BIKE NO CAR­RO

Sai­ba co­mo trans­por­tar a ma­gre­la no seu au­to­mó­vel de for­ma se­gu­ra e de acor­do com a lei e fu­ja das mul­tas

Sport Life - - NESTA EDIÇÃO - Por ÁL­VA­RO PERAZZOLLI

As re­gras pa­ra trans­por­tar a sua ma­gre­la no car­ro. Sem chan­ces de ser mul­ta­do, cla­ro

Es­tá mais do que pro­va­do que é pos­sí­vel vi­ver na ci­da­de sem um car­ro, em­bo­ra a imen­sa mai­o­ria das pes­so­as re­cla­me di­a­ri­a­men­te da qua­li­da­de do trans­por­te co­le­ti­vo das gran­des ca­pi­tais. O au­to­mó­vel, no en­tan­to, é qua­se um ar­ti­go de pri­mei­ra ne­ces­si­da­de pa­ra qu­em pre­ci­sa le­var a ma­gre­la pa­ra pro­vas fo­ra da ci­da­de ou fa­zer uma tri­lha no fim de se­ma­na. O car­ro tam­bém é um tre­men­do fa­ci­li­ta­dor pa­ra qu­em de­se­ja pe­da­lar quan­do es­tá vi­a­jan­do. Racks de te­to, su­por­tes tra­sei­ros e de en­ga­tes, ca­çam­bas, re­bo­ques e até por­ta-ma­las. Exis­tem di­ver­sas ma­nei­ras trans­por­tar a bi­ci­cle­ta em um veí­cu­lo au­to­mo­ti­vo, mas nem sem­pre o usuá­rio sa­be co­mo pro­ce­der pa­ra fu­gir de pos­sí­veis mul­tas. As dú­vi­das mais co­muns di­zem res­pei­to à se­gu­ran­ça, ao li­mi­te de al­tu­ra pa­ra o trans­por­te no te­to e co­mo uti­li­zar su­por­tes tra­sei­ros, já que eles po­dem ta­par a pla­ca e as lu­zes e ren­der uma in­fra­ção e a per­da de pon­tos na car­tei­ra de ha­bi­li­ta­ção.

O ci­clis­ta Clay­ton Pa­lo­ma­res, de Rio Cla­ro, in­te­ri­or de São Pau­lo, diz que le­va a bi­ci­cle­ta em um su­por­te tra­sei­ro, pre­so no por­ta-ma­las. “Te­nho uma pla­ca re­ser­va pa­ra afi­xar na bike e evi­tar mul­tas.” Ele con­ta que uma vez foi pa­ra­do e, após mui­ta con­ver­sa, foi pou­pa­do da mul­ta. “Mos­trei que a bi­ci­cle­ta não es­ta­va en­co­brin­do as lu­zes do car­ro e que eu ti­nha pro­vi­den­ci­a­do uma pla­ca re­ser­va. Fui re­pre­en­di­do e ad­ver­ti­do. O po­li­ci­al dis­se que a pla­ca de­ve­ria ser la­cra­da”. A dú­vi­da do ci­clis­ta é das mais co­muns. Mui­tos con­du­to­res fa­zem uma pla­ca por con­ta pró­pria e a co­lo­cam de for­ma adap­ta­da, o que é er­ra­do. De acor­do com o Con­se­lho Na­ci­o­nal de Trân­si­to ( Con­tran), pa­ra se trans­por­tar uma bike na par­te tra­sei­ra de um au­to­mó­vel não bas­ta ter ape­nas uma pla­ca ex­tra. É obri­ga­tó­rio co­lo­car uma ré­gua de si­na­li­za­ção na bi­ci­cle­ta, no ca­so de as lan­ter­nas tra­sei­ras do car­ro fi­ca­rem obs­truí­das pe­las bi­kes, as­sim co­mo a pla­ca. Na ré­gua de­ve­rá vir uma se­gun­da pla­ca. E ela, cla­ro, de­ve ser ofi­ci­al. Bas­ta re­que­rer uma no ór­gão de trân­si­to da sua ci­da­de.

Al­guns ci­clis­tas acham mais se­gu­ro re­a­li­zar o trans­por­te no te­to, pois, em ca­so de co­li­são tra­sei­ra, a bike não so­fre da­nos. É o ca­so do pra­ti­can­te de dow­nhill Edu­ar­do Mit­ne, que re­si­de na ci­da­de de São Pau­lo. “Pre­fi­ro le­var no te­to. Não te­nho dor de ca­be­ça com a pla­ca e pa­re­ce que fi­ca mais fir­me.” Mit­ne re­ve­la que tam­bém já foi abor­da­do por po­li­ci­ais quan­do uti­li­za­va su­por­tes tra­sei­ros. “Não le­vei mul­ta, mas ga­nhei um ser­mão. O po­li­ci­al me dis­se, er­ra­da­men­te, que o rack tra­sei­ro era proi­bi­do. Se­gun­do ele, só não fui mul­ta­do por­que a pla­ca não es­ta­va en­co­ber­ta.” Bre­no Mo­ri mo­ra em São Pau­lo e tam­bém pra­ti­ca dow­nhill. Ele con­ta que já foi pa­ra­do pe­la Po­lí­cia Ro­do­viá­ria Fe­de­ral por trans­por­tar a bike no te­to. “Eles con­fe­ri­ram a ins­ta­la­ção e me in­for­ma­ram que a lei só au­to­ri­za trans­por­tar no te­to ba­ga­gem com até 90 cm de al­tu­ra. Fui li­be­ra­do, mas ad­ver­ti­do de que era proi­bi­do le­var uma bi­ci­cle­ta tão al­to”, fa­lou Bre­no. O po­li­ci­al que abor­dou Mo­ri o ad­ver­tiu in­cor­re­ta­men­te, o que sig­ni­fi­ca que nem as au­to­ri­da­des es­tão por den­tro do as­sun­to. O Con­tran de­fi­ne que a al­tu­ra má­xi­ma pa­ra o trans­por­te de car­ga no te­to é de 50 cm, po­rém a re­gra não se apli­ca a bi­ci­cle­tas. Se­gun­do a nor­ma, vá­li­da em to­do o país, é per­mi­ti­do trans­por­tar bi­ci­cle­tas na par­te pos­te­ri­or ex­ter­na ou so­bre o te­to do veí­cu­lo. Pa­ra tan­to, é pre­ci­so que ela se­ja fi­xa­da em dis­po­si­ti­vo apro­pri­a­do, mó­vel ou fi­xo, apli­ca­do di­re­ta­men­te ao veí­cu­lo ou aco­pla­do ao gan­cho de re­bo­que. A nor­ma diz que, na hi­pó­te­se de a bike ser trans­por­ta­da so­bre o te­to, não se apli­ca a al­tu­ra es­pe­ci­fi­ca­da no pa­rá­gra­fo 2º do ar­ti­go 5°, ou se­ja, a lei a ex­clui do li­mi­te de al­tu­ra.

O mo­de­lo ide­al

A me­lhor ma­nei­ra de trans­por­tar a ma­gre­la de­pen­de de ca­da con­su­mi­dor. O con­du­tor ou o ci­clis­ta de­vem bus­car so­lu­ções con­di­zen­tes com o ti­po de bi­ci­cle­ta, o uso que se­rá da­do a ela e o ti­po de car­ro. Al­tu­ra e bi­o­ti­po fí­si­co tam­bém en­tram na con­ta, pois fa­zem a di­fe­ren­ça pa­ra qu­em vai co­lo­car a ma­gre­la so­zi­nho no su­por­te de te­to. A mar­ca do su­por­te é ou­tro as­pec­to a ser con­si­de­ra­do. Va­le a pe­na gas­tar um pou­co mais e ad­qui­rir um mo­de­lo de uma em­pre­sa re­no­ma­da, que ofe­re­ça ga­ran­tia e pos­sua se­lo de cer­ti­fi­ca­ção na­ci­o­nal ou in­ter­na­ci­o­nal. Is­so re­for­ça ain­da mais a se­gu­ran­ça e as­se­gu­ra a aqui­si­ção de um pro­du­to de qua­li­da­de. Se­gun­do Ga­bri­el Es­cu­de­ro, da Thu­le, mar­ca de su­por­tes pa­ra bi­ci­cle­tas, a mai­or dú­vi­da do con­su­mi­dor diz res­pei­to ao ti­po de pro­du­to que ele de­ve com­prar. “Sem­pre per­gun­ta­mos o mo­de­lo do car­ro, o ano e a pre­fe­rên­cia de su­por­te pa­ra ofe­re­ce­re­mos a me­lhor so­lu­ção”, in­for­ma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.