6. GLO­BA­LI­ZA­ÇÃO

Superguia Enem - Geografia e História - - SUMÁRIO -

Ao con­trá­rio do que mui­tos pen­sam, a glo­ba­li­za­ção não é um pro­ces­so re­cen­te. Em­bo­ra se­ja um ter­mo bas­tan­te em­pre­ga­do nas úl­ti­mas dé­ca­das, tal pro­ces­so te­ve seu iní­cio no sé­cu­lo XV, com as gran­des na­ve­ga­ções dos por­tu­gue­ses e es­pa­nhóis. Mui­tos es­pe­ci­a­lis­tas di­vi­dem a glo­ba­li­za­ção em fa­ses, de for­ma que ca­da eta­pa apre­sen­te uma con­tri­bui­ção para a ex­pan­são des­se pro­ces­so. Mi­ke Fe­athers­to­ne (1999) apre­sen­tou em sua obra uma di­vi­são das “fa­ses” da glo­ba­li­za­ção na história, clas­si­fi­can­do o ca­pi­ta­lis­mo glo­ba­li­za­do em cin­co fa­ses. São elas: fa­se em­bri­o­ná­ria, fa­se in­ci­pi­en­te, fa­se da de­co­la­gem, fa­se da lu­ta pe­la he­ge­mo­nia e fa­se da in­cer­te­za (Fe­athers­to­ne, 1999 p. 35). Mas para sim­pli­fi­car e fa­ci­li­tar a com­pre­en­são, apre­sen­ta­re­mos as eta­pas his­to­ri­ca­men­te, em so­men­te qua­tro fa­ses.

• 1ª fa­se – das gran­des na­ve­ga­ções do sé­cu­lo XV à Re­vo­lu­ção In­dus­tri­al do sé­cu­lo XVIII

• 2ª fa­se – da Re­vo­lu­ção In­dus­tri­al ao fim da 2ª Gu­er­ra Mun­di­al (1945)

• 3ª fa­se – da 2ª Gu­er­ra Mun­di­al ao fim da Gu­er­ra Fria 1989

• 4ª fa­se – No­va Or­dem Mun­di­al

É im­por­tan­te des­ta­car que a pri­mei­ra fa­se da glo­ba­li­za­ção te­ve iní­cio du­ran­te as gran­des na­ve­ga­ções, ou se­ja, na tran­si­ção do feu­da­lis­mo para o sis­te­ma so­ci­o­e­conô­mi­co atu­al do ca­pi­ta­lis­mo, que se de­sen­vol­ve até a Re­vo­lu­ção In­dus­tri­al do sé­cu­lo XVIII.

Na se­gun­da fa­se, que ocor­re en­tre a Re­vo­lu­ção In­dus­tri­al e a Se­gun­da Gu­er­ra Mun­di­al, tem-se um pe­río­do de fa­vo­re­ci­men­to e de gran­de ex­pan­são do ca­pi­ta­lis­mo já no âm­bi­to glo­bal, sen­do um dos pe­río­dos de mai­or avan­ço do ca­pi­ta­lis­mo e do pro­ces­so de glo­ba­li­za­ção. Nes­se con­tex­to, a Re­vo­lu­ção In­dus­tri­al foi im­por­tan­te prin­ci­pal­men­te na mo­di­fi­ca­ção da pai­sa­gem, na al­te­ra­ção do es­pa­ço ur­ba­no e no des­lo­ca­men­to de pes­so­as, além das re­la­ções de ex­plo­ra­ção de­sen­vol­vi­das com o ne­o­co­lo­ni­a­lis­mo.

A ter­cei­ra fa­se da glo­ba­li­za­ção com­pre­en­de um

pe­río­do que vai da Se­gun­da Gu­er­ra Mun­di­al até a que­da do mu­ro de Ber­lim, em 1989, que põe fim a Gu­er­ra Fria. No en­tan­to, a Gu­er­ra Fria que fi­cou co­nhe­ci­da pe­la bi­po­la­ri­za­ção mun­di­al, ou se­ja, uma dis­pu­ta pe­la he­ge­mo­nia do pla­ne­ta en­tre Es­ta­dos Uni­dos (ca­pi­ta­lis­ta) e a União So­vié­ti­ca (so­ci­a­lis­ta), di­fi­cul­tou bas­tan­te o avan­ço da glo­ba­li­za­ção. Nes­se pe­río­do, a in­dús­tria ci­ne­ma­to­grá­fi­ca de Hollywo­od fi­cou res­pon­sá­vel pe­la cons­tru­ção da opi­nião pú­bli­ca mun­di­al, com vá­ri­os fil­mes pro­du­zi­dos du­ran­te a Gu­er­ra Fria di­fun­din­do con­cei­tos que fa­vo­re­ci­am o ca­pi­ta­lis­mo, apre­sen­ta­do co­mo o he­rói, en­quan­to o so­ci­a­lis­mo era apre­sen­ta­do co­mo o ban­di­do.

A quar­ta fa­se da glo­ba­li­za­ção, co­nhe­ci­da co­mo No­va Or­dem Mun­di­al, que per­du­ra até os di­as atu­ais, de­sen­vol­ve-se me­di­an­te um mun­do ca­pi­ta­lis­ta qua­se em sua to­ta­li­da­de. É im­por­tan­te des­ta­car que o pro­ces­so de glo­ba­li­za­ção é ca­pi­ta­lis­ta, ou se­ja, tem su­as ori­gens jun­ta­men­te com o sur­gi­men­to do ca­pi­ta­lis­mo.

No en­tan­to, a glo­ba­li­za­ção tem as­pec­tos po­si­ti­vos e ne­ga­ti­vos, sen­do ex­tre­ma­men­te con­tra­di­tó­ria, pois fa­vo­re­ce a in­te­gra­ção econô­mi­ca en­tre os paí­ses ca­pi­ta­lis­tas, mas ex­clui os paí­ses mais po­bres, co­mo é o ca­so da mai­o­ria do con­ti­nen­te afri­ca­no. Nes­se con­tex­to, ques­ti­o­na-se o ter­mo “al­deia glo­bal” uti­li­za­do para de­fi­nir a glo­ba­li­za­ção, pois su­ge­re um mun­do co­mo se fos­se úni­co, sem di­fe­ren­ças, sen­do as­sim, o em­pre­go do men­ci­o­na­do ter­mo não é po­li­ti­ca­men­te cor­re­to, de­vi­do à ex­clu­são im­pos­ta pe­la glo­ba­li­za­ção a al­guns po­vos e paí­ses.

De qual­quer for­ma, o apri­mo­ra­men­to e a ex­pan­são dos sistemas de co­mu­ni­ca­ção por sa­té­li­tes, te­le­fo­nia, in­for­má­ti­ca e transportes, fa­ci­li­ta­ram a in­ten­si­fi­ca­ção das re­la­ções so­ci­o­e­conô­mi­cas em âm­bi­to mun­di­al.

Es­se pro­ces­so é uma con­sequên­cia da Re­vo­lu­ção Téc­ni­co-Ci­en­tí­fi­co-In­for­ma­ci­o­nal, que pro­por­ci­o­nou uma mai­or in­te­gra­ção econô­mi­ca e cul­tu­ral en­tre paí­ses e di­fe­ren­tes áre­as do pla­ne­ta.

O tem­po de des­lo­ca­men­to é mo­di­fi­ca­do de­vi­do ao au­men­to da tec­no­lo­gia, au­xi­li­an­do o pro­ces­so de glo­ba­li­za­ção e de aces­so a in­for­ma­ções. A fi­gu­ra abai­xo re­pre­sen­ta o ani­qui­la­men­to da re­la­ção es­pa­ço­tem­po, ou se­ja, co­mo os mei­os de lo­co­mo­ção se de­sen­vol­ve­ram de­vi­do a es­se au­men­to da tec­no­lo­gia. Co­mo prin­ci­pais ca­rac­te­rís­ti­cas da glo­ba­li­za­ção, po­de­mos ci­tar o ca­pi­tal e a tec­no­lo­gia, o con­su­mo, a for­ma­ção de blo­cos econô­mi­cos, a in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção dos flu­xos de ca­pi­tais, o ne­o­li­be­ra­lis­mo e as em­pre­sas trans­na­ci­o­nais. Se­gun­do Mil­ton San­tos (1965), a glo­ba­li­za­ção é co­mo uma fá­bu­la im­pos­ta prin­ci­pal­men­te por mei­os de co­mu­ni­ca­ção à população e que en­fa­ti­za que o pla­ne­ta é um am­plo es­pa­ço que po­de­mos ex­plo­rá-lo para o con­su­mo. O geó­gra­fo acre­di­ta que a glo­ba­li­za­ção é uma fá­bri­ca de per­ver­si­da­des, tais co­mo a fo­me, o de­sa­bri­go, a AIDS, a mor­ta­li­da­de in­fan­til, o anal­fa­be­tis­mo, en­fim gra­vís­si­mos pro­ble­mas so­ci­ais, qua­se sem so­lu­ção no mun­do atu­al.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.