A LU­TA DA CI­ÊN­CIA

Es­tu­dos têm apre­sen­ta­do avan­ços na com­pre­en­são do Alzhei­mer e Par­kin­son. En­tre­tan­to, pes­qui­sa­do­res con­ti­nu­am se des­do­bran­do pa­ra en­con­trar so­lu­ções con­cre­tas pa­ra as do­en­ças

Segredos da Mente - - Primeira Página - TEX­TO MATHEUS SANTOS/CO­LA­BO­RA­DOR EN­TRE­VIS­TAS ÉRI­KA AL­FA­RO E THI­A­GO KO­GU­CHI/CO­LA­BO­RA­DOR DE­SIGN jo­se­ma­ra nas­ci­men­to

No­vos es­tu­dos ci­en­tí­fi­cos re­a­cen­dem a es­pe­ran­ça pa­ra en­con­trar a cu­ra des­ses trans­tor­nos da men­te

E m 1817, o mé­di­co bri­tâ­ni­co Ja­mes Par­kin­son es­cre­veu um tex­to cha­ma­do Um En­saio so­bre a Pa­ra­li­sia Agi­tan­te, no qual de­fi­nia as con­di­ções de uma no­va do­en­ça que, pos­te­ri­or­men­te, le­va­ria seu so­bre­no­me e que ti­nha co­mo ca­rac­te­rís­ti­cas ri­gi­dez, tre­mor e len­ti­dão de mo­vi­men­tos cor­po­rais. Qua­se 90 anos de­pois, em 1906, o psi­qui­a­tra ale­mão Alois Alzhei­mer re­la­tou o ca­so da pa­ci­en­te Au­gus­te De­ter, so­bre o qual ele re­gis­tra­va uma iné­di­ta pa­to­lo­gia, mar­ca­da pe­lo pre­juí­zo de me­mó­ria e di­fi­cul­da­de em re­a­li­zar ta­re­fas bá­si­cas. Por mais que te­nham sintomas di­fe­ren­tes, Par­kin­son e Alzhei­mer con­ver­gem em um sen­ti­do: am­bas do­en­ças são al­vos de pes­qui­sa­do­res em bus­ca de cu­ra ou, ao me­nos, des­co­ber­tas que di­mi­nu­am as afli­ções sen­ti­das pe­los pa­ci­en­tes dos dis­túr­bi­os.

A mis­são é de­sa­fi­a­do­ra. De acordo com in­for­ma­ções di­vul­ga­das pe­la Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS), apro­xi­ma­da­men­te 47 mi­lhões de pes­so­as con­vi­vem com o Alzhei­mer no mun­do; quan­to ao Par­kin­son, 1% da po­pu­la­ção glo­bal aci­ma dos 65 anos. A ten­dên­cia pa­ra as du­as é de au­men­to do re­gis­tro de ca­sos nos pró­xi­mos anos. Por­tan­to, além de ten­ta­rem en­con­trar mé­to­dos mais avan­ça­dos de tra­ta­men­to e pre­ven­ção con­tra as en­fer­mi­da­des, mé­di­cos tam­bém cor­rem con­tra o tempo pa­ra en­con­trar so­lu­ções. Con­fi­ra al­gu­mas das mais re­cen­tes pes­qui­sas a se­guir.

Re­pro­gra­man­do o cé­re­bro

Por se­rem do­en­ças neu­ro­de­ge­ne­ra­ti­vas, Al- zhei­mer e Par­kin­son sur­gem em fun­ção de um pro­gres­si­vo com­pro­me­ti­men­to da cog­ni­ção que afe­ta cé­lu­las neu­rais, is­to é, pou­co a pou­co, o es­tá­gio das do­en­ças se de­sen­vol­ve, tra­zen­do in­ca­pa­ci­ta­ções pa­ra o cor­po e a men­te. Uma abor­da­gem ca­da vez mais po­pu­lar em pes­qui­sas é a uti­li­za­ção de cé­lu­las-tronco, que, em te­se, se­ri­am ca­pa­zes de pa­rar es­se pre­juí­zo. Quan­do in­se­ri­das no or­ga­nis­mo e bem- su­ce­di­das, as cé­lu­las-tronco po­dem ser res­pon­sá­veis pe­la re­ge­ne­ra­ção de te­ci­dos e es­tru­tu­ras in­ca­pa­ci­ta­das com o de­cor­rer da do­en­ça. Pu­bli­ca­da na re­vis­ta ci­en­tí­fi­ca De­ve­lop­men

tal Cell em 2018, uma pes­qui­sa lan­çou no­vas in­for­ma­ções so­bre a fun­ci­o­na­li­da­de das cé­lu­las re­pa­ra­do­ras no com­ba­te ao Alzhei­mer. O es­tu­do, con­du­zi­do por pes­qui­sa­do­res de di­ver­sas ins­ti­tui­ções ci­en­tí­fi­cas ale­mãs, de­fi­niu que, cri­an­do um sis­te­ma ba­se­a­do em po­lí­me­ros (com­pos­tos de ma­cro­mo­lé­cu­las) sin­to­ni­zá­veis, é pos­sí­vel ge­rar uma re­de tri­di­men­si­o­nal de cé­lu­las que si­mu­la re­des neu­ro­nais do cé­re­bro hu­ma­no. Ape­sar de as cé­lu­las es­ta­rem pre­sen­tes no cor­po, elas per­dem sua fun­ci­o­na­li­da­de com o avan­ço do Alzhei­mer, o que po­de­ria ser so­lu­ci­o­na­do com a no­va téc­ni­ca.

Con­tu­do, ain­da que pro­mis­so­res, os da­dos di­vul­ga­dos pe­lo es­tu­do não fo­ram tes­ta­dos em hu­ma­nos e seus re­sul­ta­dos aguar­dam com­pro­va­ção, por is­so, só po­de­rão ser ob­ser­va­dos em pos­sí­veis be­ne­fí­ci­os fu­tu­ros. De acordo com o neu­ro­lo­gis­ta Mar­tin Port­ner, is­so se de­ve a uma di­fi­cul­da­de da área ci­en­tí­fi­ca em en­con­trar so­lu­ções com as cé­lu­las pa­ra o tra­ta­men­to do

Alzhei­mer, o que não se no­ta em ou­tras do­en­ças. “Em­bo­ra a te­ra­pia ba­se­a­da em cé­lu­las-tronco no tra­ta­men­to da do­en­ça de Alzhei­mer te­nha ti­do iní­cio, seus pas­sos são va­ga­ro­sos quan­do com­pa­ra­dos ao uso des­sas es­tru­tu­ras em ou­tras do­en­ças neu­ro­ló­gi­cas. En­sai­os so­bre le­sões trau­má­ti­cas da me­du­la es­pi­nal e aci­den­te vas­cu­lar ce­re­bral (AVC) já têm ve­ri­fi­ca­do avan­ços, por exem­plo”, res­sal­ta o es­pe­ci­a­lis­ta.

Em re­la­ção ao Par­kin­son, os re­sul­ta­dos pa­re­cem ca­mi­nhar a pas­sos mais lar­gos. O tra­ta­men­to com as cé­lu­las-tronco, ca­da vez com mai­or pre­sen­ça, con­so­li­da-se co­mo um mé­to­do pa­ra a do­en­ça. “Os pro­to­co­los de tra­ta­men­tos com ba­se nes­se ti­po de pro­ce­di­men­to es­tão ca­da vez mais fre­quen­tes, pois uti­li­zam-se, atu­al­men­te, cé­lu­las adul­tas e li­vres de im­pu­re­zas, o que ga­ran­te mai­or efi­ci­ên­cia”, afir­ma Nel­son Tat­sui, he­ma­to­lo­gis­ta da Uni­ver­si­da­de de São Paulo ( USP). Co­mo um exem­plo, em 2018, ci­en­tis­tas da Uni­ver­si­da­de de Kyo­to, no Ja­pão, anun­ci­a­ram que da­ri­am iní­cio, em pes­so­as com a do­en­ça, aos pri­mei­ros tes­tes de uma no­va abor­da­gem te­ra­pêu­ti­ca. Pa­ra is­so, os mé­di­cos uti­li­za­ri­am cé­lu­las plu­ri­po­ten­tes in­du­zi­das ( IPS), no tra­ta­men­to. Quan­do in­je­ta­das no cé­re­bro, as cé­lu­las se­ri­am re­pro­gra­ma­das pa­ra se tor­na­rem neurô­ni­os.

Es­tí­mu­los be­né­fi­cos

In­di­ca­da quan­do o pa­ci­en­te não tem me­lho­ri­as com o uso de me­di­ca­men­tos, a téc­ni­ca de es­ti­mu­la­ção ce­re­bral pro­fun­da é uti­li­za­da pa­ra do­en­ças neu­ro­ló­gi­cas e psi­quiá­tri­cas. O pro­ce­di­men­to, que con­sis­te em uma ci­rur­gia, im­plan­ta no cé­re­bro um ele­tro­do pa­ra es­ti­mu­lar de­ter­mi­na­das re­giões do ór­gão. Des­sa for­ma, o mé­to­do bus­ca im­pul­si­o­nar uma avan­ço, por meio de um neu­ro­es­ti­mu­la­dor, com re­la­ção aos sintomas pre­sen­ci­a­dos.

Po­pu­lar no tra­ta­men­to do Par­kin­son, a téc­ni­ca é re­co­men­da­da tam­bém co­mo uma for­ma de se di­mi­nuir o con­su­mo de me­di­ca­men­tos pres­cri­tos e ado­tar um tra­ta­men­to mais sau­dá­vel pa­ra a do­en­ça, já que, de acordo com es­pe­ci­a­lis­tas, po­de cau­sar me­lho­ria no so­no e um mai­or aflo­ra­men­to dos sen­ti­dos (sen­tir chei­ros ou apro­vei­tar melhor o gos­to do ali­men­to, por exem­plo). “A te­ra­pia de es­ti­mu­la­ção ce­re­bral pro­fun­da é uma das mais avan­ça­das pa­ra tra­tar a con­di­ção, pro­por­ci­o­nan­do que os pa­ci­en­tes fi­quem lon­gos pe­río­dos sem sintomas mo­to­res”, apon­ta Mu­ri­lo Ma­ri­nho, co­or­de­na­dor de neu­ro­ci­rur­gia do Hos­pi­tal de São Paulo.

Quan­to aos be­ne­fí­ci­os pa­ra o Alzhei­mer, a téc­ni­ca, com­pro­va­da­men­te, po­de ser uti­li­za­da pa­ra re­tar­dar o avan­ço da do­en­ça. De acordo com o es­tu­do pu­bli­ca­do na re­vis­ta mé­di­ca Jour­nal of

Alzhei­mer’s Di­se­a­se, fei­to por pes­qui­sa­do­res da Uni­ver­si­da­de de Ohio, nos Es­ta­dos Uni­dos, e di­vul­ga­do em 2018, no­tou-se que, com o es­tí­mu­lo da re­gião do lo­bo fron­tal (res­pon­sá­vel pe­la ca­pa­ci­da­de de or­ga­ni­za­ção), os pa­ci­en­tes apre­sen­ta­ram uma de­sa­ce­le­ra­ção do de­clí­nio da do­en­ça.

Fer­ra­men­tas de com­ba­te

Pa­ra a men­te hu­ma­na fun­ci­o­nar a to­do va­por, men­sa­gei­ros quí­mi­cos, co­mo a do­pa­mi­na, são ne­ces­sá­ri­os. Se a pro­du­ção de subs­tân­ci­as neu­rais pa­rar – mes­mo que de for­ma pro­gres­si­va e não drás­ti­ca –, o cé­re­bro se atro­fia e pas­sa a per­der a ca­pa­ci­da­de cog­ni­ti­va de co­or­de­nar ações bá­si­cas. É o que ocor­re com a do­en­ça de Par­kin­son. Assim sen­do, os me­di­ca­men­tos pres­cri­tos por es­pe­ci­a­lis­tas, ge­ral­men­te, con­ver­gem pa­ra sa­nar a fal­ta des­sa subs­tân­cia, o que po­de, en­tre­tan­to, ser um pro­ble­ma ao pon­to em que per­dem efei­tos e não se tor­nam uma so­lu­ção de­fi­ni­ti­va pa­ra a me­lho­ra do qua­dro.

Quan­to ao Alzhei­mer, seu sur­gi­men­to é in­cer­to, e o di­ag­nós­ti­co com­ple­to só po­de ser fei­to após a mor­te do pa­ci­en­te. Con­tu­do, al­guns fa­to­res são in­di­ca­ti­vos, e o com­ba­te já po­de ser de­fi­ni­do se­guin­do al­gu­mas fren­tes (que in­clu­si­ve têm si­do al­vos de es­tu­dos es­pe­ci­a­li­za­dos): o uso de uma pro­teí­na, cha­ma­da fa­tor de cres­ci­men­to neu­ral ( NGF, si­gla em in­glês pa­ra ner­ve growth

fac­tor), o emprego de ini­bi­do­res da pro­teí­na be­ta-ami­loi­de e, até mes­mo, a pos­si­bi­li­da­de de uma imu­no­te­ra­pia vol­ta­da a do­en­ça.

Por­tan­to, em meio ao ce­ná­rio ain­da con­tro­ver­so en­tre ex­pec­ta­ti­va e re­a­li­da­de pa­ra des­co­brir a cu­ra do Alzhei­mer, exis­tem mo­ti­vos de es­pe­ran­ça co­mo uma evo­lu­ção no pro­ces­so di­ag­nós­ti­co (ho­je apon­tan­do a pre­sen­ça da pro­teí­na be­ta-ami­loi­de no cor­po de in­di­ví­du­os com Alzhei­mer), a exis­tên­cia de re­mé­di­os (bem-su­ce­di­dos a cur­to pra­zo) e o de­sen­vol­vi­men­to de pes­qui­sas vol­ta­das pa­ra a di­mi­nui­ção des­sa subs­tân­cia no or­ga­nis­mo. “Es­ta­mos no ca­mi­nho cer­to. Mas ain­da é ce­do pa­ra des­can­sar. Pa­ra o pa­ci­en­te se sen­tir ali­vi­a­do, não bas­ta a no­tí­cia da des­co­ber­ta, mas sim a de que uma so­lu­ção já foi de­vi­da­men­te tes­ta­da, o tra­ta­men­to for­mu­la­do e que es­tá sen­do co­lo­ca­do à dis­po­si­ção pa­ra apli­ca­ção”, co­men­ta a psi­qui­a­tra e neu­ro­ci­en­tis­ta Cé­lia Cor­tez.

Cui­da­dos es­sen­ci­ais

Nes­se con­tex­to in­de­fi­ni­do a res­pei­to de uma so­lu­ção de­fi­ni­ti­va pa­ra am­bas do­en­ças, ca­be ao pa­ci­en­te re­cor­rer saí­das que, mui­tas ve­zes, exis­tem pa­ra mi­ni­mi­zar os sintomas Assim sen­do, é pri­mor­di­al que o in­di­ví­duo se­ja in­se­ri­do em uma ro­ti­na ade­qua­da e em um am­bi­en­te no qual os fa­mi­li­a­res, ami­gos ou aque­les ao seu re­dor ofe­re­çam um grau sig­ni­fi­ca­ti­vo de aten­ção e afe­to. “É im­por­tan­te que a pes­soa ado­te al­gu­mas ações, co­mo a prá­ti­ca de ati­vi­da­des fí­si­cas, ali­men­ta­ção sau­dá­vel e o con­ta­to fre­quen­te com fa­mi­li­a­res de ma­nei­ra harmô­ni­ca. Tam­bém é re­co­men­da­do uma au­to­no­mia cui­da­do­sa, re­a­li­zan­do al­gu­mas ati­vi­da­des de casa que não acar­re­tem ris­cos, além de re­do­brar a aten­ção com o emo­ci­o­nal, pa­ra que não se en­tre em um qua­dro de­pres­si­vo e agra­ve a do­en­ça”, sa­li­en­ta o neu­ro­lo­gis­ta An­dré Li­ma.

Ou­tro fa­tor re­le­van­te é a pre­ven­ção. Ape­sar do Alzhei­mer e Par­kin­son te­rem em um dos seus prin­ci­pais fa­to­res de ris­co a ida­de, al­guns cui­da­dos po­dem ser to­ma­dos. Aten­ção es­pe­ci­al pa­ra o se­den­ta­ris­mo, ta­ba­gis­mo, hi­per­ten­são e co­les­te­rol são me­di­das pa­ra quem bus­ca ações que di­mi­nu­am as chan­ces das do­en­ças. Ado­tar uma ro­ti­na sau­dá­vel com uma boa noi­te de so­no e uma ali­men­ta­ção re­gra­da e nu­tri­ti­va tam­bém é um con­se­lho po­pu­lar dos es­pe­ci­a­lis­tas. Con­fi­ra mais so­bre a im­por­tân­cia des­sas me­di­das a fim de um bom fun­ci­o­na­men­to ce­re­bral na pá­gi­na 11.

De acordo com in­for­ma­ções di­vul­ga­das pe­la Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS), apro­xi­ma­da­men­te 47 mi­lhões de pes­so­as con­vi­vem com o Alzhei­mer no mun­do; quan­to ao Par­kin­son, 1% da po­pu­la­ção glo­bal aci­ma dos 65 anos.

CONSULTORIAS An­dré Li­ma, neu­ro­lo­gis­ta e mem­bro da Aca­de­mia Bra­si­lei­ra de Neu­ro­lo­gia (ABN); Cé­lia Cor­tez, psi­qui­a­tra e neu­ro­ci­en­tis­ta; Mar­tin Port­ner, neu­ro­lo­gis­ta e mes­tre em neu­ro­ci­ên­cia pe­la Uni­ver­si­da­de de Ox­ford, na In­gla­ter­ra; Mu­ri­lo Ma­ri­nho, co­or­de­na­dor de neu­ro­ci­rur­gia do Hos­pi­tal de São Paulo; Nel­son Tat­sui, he­ma­to­lo­gis­ta do Hos­pi­tal das Clí­ni­cas da Uni­ver­si­da­de de São Paulo (USP).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.