Van­ta­gens do trei­no in­do­or

Sport Life - - TRAINING -

“Qu­an­do vo­cê trei­na na esteira, vo­cê fi­ca pro­te­gi­do das va­ri­a­ções de con­di­ções cli­má­ti­cas, co­mo chu­va, tem­po se­co e po­lui­ção”, res­sal­ta Barros. Pon­to pa­ra a esteira, já que as chan­ces de vo­cê jo­gar no tem­po a cul­pa de não en­fren­tar o trei­no fi­cam pra­ti­ca­men­te re­du­zi­das a ze­ro. Ou­tro pon­to a fa­vor da esteira: vo­cê po­de cor­rer em qual­quer ho­rá­rio. “Trei­nar na esteira é mais prá­ti­co, mais rá­pi­do e vo­cê não pre­ci­sa de mui­to es­pa­ço pa­ra is­so. Bas­ta su­bir no equi­pa­men­to e es­tá tu­do re­sol­vi­do”, sa­li­en­ta Pau­lo Hen­ri­que San­tos, ges­tor da aca­de­mia Body Pla­net e trei­na­dor da equi­pe Run4Fun (RJ).

E o mais im­por­tan­te: esteira re­duz as chan­ces de vo­cê se ma­chu­car, já que ela é equi­pa­da com um sis­te­ma que amor­te­ce o im­pac­to, coi­sa que o as­fal­to ob­vi­a­men­te não tem. “A úni­ca dor que vo­cê po­de sen­tir é na ca­ne­la, jus­ta­men­te por cau­sa des­se amor­te­ce­dor”, com­ple­ta San­tos.

To­do cui­da­do é pou­co

Mas nem tu­do são ma­ra­vi­lhas. Cor­rer usan­do o equi­pa­men­to re­quer al­guns cui­da­dos. “Usar ape­nas a esteira po­de tra­zer al­guns pre­juí­zos, to­dos con­tor­ná­veis. Um de­les se re­fe­re à qua­li­da­de da pas­sa­da. Uma das prin­ci­pais al­te­ra­ções que a esteira pro­por­ci­o­na em re­la­ção à cor­ri­da de rua é na pos­tu­ra do cor­po do cor­re­dor e, con­se­quen­te­men­te, na mus­cu­la­tu­ra exi­gi­da”, ex­pli­ca Barros. Daí a im­por­tân­cia de va­ri­ar o trei­na­men­to. Mais: co­mo o es­pa­ço pa­ra se mo­ver é mais re­du­zi­do, vo­cê po­de vi­rar re­fém dos pas­sos cur­ti­nhos. “Pa­ra que is­so não ocor­ra, é pre­ci­so fa­zer al­gum trei­no na rua, pois, as­sim, o cor­re­dor apren­de a se acos­tu­mar com os con­tra­tem­pos. Pre­fi­ra cor­rer no mes­mo ho­rá­rio em que a sua pro­va ocor­re­rá, pois já vai se acos­tu­man­do com o cli­ma”, re­co­men­da San­tos. Usar o as­fal­to pa­ra cor­rer de vez em qu­an­do tam­bém é im­por­tan­te pa­ra que a sua mus­cu­la­tu­ra não so­fra na ho­ra da pro­va. “Ao trei­nar na rua, ha­ve­rá uma exi­gên­cia mai­or da mus­cu­la­tu­ra pos­te­ri­or da co­xa, res­pon­sá­ In­ter­va­la­dos

na esteira dei­xam o trei­no mais in­te­res­san­te

vel pe­la pro­pul­são da pas­sa­da. Na esteira, quem faz gran­de par­te des­se pa­pel é o mo­tor do apa­re­lho. Ou­tro pon­to que di­fi­cul­ta um pou­co mais es­se tra­ba­lho é o fa­to de, na esteira, o chão es­tar sem­pre em mo­vi­men­to e o cor­re­dor atrás de­le. Ou se­ja, o chão é o pon­to mó­vel, ao con­trá­rio do que acon­te­ce na rua”, diz Barros. Além das ses­sões pre­vis­tas na pla­ni­lha, apos­te tam­bém em exer­cí­ci­os edu­ca­ti­vos, co­mo o skip­ping (cor­ri­da com o cal­ca­nhar al­to, en­cos­tan­do no bum­bum) e em exer­cí­ci­os de pro­pri­o­cep­ção. Ou­tro cui­da­do é com o rit­mo que vai im­pri­mir aos trei­nos. O fa­to de aper­tar um bo­tão e sair cor­ren­do po­de fa­ci­li­tar o exa­ge­ro. “A esteira nor­mal­men­te di­ta o rit­mo da cor­ri­da. O que acon­te­ce mui­to é o atle­ta cor­rer mais for­te do que es­tá pre­pa­ra­do e, mui­tas ve­zes, fa­di­gar an­tes do fi­nal da pro­va”, ava­lia Carl­lo. Ou­tro pon­to a que se de­ve fi­car aten­to: na rua, o ter­re­no é ins­tá­vel. Por is­so, o cor­re­dor de­ve es­tar li­ga­do a on­de es­tá pi­san­do, a fim de evi­tar en­tor­ses, que­das e ou­tros aci­den­tes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.