1. HISTÓRIA GE­RAL

Superguia Enem - Geografia e História - - SUMÁRIO -

1.1. História An­ti­ga

Nes­ta pri­mei­ra par­te, ve­re­mos as so­ci­e­da­des da An­ti­gui­da­de, pe­río­do que con­ven­ci­o­nal­men­te co­me­ça com a in­ven­ção da es­cri­ta por vol­ta de 4000 a.C. e ter­mi­na com a que­da do Im­pé­rio Ro­ma­no do Oci­den­te, no ano 476 a.C. É nes­se tem­po que a hu­ma­ni­da­de co­nhe­ce a ex­pe­ri­ên­cia de vi­ver em gran­des co­mu­ni­da­des, com re­gras ca­da vez mais com­ple­xas para mi­ni­mi­zar os con­fli­tos e as re­la­ções pes­so­ais, quan­do sur­gem, en­tão, as ci­da­des e com elas os rei­nos, ci­da­des-Es­ta­do e Im­pé­ri­os.

O pe­río­do his­tó­ri­co de­no­mi­na­do de História An­ti­ga é di­vi­di­do em du­as par­tes: a) Ori­en­tal, que ex­pli­ca a vi­da e or­ga­ni­za­ção so­ci­al das ci­vi­li­za­ções egíp­cia, me­so­po­tâ­mi­ca, fe­ní­cia, he­brai­ca e per­sa, e b) Clás­si­ca ou Oci­den­tal, que ana­li­sa as so­ci­e­da­des gre­co-ro­ma­nas. Co­mo po­de­mos ob­ser­var, es­ta é uma vi­são eu­ro­cên­tri­ca, pois nes­ta di­vi­são tra­di­ci­o­nal des­car­tam-se as vá­ri­as ci­vi­li­za­ções afri­ca­nas, asiá­ti­cas e ame­ri­ca­nas.

1.2. História Me­di­e­val

Nes­ta par­te, va­mos con­fe­rir o pe­río­do que es­tá si­tu­a­do en­tre a Ida­de An­ti­ga e a Ida­de Mo­der­na, que se ini­ci­ou com a que­da do Im­pé­rio Ro­ma­no do Oci­den­te, fin­dan­do no ano 1453, com a to­ma­da de Cons­tan­ti­no­pla, se­de do Im­pé­rio Ro­ma­no Ori­en­tal, que fo­ra in­va­di­do pe­los tur­cos oto­ma­nos. Tais da­tas mar­cam sim­bo­li­ca­men­te a Ida­de Mé­dia, épo­ca que du­rou apro­xi­ma­da­men­te mil anos. Es­te mo­men­to his­tó­ri­co foi con­si­de­ra­do pe­los re­nas­cen­tis­tas co­mo

um pe­río­do de re­tro­ces­so e em­po­bre­ci­men­to in­te­lec­tu­al da cul­tu­ra eu­ro­peia. Pos­te­ri­or­men­te, no séc. XVIII, a Ida­de Mé­dia foi ana­li­sa­da de for­ma pe­jo­ra­ti­va por al­guns pen­sa­do­res, que a re­fe­ren­ci­a­vam co­mo uma épo­ca de ex­plo­ra­ção dos cam­po­ne­ses, en­quan­to a no­bre­za, que de­ti­nha ape­nas uma eco­no­mia ru­ral, vi­via em pri­vi­lé­gi­os. A de­sig­na­ção ado­ta­da pe­los hu­ma­nis­tas foi “Ida­de das Tre­vas”. Ho­je, po­rém, a vi­são so­bre o pe­río­do me­di­e­val é mais mo­ti­va­do­ra. Na his­to­ri­o­gra­fia atu­al se acei­ta a Ida­de Mé­dia co­mo uma era pro­du­ti­va, prin­ci­pal­men­te por su­as téc­ni­cas ino­va­do­ras para agri­cul­tu­ra e o re­nas­ci­men­to co­mer­ci­al e das ci­da­des.

Se­gun­do o his­to­ri­a­dor fran­cês Jac­ques Le Goff, a Ida­de Mé­dia é “uma épo­ca que não foi de tre­vas nem imu­ne ao pro­gres­so; ao con­trá­rio, foi uma épo­ca fér­til de in­ven­ções vi­tais e im­por­tan­tes”. Mas a in­se­gu­ran­ça pai­ra­va so­bre a so­ci­e­da­de, pois ha­via me­do da po­bre­za, da vi­o­lên­cia, das do­en­ças, e as su­pers­ti­ções fa­zi­am par­te da cul­tu­ra. Era uma épo­ca em que o co­nhe­ci­men­to es­ta­va em po­der da Igre­ja, as guer­ras eram tra­va­das em no­me de Deus, e os que ou­sa­vam con­tra­ri­ar as or­dens do cle­ro eram con­fi­na­dos, tor­tu­ra­dos e al­guns iam para a fo­guei­ra “san­ta”.

1.3. História Mo­der­na

Es­tu­da­re­mos nes­te item as prin­ci­pais idei­as do pe­río­do co­nhe­ci­do co­mo História Mo­der­na, que te­ve iní­cio com a to­ma­da de Cons­tan­ti­no­pla pe­los tur­cos oto­ma­nos, em 1453, e fin­dou com a Re­vo­lu­ção Fran­ce­sa, em 1789. Hou­ve nes­se pe­río­do uma rup­tu­ra com o pen­sa­men­to me­di­e­val, re­cu­pe­ran­do a cul­tu­ra gre­co-ro­ma­na. O ho­mem se tor­nou o cen­tro do Uni­ver­so (an­tro­po­cen­tris­mo), pois foi es­ta­be­le­ci­da uma no­va con­cep­ção de in­ter­pre­ta­ção do mun­do, que con­si­de­ra­va que a hu­ma­ni­da­de de­ve per­ma­ne­cer no cen­tro do en­ten­di­men­to. Ou­tro acon­te­ci­men­to im­por­tan­te nes­sa ida­de foi a as­cen­são bur­gue­sa.

O mer­can­ti­lis­mo foi res­pon­sá­vel pe­la con­so­li­da­ção das mo­nar­qui­as ab­so­lu­tis­tas. Já foi o Es­ta­do ab­so­lu­tis­ta tam­bém deu à bur­gue­sia sua as­cen­são, uma vez que os bur­gue­ses fo­ram se tor­nan­do ca­da vez mais ri­cos e, por­tan­to, mais in­de­pen­den­tes do Es­ta­do. So­bre o pa­pel da bur­gue­sia nes­ta era, po­de­mos ci­tar seu en­vol­vi­men­to nas prin­ci­pais trans­for­ma­ções, que de­sen­ca­de­ou a subs­ti­tui­ção do sis­te­ma feu­dal para o sis­te­ma ca­pi­ta­lis­ta. Den­tre elas es­tá o fi­nan­ci­a­men­to das gran­des na­ve­ga­ções, co­mo da re­for­ma re­li­gi­o­sa (Lu­te­ro e Cal­vi­no in­sur­gi­ram-se con­tra o pa­pa e ori­gi­na­ram a re­for­ma re­li­gi­o­sa mais pro­fun­da da história da Igre­ja Ca­tó­li­ca), apoio aos mo­nar­cas ab­so­lu­tis­tas, e pa­tro­cí­nio aos ar­tis­tas re­nas­cen­tis­tas e aos fi­ló­so­fos, que cul­mi­nou no sur­gi­men­to de um no­vo mo­vi­men­to cul­tu­ral, ao qual se deu o no­me de Ilu­mi­nis­mo, com a con­cep­ção de que a ra­zão e a ci­ên­cia pre­va­le­ce­ri­am so­bre o obs­cu­ran­tis­mo da fé e dos dog­mas.

Com a tran­si­ção de uma eco­no­mia ba­se­a­da na agri­cul­tu­ra e em pro­du­tos ar­te­sa­nais para ou­tra pre­do­mi­nan­te­men­te ur­ba­na e in­dus­tri­al sur­ge a Re­vo­lu­ção In­dus­tri­al, que oca­si­o­nou a di­vi­são da so­ci­e­da­de em du­as no­vas clas­ses: a bur­gue­sia in­dus­tri­al e o pro­le­ta­ri­a­do.

1.4. História Con­tem­po­râ­nea

Ao es­tu­dar­mos so­bre a con­tem­po­ra­nei­da­de, ana­li­sa­re­mos os fa­tos his­tó­ri­cos des­de a Re­vo­lu­ção Fran­ce­sa, ocor­ri­da em 1789, até os di­as atu­ais. Is­so mes­mo, a nos­sa era é cha­ma­da de História Con­tem­po­râ­nea. É im­por­tan­te es­tu­dar­mos es­ses con­teú­dos, pois na com­pre­en­são des­ses pro­ces­sos se­re­mos ca­pa­zes de en­ten­der a si­tu­a­ção de nos­so país e do mun­do atu­al com mais pre­ci­são.

Os fa­tos mais im­por­tan­tes des­de pe­río­do são a in­de­pen­dên­cia dos Es­ta­dos Uni­dos, a con­so­li­da­ção do ca­pi­ta­lis­mo, que se re­a­fir­mou pos­te­ri­or­men­te com o Im­pe­ri­a­lis­mo, ou se­ja, os paí­ses eu­ro­peus, na ten­ta­ti­va de man­ter e ex­pan­dir su­as áre­as econô­mi­cas, sa­em do seu con­ti­nen­te para a Ásia e Áfri­ca, bus­can­do re­giões que pu­des­sem lhes ren­der ma­té­ri­as-pri­mas, mão de obra ba­ra­ta e no­vos mer­ca­dos con­su­mi­do­res para os pro­du­tos de su­as in­dús­tri­as.

Do sé­cu­lo XX para os di­as vi­gen­tes, os fa­tos mar­can­tes fo­ram a cri­se da Bol­sa de Va­lo­res de No­va Ior­que, o pe­río­do das Gran­des Guer­ras Mun­di­ais, a Re­vo­lu­ção Rus­sa, a des­co­lo­ni­za­ção da Ásia e da Áfri­ca e a Gu­er­ra Fria. Nes­se mo­men­to his­tó­ri­co, ain­da po­de­re­mos acom­pa­nhar os pro­gres­sos so­ci­ais re­la­ci­o­na­dos às tec­no­lo­gi­as que mu­da­ram nos­sas vi­das e nos in­se­ri­ram na glo­ba­li­za­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.