NA ADRE­NA­LI­NA DA COMPETIÇÃO

Nin­guém pre­ci­sa ser atle­ta pro­fis­si­o­nal para ex­pe­ri­men­tar a ener­gia do Cros­sfit

Sport Life - - NESTA EDICAO - por MARISA SEI

Ae­ta­pa Open do Cros­sfit Ga­mes 2018 co­me­çou no dia 22 de fe­ve­rei­ro. O cam­pe­o­na­to mo­ve mi­lha­res de pra­ti­can­tes no mun­do to­do - e nem é só atle­ta! Tem gen­te de to­do o ti­po: da ado­les­cên­cia à ter­cei­ra ida­de, mu­lhe­res e ho­mens, e, co­mo já são ter­mos co­nhe­ci­dos nes­se mun­do, do sca­le ao RX. Os cros­s­fi­tei­ros se ins­cre­vem e aguar­dam an­si­o­sa­men­te pe­la competição, sai­bam eles fa­zer dou­ble un­der, to­es to bar e mus­cle up, ou não. A di­vul­ga­ção do pri­mei­ro WOD (cha­ma­do de 18.1 (ano do cam­pe­o­na­to + nú­me­ro do wod, ao to­do são cin­co) foi trans­mi­ti­da ao vi­vo pe­la pá­gi­na do fa­ce­bo­ok do Cros­sFit Ga­mes e acom­pa­nha­da por mais de 1 mi­lhão de pes­so­as.

O Open é com­pos­to de cin­co wor­kouts e é ape­nas a pri­mei­ra fa­se para ser se­le­ci­o­na­do para o Cros­sFit Ga­mes, competição anu­al e mun­di­al que bus­ca en­con­trar o atle­ta com a me­lhor ca­pa­ci­da­de fí­si­ca do mun­do. É de se ima­gi­nar que, por­tan­to, quem che­ga até as fi­nais são com­pe­ti­do­res pro­fis­si­o­nais. Em 2017, por exem­plo, a ven­ce­do­ra foi a aus­tra­li­a­na Tia-Clair To­o­mey, que par­ti­ci­pou da Olim­pía­da Rio2016. En­tre os ho­mens, o ame­ri­ca­no Mathew Fra­ser foi bi­cam­peão e acu­mu­la dois vi­ce-cam­pe­o­na­tos. Os prê­mi­os para os pri­mei­ros co­lo­ca­dos che­gam a 300 mil

dó­la­res, um va­lor ain­da con­si­de­ra­do bas­tan­te bai­xo quan­do com­pa­ra­do a ou­tras mo­da­li­da­des es­por­ti­vas, co­mo o fu­te­bol. Mes­mo com a qua­se im­pos­si­bi­li­da­de de che­gar a sen­tir o chei­ro des­se prê­mio, o nú­me­ro de ins­cri­tos só cres­ce. Mas por quê? “O Open Ga­mes é uma ba­se clas­si­fi­ca­tó­ria que pou­cos bra­si­lei­ros têm chan­ces de pas­sar, pois o ní­vel de di­fi­cul­da­de é mui­to gran­de. Po­rém, é uma for­ma de che­car o ní­vel e o con­di­ci­o­na­men­to do pra­ti­can­te”, ex­pli­ca o co­a­ch Da­ni­el Wayand, do Cros­sfit Crown Re­creio, no Rio de Ja­nei­ro.

Des­ta­que no Bra­sil

No meio de tan­ta gen­te que par­ti­ci­pa só pe­la di­ver­são ou para ten­tar me­lho­rar os re­sul­ta­dos a ca­da ano, tem bra­si­lei­ro que se des­ta­ca, sim! O mai­or no­me bra­si­lei­ro do Cros­sfit atu­al­men­te é An­de­ron Pri­mo, 23, que ven­ceu três ve­zes o TCB (Tor­neio Cros­sFit Bra­sil) e tem du­as pas­sa­gens pe­los Re­gi­o­nals (2014 e 2016). “2018 co­me­çou cheio de opor­tu­ni­da­des para mim. Te­nho co­mo ob­je­ti­vo prin­ci­pal en­trar no Cros­sFit Ga­mes, que é o mai­or even­to da nos­sa mo­da­li­da­de. Pre­ten­do fa­zer um bom Open e Re­gi­o­nals para con­se­guir a mi­nha va­ga e, de­pois dis­so, o ou­tro ob­je­ti­vo é ser te­tra­cam­peão bra­si­lei­ro de Cros­sfit”, re­ve­la. Mas a in­ten­ção de ser cam­peão sur­giu só de­pois da pai­xão pe­lo es­por­te, que ti­nha si­do in­clu­so no dia a dia ape­nas co­mo um treino com­ple­men­tar. O atle­ta par­ti­ci­pou do Open em 2014 sem gran­des pre­ten­sões e aca­bou se sur­pre­en­den­do com o re­sul­ta­do. “Cros­sfit apa­re­ceu na mi­nha vi­da co­mo uma for­ma de pre­pa­ra­ção fí­si­ca para o judô. Eu não es­ta­va ten­do um bom ano nos ta­ta­mes e op­tei pe­la mo­da­li­da­de co­mo al­go no­vo. Meu co­a­ch Jú­ni­or Car­va­lho tra­ba­lha­va co­mi­go na mes­ma equi­pe de rendimento e, por cau­sa de­le, ini­ci­ei as ati­vi­da­des fí­si­cas no Cros­sfit Bau­ru. Me apai­xo­nei pe­lo es­por­te e vi­rei atle­ta”.

“Competir é tu­do na vi­da de um atle­ta. Brin­co que a par­te cha­ta são os trei­nos. A competição é nos­so play­ground, nos­so par­que de di­ver­sões: é lá que tu­do acon­te­ce, on­de mos­tra­mos to­do o re­sul­ta­do dos trei­nos. Ven­cer é con­sequên­cia de um tra­ba­lho bem fei­to na pre­pa­ra­ção, nos trei­nos”. An­der­son Pri­mo, tri­ca­peão TCB

Su­bir no pó­dio exi­ge um es­for­ço bem mai­or do que o dos pra­ti­can­tes ama­do­res, é cla­ro: são seis ho­ras de treino por dia, di­vi­di­das em du­as ses­sões de três ho­ras ca­da. “O Cros­sfit me en­si­nou a ser mais fo­ca­do, mais cen­tra­do e cui­dar mais do meu cor­po. Co­mo le­va­mos nos­so cor­po ao li­mi­te em to­dos os trei­nos, pre­ci­so me re­cu­pe­rar da me­lhor for­ma pos­sí­vel para o pró­xi­mo treino. Is­so tu­do in­clui uma boa noi­te de so­no, alimentação re­gra­da e sau­dá­vel e tra­ba­lho psi­co­ló­gi­co”, re­la­ta. A ro­ti­na pu­xa­da de trei­nos e o fo­co nos há­bi­tos sau­dá­veis con­se­guem ser man­ti­dos pe­la von­ta­de de competir. A par­ti­ci­pa­ção dá o gás para con­ti­nu­ar trei­nan­do, mas ser cam­peão dá a cer­te­za de um tra­ba­lho bem fei­to. “A vi­tó­ria con­quis­ta­da an­tes mes­mo de um cam­pe­o­na­to. No cam­pe-

ona­to vo­cê só re­fle­te tu­do aqui­lo que fez nos trei­nos. E é uma sen­sa­ção in­crí­vel de or­gu­lho e emo­ção, di­fí­cil des­cre­ver em pa­la­vras, mas com cer­te­za é al­go que te mo­ve e ins­pi­ra a par­ti­ci­par do pró­xi­mo cam­pe­o­na­to. Sem­pre bus­can­do es­sa sen­sa­ção”.

UM EMPURÃOZINHO NA EVO­LU­ÇÃO

Se vo­cê dis­põe de pou­co tem­po para trei­nar di­a­ri­a­men­te, não tem um cor­po de­fi­ni­do co­mo o dos atle­tas e nem so­nha em che­gar às fi­nais, tu­do bem: competir ain­da é para vo­cê. Es­pe­ci­al­men­te no Cros­sfit, já que exis­tem di­fe­ren­tes cam­pe­o­na­tos, di­vi­di­dos em vá­ri­os ní­veis (co­mo os tor­nei­os in­ter­nos, em que só par­ti­ci­pam pra­ti­can­tes de um de­ter­mi­na­do box). “O Cros­sfit é um es­por­te, e não uma me­to­do­lo­gia de treino. As­sim, é na­tu­ral a par­ti­ci­pa­ção de to­dos, não só alu­nos, mas tam­bém co­a­ches, di­vi­din­do-se em ní­veis de de­sa­fi­os, de acor­do com os pré-re­qui­si­tos de ca­da competição. Es­se cli­ma de competição aju­da o alu­no a bus­car no­vos de­sa­fi­os, tes­tan­do seu desempenho e pro­gres­so”, diz o he­ad co­a­ch Edu­ar­do Men­des, só­cio do A7 Cros­sfit (RJ).

No por­tal do Cros­sFit Ga­mes, por exem­plo, quem par­ti­ci­pa do Open de­ve re­gis­trar seu sco­re em ca­da wor­kout re­a­li­za­do. Des­sa for­ma, é pos­sí­vel com­pa­rar o re­sul­ta­do com o de ou­tros atle­tas do mun­do to­do, sub­di­vi­din­do-os em ca­te­go- ri­as co­mo fai­xa etá­ria, se­xo, ní­vel e país. Os sco­res dos anos an­te­ri­o­res per­ma­ne­cem no ran­king - e, tal­vez, a me­lhor par­te se­ja com­pa­rar os pró­pri­os re­sul­ta­dos, ve­ri­fi­can­do o que me­lho­rou de um ano para o ou­tro. Nes­te ano só saí­ram pull ups adap­ta­dos e a carga não su­biu? Não tem pro­ble­ma! Re­gis­tre e con­ti­nue trei­nan­do para ob­ter me­lho­res pon­tu­a­ções em 2019.

Con­tu­do, to­do es­se cli­ma de competição pre­ci­sa ser sau­dá­vel. Edu­ar­do Men­des ex­pli­ca que é fun­ção dos co­a­ches, pro­fes­so­res e es­ta­giá­ri­os a ma­nu­ten­ção des­se cli­ma. Es­ti­mu­lar é ne­ces­sá­rio, mas tam­bém é pre­ci­so sa­ber in­ter­ce­der, lem­bran­do os alu­nos do ver­da­dei­ro pro­pó­si­to do Cros­sfit: a bus­ca por uma me­lhor qua­li­da­de de vi­da. “Des­sa for­ma, cria-se um es­ta­do de ale­gria, di­ver­são e de­sa­fio cons­tan­te”, des­ta­ca. O co­a­ch Da­ni­el Wayand con­cor­da que é is­so o que mo­ve um nú­me­ro ca­da vez mai­or de cros­s­fi­tei­ros pe­lo mun­do. “A di­fe­ren­ça do Cros­sfit para ou­tros exer­cí­ci­os é que ele é uma ati­vi­da­de com bas­tan­te di­na­mis­mo e que sem­pre tem al­go de­sa­fi­a­dor e di­fe­ren­te para os alu­nos. Es­se es­por­te cria uma so­ci­a­bi­li­za­ção, pois as au­las são em gru­po”.

Além da sen­sa­ção de pra­zer após um wod que tes­ta for­ça e ca­pa­ci­da­de car­di­or­res­pi­ra­tó­ria ao mes­mo tem­po, competir po­de fa­zer com que os par­ti­ci-

“Me apai­xo­nei pe­lo es­por­te e vi­rei atle­ta”, diz An­de­ron.

pan­tes con­si­gam re­a­li­zar mo­vi­men­tos que ja­mais con­se­gui­ram nos trei­nos. Tu­do cul­pa de hormô­ni­os co­mo a adre­na­li­na, que dá aque­la for­ci­nha ex­tra para o cor­po. Já du­ran­te os trei­nos, sur­ge a von­ta­de de me­lho­rar as téc­ni­cas dos mo­vi­men­tos. “Uma das gran­des van­ta­gens do Cros­sfit es­tá na adap­ta­ção dos mo­vi­men­tos, que per­mi­te ca­da pra­ti­can­te re­a­li­zá-los de acor­do com su­as li­mi­ta­ções, além de acom­pa­nhar to­do seu pro­ces­so de evo­lu­ção. Vo­cê po­de ser um alu­no ini­ci­an­te, ve­te­ra­no, ou mes­mo um atle­ta de pon­ta: o de­sa­fio é diá­rio”, re­for­ça o co­a­ch Ju­ni­or Cu­pel­lo, só­cio do A7 Cros­sfit.

Para quem ain­da é ini­ci­an­te, mas quer ten­tar o gos­ti­nho de uma competição, An­de­ron dá as di­cas: “Pre­pa­re-se da me­lhor for­ma pos­sí­vel, tes­te as pro­vas do cam­pe­o­na­to an­tes do mes­mo, tra­ce es­tra­té­gi­as re­a­lis­tas e bus­que sem­pre evoluir a sua téc­ni­ca an­tes das su­as car­gas. Man­te­nha-se cal­mo, a competição não é mui­to di­fe­ren­te de um wod que vo­cê faz no seu box. Dê seu má­xi­mo e saia da are­na com a sen­sa­ção de de­ver cum­pri­do. Ali­men­te-se bem e di­vir­ta-se aci­ma de tu­do”.

COMPETIÇÃO CONSIGO MES­MO

Es­se cli­ma sau­dá­vel de competição ge­ra uma von­ta­de que só quem pra­ti­ca, en­ten­de: a de ven­cer a si mes­mo, ou se­ja, de ser me­lhor do que se era on­tem. Para a em­pre­sá­ria e pra­ti­can­te de Cros­sfit, Fa­bi­a­na Mi­ran­da de Bar­ros Bra­ga, 41, o Open é um mo­men­to de tes­tar tu­do o que foi apren­di­do nos trei­nos, se de­sa­fi­ar e su­pe­rar os li­mi­tes. A mo­ti­va­ção para ten­tar mos­trar o seu me­lhor desempenho em 2018 foi sa­ber que ela ser­ve de exem­plo para vá­ri­as pes­so­as que trei­nam no mes­mo box, o Cros­sfit Iron Fox, em Bau­ru (SP). “Meu es­po­so que fez a mi­nha ins­cri­ção sem eu sa­ber - con­fes­so que eu não que­ria, mas ele dis­se pra eu acre­di­tar mais em mim. En­tão ‘bo­ra lá! Por­que to­dos so­mos ca­pa­zes!”, con­ta sor­rin­do. É o se­gun­do ano que a em­pre­sá­ria apro­vei­ta o cli­ma do Open. “Tem uma mis­tu­ra de di­ver­são e ner­vo­sis­mo, an­si­e­da­de, e vo­cê en­con­tra na ho­ra uma for­ça que nem ima­gi­na­va que ti­nha. De­pois que aca­ba o WOD, res­pi­ra com a sen­sa­ção de ‘eu con­se­gui!’. So­bre a competição, Fa­bi­a­na des­ta­ca: “Com­pa­ro os re­sul­ta­dos sem­pre co­mi­go mes­ma”. Não é à toa que tan­ta gen­te apai­xo­na­da pe­la mo­da­li­da­de já de­ve ter ou­vi­do de quem não pra­ti­ca exer­cí­ci­os: “Vo­cê só sa­be fa­lar de Cros­sfit?”.

É PARA TO­DOS?

Ape­sar de já ser bas­tan­te co­nhe­ci­do, há quem te­nha me­do de se aven­tu­rar em uma au­la de Cros­sfit. O fa­to de os exer­cí­ci­os pa­re­ce­rem pe­sa­dos de­mais, de ser com­pos­to de mo­vi­men­tos di­fí­ceis e do es­ta­do que al­guns pra­ti­can­tes fi­cam após os trei­nos são al­guns mo­ti­vos para cau­sar re­ceio. Mas os co­a­ches ga­ran­tem: to­dos os exer­cí­ci­os po­dem ser adap­ta­dos de acor­do com a ne­ces­si­da­de de ca­da alu­no. E aí, só de­pen­de de ca­da um pro­cu­rar um lo­cal de con­fi­an­ça, com pro­fis­si­o­nais ca­pa­ci­ta­dos. Para ter o di­rei­to de usar o no­me “Cros­sfit”, que é uma mar­ca, o box pre­ci­sa se re­gis­trar e res­pei­tar a al­gu­mas re­gras. “Para ser cer­ti­fi­ca­do, é ne­ces­sá­rio to­do ano pa­gar uma quan­tia à mar­ca e os co­a­ches pre­ci­sam fa­zer pro­vas para atin­gir um grau pro­fis­si­o­nal”, sa­li­en­ta Da­ni­el. Bas­ta um cli­que no si­te da Cros­sfit para ver que tem gen­te de to­das as ida­des e pre­pa­ros fí­si­cos se aven­tu­ran­do até nas su­bi­das de cor­da.

Em 2014, o mé­di­co gas­tro­en­te­ro­lo­gis­ta e ra­di­o­lo­gis­ta Mar­ce­lo Ai­ris, 46 anos, re­sol­veu co­me­çar a trei­nar no box da Cros­sfit Bra­sil, em São Pau­lo. “Op­tei por es­sa mo- da­li­da­de por­que sou mo­vi­do a de­sa­fi­os e es­se era mais um que eu que­ria en­fren­tar; bus­ca­va al­go no­vo para a mi­nha vi­da e re­sol­vi co­nhe­cer o Cros­sfit”, con­ta. Por cau­sa de um aci­den­te de mo­to, o mé­di­co fi­cou pa­ra­plé­gi­co e is­so não foi mo­ti­vo para de­sis­tir de pra­ti­car um exer­cí­cio ou de achar que o Cros­sfit não era in­di­ca­do para a sua si­tu­a­ção. O box é to­tal­men­te adap­ta­do para as ne­ces­si­da­des de­le, com aces­si­bi­li­da­de e co­a­ches ca­pa­ci­ta­dos para trei­nar pes­so­as com qual­quer ti­po de li­mi­ta­ção. “Es­pe­ci­fi­ca­men­te para mim, os be­ne­fí­ci­os são o de­sen­vol­vi­men­to de mais for­ça e re­sis­tên­cia num pe­río­do cur­to de tem­po. Treino to­dos os di­as, tem di­as que che­go a trei­nar du­as ve­zes e

nun­ca re­pe­ti­mos o mes­mo treino. Além do Cros­sfit, pra­ti­co mus­cu­la­ção e na­ta­ção. O tra­ba­lho de hi­per­tro­fia fei­to na mus­cu­la­ção me aju­da mui­to na exe­cu­ção dos exer­cí­ci­os no Cros­sfit”, afir­ma Mar­ce­lo.

As­sim co­mo o mé­di­co, mui­ta gen­te pro­cu­ra o es­por­te co­mo al­go no­vo, di­fe­ren­te da mo­no­to­nia das aca­de­mi­as de mus­cu­la­ção. A mai­o­ria aca­ba ga­nhan­do ou­tras van­ta­gens, co­mo no­vos ami­gos e um am­bi­en­te des­con­traí­do e ani­ma­do, uma vez que as au­las são em gru­po e os alu­nos apren­dem a im­por­tân­cia do in­cen­ti­vo e do res­pei­to. “Meu treino é o mes­mo dos de­mais alu­nos, in­clu­si­ve, treino jun­to com eles, sem ne­nhu­ma res­tri­ção. Co­mo sem­pre trei­nei, mes­mo an­tes da mi­nha le­são me­du­lar, sem­pre bus­quei qua­li­da­de de vi­da. Ho­je, me de­di­co mui­to mais do que an­te­ri­or­men­te, sem­pre fo­can­do no meu de­sen­vol­vi­men­to e for­ta­le­ci­men­to mus­cu­lar”, co­men­ta.

Mar­ce­lo Ai­ris com­ple­ta o WOD He­len adap­ta­do. Con­fi­ra o ví­deo!

“Com­pa­ro os meus re­sul­ta­dos co­mi­go mes­ma”, Fa­bi­a­na Bra­ga, se­gun­da vez no Open.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.