PRO­MO­VA UMA EXPLOSÃO EM SUA COR­RI­DA

Mas não se pre­o­cu­pe, pois as úni­cas coi­sas que vão ser des­truí­das são o bai­xo ren­di­men­to, o gas­to des­ne­ces­sá­rio de ener­gia e as le­sões. Vo­cê vai lan­çar mão de uma ar­ma se­cre­ta: a pli­o­me­tria, exer­cí­ci­os rá­pi­dos e ex­plo­si­vos que vão tur­bi­nar as su­as pas­sa­da

Sport Life - - NESTA EDIÇÃO - Por THAIS SZEGÖ

Mas não se pre­o­cu­pe, pois as úni­cas coi­sas que vão ser des­truí­das são o bai­xo ren­di­men­to, o gas­to des­ne­ces­sá­rio de ener­gia e as le­sões. Vo­cê vai lan­çar mão de uma ar­ma se­cre­ta: a pli­o­me­tria, exer­cí­ci­os rá­pi­dos e ex­plo­si­vos que vão tur­bi­nar as su­as pas­sa­das

Ono­me é com­pli­ca­do, mas os mo­vi­men­tos são bem sim­ples e ca­pa­zes de dar um “up” no seu de­sem­pe­nho. Es­ta­mos fa­lan­do da pli­o­me­tria, exer­cí­ci­os rá­pi­dos e ex­plo­si­vos bo­la­dos pa­ra de­sen­vol­ver for­ça, ve­lo­ci­da­de e con­di­ci­o­na­men­to. Com eles, en­si­na­mos o cor­po a pro­du­zir for­ça e a con­trair rá­pi­da e vi­go­ro­sa­men­te. “As­sim, é ex­plo­ra­da a ca­pa­ci­da­de que os mús­cu­los têm de es­to­car ener­gia pro­ve­ni­en­te de um mo­vi­men­to pa­ra uti­li­zá-la no se­guin­te, au­men­tan­do a sua po­tên­cia”, con­ta An­drew Kas­tor, fi­si­o­lo­gis­ta do exer­cí­cio e trei­na­dor de ma­ra­to­nis­tas na Ca­li­fór­nia ( EUA). “Es­tu­dos já mos­tra­ram que, com is­so, a for­ça da con­tra­ção mus­cu­lar po­de au- men­tar en­tre 15% e 30%, mas é im­por­tan­te que as ações de alon­gar e en­cur­tar os mús­cu­los se­jam ins­tan­tâ­ne­as, pois, do con­trá­rio, a ener­gia acu­mu­la­da é per­di­da na for­ma de ca­lor”, diz João Cou­ti­nho, es­pe­ci­a­lis­ta in­ter­na­ci­o­nal em trei­na­men­to es­por­ti­vo que mi­nis­tra cur­sos so­bre pli­o­me­tria e é ide­a­li­za­dor e co­lu­nis­ta do si­te Trei­na­men­to Es­por­ti­vo.

Além de dei­xar os mús­cu­los mais po­ten­tes, a pli­o­me­tria faz com que eles se mo­vi­men­tem de for­ma mais efi­ci­en­te e ain­da me­lho­ra a uti­li­za­ção do oxi­gê­nio du­ran­te a ati­vi­da­de. “Pes­qui­sas fei­tas com cor­re­do­res já mos­tra­ram que es­se ti­po de exer­cí­cio pro­mo­ve uma gran­de economia de subs­tra­to ener­gé­ti­co du­ran­te as pas­sa­das, que é com­pen­sa­da pe­la ener­gia elás­ti­ca acu­mu­la­da na mus­cu­la­tu­ra, fa­zen­do com que eles che­guem ao fi­nal da pro­va com mais gás pa­ra os quilô­me­tros fi­nais, o que pos­si­bi­li­ta uma me­lho­ra con­si­de­rá­vel nos seus tem­pos”, con­ta Cou­ti­nho. De fa­to, não fal­tam evi­dên­ci­as ci­en­tí­fi­cas que com­pro­vem o quan­to os exer­cí­ci­os pli­o­mé­tri­cos são pro­vei­to­sos pa­ra qu­em cor­re. Ci­en­tis­tas da Uni­ver­si­da­de de Mon­tre­al (Ca­na­dá) des­co­bri­ram que es­se ti­po de pre­pa­ra­ção pa­ra as pro­vas é mui­to mais efi­ci­en­te do que a mus­cu­la­ção. Outro tra­ba­lho, es­se pu­bli­ca­do no pe­rió­di­co Jour­nal of Strength and Con­di­ti­o­ning Re­se­ar­ch, re­ve­lou que cor­re­do­res que fi­ze­ram seis se­ma­nas de trei­nos plio-

mé­tri­cos me­lho­ra­ram em 3,9% a sua ve­lo­ci­da­de em pro­vas de 2 400 m. Aten­ção: os exer­cí­ci­os pli­o­mé­tri­cos são es­pe­ci­al­men­te efi­ci­en­tes pa­ra qu­em cor­re 10 km ou me­nos. Co­mo se não bas­tas­sem to­dos es­ses be­ne­fí­ci­os, a pli­o­me­tria ain­da re­duz bas­tan­te o ris­co de le­sões. “Is­so acon­te­ce por­que ela re­for­ça os ten­dões e os li­ga­men­tos e di­mi­nui a pres­são so­bre eles, já que faz com que os mús­cu­los ab­sor­vam mais im­pac­to du­ran­te as pas­sa­das”, ex­pli­ca An­drew Kas­tor. To­dos es­ses ga­nhos co­me­çam a ser sen­ti­dos a par­tir da ter­cei­ra ou quar­ta se­ma­na de trei­no, mas os re­sul­ta­dos mais con­sis­ten­tes apa­re­cem de­pois de oi­to se­ma- nas. Mas nem pen­se em co­lo­car mui­tas sessões se­gui­das des­se ti­po de exer­cí­cio na sua agen­da. “O vo­lu­me de trei­na­men­to de­ve ser bai­xo, com in­ten­si­da­de al­ta, es­ti­mu­lan­do o pra­ti­can­te a che­gar ao seu má­xi­mo, de pre­fe­rên­cia com a aju­da do trei­na­dor, e o des­can­so é fun­da­men­tal pa­ra a re­cu­pe­ra­ção da mus­cu­la­tu­ra”, aler­ta João Cou­ti­nho. “O ex­ces­so e a fal­ta de con­tro­le nas sessões de pli­o­me­tria, ao con­trá­rio do que acon­te­ce se ela for fei­ta de ma­nei­ra pon­de- ra­da, po­de le­var a le­sões, co­mo fra­tu­ras por es­tres­se, ten­di­ni­tes e in­fla­ma­ções.”

Con­fi­ra, nas pró­xi­mas pá­gi­nas, um trei­no cri­a­do por Ar­tur Mon­tei­ro, mes­tre em ci­ên­cia do es­por­te que atu­ou mui­tos anos co­mo trei­na­dor de atle­tas e ago­ra é co­or­de­na­dor de di­ver­sos cur­sos de pós-gra­du­a­ção na área na Fa­cul­da­de Es­tá­cio, em São Pau­lo. Ele de­ve ser fei­to du­as ve­zes por se­ma­na. De­pois, é só apro­vei­tar os be­ne­fí­ci­os.

Os pli­o­mé­tri­cos são es­pe­ci­al­men­te efi­ci­en­tes pa­ra qu­em cor­re pro­vas de 10 km ou me­nos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.