4. FONTES DE ENERGIA

Superguia Enem - Geografia e História - - SUMÁRIO -

A energia é fun­da­men­tal para o cres­ci­men­to econô­mi­co e para o de­sen­vol­vi­men­to so­ci­al, sen­do, por­tan­to, a lo­co­mo­ti­va da so­ci­e­da­de atu­al que de­pen­de mui­to do for­ne­ci­men­to de energia para a ma­nu­ten­ção da ca­pa­ci­da­de pro­du­ti­va e do bem-es­tar da so­ci­e­da­de. Se­gun­do a Agên­cia In­ter­na­ci­o­nal de Energia (IEA)15, o con­su­mo de energia elé­tri­ca vem cres­cen­do ra­pi­da­men­te nos úl­ti­mos anos e con­ti­nu­a­rá em al­ta, sen­do que es­se pa­drão de con­su­mo e a pers­pec­ti­va de pro­du­ção tem se mos­tra­do ca­da vez mais in­su­fi­ci­en­tes, pro­por­ci­o­nan­do “blac­kouts” que tem se tor­na­do co­mum em vá­ri­os paí­ses do mun­do. As­so­ci­a­da a es­sa pro­du­ção de energia, sur­gem as pre­o­cu­pa­ções am­bi­en­tais, pois mui­tas ve­zes os im­pac­tos ao meio am­bi­en­te es­tão re­la­ci­o­na­dos, prin­ci­pal­men­te em paí­ses de­sen­vol­vi­dos on­de o con­su­mo de energia é mui­to mai­or. Ain­da acer­ca das ques­tões am­bi­en­tais, se faz ca­da vez mais ne­ces­sá­rio a im­por­tân­cia na re­du­ção de ga­ses po­lu­en­tes, o que su­ge­re uma di­mi­nui­ção na de­pen­dên­cia de com­bus­tí­veis fós­seis, mi­ni­mi­zan­do en­tão os efei­tos do aque­ci­men­to glo­bal. Em um âm­bi­to mai­or de de­sen­vol­vi­men­to o mer­ca­do es­tá aber­to para ou­tras opor­tu­ni­da­des de ge­ra­ção de energia lim­pa e re­no­vá­vel, e o Bra­sil sai na fren­te pe­la sua abun­dân­cia em re­cur­sos na­tu­rais e por in­cen­ti­var as fontes al­ter­na­ti­vas de energia.

No ca­so bra­si­lei­ro, mais de 75% da energia elé­tri­ca pro­vém das usi­nas hi­dre­lé­tri­cas, e is­so se de­ve às gran­des re­ser­vas de água do­ce que o país pos­sui, além de um re­le­vo fa­vo­rá­vel, pois gran­de par­te do ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal en­con­tra-se em um re­le­vo de pla­nal­to, o que fa­ci­li­ta a ge­ra­ção de energia atra­vés da for­ça da água.

O Bra­sil ain­da faz uso de ou­tros ti­pos de energia, que são di­vi­di­dos em fontes re­no­vá­veis e não re­no­vá­veis, po­den­do ou não cau­sar gran­des im­pac­tos ao meio am­bi­en­te. Se­gun­do o Ba­lan­ço Ener­gé­ti­co de 2016, do Mi­nis­té­rio de Mi­nas e Energia, 41,2 % da ofer­ta in­ter­na de energia no Bra­sil é pro­ve­ni­en­te de re­cur­sos re­no­vá­veis, co­mo bi­o­mas­sa da ca­na (16,9%), hi­dráu­li­ca e ele­tri­ci­da­de (11,3%), le­nha e car­vão ve­ge­tal (8,2%), li­xí­via e ou­tras re­no­vá­veis (4,7%). Das fontes não re­no­vá­veis (58,8%), o Bra­sil uti­li­za: pe­tró­leo e de­ri­va­dos (37,3%), gás na­tu­ral (13,7%), car­vão mi­ne­ral (5,9%) e urâ­nio (1,3%).

Ou­tra pro­mes­sa ener­gé­ti­ca oti­mis­ta para o Bra­sil é a pro­du­ção do bi­o­di­e­sel, de­ri­va­do do den­dê, da so­ja, da pal­ma, da ma­mo­na e de vá­ri­os ve­ge­tais ole­a­gi­no­sos, sen­do uma fon­te de energia re­no­vá­vel e me­nos po­lu­en­te, que é uti­li­za­do co­mo adi­ti­vo para mo­to­res a com­bus­tão.

A ex­ten­são do ter­ri­tó­rio bra­si­lei­ro, a tro­pi­ca­li­da­de e a pos­si­bi­li­da­de de ex­plo­ra­ção da for­ça dos ven­tos em di­ver­sos pon­tos do ter­ri­tó­rio com­ple­men­tam a plu­ra­li­da­de de al­ter­na­ti­vas ener­gé­ti­cas exis­ten­tes no país. Va­le des­ta­car que nos úl­ti­mos anos vem ocor­ren­do um au­men­to da par­ti­ci­pa­ção de energia re­no­vá­vel nas ma­tri­zes ener­gé­ti­cas de vá­ri­os paí­ses, que têm in­tro­du­zi­do fontes re­no­vá­veis e lim­pas, co­mo a so­lar, eó­li­ca e ge­o­ter­mal. Em con­tra­par­ti­da, os com­bus­tí­veis fós­seis, co­mo o car­vão mi­ne­ral, o gás na­tu­ral e o pe­tró­leo, que são gran­des con­tri­buin­tes para a po­lui­ção am­bi­en­tal e para o efei­to es­tu­fa, têm ti­do seu uso di­mi­nuí­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.