Pre­ci­o­sas li­ções

O que ho­mens po­dem apren­dem com as mu­lhe­res na cor­ri­da e o que elas po­dem apren­der com eles?

Sport Life - - RUNNING #VETERANOS - Por MA­RI­NA GO­MES fo­tos WAGNER ARAÚJO

Coi­sa de me­ni­no, coi­sa de me­ni­na”. No es­por­te, es­sa di­vi­são apre­sen­ta con­tor­nos ain­da for­tes – e ar­cai­cos –, mas que ten­dem, ca­da vez mais, a de­sa­pa­re­cer. Com­pe­ti­ti­vi­da­de, agres­si­vi­da­de, or­ga­ni­za­ção, obe­di­ên­cia e tan­tas ou­tras ca­rac­te­rís­ti­cas são ain­da mui­to as­so­ci­a­das a ca­da se­xo. O ide­al, lo­gi­ca­men­te, é que as prin­ci­pais qua­li­da­des se­jam com­par­ti­lha­das por to­dos. Pa­ra aju­dar a re­du­zir es­sa dis­pa­ri­da­de, que tal ob­ser­var o que o “ou­tro la­do” es­tá fa­zen­do de me­lhor? Per­gun­ta­mos pa­ra vá­ri­os trei­na­do­res o que se po­de apren­der com o se­xo opos­to.

Pa­ra o trei­na­dor Ro­ber­to Ta­dao Dum, da Rio Saú­de Con­sul­to­ria Es­por­ti­va (RJ), que ilus­tra a ca­pa des­ta edi­ção com a mu­lher, a pro­fes­so­ra de edu­ca­ção fí­si­ca e tam­bém cor­re­do­ra Mô­ni­ca Pe­ça­nha, as tro­cas são pos­sí­veis e de­se­já­veis. “Na mi­nha opi­nião, os mai­o­res apren­di­za­dos com as mu­lhe­res são a or­ga­ni­za­ção, o me­nor ques­ti­o­na­men­to dos trei­nos e o exe­cu­tar. Elas acei­tam me­lhor as ori­en­ta­ções do trei­na­dor. Tam­bém apren­di mui­to com mi­nha mu­lher, prin­ci­pal­men­te a ter de­ter­mi­na­ção e a cur­tir a cor­ri­da in­de­pen­den­te­men­te da in­ten­si­da­de”, diz. Já Mô­ni­ca diz que o mai­or apren­di­za­do na cor­ri­da com o ma­ri­do foi co­mo ser mais com­pe­ti­ti­va. “Tam­bém apren­di a ser mais con­fi­an­te e ter mai­or con­tro­le das mi­nhas emo­ções. Com is­so, con­se­gui al­can­çar ob­je­ti­vos que até en­tão eram ‘ im­pos­sí­veis’ pa­ra mim: com­ple­tei du­as mei­as ma­ra­to­nas.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.