po­dem pre­ve­nir do­en­ças que de­ge­ne­ram o cé­re­bro, além dos tra­ta­men­tos far­ma­co­ló­gi­cos dis­po­ní­veis

A pe­sar de to­dos os es­for­ços fei­tos pe­la ci­ên­cia na ten­ta­ti­va de en­con­trar a cu­ra de­fi­ni­ti­va pa­ra o Alzhei­mer e Par­kin­son, ain­da não dá pa­ra di­zer que es­sas do­en­ças po­dem ser com­ba­ti­das. Con­tu­do, exis­tem al­guns há­bi­tos ca­pa­zes de agir co­mo for­ma de pre­ven­ção des­ses dis­túr­bi­os. Ve­ja al­gu­mas ações que aju­dam na pro­lon­ga­ção da vi­da sau­dá­vel.

1. Pra­ti­que ati­vi­da­des fí­si­cas

A Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS) re­co­men­da que se­jam re­a­li­za­das ao me­nos du­as ho­ras e meia de exer­cí­ci­os du­ran­te a se­ma­na, pois as prá­ti­cas po­dem au­xi­li­ar na pre­ven­ção de do­en­ças co­mo Alzhei­mer e Par­kin­son. Is­so acon­te­ce por­que ati­vi­da­des fí­si­cas pro­mo­vem be­ne­fí­ci­os ao cé­re­bro, co­mo melhor de­sen­vol­vi­men­to do ra­ci­o­cí­nio e da me­mó­ria. Dan­ça, ci­clis­mo e ca­mi­nha­da são al­gu­mas ati­vi­da­des re­co­men­da­das. É in­te­res­san­te in­tro­du­zir pe­que­nos há­bi­tos na ro­ti­na que po­dem exer­ci­tar o cor­po, co­mo op­tar por su­bir es­ca­das em vez de usar o ele­va­dor quan­do pos­sí­vel.

2. Exer­ci­te seu cé­re­bro

Es­ti­mu­lar ati­vi­da­des ce­re­brais aju­da a re­du­zir o ris­co de de­sen­vol­ver do­en­ças que afe­tam es­sa par­te do cor­po. Pro­cu­re ta­re­fas que de­sa­fi­em o cé­re­bro, co­mo apren­der uma lín­gua ou a to­car um ins­tru­men­to. Jo­gos de es­tra­té­gia tam­bém são ali­a­dos por in­cen­ti­var que o pen­sa­men­to saia da zo­na de con­for­to. É im­por­tan­te trei­nar a ca­pa­ci­da­de de fi­xar in­for­ma­ções com pe­que­nas ações, co­mo me­mo­ri­zar uma lis­ta de com­pras e ler li­vros ou jor­nais.

3. Ali­men­te-se bem

Uma ali­men­ta­ção com­pos­ta por ve­ge­tais e in­gre­di­en­tes que con­te­nham ôme­ga 3 po­de aju­dar a pre­ve­nir o de­sen­vol­vi­men­to de do­en­ças neu­ro­de­ge­ne­ra­ti­vas. Es­ses ali­men­tos au­xi­li­am na nu­tri­ção ce­re­bral, de ma­nei­ra que o ór­gão fun­ci­o­ne melhor. Re­co­men­da-se a in­ges­tão de pei­xes, ve­ge­tais ver­des e fru­tas ver­me­lhas, co­mo mo­ran­go e ro­mã. Se­gun­do es­tu­do ci­en­tí­fi­co pu­bli­ca­do pe­la

Sci­en­ti­fic Re­ports, con­su­mir vi­nho tin­to di­a­ri­a­men­te re­duz as chan­ces do sur­gi­men­to de do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res e Alzhei­mer. En­tre­tan­to, o uso ex­ces­si­vo da be­bi­da tem o efei­to con­trá­rio. Uma ta­ça por dia é su­fi­ci­en­te.

4. Te­nha um so­no re­gu­la­do

Dor­mir pe­lo me­nos oi­to ho­ras por noi­te é um há­bi­to im­por­tan­te pa­ra a re­gu­la­ção e o fun­ci­o­na­men­to do ór­gão, já que au­xi­lia no des­can­so do mes­mo. Um so­no tran­qui­lo me­lho­ra a ca­pa­ci­da­de ce­re­bral de re­ter in­for­ma­ções e re­sol­ver pro­ble­mas. Um es­tu­do re­a­li­za­do pe­la So­ci­e­da­de de Neu­ro­ci­ên­cia dos Es­ta­dos Uni­dos re­ve­lou que a fal­ta de so­no na ado­les­cên­cia e no iní­cio da fa­se adul­ta po­de ser um ace­le­ra­dor no de­sen­vol­vi­men­to pre­co­ce de do­en­ças neu­ro­de­ge­ne­ra­ti­vas.

Pa­ra tra­tar

De ma­nei­ra ge­ral, não há co­mo evi­tar o sur­gi­men­to do Alzhei­mer ou Par­kin­son, já que a si­tu­a­ção de­pen­de do qua­dro neu­ro­ló­gi­co do pa­ci­en­te, que po­de apre­sen­tar uma pré-dis­po­si­ção ge­né­ti­ca pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to das pa­to­lo­gi­as. Des­sa ma­nei­ra, exis­tem tra­ta­men­tos que in­ter­vêm no avan­ço das do­en­ças, de mo­do que o en­fer­mo pos­sa, aos pou­cos, li­dar com a si­tu­a­ção e apren­der a ge­ren­ciá-la.

Um dos ob­je­ti­vos da me­di­ci­na é en­con­trar tra­ta­men­tos ca­pa­zes de de­sa­ce­le­rar ou mes­mo pa­ra­li­sar o pro­gres­so das do­en­ças. “Ain­da não exis­tem me­di­ca­men­tos ca­pa­zes de pa­rar efe­ti­va­men­te o Alzhei­mer, por exem­plo. Não há cu­ra e nem re­mé­di­os ca­pa­zes de pro­te­ger pes­so­as que apre­sen­tam fa­to­res de ris­co. Mas mui­tas pes­qui­sas são fei­tas pa­ra en­con­trar uma for­ma de re­ver­ter, ces­sar ou pre­ve­nir a per­da de neurô­ni­os e o em­po­bre­ci­men­to de co­ne­xões vis­tos nes­sa pa­to­lo­gia”, lem­bra Le­an­dro Te­les.

Por en­quan­to, as me­di­ca­ções atu­am pa­ra o Alzhei­mer, por exem­plo, ame­ni­zan­do os sintomas e ofe­re­cen­do me­lho­ra da qua­li­da­de de vi­da. “Ge­ral­men­te, os me­di­ca­men­tos são di­re­ci­o­na­dos aos sintomas vi­gen­tes e mais in­ca­pa­ci­tan­tes, tais co­mo re­mé­di­os pa­ra me­mó­ria ou pa­ra re­gu­lar so­no, hu­mor, apa­tia, com­por­ta­men­to, etc. Não exis­te re­cei­ta de bo­lo. Ca­da ca­so irá de­man­dar uma pres­cri­ção per­so­na­li­za­da, que de­ve­rá ser ajus­ta­da cons­tan­te­men­te à luz das re­a­va­li­a­ções neu­ro­ló­gi­cas”, des­cre­ve Te­les.

No ca­so do Alzhei­mer, as prin­ci­pais dro­gas dis­po­ní­veis até ho­je são ta­cri­na, do­ne­pe­zil, ri­vas­tig­mi­na e ga­lan­ta­mi­na, que en­tra­ram no mer­ca­do a par­tir dos anos 1990 e per­ten­cem ao gru­po das ini­bi­do­ras de co­li­nes­te­ra­ses – o no­me vem do fa­to de atu­a­rem blo­que­an­do as en­zi­mas res­pon­sá­veis por ca­ta­li­sar o neu­ro­trans­mis­sor cha­ma­do ace­til­co­li­na.

A res­pos­ta dos pa­ci­en­tes a elas cos­tu­ma ser he­te­ro­gê­nea. Is­so sig­ni­fi­ca que há quem pos­sa be­ne­fi­ci­ar-se mui­to do seu uso, en­quan­to ou­tros de­mons­tram re­sul­ta­dos me­nos sa­tis­fa­tó­ri­os. Os efei­tos po­si­ti­vos sur­gem en­tre 12 e 18 se­ma­nas, po­den­do re­a­pa­re­cer os sintomas de seis a oi­to se­ma­nas após a in­ter­rup­ção.

Li­nhas de es­tu­do adi­ci­o­nais ain­da ava­li­am os efei­tos com­ple­men­ta­res de subs­tân­ci­as an­ti­o­xi­dan­tes,

de an­ti-in­fla­ma­tó­ri­os não hor­mo­nais, de es­ta­ti­nas (re­mé­di­os em­pre­ga­dos no con­tro­le do co­les­te­rol) e da re­po­si­ção do hormô­nio es­tro­gê­nio.

Os sintomas da do­en­ça de Par­kin­son ge­ral­men­te res­pon­dem de ma­nei­ra sa­tis­fa­tó­ria aos fár­ma­cos in­di­ca­dos pa­ra o tra­ta­men­to. Os me­di­ca­men­tos têm a fun­ção de re­por par­ci­al­men­te a do­pa­mi­na au­sen­te no cor­po do pa­ci­en­te e de­vem ser usa­dos du­ran­te a vi­da do en­fer­mo a par­tir do di­ag­nós­ti­co. As subs­tân­ci­as são in­di­ca­das de acordo com a evo­lu­ção do qua­dro.

For­mas al­ter­na­ti­vas

A mu­si­co­te­ra­pia apre­sen­ta be­ne­fí­ci­os no tra­ta­men­to de am­bas efer­mi­da­des. Mú­si­cas agem di­re­ta­men­te na re­gião do cé­re­bro res­pon­sá­vel pe­las emo­ções, o que ge­ra mo­ti­va­ção e afe­ti­vi­da­de. Além dis­so, au­men­ta a pro­du­ção de en­dor­fi­na, subs­tân­cia en­car­re­ga­da de pro­du­zir a sen­sa­ção de pra­zer.

Se­gun­do a neu­ro­lo­gis­ta Thais Cu­per­man Pohl, “es­tu­dos ci­en­tí­fi­cos mos­tram que pa­drões rít­mi­cos fun­ci­o­nam co­mo um es­tí­mu­lo au­di­ti­vo pa­ra a co­or­de­na­ção dos pa­ci­en­tes, per­mi­tin­do que eles con­tro­lem melhor seus mo­vi­men­tos”. Can­ções tam­bém po­dem pro­mo­ver a pro­du­ção de do­pa­mi­na, neu­ro­trans­mis­sor res­pon­sá­vel pe­lo con­tro­le mo­tor, cu­ja pro­du­ção é afe­ta­da pe­lo Par­kin­son. Al­guns tra­ta­men­tos au­xi­li­a­res in­di­ca­dos são a fi­si­o­te­ra­pia e a fo­no­au­di­o­lo­gia, afim de re­du­zir os da­nos fun­ci­o­nais que as en­fer­mi­da­des cau­sam.

“Pa­drões rít­mi­cos fun­ci­o­nam co­mo um es­tí­mu­lo au­di­ti­vo pa­ra a co­or­de­na­ção dos pa­ci­en­tes, per­mi­tin­do que eles con­tro­lem melhor seus mo­vi­men­tos”

Thais Cu­per­man Pohl, neu­ro­lo­gis­ta

CONSULTORIAS Le­an­dro Te­les, neu­ro­lo­gis­ta; Thais Cu­per­man Pohl, neu­ro­lo­gis­ta e ge­ren­te mé­di­ca da fran­quia Sis­te­ma Ner­vo­so Cen­tral, na Aché La­bo­ra­tó­ri­os.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.